Harry James Potter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Harry James Potter
Harry Tiago Potter
Harry James Potter1.jpg
Dados pessoais
Sexo Masculino
Nascimento 31 de julho de 1980
Cabelo Castanho
Olhos Verdes
Família Potter
Dados biográficos
Casa Blason Gryffondor.svg Gryffindor
Organizações as
quais pertence
Armada de Dumbledore, Clube do Slugue e Capitão da equipe de Quadribol da Grifinória
Na série
Intérprete Daniel Radcliffe
Assinatura Assinatura de Harry Potter.png
Personagem da série Harry Potter

Harry James Potter ou simplesmente Harry Potter é um personagem fictícia protagonista da série homônima de livros (e das respectivas adaptações para o cinema) da autora britânica J. K. Rowling. Na tradução brasileira recebeu o nome completo de Harry Tiago Potter.

Nascido em 31 de julho de 1980, é um bruxo, filho único de Tiago Potter e Lilian Potter, é um dos mais famosos feiticeiros dos tempos modernos. Ele também foi um dos alunos mais famosos da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts de seu tempo. É conhecido no mundo bruxo por ser o único sobrevivente da Maldição da Morte, quando Lord Voldemort tentou assassiná-lo ainda bebê.

Ao fim da Primeira Guerra Bruxa Harry foi morar com seus parentes trouxas, os Dursley e viveu maltratado e incompreendido, sem qualquer fonte de conexão com os bruxos, mas, aos 11 anos, Rubeo Hagrid lhe contou que seus pais e ele eram bruxos, e ele passou a frequentar a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. A característica física mais notável de Harry é a cicatriz em forma de raio em sua testa, que lhe foi dada ao receber a maldição que deveria tê-lo matado.[1]

Daniel Radcliffe interpreta Harry Potter na versão para o cinema da série.

Harry herdou muitos traços de seus pais, como o tipo físico magro e os cabelos pretos perpetuamente despenteados de seu pai e os olhos extremamente verdes de sua mãe.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

1980 - 1981: Nascimento e Morte dos Pais[editar | editar código-fonte]

Antes do nascimento de Harry, a futura Professora de Adivinhações de Hogwarts Sibila Trelawney, em uma entrevista de emprego com o Professor Dumbledore, fez uma profecia, segundo a qual um garoto nascido no final de julho seria o único capaz de derrotar o Lorde das Trevas, Lord Voldemort. Esta foi interrompida pouco depois, pois descobriram um espião, Severo Snape, seguidor de Voldemort, escutando pela porta.[2]

Essa profecia podia referir-se tanto a Harry Potter como a Neville Longbottom, mas Voldemort achou que era Harry quem representava uma maior ameaça e decidiu destruí-lo enquanto ainda era pequeno e aparentemente inofensivo, sem ter ouvido o final da profecia e, portanto, sem saber o que havia sido profetizado por Sibila só aconteceria caso atacasse Harry. Os Potter escolheram Sirius Black, que era muito amigo de Tiago Potter e padrinho de Harry para ser o guardião do segredo do Feitiço Fidelius, ele guardaria o segredo de onde os Potter estavam escondidos. Porém, Sirius teve a ideia de usar uma espécie de blefe para confundir o Lord das Trevas, assim trocariam de guardião sem contar a mais ninguém. Então o padrinho de Harry convenceu os Potter a nomear Pedro Pettigrew, que era a última pessoa que Voldemort pensaria que assumiria o posto de guardião do segredo e assim poderiam enganá-lo. Mas, para surpresa de todos, Pedro era o traidor que vinha espionando a Ordem da Fênix para Voldemort. Deste modo, o traidor contou ao seu mestre o local que a família Potter se escondia.[3] [2]

