Hassan al Banna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Junho de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Hassan al-Banna

حسن البنا
Hassan, usando um fez
Nascimento 14 de Outubro de 1906
Mahmoudiyah, Al-Buhaira, Flag of Muhammad Ali.svg Quedivato do Egito
Morte 12 de fevereiro de 1949 (42 anos)
Cairo, Flag of Egypt (1922–1958).svg Reino do Egito
Nacionalidade Flag of Egypt (1922–1958).svg Egípcio
Alma mater Dar al-Ulum
Ocupação Líder religioso
Religião Sunita

Hasan al-Banna (1906-1949) foi um fundamentalista islâmico egípcio.

Filho de relojoeiro, com apenas 22 anos fundou a Irmandade Muçulmana, que pretendia unir todas as nações islâmicas sob um único califa. Formado professor pela Universidade Al-Azhar (Cairo), ao doutrinar a Irmandade, cultivou a corrente wahhabista (salafi) do Islã, que segue o caminho dos sunitas, descrevendo-a como uma organização política, um grupo atlético, uma união científica e cultural, um empreendimento econômico e uma idéia social.

Em 1935, escreveu seu texto mais curto e mais importante - "Carta a um estudante muçulmano" - em que ensina como este deveria se comportar em viagens ao exterior, prescrevendo regras rígidas, além de descrever o Ocidente como uma "região engolida pelo pecado".

Em 1939, principalmente devido à grande penetração do pensamento da Irmandade entre as camadas mais pobres, esta já possuía 50 diretórios somente no Egito, passando a atuar como grupo político organizado.

Em 1945 detecta-se a sua mudança mais radical: o uso de violência e a prática de assassinatos políticos, a fim de derrubar a monarquia do rei rei Faruk. Na ocasião, pode-se dizer que a Irmandade já era um Estado dentro do Estado, com mais de 500000 membros efetivos e aproximadamente o dobro de simpatizantes espalhados por 2000 diretórios, controlando escolas, hospitais, mesquitas e até fábricas.

Em seu livro A mensagem dos ensinamentos, Al-Banna define os cinco pilares do movimento: "Deus é o nosso objetivo, o Mensageiro (Maomé) é o nosso exemplo, o Alcorão é a nossa Constituição, a jihad é o nosso método e o martírio é o nosso desejo".

Em 1948, a Irmandade foi posta na clandestinidade, seus bens foram confiscados e, em 1949, com apenas 43 anos, Al-Banna foi assassinado por agentes secretos a serviço do governo egípcio, tornando-se um mártir para seus seguidores.

Considera-se a Irmandade Muçulmana de Al-Banna como o embrião das várias milícias armadas e grupos políticos islâmicos como o Hizbollah, o Hamas e Al Qaeda.

Ver também[editar | editar código-fonte]