HeLa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma célula HeLa /ˈhlɑː/ ou ainda Hela ou célula hela, é um tipo de célula imortal usada ​​em pesquisas científicas. Esta é a linha celular humana mais antiga e mais utilizada.[1] A linhagem foi derivada a partir de células obtidas de um câncer cervical coletadas em 8 de fevereiro de 1951 [2] de Henrietta Lacks, um paciente que acabou por morrer de seu câncer em 4 de outubro de 1951. Descobriu-se que a linhagem celular era extremamente durável e prolífica como ilustrado pela sua contaminação de muitas outras linhas celulares utilizadas na investigação.[3] [4]

Origem[editar | editar código-fonte]

Divisão de células HeLa vista através de um microscópio eletrônico de varredura

As células foram propagadas por George Otto Gey pouco antes de Henrietta morrer de seu câncer em 1951,[5] aos 31 anos de idade.[6] Esta foi a primeira linhagem de células humanas bem-sucedidas in vitro, uma realização científica com profundo benefício futuro na pesquisa médica. Gey livremente doou tanto as células e as ferramentas e os processos de seu laboratório desenvolvidos para qualquer cientista solicitando-lhes, simplesmente para o benefício da ciência. Lacks ou sua família não deram permissão ao médico para colher as células, mas, naquela época, a permissão não foi nem necessária, nem habitualmente procurada.[7]

As células foram posteriormente comercializadas, embora nunca foi patenteada em sua forma original. Assim, como agora, não havia obrigação de informar o paciente ou seus familiares, sobre esses assuntos porque o material descartado, ou material obtido durante a cirurgia, diagnóstico ou terapia, eram de propriedade do médico e/ou instituição médica (atualmente isto requer aprovação ética e consentimento do paciente, pelo menos no Reino Unido). Esta questão e a situação de Lacks foi levada ao Supremo Tribunal da Califórnia no caso Moore v Regentes da Universidade da Califórnia. O tribunal decidiu que os tecidos e células descartadas de uma pessoa não são de sua propriedade e podem ser comercializados.[8]

As células HeLa, tal como outras linhas de células, são denominados "imortais", no sentido de que se podem se dividir um ilimitado número de vezes, em uma placa de cultura de células de laboratório enquanto encontrar condições de sobrevivência celular fundamentais (isto é, ser mantida e sustentada em um ambiente adequado). Há muitas cepas de células HeLa já que elas continuam a evoluir em cultura de células , mas todas as células HeLa são descendentes das mesmas células tumorais retiradas da senhora Lacks. Estimou-se que o número total de células HeLa que foram propagados em cultura de células seja muito superior ao número total de células que existiram no corpo de Henrietta Lacks.[9]

Uso em pesquisa[editar | editar código-fonte]

A célula HeLa é uma linha celular imortalizada

As células HeLa foram utilizados por Jonas Salk para testar a primeira vacina contra a poliomielite em 1950. As células HeLa mostraram-se facilmente infectáveis por poliomielite, causando a morte da célula.[10] Isto tornou as células HeLa altamente desejáveis ​​para o teste da vacina contra a poliomielite umas vez que os resultados podem ser facilmente obtidos. Um grande volume de células HeLa foram necessários para os testes da vacina contra a pólio de Salk, levando a National Foundation for Infantile Paralysis ("Fundação Nacional da Paralisia Infantil") (NFIP) a encontrar um local capaz de produzir as células HeLa em massa.[11] Na Primavera de 1953, uma fábrica de cultura celular foi estabelecido na Universidade de Tuskegee para abastecer Salk e outros laboratórios, com células HeLa.[12] Em menos de um ano depois, a vacina Salk estava pronta para testes em humanos.[13]

Desde então, as células HeLa são usadas para "investigação sobre o câncer, a AIDS, os efeitos da radiação e substâncias tóxicas, o mapeamento de genes e muitos outros objectivos científicos".[14] De acordo com a autora Rebecca Skloot, em 2009, "mais de 60 mil artigos científicos foram publicados sobre pesquisas feitas com células HeLa e esse número foi aumentando de forma constante a uma taxa de mais de 300 artigos a cada mês."[8]