Na noite de 31 de outubro, Lord Voldemort foi até Godric's Hollow, onde a família estava escondida. Com a maldição da morte Avada Kedavra, Voldemort matou o pai de Harry,Tiago Potter e tentou poupar a vida da mãe, Lilian Potter em troca da vida de seu filho, mas a mulher escolheu morrer pelo filho. E desse modo, Voldemort assassinou a mãe de Harry. Inesperadamente, o seu sacrifício invocou uma magia protetora antiga que nem O Lorde das Trevas tinha conhecimento. Voldemort tentou matar Harry com a maldição Avada Kedavra (maldição da morte) e esta ricocheteou na proteção que Lilian tinha criado ao morrer pelo filho, atingindo seu lançador, que perdeu todos os seus poderes e foi reduzido a um espírito pelo efeito das Horcruxes que havia criado. Sem ter a intenção, quando atacou Harry, Voldemort o transformou em mais uma Horcrux, a sétima, concedendo a ele uma suas habilidades: a ofidioglossia e criando uma conexão entre suas mentes.[4]

Harry foi levado pelo Guardião das Chaves Perdidas de Hogwarts, Rúbeo Hagrid, para Rua dos Alfeneiros, onde se encontraram com o diretor e professor Dumbledore e a Professora Minerva McGonagall. Os três deixaram Harry nos degraus do nº 4 da Rua dos Alfeneiros, onde moravam os tios de Harry, os Dursley, com uma carta que explicava o acontecido e o que deveriam cuidar dele até atingir a maioridade aos 17 anos.[1]

1981 - 1991: Infância conturbada[editar | editar código-fonte]

Durante os anos que seguiram a morte de seus pais, Harry viveu com os seus tios Válter e Petúnia Dursley além do seu primo Duda. Devido ao rancor e inveja que Petúnia sempre sentira pela irmã Lílian e ao ódio dos Dursleys por qualquer tipo de anormalidade (especialmente a Magia), fizeram com que os 10 primeiros anos da vida de Harry fossem tristes, miseráveis e humilhantes, em contraste com o seu primo que sempre fora mimado. Dormia no armário debaixo das escadas, vestia as enormes roupas velhas, tinha de lidar com a indiferença maldosa da família. Muitas vezes quando os Dursley recebiam uma visita especial, Harry era obrigado a se esconder em seu armário, pois os Dursley se envergonhavam dele. Enquanto Duda recebia todo o tipo de mimo de seus pais, Harry recebia castigos injustificáveis e desumanos, como ficar dias sem se alimentar.[5] Os Dursleys decidiram também que apagariam todos os vestígios de Magia de Harry, taxando-o de louco quando lhes contava sobre as coisas estranhas que lhe aconteciam sempre, além de mentir sobre a forma em que seus pais morreram, em um acidente de carro.[1] [5]

Quando Harry fez 11 anos, tudo mudou. Começou a receber uma série de cartas estranhas enviadas por corujas de todos os tipos, que os Dursleys tentaram a todo o custo destruir e esconder, fugindo da cidade e escondendo-se primeiro num hotel, depois numa cabana numa ilha no meio do mar. Infelizmente, para eles, Hagrid encontrou-os, e foi aí que Harry descobriu a verdade sobre os seus pais e que, tal como eles, era um Bruxo e que deveria ir para a Hogwarts. Assim Harry foi para o seu mundo, apesar de Tio Válter ter negado sua ida inúmeras vezes. Depois, Hagrid levou-o ao Beco Diagonal, onde Harry comprou tudo o que necessitava para o novo ano escolar.[1]

No dia 1 de Setembro, ele dirigiu-se para a estação de King's Cross, em Londres, onde apanhou o Expresso de Hogwarts, na Plataforma 9 e 3/4, onde conheceu seus amigos Rony e Hermione Granger.

1991 - 1997: Adolescência em Hogwarts e Voldemort[editar | editar código-fonte]

Brasão de Grifinória.

Em 1991 durante o seu primeiro ano em Hogwarts, Harry foi selecionado para a casa Grifinória juntamente com Rony e Hermione. Foi selecionado para equipe de Quadribol na posição de apanhador sendo o mais jovem a ocupar a posição em mais de 100 anos. No decorrer do ano, tornou-se evidente que Voldemort estava tentando roubar a Pedra Filosofal, que descobriu-se depois, estar guardada no corredor do terceiro andar. Harry achou que Snape servia ao Lorde das Trevas e estava tentando roubar a pedra para seu mestre, depois, Harry descobriu que Quirrell estava sendo dominado por Voldemort e tinha tais intenções. Com a ajuda de Rony e Hermione, ele conseguiu superar vários desafios e viu-se frente a frente com Voldemort, que estava muito fraco e dependia do corpo do professor Quirrell. Harry conseguiu proteger a pedra sobrevivendo ao Lord das Trevas pela segunda vez. Após a recuperação de Harry, Dumbledore explica que Voldemort procurava a Pedra Filosofal para conquistar por meio do elixir que a mesma produzia. A Pedra foi então destruida para evitar que Voldemort a possuisse.[1]

