Harry Potter and the Deathly Hallows

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Harry Potter and the Deathly Hallows
Harry Potter e os Talismãs da Morte (PT)
Harry Potter e as Relíquias da Morte (BR)
Primeira capa HP7.jpg
Primeira capa do livro
Autor (es) J. K. Rowling
Idioma Inglês
País Reino Unido Reino Unido
Género Fantasia e Ficção
Série Harry Potter
Linha de tempo da história 1997-2017
Ilustrador Jason Cockcroft
Editora Bloomsbury
Lançamento 21 de julho de 2007
Páginas 607
Edição portuguesa
Tradução Alice Rocha,
Manuela Madureira,
Maria Georgina Segurado
e Maria do Carmo Figueira
Editora Presença
Lançamento 16 de novembro de 2007
Páginas 608
ISBN 978-972-23-3835-6
Edição brasileira
Tradução Lia Wyler
Editora Rocco
Lançamento 8 de novembro de 2007
Páginas 590
ISBN 978-85-325-2261-0
Cronologia
Último
Último
Harry Potter e o Enigma do Príncipe/Príncipe Misterioso
Os contos de Beedle, o Bardo
Próximo
Próximo

The Deathly Hallows, publicado no Brasil sob o título Harry Potter e as Relíquias da Morte e em Portugal como Harry Potter e os Talismãs da Morte, é o sétimo e último livro da série Harry Potter da escritora britânica J. K. Rowling.

Apresenta as aventuras finais do bruxo adolescente Harry Potter, agora com 17 anos, e as suas tentativas de destruir o terrível bruxo das Trevas Lord Voldemort. A escritora revelou que, mais do que qualquer outro livro na série, o último volume é a continuação das histórias não finalizadas no sexto livro.

Foi lançado mundialmente em língua inglesa no dia 21 de Julho de 2007 à meia-noite e corresponde à data em que Harry Potter e a Pedra Filosofal, o primeiro livro da série, completa dez anos de publicação. O lançamento da versão oficial traduzida para português do Brasil foi lançado no dia 8 de novembro de 2007, e a 16 de Novembro de 2007 para português de Portugal.

Deathly Hallows quebrou um novo recorde de vendas, se tornando o livro mais rapidamente vendido, com a venda de mais de onze milhões cópias nas primeiras vinte e quatro horas após o lançamento. O recorde anterior era de nove milhões em um único dia, ostentado pelo seu predecessor Harry Potter e o Enigma do Príncipe/Príncipe Misterioso.[1]

Histórico da série[editar | editar código-fonte]

Livraria Barnes & Noble minutos antes do lançamento de Harry Potter and the Deathly Hallows.

A série de livros foi originalmente publicada pela editora britânica Bloomsbury e pela editora norte-americana Scholastic. Rapidamente tornou-se um sucesso fenomenal entre crianças e adultos. Cada livro conta um ano da vida e preocupações dos personagens, mantendo uma longa tradição de séries para adultos sobre a vida nas escolas. Talvez, diferentemente de algumas das tradicionais coletâneas desse formato, cada livro amadureceu e a complexidade foi sendo aumentada cada vez mais em relação ao livro anterior, desenvolvendo-se juntamente com a idade dos principais personagens. Apesar de ser divulgado que a autora traçou detalhadamente toda a série antes que o primeiro livro fosse publicado e que esse traçado não foi mudado, ela também disse que realizou várias revisões enquanto a história progredia. Isso pode ter, em parte, gerado o extraordinário sucesso do livro e uma necessidade de direcionar seu conteúdo para o mercado adulto. Os livros começaram com volumes relativamente finos, de 250 páginas, mas aumentaram chegando a 702 páginas (Harry Potter e a Ordem da Fênix), enquanto a série prosseguia.

Não há universidade para bruxos depois de Hogwarts e, segundo a própria autora, nenhum livro além do sétimo narrando a trajetória de Harry. Quando questionada se escreveria outros livros sobre o tema, com a possibilidade de narrar a história de outros personagens ou similares aos Quadribol Através dos Séculos e Animais Fantásticos e Onde Habitam, Rowling disse que já pensou no assunto e que eles seriam igualmente escritos para a caridade.

Os enredos dos livros, ricos em magia e fantasia, são abordados em um estilo de romance policial. Cada volume contém um enigma completo que corresponde a uma tarefa que os heróis têm de resolver. Nos bastidores da ação, porém, existe sempre informação sobre o mundo da feitiçaria em geral, cuja importância só percebemos em volumes posteriores. Por esta razão, um número considerável de admiradores da série dedica-se a tentar descobrir como é que os numerosos pedaços de informação e aparentes "becos sem saída" contidos nos livros se conjugam para o grande final. A autora já fez saber que, mais do que em qualquer outro livro da série, o volume final é uma continuação da história inacabada do sexto volume.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