As células HeLa têm sido usadas ​​em testes de como o parvovírus infecta as células HeLa, céluas de seres humanos, de cães e de gatos.[15] Estas células também têm sido usadas para estudar os vírus, tais como o vírus Oropouche (ORV). O VORO provoca a ruptura das células em células de cultura de modo que começam a degenerar logo após terem sido infectadas causando uma indução de apoptose viral.[16] As células HeLa têm sido usadas ​​no estudo da expressão do papilomavírus E2 e apoptose.[17] As células Hela, também têm sido utilizados para estudar a capacidade do vírus da cinomose em induzir apoptose, em cepas celulares de câncer.[18] A capacidade do vírus de induzir a apoptose pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de tratamentos para as células tumorais resistentes à radiação e quimioterapia.[18]

As células HeLa foram também utilizadas em vários estudos sobre o câncer, incluindo os que envolvem hormônios sexuais tais como o Estradiol, estrogénio e receptores de estrogénio juntamente com o estrogénio e compostos como a Quercetina e suas propriedades redutoras do câncer.[19] Também foram realizados estudos sobre os efeitos dos flavonóides e antioxidantes com estradiol sobre a proliferação de células cancerígenas.

As células HeLa foram utilizadas para investigar compostos fitoquímicos e o mecanismo fundamental da atividade anti-câncer do ethanolic extract of mango peel (extrato etanólico da casca da manga)(EEMP).[20] Descobriu-se que o EEMP contém vários compostos fenólicos que ativam a apoptose (morte), de células HeLa malignas de cervicais humanos, assim sugerindo que o EEMP pode ajudar a prevenir o cancro do colo do útero, bem como de outros tipos de cancros.[21]

Em 2011, as células HeLa foram utilizadas em ensaios de corantes heptametina IR-808 e outros análogos que estão actualmente sendo explorados para as suas utilizações originais em diagnóstico médico, o desenvolvimento de terapias e diagnósticos, o tratamento individualizado de pacientes com câncer com a ajuda de terapia fotodinâmica, co-administração com outras drogas e radiação.[22] [23]

As células HeLa têm sido usadas em pesquisa sobre o câncer in vitro com cepas celulares.[24]

As células HeLa foram usadas para definir marcadores de cancro no RNA e ​​para estabelecer um sistema de identificação e interferência de células específica de câncer baseado em RNA-i[25]

Telomerase[editar | editar código-fonte]

A linhagem celular HeLa foi derivada para uso em pesquisa sobre o câncer. Essas células proliferam rapidamente de modo anomal, mesmo em comparação com outras células cancerosas. Como muitas outras células cancerosas,[26] as células HeLa têm uma versão ativa de telomerase durante a divisão celular,[27] o que impede o encurtamento incremental de telómeros s que implica no envelhecimento e morte celular. Deste modo, as células de contornam o limite de Hayflick, que é o número limitado de divisões celulares, que a maioria das células normais podem tornar-se mais tarde, antes de submeter a senescente.

Número de cromossomos[editar | editar código-fonte]

Estrutura genómica do HPV-16, uma das estirpes de alto risco.

A Transferência horizontal de genes a partir do papilomavírus humano18 (HPV18) humano e células cervicais criadas do genoma de HeLa é diferente do genoma de Henrietta Lacks de várias maneiras, incluindo seu número de cromossomas. As células HeLa têm um cromossomo modal de número de 82, com quatro cópias do cromossomo 12 e três cópias dos cromossomos 6, 8 e 17.

