Hardcore (1979)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hardcore
A Rapariga na Zona Quente (PT)
Hardcore - No Submundo do Sexo (BR)
Capa do DVD
 Estados Unidos
1979 • cor • 109 min 
Direção Paul Schrader
Produção Buzz Feitshans
John Milius
Roteiro Paul Schrader
Elenco George C. Scott
Peter Boyle
Season Hubley
Dick Sargent
Leonard Gaines
Gênero Drama
Idioma Inglês
Música Jack Nitzsche
Cinematografia Michael Chapman
Edição Tom Rolf
Estúdio A-Team Productions
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Estados Unidos 9 de fevereiro de 1979
Página no IMDb (em inglês)

Hardcore (Hardcore - No Submundo do Sexo (título no Brasil) ou A Rapariga na Zona Quente (título em Portugal)) é um filme de drama estadunidense de 1979 escrito e dirigido por Paul Schrader e estrelado por George C. Scott, Peter Boyle e Season Hubley. A história diz respeito a uma busca de um pai por sua filha, que desapareceu apenas para aparecer em um filme pornográfico. O roteirista e diretor Schrader já havia escrito o roteiro de Martin Scorsese Taxi Driver, e ambos os filmes têm um tema de explorar uma subcultura invisível.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

O ator Warren Beatty desejava interpretar o papel principal, mas sob a condição de que Paul Schrader reescrevesse o roteiro de forma que, na história, o personagem estaria procurando pela irmã (e não pela filha). Como o roteirista rejeitou a proposta, o ator desistiu do projeto.[1] O ator George C. Scott e o diretor Paul Schrader não se davam muito bem, tanto que em um momento Scott recusou a aparecer no trailer e ameaçou deixar o filme. Ele só concordou após forçar Schrader a prometer que nunca mais dirigiria (obviamente, o diretor voltou atrás sobre sua promessa).[1] A atriz Marilyn Chambers foi considerada para o papel de Niki mas foi descartada pois alguns produtores acreditavam que ela não passava perfeitamente a imagem de uma estrela pornô.[1]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Hardcore recebeu críticas em sua maioria positivas, com uma classificação fresco 84% no Rotten Tomatoes.[2] Apesar de argumentar sobre os lapsos de clímax em clichês de filmes de ação, Roger Ebert, no entanto, deu ao filme uma revisão de quatro em quatro estrelas por seus "momentos de pura revelação", particularmente nas cenas entre Scott e Hubley.[3]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]