No verão de 1997, confirmado anteriormente por Dumbledore, o encantamento de proteção que a morte de Lílian Potter proporcionou ao seu filho, iria ser quebrado assim que Harry completasse 17 anos (maioridade no mundo dos Bruxos) e saísse da casa de seus tios trouxas (Válter Dursley e Petúnia Evans). Para que Harry viajasse em segurança até a "A Toca" (casa dos Weasley) - que se encontrava protegida por encantamentos protetores complexos lançados pelo Ministério da Magia - Potter é escoltado pela Ordem da Fênix. Porém, mais alguém sabia da fuga. Snape informara Lorde Voldemort da viagem. Ora, tanto Harry como a Ordem da Fênix foram perseguidos pelos Comensais da Morte e por Voldemort. Ocorre uma autêntica batalha no ar que levou à morte, a coruja de Harry, Edwiges e do Auror, Olho-Tonto Moody. Durante a batalha, a varinha de Harry reage sozinha contra a varinha de Voldemort, lançando um feitiço dourado, e Harry, esperando pela morte, fica impressionado, e consegue escapar mais uma vez. Voldemort fica furioso, e vai atrás de uma explicação.

Entretanto, n'A Toca, vive-se um período bastante atarefado com os preparativos para o casamento de Gui Weasley e de Fleur Delacour. Harry encontra de novo Rony e Hermione.

Ainda antes do casamento, é preparada para Harry uma festa de aniversário pela Sra. Weasley. Durante o jantar de aniversário, surge a notícia de que o Ministro da Magia, Rufus Scrimgeour viria "A Toca". O Ministro visita-os para lhes revelar o testamento de Dumbledore (morto por Severus Snape), sendo este testamento apenas destinado/lido a Harry, Rony e Hermione. Dumbledore havia deixado um objeto a cada um deles: para Rony Weasley, o seu antigo Apagador (o Desiluminador),na esperança que ele se lembrasse do antigo diretor ao usá-lo, que absorvia toda a luz presente num espaço, inventado pelo próprio Dumbledore; para Hermione Granger deixara um livro de histórias infantis de "Os Contos de Beedle, o Bardo", na esperança que esta o achasse divertido e instrutivo; para Harry Potter, o pomo de ouro que tinha sido capturado no seu primeiro Jogo de Quadribol em Hogwarts, para lembrar-lhe as recompensas da perseverança e da competência, com a gravação de uma mensagem e ainda a espada feita por duendes de Godric Gryffindor, fundador da casa Grifinória. Porém, a espada não é entregue a Harry, porque a espada era uma importante peça histórica que pertencia à Hogwarts e não, à Dumbledore.

Harry conversou com a Tia de Rony, Muriel, e um velho amigo de infância de Dumbledore, Elifas Dodge, que lhe revela fatos sobre a infância de Dumbledore. Vitor Krum se envolve em uma briga com Xenofílo Lovegood, e enquanto decorria na perfeição o casamento de Gui e Fleur, o Patrono de Kingsley Shacklebolt, uma lince, aparece dando a mensagem: "O Ministério caiu. Scrimgeour está morto. Eles estão chegando."

Os comensais da morte chegam e atacam os convidados. Harry, Rony e Hermione escapam para Londres, graças a Hermione que abre um portal, onde se vêem obrigados a enfrentar dois Comensais da Morte, Dolohov e Thor Rowle, indo em seguida refugiar-se na casa dos Black (que, por testamento de Sirius, pertence a Harry). Chegando lá, descobrem que o irmão de Sirius, Regulo Black, é na verdade o "R.A.B." (nome completo: Régulo Arturo Black) que havia roubado o Medalhão de Slytherin, uma das sete Horcruxes de Voldemort, dando-o a Monstro, seu elfo doméstico, para que o destruísse. Já bastante contente com a presença dos três na Casa dos Black, Monstro revela que não conseguiu destruir a jóia, e esta acabou por ser roubada por Mundungo Fletcher. Lupin visita Harry e diz que quer ir com eles na missão, mas ele acaba por ser "expulso" do Largo Grimmauld por Harry. Então o trio acabam por descobrir Mundungo, que lhes revela que deu o medalhão (por chantagem) a uma alta oficial do Ministério - Dolores Umbridge. Após essa revelação eles invadem o Ministério, usando uma poção que muda a sua aparência física, apanham o medalhão e são seguidos por um Comensal da Morte, Yaxley. Após a fuga, eles acabam sendo obrigados á irem se esconderem em montanhas e florestas, onde Rony estruncha. Não sendo possível retornar a casa dos Black, passam a viver em tendas, mudando-se constantemente de lugar para que não fossem capturados.

Depois de alguns meses mudando de um lugar pra outro, o trio escuta uma conversa que revela que o Ministério guardava a espada de Gryffindor no cofre de Bellatrix Lestrange no banco de Gringotes. Entretanto, o Ministério não sabe que a espada é falsa; o paradeiro da verdadeira é desconhecido. Quando Harry descobre que Dumbledore eliminou um Horcrux com a espada real, por esta estar embebida em veneno de basilisco (como vemos em Harry Potter e a Câmara Secreta), os três decidem buscá-la para destruir as outras Horcruxes. Rony possuido pelo medalhão aborrece-se pois se sente ignorado por Harry e Hermione, que durante os dias sempre ficavam próximos, causando ciumes em Rony. Então abandona-os indo para casa do seu irmão Gui. A dupla fica ressentida com a partida de Rony, o que faz Hermione chorar diversas vezes. Harry e Hermione vão à aldeia de Godric's Hollow, pois ele descobre que Dumbledore morou algum tempo em Godric's Hollow também, acreditando que o mesmo esconderia a espada ali junto da antiga historiadora da magia Batilda Bagshot.