Papilomavírus humanos (HPV) são freqüentemente integradas no DNA celular em câncer de colo do útero. Mapeamos por hibridização fluorescente in situ (FISH) cinco sítios de integração HPV18 : três em cromossomos normais 8 em 8q24 e dois nos cromossomos derivados, der (5) t (5, 22, 8) (q11; q11q13; q24) e der (22) t (8; 22) (q24, q13), que tem material do cromossomo 8q24. Um aumento do número de cópias 8q24 foi detectado por CGH. FISH de duas cores com uma sonda de mapeamento c-MYC para 8q24 revelou colocalização com HPV18 em todos os locais de integração, indicando que a dispersão e a amplificação das sequências de genes c-myc posterior que ocorreu provavelmente pela inserção viral a um local de integração único . Aberrações cromossômicas numéricas e estruturais identificadas pela SKY, desequilíbrios genômicos detectados por CGH, bem como FISH localização de HPV18 integração no locus c-MYC em células HeLa são comuns e representante para a fase carcinomas cervicais avançadas. O genoma HeLa tem sido notavelmente estável após anos de cultivo contínuo e, portanto, as alterações genéticas detectadas podem ter estado presentes no tumor primário e refletem eventos que são relevantes para o desenvolvimento do câncer cervical.[28]

Contaminação[editar | editar código-fonte]

Células HeLa contrastadas com anticorpos para actina (verde), vimentina (vermelho) e DNA (azul).

Por causa da sua adaptação de crescer em placas de cultura de tecidos, as células HeLa são, por vezes, difícil de controlar. Eles provaram ser uma persistente "erva daninha" de laboratório que contamina outras culturas de células, no mesmo laboratório, interferindo com a pesquisa biológica e obrigando os investigadores a declarar muitos resultados inválidos. O grau de contaminação de células HeLa, entre outros tipos de células é desconhecido, porque alguns investigadores testam a identidade ou a pureza das linhas de células já estabelecidas. Demonstrou-se que uma fracção substancial de linhagens celulares in vitro - estimativas que variam de 10% a 20% - estão contaminadas com células HeLa. Stanley Gartler em 1967 e Walter Nelson-Rees, em 1975, foram os primeiros a publicar sobre a contaminação de várias linhagens celulares por HeLa.[29]

O escritor de ciência Michael Gold escreveu sobre o problema de contaminação de células HeLa em seu livro A Conspiração das Células. Ele descreve a identificação deste problema mundial generalizado de Nelson-Rees - afetando até mesmo os laboratórios dos melhores médicos, cientistas e pesquisadores, incluindo Jonas Salk - e muitos, possivelmente os esforços para combatê-lo. De acordo com Gold, o problema de contaminação por HeLa quase levou a um incidente durante a Guerra Fria : a URSS e os EUA começaram a cooperar na guerra contra o câncer lançado pelo Presidente Richard Nixon apenas para descobrir que as células foram trocadas contaminado por células HeLa[30] . Gold afirma que o problema HeLa foi amplificado por emoções, egos e uma relutância em admitir erros. Nelson-Rees explica:

Isso é humano - uma indisposição para jogar fora horas e horas do que foi pensado para ser uma boa pesquisa... preocupações sobre prejudicar outra concessão que está sendo solicitada, a pressa em sair com um tratado primeiro. E não se limita a biologia e a investigação do cancro. Cientistas de várias áreas cometem erros e todos eles têm os mesmos problemas.[31]

O primeiro pesquisador a se dar conta sobre a gravidade da contaminação por células HeLa foi Sntaley Gartler, um geneticista de Seattle. Ele havia descoberto uma enzima que estava presente apenas em células de certos indivíduos négros - incluindo as células Henrietta Lacks. Gartler encontrou essas enzimas em algumas amostras que supostamente deveriam ser de indivíduos caucasianos em um novo banco de células que havia sido estabelecido em Washington[32] .

Além do prejuízo financeiro, a contaminação causou outros danos a indivíduos e a pesquisa cientifica no geral, como exemplo, o nível máximo de radiação tolerada pelos seres humanos havia sido testado, por engano, em células HeLa e desconhece-se quantas pessoas podem ter desenvolvido lesões ou mesmo neoplasias malignas devido a esse erro visto que o padrão máximo de radição foi elevado de maneira comprometedora[33] . Além disso, alguns pacientes terminais haviam recebido, por engano, células Hela ao invés de células normais em testes de algumas vacinas: acabaram por desenvolver lesões estranhas e vieram a falecer[32] .

