Hark! The Village Wait

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde junho de 2010).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Hark! The Village Wait
Álbum de estúdio de Steeleye Span
Lançamento 1970
Gravação 1970
Gênero(s) Folk-rock
Gravadora(s) RCA
Produção Sandy Roberton e Steeleye Span
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Steeleye Span
Último
Último
Please to See the King
(1971)
Próximo
Próximo

Hark! The Village Wait é o disco de estréia, lançado em 1970, do grupo Steeleye Span. Esse é o único disco deles a trazer a formação inicial da banda, que se separou imediatamente após o lançamento, retornando com uma formação diferente, sem nunca ter se apresentado ao vivo. Portanto, é um dos dois únicos discos de estúdio do Steeleye Span a apresentar duas cantoras, (Maddy Prior e Gay Woods); o outro é Time (1996). Um tipo de som bastante semelhante foi o que, anos depois, Prior apresentou ao juntar-se a June Tabor para formar as Silly Sisters. O som do disco consiste essencialmente em música folk com umz cozinha (baixo e bateria) de rock acrescentada a algumas canções. O banjo tem papel proeminente em várias faixas, como "The Blacksmith", "Copshawholme Fair" e "Lowlands of Holland".

O título do disco não se refere à ação de esperar, mas a um "Wait". Waits eram pequenos grupos de instrumentistas de sopro que as cidades inglesas mantinham, a expensas públicas, entre os tempos dos Tudor até o começo do século XIX. Um vilarejo (o village do título), entretanto, seria provavelmente pequeno demais para manter um grupo assim, portanto o Wait a que se alude nesse título deve ser um dos Christmas Waits (grupos de cantores que cantavam canções natalinas à noite, em suas cidades, durante o período do Natal), como mencionados nos romances de Thomas Hardy.

A banda revisitou o material deste disco diversas vezes ao longo dos anos. No seu segundo disco, Please to See the King, apresentaram uma nova versão de "The Blacksmith". Em Back in Line, trouxeram uma versão nova ao vivo de "Blackleg Miner", e uma terceira versão desta apareceu em Present--The Very Best of Steeleye Span. Em Time, repetiram "Twa Corbies". "Copshawholme Fair" foi gravada primeiro por Hart e Prior no disco "Folk Songs of Olde England Vol. 2", dois anos antes. Copshaw Holm, também conhecida como Newcastleton, é sede de um festival de música folk desde 1970. Maddy Prior morou ali perto, perto da fronteira da Cumbria, em "Stones Barn", por vários anos.

Entre as canções do disco estão a versão a capella de "A Calling-On Song" (a primeira de várias canções a capella gravadas pela banda), "Blackleg Miner", "Dark-Eyed Sailor", e "The Lowlands of Holland".

O disco foi lançado originalmente pela RCA na Inglaterra com uma capa completamente diferente.

Formação[editar | editar código-fonte]

Convidados:

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "A Calling-on Song" (Ashley Hutchings)
  2. "The Blacksmith" (Tradicional)
  3. "Fisherman's Wife" (Ewan MacColl)
  4. "Blackleg Miner" (Tradicional)
  5. "Dark-Eyed Sailor" (Tradicional)
  6. "Copshawholme Fair" (Tradicional)
  7. "All Things Are Quite Silent" (Tradicional)
  8. "The Hills Of Greenmore" (Tradicional)
  9. "My Johnny Was A Shoemaker" (Tradicional)
  10. "Lowlands of Holland" (Tradicional)
  11. "Twa Corbies" (Tradicional)
  12. "One Night As I Lay On My Bed" (Tradicional)