Depois de visitarem o túmulo dos pais de Harry e da mãe, Kendra, e irmã , Ariana, de Dumbledore e indo visitar a antiga casa de Harry, encontram Batilda Bagshot. Contudo ao seguirem Batilda à sua casa, caem numa emboscada montada por Voldemort e a sua serpente Nagini que se revela no corpo da mulher. Durante a sua fuga, Hermione quebra acidentalmente a varinha de Harry com o ricochete do Feitiço Detonador que a própria lançou quando estava tentando salvar ambos da cobra de Voldemort. Após isso, uma noite um Patrono com forma de corça aparece próximo do campo e conduz Harry até a verdadeira espada de Godric Gryffindor que estava dentro de um poço congelado. Assim que Harry tenta retirá-la do poço congelado, o medalhão aperta o seu pescoço, quase o estrangulando (supõe-se que o medalhão sentiu a presença de algo que poderia derrotá-lo) - com Harry sendo salvo pela intervenção de Rony. Cansado, Harry pede a Rony que destrua a Horcrux, pois esta o afetava mais que os outros, que apesar de tentar confundir Rony com ilusões sobre sua mãe amar mais Gina e Hermione amar Harry, a horcrux é apunhalada pela espada. Rony alerta aos outros que o nome de Voldemort é proibido agora, como se fosse um tabu: qualquer um que o proferir terá a sua localização revelada e os feitiços que os protegem, anulados.

Eles vão até a casa de Xenofílio Lovegood, pai de Luna Lovegood, para saber mais sobre o símbolo de Grindelwald (pois Harry havia visto Xenofílio com o simbolo de Grindewald no dia do casamento de Gui com Fleur, Hermione o havia visto no livro Os Contos de Beedle, o Bardo e no túmulo de Ignoto Peverell, o irmão mais novo e inventor da terceira relíquia, em Godric's Hollow). Ele explica que o símbolo na verdade é uma marca que identifica aqueles que procuram as "Relíquias da Morte", três objetos lendários que controlavam a morte: a "Varinha das Varinhas", a Pedra da Ressurreição e a capa da Invisibilidade. Harry está convencido de que a sua capa da Invisibilidade é uma das Relíquias. Xenofílio denuncia-os ao Ministério, na esperança de que devolvam a sua filha sequestrada pelos Comensais da Morte, Luna Lovegood, mas no entanto eles escapam.

Algum tempo depois, os Comensais capturam os três depois que Harry menciona o nome de Voldemort na barraca, o qual ativa um feitiço rastreador. Para que Harry não seja descoberto, Hermione tenta desfigurar a cara de Harry com um feitiço, porém este mostra-se inútil. Eles são feitos prisioneiros na Mansão dos Malfoy, o novo quartel-general dos Comensais, encontrando por lá o senhor Olivaras, famoso por vender varinhas, e Luna Lovegood. Ao encontrar a espada entre os pertences do grupo, Belatriz Lestrange teme que eles tenham entrado no seu cofre em Gringotes. Hermione é torturada brutalmente por Belatriz pela Maldição Cruciatus, onde deixa uma marca em seu braço escrito "sangue ruim", pois esta quer descobrir como acharam a espada. Dobby chega, sendo ordenado por Harry a libertar os prisioneiros, porém Pedro Pettigrew descobre-os. Como Harry salvara a vida de Pettigrew (em Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban), este retribui a dívida recusando-se a atacar Harry, mas a mão mágica de Pedro o estrangula pela traição a Voldemort. Na fuga, Harry captura as varinhas de Draco Malfoy e Belatriz,e essa mata Dobby com uma faca de prata durante o processo de aparatação. Eles aparatam no Chalé das Conchas (Casa de Gui e Fleur). Voldemort consegue a varinha das varinhas. Após passarem vários dias na casa de Gui e Fleur e retirarem informações valiosas sobre a Varinha das Varinhas com Olivaras, o trio invade Gringotes, com a ajuda do duende Griphook (Grampo). Com muita dificuldade eles pegam uma Horcrux guardada lá (a Taça de Hufflepuff) e escapam montando o dragão que guardava o cofre de Belatriz, mas perdem a espada, que era paga pelos serviços de Griphook.Assim eles vivem num esquema de "derrotar e roubar a varinha"

Após isso, Voldemort percebe que as Horcruxes estão sendo destruídas, e a conexão mental entre Harry e Lorde Voldemort revela que uma delas está escondida em Hogwarts. O trio decide seguir para a escola, e chegando em Hogsmeade, através da Aparatação, ativam o feitiço Miadura (após uma certa hora ninguém poderia sair de suas casas). Os Comensais da Morte, que estavam hospedados em Hogsmeade, foram avisados por Voldemort que a qualquer momento Harry Potter apareceria para poder tentar entrar em Hogwarts. Tentando protegê-los,Aberforth Dumbledore, os abriga no seu bar e, este revela-lhes uma passagem secreta para o castelo. Lá dentro, a Armada de Dumbledore recebe-os na Sala Precisa - e a revelação de que Harry está no castelo faz os Comensais prepararem um ataque. A Armada de Dumbledore prepara-se para a luta, e a Ordem da Fénix também chega para o combate.