Ao invés de se concentrar em como resolver o problema da contaminação por células HeLa, muitos cientistas e escritores de ciência continuam a documentar o problema simplesmente como uma questão de contaminação - causada não por erro humano ou falhas, mas pela robustez, proliferação, ou natureza avassaladora da HeLa.[34] Dados recentes sugerem que contaminações cruzadas ainda são um grande problema em curso com culturas celulares modernas.[3] [35]

Helacyton gartleri[editar | editar código-fonte]

Devido à sua capacidade de se replicar indefinidamente e seu número não-humano de cromossomas, a HeLa foi descrita por Leigh Van Valen como um exemplo da criação contemporânea de uma nova espécie, a Helacyton gartleri. A espécie foi nomeada em homenagem a Stanley M. Gartler, a quem Valen credita por descobrir "o notável sucesso desta espécie."[36] Seu argumento para a especiação depende destes pontos:

  • A incompatibilidade cromossômica das células HeLa com humanos.
  • O nicho ecológico das células HeLa.
  • A capacidade de persistir e expandir bem além dos desejos de cultivadores humanos.
  • HeLa pode ser definida como uma espécie, uma vez que tem seu próprio cariótipo clonal.[37]

Além de propor que Hela seja uma nova espécie, Van Valen propôs no mesmo papel, a nova família Helacytidae e o gênero Helacyton[36]