Em 1992 seu segundo ano Harry voltou para a escola, após ser resgatado da prisão domiciliar dos Dursley pelos irmãos Weasley. Após algum tempo ouvindo sons estranhos vindos dos encanamentos do castelo, Harry descobre que é ofidioglota e os sons que andava ouvindo era a voz do Basilisco controlado pela memória de Voldemort, Tom Riddle, preservada em seu diário encantado, que foi parar nas mãos de Gina Weasley pois Lúcio Malfoy colocou-o no caldeirão da garota enquanto elas estava distraida no Beco Diagonal. O diário passou a manipular Gina, que foi induzida a abrir a Câmara Secreta e a assolar o Basilisco contra os alunos. Harry foi considerado responsável pelos ataques, até descobrir o que estava acontecendo ao ler o aviso deixado por Gina a mando de Tom. O aviso, deixado nos corredores da escola, dizia que o corpo dela seria encerrado na câmara para sempre. Harry, Rony e o Professor Gilderoy Lockhart encontram a entrada da câmara (Hermione não foi pois tinha sido petrificada pelo Basilisco) e salva Gina após enfrentar o Tom Riddle do Diário (que mais tarde revelou ser uma horcrux) e o Basilisco controlado por ele.[5]

No ano de 1993 Harry cursou seu terceiro ano. Após transformar a sua tia Guida em um balão e sair as pressas de casa, Harry retorna a Hogwarts e descobre toda a verdade sobre a morte de seus Pais e a inocência de seu padrinho Sirius Black, que era o assassino mais procurado do mundo bruxo. Sirius contou-lhe a história dos pais e de como os fez colocar Pedro Pettigrew como fiel do segredo em seu lugar, e de como Pedro traiu seus pais contando a Voldemort onde eles estavam escondidos. Black, que foi preso injustamente em Azkaban após Pettigrew matar várias pessoas e simular a própria morte colocando toda a culpa nele. Sirius conseguiu fugir de Azkaban após bolar um plano contra os Dementadores. Harry também descobre que Mapa do Maroto (presente dos Gêmeos Weasley) fora criado por ninguém menos que Aluado, Rabicho, Almofadinhas e Pontas - que eram nada menos que seu Pai e amigos na adolescência.[3]

Em 1994 Harry estava no quarto ano, onde é escolhido para enfrentar os desafios do Torneio Tribruxo, no qual foi inscrito secretamente e sem seu consentimento por Bartô Crouch Jr. um seguidor de Voldemort disfarçado pela Poção Polissuco no corpo de Alastor Moody. Depois de vários acontecimentos, Harry vai fazer a última prova do torneio junto com Vitor Krum, Fleur Delacour e Cedrico Digory, após pegar a taça (que havia sido transformada em chave de portal por Crouch) que garantiria a vitória, Harry é transportado para um cemitério junto com Cedrico que logo ao chegar é morto por Voldemort. Harry presencia o retorno de Voldemort e o enfrenta, sobrevivendo outra vez após ser salvo pelas almas de seus pais que saem da varinha de Voldemort pelo feitiço Priori Incantatem ([Incantatem]). Harry conta o que viu ao mundo bruxo, mas um dos poucos que acreditam nele é o Professor Dumbledore. Juntos são taxados de mentirosos pelo mundo bruxo.[6]