Segue-se uma batalha, na qual Fred Weasley, Remo Lupin, Colin Creevey, Ninfadora Tonks e mais alguns não nomeados, morrem. No meio-tempo, Rony e Hermione pegam nos dentes do basilisco da Câmara Secreta para destruir a taça, e após Harry descobrir com Luna que o diadema de Ravenclaw pode ser um Horcrux, Luna leva Harry até sua Sala Comunal para ver o Diadema na estátua de Rowena, e lá descobrem, através da estátua que guarda a Sala Comunal que o Diadema podia estar ´´no lugar para onde todas as coisas perdidas vão``, Harry conduz os seus amigos à Sala Precisa, onde acham o diadema, mas são descobertos por Draco, Vincente Crabbe e Gregorio Goyle. Os seis lutam, e Crabbe perde o controle de um Fogo Maldito e incendeia tão fortemente que o mata e destrói o diadema.

Vendo a mente de Voldemort, Harry descobre que o inimigo está na Casa dos Gritos. Quando Harry, Hermione e Rony chegam lá, vêem Voldemort matar Severus Snape. Harry pega as lembranças de Snape e coloca na Penseira. As descobertas incluem que o bruxo, na realidade, nunca traiu Dumbledore: era um espião dele; que Snape foi apaixonado por Lílian desde criança, e ao saber que seria morta, pediu a Voldemort que a poupasse, e ao não ser atendido, jurou a Dumbledore ajudá-lo a proteger Harry durante toda a sua vida; que a morte do diretor foi combinada com Snape, pois ele descobrira que teria pouco tempo de vida de qualquer forma após destruir uma Horcrux; e que a tentativa falhada de matar Harry acabou por fazer um fragmento da alma do Lorde das Trevas se alojar no corpo do menino.

Tendo descoberto que ele próprio é uma Horcrux, Harry decide ser morto pelas mãos de Voldemort. Porém, antes de se entregar a Voldemort, descobre que o pomo de ouro guardava a Pedra da Ressureição. Harry apresenta-se diante Voldemort e é morto pelo mesmo sem nem sequer puxar a varinha para se defender . Harry fica entre a vida e a morte e vê Dumbledore, ao dialogar com ele, descobre que não só a horcrux no seu corpo fora destruída, mas que Voldemort não pode matá-lo por ter usado o sangue de Harry para reconstruir o seu corpo.

Após ressuscitar, Voldemort manda Narcisa Malfoy conferir se Harry está morto. Desesperada para entrar no castelo e saber se seu filho Draco sobrevivera, Narcisa (que percebe que Potter não morreu) dá ao Lorde das Trevas a falsa notícia de que Harry morrera. Harry é levado por Hagrid de volta ao castelo fingindo-se de morto. Próximo da porta do castelo, vê Neville Longbottom, destruir a última Horcrux ao decapitar Nagini. Belatriz Lestrange tenta matar Gina e é morta por Molly Weasley. Harry revela-se a Voldemort, sabendo que é o legítimo dono da Varinha das Varinhas - Draco Malfoy seria o proprietário após desarmar Dumbledore, e Harry ganha o direito após roubar a varinha de Malfoy na mansão - e assim esta não funcionaria nele. Voldemort conjura Avada Kedavra, mas a Varinha recusa-se a matar o seu mestre e o feitiço rebate em Voldemort, que cai morto. Harry usa a Varinha para consertar a sua própria, e devolve-a ao túmulo de Dumbledore.

[editar | editar código-fonte]

Segue-se um epílogo de 19 anos depois no ano de 2017, em que Harry casou-se com Gina e teve três filhos: Tiago Sirius, Lílian Luna e Alvo Severo (na versão original James Sirius, Lily Luna e Albus Severus, respectivamente) sendo que Alvo Severo é em homenagem aos dois homens de quem nunca se esquecerá, Snape e Dumbledore. Já Rony casa-se com Hermione e tem dois filhos, Hugo e Rosa. O afilhado de Harry, Teddy Lupin, namorado de Victoire, filha de Gui e Fleur, visita a família constantemente, e Neville tornou-se professor de Herbologia em Hogwarts(mais tarde, diretor). No capítulo final, Harry leva os filhos a King's Cross, onde encontram Draco Malfoy e o seu filho Escórpio, e o pequeno Alvo irá apanhar o Expresso de Hogwarts pela primeira vez. O livro finaliza com a frase "a cicatriz não incomodara Harry nos últimos 19 anos. Tudo estava bem". Pode-se obter mais informações sobre o que ocorreu com outros personagens no site da autora do livro.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Epígrafe[editar | editar código-fonte]

Dos sete livros da saga de Harry Potter, "Harry Potter e as Relíquias da Morte" é o único a incluir uma epígrafe. Ela contém duas citações relacionadas com a morte e a amizade. A primeira citação é de Orestíada (título em Portugal: Os Portadores da Libação), do século V a.C., uma peça da Grécia Antiga escrita por Ésquilo. A segunda citação é de More Fruits of Solitude (1682) de William Penn, o autor Quaker e fundador estado americano da Pensilvânia.[2]

Dedicatória (Estilizada)[editar | editar código-fonte]

         THE
            DEDICATION
              OF THIS BOOK
           IS SPLIT
        SEVEN WAYS:
      TO NEIL,
        TO JESSICA,
          TO DAVID,
           TO KENZIE,
                 TO DI,
            TO ANNE,
         AND TO YOU,
       IF YOU HAVE
          STUCK
           WITH HARRY
                UNTIL THE 
              VERY
            END.

