Haraam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Haraam (em árabe: حرام; transl.: ḥarām , "proibido") é um termo usado no Islão para se referir a qualquer coisa que é proibida pela fé. [1] Seu antônimo é halal.

O termo religioso pode ser aplicado para determinados comportamentos, como o adultério ou o abuso e a linguagem profana. Também é usado para certos objetos, sacrilégio, determinados alimentos ou ingredientes alimentares, como o álcool ou quaisquer derivados de origem suína, e também aos alimentos, objetos e pessoas que normalmente seriam halaal mas que foram manchada de alguma forma ou de outra, por exemplo carne abatidos em uma maneira não-autorizada ou pessoas com determinadas preferências sexuais.

Haraam também se aplica à riqueza obtida através do pecado. Exemplos incluem dinheiro ganho através da trapaça, roubo, corrupção, assassinato ou qualquer outro meio que envolve danos a outro ser humano. É proibido no Islam para um verdadeiro muçulmano lucrar com tais ações haraam. Qualquer crente que se beneficie ou viva da riqueza obtida através Haraam é um pecador.

A palavra também aparece em amárico, a língua nacional da Etiópia. Conota a mesma ideia de proibição por motivos religiosos, no entanto, é utilizado pelos cristãos na Igreja Ortodoxa Etíope, incluindo a proibição de carne de porco (mas de Leis dietéticas judaicas, não islâmica).

Referências

  1. John Alden Williams. Islam. Ed. Forgotten Books, 1962 - 228 páginas, Cfr. pág 119 [1]