Em 1995 ao cursar seu quinto ano Harry foi um dos mais agitados e perigosos. Junto com seus amigos ele fundou a Armada de Dumbledore para ensinar aos alunos Defesa contra as Artes das Trevas e para enfrentar o regime tirano imposto em Hogwarts por Dolores Umbridge. Harry também é perseguido por visões de Voldemort, que fazem parte da ligação criada entre os dois após o sacrifício da mãe de Harry. Alguns membros Armada de Dumbledore decidem acompanhar Harry ao Ministério da Magia após o mesmo ter uma visão em que via seu padrinho Sirus sendo torturado pelos Comensais da Morte. Lá eles travam uma grande luta junto com a Ordem da Fênix contra os comensais. Na luta, Sirius é morto por Belatriz Lestrange. Harry encontra-se mais uma vez cara a cara com Voldemort, que tenta possuir sua mente. Dumbledore chega a tempo de salvá-lo e diz a ele que o que contava não eram as semelhanças entre Harry e Voldemort, e sim as diferenças. Harry lembra de seus amigos e de sua família, então diz a Voldemort que não tem medo dele, e sim pena, já que ele nunca conhecerá o amor de verdade. O 1º ministro Cornélio Fudge, Umbridge e vários repórteres chegaram a tempo de ver Voldemort fugindo, não tendo mais como negar retorno do Lorde, o ministério divulga o fato. Harry e Dumbledore são isentos da fama de mentirosos e o mundo bruxo entra em pânico.[7]

Em 1996, em seu sexto e último ano em Hogwarts, Harry passa muito tempo tentando descobrir os planos de Voldemort, e isso inclui vigiar Draco Malfoy (que Harry acredita ter se tornado Comensal da Morte). Harry também se percebe apaixonado por Gina Weasley que o corresponde. Harry começa a receber aulas de Dumbledore que lhe conta sobre o passado de Voldemort desde quando este descobriu ser bruxo até quando pediu emprego a Dumbledore, além dos motivos que o levaram a criar as Horcruxes. Harry fica surpreso e muito triste quando Severo Snape mata Dumbledore na sua frente. Antes de sua morte, Dumbledore procura junto com Harry o Medalhão de Salazar Slyterin que se mostra por fim, falso.[2]

Em 1997 Harry pára de frequentar Hogwarts para sair em busca das horcruxes junto com Rony e Hermione, na tentativa de salvar o mundo de Voldemort. Eles conseguem encontrar e destruir as Horcruxes que faltavam com a ajuda de seus amigos e aliados. Descobre mais sobre a vida de Dumbledore e sobre as Relíquias da Morte, objetos que poucos sabiam que existiam. Harry sobrevive a mais uma maldição da morte lançada por Voldemort e por fim o derrota.[4]

2017: Idade Adulta[editar | editar código-fonte]

As poucas informações sobre a idade adulta de Harry Potter são da data de 2017: Ele casa-se com Gina Weasley e vira o chefe do departamento dos aurores. Harry tem 3 filhos com Gina: Tiago Sirius, Lilian Luna e Alvo Severo. Pelo epílogo do sétimo e último livro da série, Harry Potter e As Relíquias da Morte, fica subentendido que o herói e sua família têm um final feliz e uma vida tranquila. Rony Weasley e Hermione Granger casam-se e tem 2 filhos, Rosa Weasley e Hugo Weasley. Além de continuarem sendo melhores amigos de Harry. Draco Malfoy não era seu amigo, muito menos seu inimigo, ele se casou e teve um filho, o pequeno Scorpius Malfoy [4] .

Árvore genealógica de Harry Potter[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b c d e f J.K. Rowling. Harry Potter and the Philosopher's Stone (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 1997. 263 pp. ISBN 85-325-1101-5
  2. a b c J.K. Rowling. Harry Potter and the Half-Blood Prince (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 2005. 607 pp. ISBN 85-325-1947-4
  3. a b J.K. Rowling. Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 2000. 352 pp. ISBN 85-325-1206-2
  4. a b c J.K. Rowling. Harry Potter and the Deathly Hallows (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 2008. 608 pp. ISBN 978-85-325-2261-0
  5. a b c J.K. Rowling. Harry Potter and the Chamber of Secrets (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 1998. 327 pp. ISBN 972-23-2569-8
  6. J.K. Rowling. Harry Potter and the Goblet of Fire (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 2000. 636 pp. ISBN 85-325-1252-6
  7. J.K. Rowling. Harry Potter and the Order of the Phoenix (em inglês). Reino UnidoBloomsburry, 2003. 766 pp. ISBN 85-325-1622-X


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]