Em português: "Este livro é dedicado a sete pessoas: a Neil, a Jessica, a David, a Kenzie, a Di, a Anne, e a você, que acompanhou Harry até ao fim." Nota: A forma que foi escrita a dedicatória remete ao raio, cicatriz de Harry Potter.

Capítulos[editar | editar código-fonte]

Em Portugal - Editorial Presença No Brasil - Editora Rocco No Reino Unido - Bloomsbury Publishing
A Ascensão do Senhor das Trevas A Ascensão do Lorde das Trevas The Dark Lord Ascending
Em Memória de Dumbledore In Memoriam In Memoriam
A Partida dos Dursley A Partida dos Dursley The Dursleys Departing
Os Sete Potters Os Sete Potters The Seven Potters
A Queda do Guerreiro O Guerreiro Caído Fallen Warrior
O Vampiro de Pijama O Vampiro de Pijama The Ghoul in Pajamas
O Testamento de Albus Dumbledore O Testamento de Dumbledore The Will of Albus Dumbledore
O Casamento O Casamento The Wedding
Um Esconderijo Um Esconderijo A Place to Hide
A História de Kreacher A História de Monstro Kreacher's Tale
O Suborno O Suborno The Bribe
Magia é Poder Magia é Poder Magic is Might
A Comissão de Registo de Feiticeiros de Origem Muggle A Comissão de Registro dos Nascidos Trouxas The Muggle-Born Registration Comission
O Ladrão O Ladrão The Thief
A Vingança do Goblin A Vingança do Duende The Goblin's Revenge
Godric's Hollow Godric's Hollow Godric's Hollow
O Segredo de Bathilda O Segredo de Batilda Bathilda's Secret
A Vida e as Mentiras de Albus Dumbledore A Vida e as Mentiras de Alvo Dumbledore The Life and Lies of Albus Dumbledore
A Corça Prateada A Corça Prateada The Silver Doe
Xenophilius Lovegood Xenofílio Lovegood Xenophilius Lovegood
O Conto dos Três Irmãos O Conto dos Três Irmãos The Tale of the Three Brothers
Os Talismãs da Morte As Relíquias da Morte The Deathly Hallows
A Mansão dos Malfoy A Mansão dos Malfoy Malfoy Manor
O Fabricante de Varinhas O Fabricante de Varinhas The Wandmaker
A Casa das Conchas O Chalé das Conchas Shell Cottage
Gringotts Gringotes Gringotts
O Esconderijo Final O Esconderijo Definitivo The Final Hiding Place
O Espelho Desaparecido O Espelho Desaparecido The Missing Mirror
O Diadema Perdido O Diadema Perdido The Lost Diadem
A Fuga de Severus Snape A Demissão de Severo Snape The Sacking of Severus Snape
A Batalha de Hogwarts A Batalha de Hogwarts The Battle of Hogwarts
A Varinha de Sabugueiro A Varinha das Varinhas The Elder Wand
A História do Príncipe A História do Príncipe The Prince's Tale
Outra Vez a Floresta De Volta à Floresta The Forest Again
King's Cross King's Cross King's Cross
A Falha no Plano A Falha no Plano The Flaw in the Plan

As Relíquias da Morte / Os Talismãs da Morte[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
O símbolo das Relíquias da Morte.

São três objectos que, segundo a História dos Três Irmãos contada no livro Os Contos de Beedle, o Bardo, foram dados pela Morte como recompensa a três irmãos que conseguiram, através da magia, construir uma ponte para atravessar o rio, no qual ninguém jamais sobrevivera. Os três objetos eram a Varinha de Sabugueiro, a Pedra da Ressurreição e o Manto da Invisibilidade, representados num símbolo (ao lado) por uma reta vertical, um círculo e um triângulo, respectivamente. Porém, no final do livro o próprio Dumbledore admite que o conto não passava de uma lenda. Para ele, os irmãos nunca encontraram "A Morte" e os seus talismãs. Eles eram apenas feiticeiros talentosos que conseguiram produzir objectos tão poderosos.

O Conto dos Três Irmãos[editar | editar código-fonte]

"Era uma vez três irmãos que viajavam numa estrada deserta e tortuosa ao anoitecer. Depois de algum tempo, os irmãos chegaram a um rio fundo demais para passar a pé e perigoso demais para atravessar a nado. Os irmãos, prodígiosos na magia, simplesmente agitaram as suas varinhas e fizeram aparecer uma ponte sobre as águas traiçoeiras. Iam a meio da ponte quando viram o caminho bloqueado por um vulto encapuçado. Era a Morte.

E a Morte disse-lhes que estava zangada por ter sido enganada, porque o normal era os viajantes morrerem afogados no rio. Mas a Morte era astuta. Fingiu alegrar os três irmãos pela sua magia, e disse que cada um ganharia um prémio por ter sido inteligente o bastante para lhe escapar.

Então, o irmão mais velho, que era um homem corajoso, pediu uma varinha mais poderosa de todas as que existissem: uma varinha que vencesse sempre todos os duelos, uma varinha digna de um feiticeiro que derrotara a Morte! Então, a Morte atravessou a ponte, dirigiu-se a um velho sabugueiro na margem do rio, esculpiu uma varinha de um galho da árvore e entregou-a ao irmão mais velho.

Depois, o segundo irmão, que era um homem arrogante, resolveu humilhar ainda mais a Morte e pediu o poder de restituir a vida aos que ela levara. Então a Morte apanhou uma pedra da margem do rio e entregou-a ao segundo irmão, dizendo-lhe que a pedra tinha o poder de ressuscitar os mortos.

Depois, a Morte perguntou ao terceiro e mais novo dos irmãos, o que queria. O irmão mais novo era o mais humilde e também o mais sensível dos irmãos, e não confiava na Morte. Pediu, então, algo que o permitisse sair daquele lugar sem ser seguido pela Morte. E a Morte, de má vontade, entregou-lhe o seu próprio Manto da Invisibilidade.

Depois a Morte afastou-se para um lado e deixou os três irmãos continuarem o seu caminho e foi o que eles fizeram, ao pensarem, com espanto, a aventura que tinham vivido e ao admirar os presentes da Morte.

Num determinado momento, os irmãos separaram-se, seguindo cada um o seu destino. O primeiro irmão viajou uma semana ou mais e, ao chegar a uma vila distante, procurou outro feiticeiro com quem tinha uma enorme rivalidade. Armado com a Varinha de Sabugueiro como arma, ele não poderia deixar de vencer o duelo que se seguiu. Ao deixar o inimigo morto estendido no chão, o irmão mais velho dirigiu-se a uma estalagem, gabou-se, em alto e bom som, a poderosa varinha que arrancara à própria Morte, e que o tornava invencível.Na mesma noite, outro feiticeiro aproximou-se silenciosamente do irmão mais velho enquanto dormia na sua cama, embriagado pelo vinho. O ladrão levou a varinha e, com cautela, cortou o pescoço ao irmão mais velho. Assim a Morte levou o irmão mais velho.

Entretanto, o segundo irmão viajou para a sua casa, onde vivia sozinho. Aí, ficou com a pedra que tinha o poder de ressuscitar os mortos e girou-a três vezes na mão. Para seu espanto e satisfação, a figura da rapariga em que tivera esperança de desposar, antes da sua morte precoce, surgiu instantaneamente diante dele. Contudo, ela estava triste e fria, separada dele como que por um véu. Embora tivesse regressado ao mundo dos mortais, o seu lugar não era ali, e ela sofria. Por fim, o segundo irmão, enlouquecido pela saudade, suicidou-se para poder verdadeiramente unir-se a ela. E assim a Morte levou o segundo irmão.

Embora a Morte procurasse o terceiro irmão durante muitos anos, jamais conseguiu encontrá-lo. Somente quando atingiu uma idade avançada é que o irmão mais novo tirou, finalmente, o Manto da Invisibilidade e deu-o ao seu filho. E então acolheu a Morte como uma velha amiga e acompanhou-a de bom prazer, e como amigos, partiram desta vida."

A "Varinha" das Varinhas[editar | editar código-fonte]

Chamada por vários nomes: Varinha de Sabugueiro, Varinha das Varinhas, Varinha do Destino, Varinha da Morte, Varinha anciã ou Varinha Mestra, sua história é a seguinte.

Foi dada pela Morte a pedido do irmão mais velho, guerreiro, que queria uma varinha com que vencesse a todos os duelos e honrasse um feiticeiro que havia derrotado a morte. Feita da madeira de um galho de sabugueiro encontrado nas encostas do rio. Na mesma noite, ao dormir embriagado, a Varinha de Sabugueiro foi roubada e o ladrão cortou o seu pescoço. Assim a Morte levou para si o irmão mais velho. Segundo J.K. Rowling, a varinha é feita de um pêlo da cauda de um Thestral, uma poderosa substância, que só pode ser usada por aquele que consegue enfrentar a Morte. E é por isso que acontece tal injustiça nas últimas cenas do livro que Voldemort morre ao tentar matar Harry só que a varinha recusa-se a matar o seu mestre voltando o feitiço. Draco Malfoy já era o dono da varinha quando ele desarma Dumbledore na torre de astronomia mas, Harry roubou a varinha na mansão dos Malfoy portanto ele ficou o dono. Esta varinha só pode ser passada de morte em morte (ou de desarme em desarme), por isso ela recusa-se a matar Harry porque Voldemort não desarmou Alvo Dumbledore, o antigo dono da varinha. Na versão do livro, Harry devolve a varinha ao túmulo de Dumbledore, mas na versão do filme, Harry a quebra e joga os pedaços da ponte.

A Pedra da Ressurreição[editar | editar código-fonte]

Foi dada pela Morte ao segundo irmão que, descrito como arrogante, resolveu humilhá-la ao trazer as pessoas de volta à vida. Também na mesma noite, ao ir para sua casa onde morava sozinho, o segundo irmão virou a pedra três vezes na mão e desejou que trouxesse a vida a mulher com quem sonhou casar-se, antes de sua morte prematura. A mulher apareceu à sua frente, porém fria e triste e, embora estivesse no mundo dos mortos, não lhe pertencia e sofria. O segundo irmão finalmente suicidou-se, levado a loucura, para juntar-se finalmente à mulher que amava no mundo dos mortos. Assim a Morte levou-o. No último livro, é descoberto que Dumbledore a possuia, antes de a dar a Harry pelo testamento que deixara, através do seu primeiro pomo capturado em seu primeiro jogo de quadribol. Harry, a caminho do encontro de Voldemort, abre o pomo e pega a pedra. Ele revê seus pais, Sirius e Remo Lupin. Ele tem uma breve conversa com todos, mas tem a decisão de deixar a pedra jogada no meio da Floresta Proibida, fazendo ela se perder para sempre.

Capa da Invisibilidade/Manto da Invisibilidade[editar | editar código-fonte]

Foi dada pela Morte ao irmão mais novo (Ignotus Peverell) e menos pretensioso que, não confiar na Morte, buscava uma maneira de sair de lá sem que fosse seguido por ela. Contrariada ao ver o seu plano de levar os três irmãos para falhar, a Morte deu-lhe o seu próprio Manto de Invisibilidade. O irmão mais novo viveu o resto da vida sob o manto, retirando-o mais tarde, quando estava com idade avançada e deu-o ao seu filho. Confraternizou com a Morte e foi com ela feliz, como velhos amigos. A capa passou de geração em geração até chegar a Harry, o último descendente vivo de Ignotus Peverrell Harry a usou para muitas aventuras junto com Rony e Hermione.

Horcruxes[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

No sexto livro da saga Harry Potter e o Enigma do Príncipe são reveladas algumas coisas sobre horcruxes. Com o último livro são reveladas todas as Horcruxes criadas por Voldemort para sua sobrevivência.

  • As sete Horcruxes de Voldemort são:

1. Diário de Tom Riddle - destruído por Harry Potter com um dente de basilisco, 2.º livro.

2. Anel dos Gaunt - destruído por Alvo Dumbledore com a espada de Godric Gryffindor, 6.º livro.

3. Medalhão de Salazar Slytherin - destruído por Ron Weasley com a espada de Godric Gryffindor, 7.º livro.

4. Taça de Helga Hufflepuff - destruída por Hermione Granger com um dente de basilisco, 7.º livro.

5. Diadema de Ravenclaw - destruído (indiretamente) por Crabbe, com Fogo Maldito, 7.º livro.

6. Serpente Nagini - destruída por Neville Longbottom com a espada de Godric Gryffindor, 7.º livro.

7. Harry Potter - destruído pelo próprio Voldemort ao tentar matar Harry Potter com a Maldição da Morte - Avada Kedavra, 7.º livro.

Esta ligação tem um papel determinante no desfecho da história, uma vez que, apesar de se sacrificar para poder destruir a oitava Horcrux, Harry Potter sobrevive, devido ao seu sangue presente em Voldemort, mantendo vivo o sacrificio de sua mãe. (7.º livro).

Detalhe: ao tentar matar Harry, Voldemort deixa uma parte de sua alma nele. Harry sobrevive à maldição da morte. Na batalha de Hogwarts, na floresta proibida, Voldemort tentando matar Harry, acaba destruindo a propria "alma" que havia em Harry. Caindo e desmaiando junto com Harry quando atingiu o feitiço. Nisso, ao tentar pela terceira vez matar Harry, o mesmo lança o feitiço Expelliarmus e mata Voldemort que tinha todas as horcrux destruidas.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Mary Carole McCauley crítica do The Baltimore Sun, observou que o livro é mais grave do que os romances anteriores da série e teve prosas mais simples.[3] Além disso, a revisão de Alice Fordham do The Times escreveu que "a genialidade de Rowling não é apenas a sua total realização de um mundo de fantasia, mas a habilidade mais silenciosa de criar personagens que saltam para fora da página, real e imperfeito, corajoso e amável". Fordham concluiu: "Tivemos um longo caminho juntos, e nem Rowling e nem Harry nos decepcionou no final".[4] Michiko Kakutani, do The New York Times, concordou, louvando a habilidade de Rowling para fazer Harry tanto um herói e um personagem que pode ser relacionado.[5]

Lev Grossman, da revista Time, nomeou um dos 10 melhores livros de ficção de 2007, classificando-o no na oitava posição, e elogiou Rowling por provar que os livros ainda podem ser um meio de mídia global.[6] A romancista Elizabeth Hand criticou que "... a interação espetacular complexa de narrativa e de caráter muitas vezes diz o que vale a pena em uma trilogia inteira somar planos tem sido amontoados em um volume."[7] Em uma revisão favorita da Kirkus Reviews, o revisor disse: "Rowling mostrou habilidade incomum em jogá-los com e contra os outros, e também os teceu em um bom maldito romance de aprendizagem, povoado por personagens memoráveis ​​e infundido com a economia, o sentido irreprimível de diversão". Eles também elogiaram a segunda metade do romance, mas criticaram o epílogo, chamando-lhe "provocativamente esboçado".[8] Em outra revisão do The Times, a revisora Amanda Craig disse que, enquanto Rowling "não era uma original, autora de grande conceito", ela estava "lá em cima com outros grandes nomes da ficção infantil". Craig chegou a dizer que o romance foi "muito bem julgado, e um retorno triunfal para se formar", e que a imaginação de Rowling mudou a percepção de toda uma geração, que "é mais do que todos, mas um punhado de autores vivos, em qualquer gênero, tenham alcançado na metade do século passado."[9]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Uma adaptação cinematográfica em duas partes de Harry Potter and the Deathly Hallows foi dirigida por David Yates, escrita por Steven Kloves e produzida por David Heyman, David Barron e J. K. Rowling. A parte 1 foi lançado em 19 de novembro de 2010, e a Parte 2 em 15 de julho de 2011.[10] [11] As filmagens começaram em fevereiro de 2009, e terminaram em 12 de junho de 2010.[12] No entanto, o elenco confirmou que iria refazer a cena do epílogo, pois só tinham dois dias para filmar o original.[13] As refilmagens terminaram oficialmente em torno de dezembro de 2010.[nota 1] [14] A Parte 1 do filme terminou no capítulo 24 do livro, quando Voldemort obtêm a Varinha das Varinhas.[15] No entanto, há algumas lacunas, tais como a aparência de Dino Thomas e Vítor Krum, e a morte de Pedro Pettigrew.[16] James Bernadelli da Reelviews disse que o roteiro fixou-se mais próximo do texto desde Harry Potter and the Chamber of Secrets,[17] no entanto, este foi recebido com negatividade por alguns públicos como o filme herdou "próprios problemas do livro".[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Enquanto isso não foi oficialmente confirmado, Emma Watson, que retrata Hermione Granger nas adaptações para o cinema, disse: "Temos refilmagens no Natal", então as filmagens provavelmente terminaram por volta dessa época.

Referências

  1. Harry Potter finale sales hit 11m. BBC News. Acessado em 2007
  2. More Fruits of Solitude é a segunda parte do trabalho Fruits of Solitude (1682), uma coleção de aforismos de William Penn. A citação completa de Penn utilizada em Harry Potter e os Talismãs da Morte é dada pelas últimas quatro linhas do aforismo intitulado Union of Friends.
  3. McCauley, Mary Carole (19 de julho de 2007). An inevitable ending to Harry Potter series (em inglês). The Baltimore Sun. Página visitada em 23 de agosto de 2013.
  4. Fordham, Alice (21 de julho de 2007). Harry Potter and the Deathly Hallows (em inglês). The Times. Página visitada em 23 de agosto de 2013.
  5. Kakutani, Michiko (19 de julho de 2007). An Epic Showdown as Harry Potter Is Initiated Into Adulthood (em inglês). The New York Times. Página visitada em 23 de agosto de 2013.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Time
  7. Hand, Elizabeth (22 de julho de 2007). Harry's Final Fantasy: Last Time's the Charm (em inglês). The Washington Post. Página visitada em 23 de agosto de 2013.
  8. Harry Potter and the Deathly Hallows—Editor's Review (em inglês). Kirkus Reviews. Página visitada em 23 de agosto de 2013.
  9. Craig, Amanda (28 de julho de 2007). Harry Potter and the Deathly Hallows. The Sunday Times. Página visitada em 23 de agosto de 2013.
  10. Official: Two Parts for Deathly Hallows Movie (em inglês). ComingSoon.net (25 de fevereiro de 2009). Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  11. Release Date Set for Harry Potter 7: Part I (em inglês). ComingSoon.net (25 de abril de 2008). Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  12. Schwartz, Alison (14 de junho de 2010). Daniel Radcliffe Calls Wrapping Up Harry Potter Devastating (em inglês). People. Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  13. Better get to the wig store! Emma Watson and Harry Potter co-stars to re-shoot crucial final Deathly Hallows scenes. Daily Mail (09 de dezembro de 2010).
  14. Deathly Hallows epilogue scenes to be reshot over Christmas (em inglês). Filmonic.com (13 de novembro de 2010). Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  15. Gallagher, Brian (13 de agosto de 2010). Harry Potter and the Deathly Hallows Movie Split Revealed (em inglês). MovieWeb. Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  16. 'Harry Potter and the Deathly Hallows—Part 1': What's Changed? (em inglês). Entertainment Weekly. Página visitada em 29 de agosto de 2013.
  17. Bernadelli, James (17 de novembro de 2010). Harry Potter and the Deathly Hallows I (em inglês). Reelviews.net. Página visitada em 29 de agosto de 2013.
  18. Reynolds, Simon (23 de agosto de 20100). 'Deathly Hallows' screens to rave reviews (em inglês). Digital Spy. Página visitada em 29 de setembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]