Referências

  1. Rahbari R, Sheahan T, Modes V, Collier P, Macfarlane C, Badge RM. (April 2009). "A novel L1 retrotransposon marker for HeLa cell line identification". BioTechniques 46 (4): 277–84. DOI:10.2144/000113089. PMID 19450234. (em inglês)
  2. Scherer WF, Syverton JT, Gey GO. (May 1953). "Estudos sobre a propagação in vitro dos vírus da poliomielite. IV. Multiplicação viral estável numa estirpe de células epiteliais humanas malignas (linhagem HeLa) derivadas de um carcinoma epidermoide do colo". J. Exp. Med. 97 (5): 695–710. DOI:10.1084/jem.97.5.695. PMID 13052828. (em inglês)
  3. a b Capes-Davis A, Theodosopoulos G, Atkin I, Drexler HG, Kohara A, MacLeod RA, Masters JR, Nakamura Y, Reid YA, Reddel RR, Freshney RI. (July 2010). "Check your cultures! A list of cross-contaminated or misidentified cell lines". Int. J. Cancer 127 (1): 1–8. DOI:10.1002/ijc.25242. PMID 20143388. (em inglês)
  4. Batts DW (2010-05-10). Cancer cells killed Henrietta Lacks - then made her immortal 1, 12–14 pp. The Virginian-Pilot. Página visitada em 2012-03-17.; Nota: Algumas fontes relatam seu aniversário a 2 de agosto de 1920 em vez de 01 de agosto de 1920. (em inglês)
  5. "A primeira cultura das células humanas foi iniciada por George Gey, da Universidade Johns Hopkins, em 1951. As células foram obtidas de um tumor maligno de denominadas células HeLa, em razão do nome da doadora, Henrietta Lacks." Gerald Karp. Biologia celular e molecular. [S.l.]: MANOLE, 2005. p. 3. ISBN 978-85-204-1593-1
  6. "A história trágica de Henrietta Lacks, uma afro-americana de Baltimore, mãe de cinco filhos, que morreu de câncer cervical aos trinta e um anos de idade em 1951, pode contribuir com uma perspectiva importante à medida que nos distanciamos da biopolítica(...)"Paul Gilroy. Entre Campos: Nações, Culturas E O. [S.l.]: Annablume, 2007. p. 38. ISBN 978-85-7419-736-4
  7. Washington, Harriet "Henrietta Lacks: An Unsung Hero", Emerge Magazine, October 1994
  8. a b Skloot, Rebecca. The Immortal Life of Henrietta Lacks. New York: Crown/Random House, 2010. ISBN 978-1-4000-5217-2 (em inglês)
  9. Sharrer T. (July 2006). ""HeLa" Herself". The Scientist 20 (7).
  10. (1953) "Estudos sobre a propagação in vitro do vírus da poliomielite: iv. Multiplicação viral estável numa cepa de células humanas epiteliais malignas (linhagem HeLa) derivada de um carcinoma epidermoide do colo". Journal of Experimental Medicine 97 (5): 695–710. DOI:10.1084/jem.97.5.695. ISSN 0022-1007. (em inglês)
  11. (2002) "TIMELINEHeLa cells 50 years on: the good, the bad and the ugly". Nature Reviews Cancer 2 (4): 315–319. DOI:10.1038/nrc775. ISSN 14741768.
  12. (2012) "Development of the Polio Vaccine: A Historical Perspective of Tuskegee University’s Role in Mass Production and Distribution of HeLa Cells". Journal of Health Care for the Poor and Underserved 23 (4a): 5–10. DOI:10.1353/hpu.2012.0151. ISSN 1548-6869.
  13. (1955) "Statistics of the 1954 Polio Vaccine Trials*". Journal of the American Statistical Association 50 (272): 1005–1013. DOI:10.1080/01621459.1955.10501286. ISSN 0162-1459.
  14. Smith, Van. "The Life, Death, and Life After Death of Henrietta Lacks, Unwitting Heroine of Modern Medical Science.", Baltimore City Paper, 2002-04-17. Página visitada em 2010-03-02.
  15. Parker, J; Murphy W, Wang D, O'Brien S, Parrish C. (2001). "Canine and feline parvoviruses can use human or feline transferrin receptors to bind, enter, and infect cells". Journal of Virology 75 (8): 3896–3902.
  16. Acrani GO, Gomes R, Proença-Módena JL et al.. (2010). "Apoptosis induced by Oropouche virus infection in HeLa cells is dependent on virus protein expression". Virus Res. 149 (1): 56–63.
  17. Hou, S.Y. Wu, S. Chiang, C.Transcriptional Activity among High and Low Risk human Papillomavirus proteinsE2 Proteins correlates of E2 DNA binding. Journal of Biological Chemistry, 2002.
  18. a b Del Puerto HL, Martins AS, Milsted A, et al.. (2011). "Canine distemper virus induces apoptosis in cervical tumor derived cell lines". Virol. J. 8: 334. DOI:10.1186/1743-422X-8-334. PMID 21718481.
  19. Bulzomi, Pamela. "The Pro-apoptotic Effect of Quercetin in Cancer Cell Lines Requires ERβ-Dependant Signals." Cellular Physiology (2012): 1891-898. Web. (em inglês)
  20. Hyeonji Kim, Hana Kim, Ashik Mosaddik, Rajendra Gyawali, Kwang Seok Ahn, Somi Kim Cho. (2012). "Induction of apoptosis by ethanolic extract of mango peel and comparative analysis of the chemical consists of mango peel and flesh". Food Chemistry 133: 416–422. (em inglês)
  21. Kim Hyeonji, Kim Hana, Mosaddik Ashik, Gyawali Rajendra, Ahn Seok, Cho Kim, -1#Kwang Somi. (2012). "Induction of apoptosis by ethanolic extract of mango peel and comparative analysis of the chemical consists of mango peel and flesh". Food Chemistry 133: 416–422.
  22. Tan X, Luo S, Wang D et al.. (2011). "A NIR heptamethine Dye with intrinsic cancer targeting, imaging and photosynthesizing properties". Journal of Biomaterials China 33 (7): 2230–2239.
  23. F. Pene, E. Courtine, A. Cariou, J.P. Mira. (2009) "Toward theranostics" Crit Care Med, 37 pp. S50–S58
  24. Briiuner., Thomas; Dieter F. Hulser. (1990). "Tumor Cell Invasion and Gap Junctional Communication". Invasion Metastasis 10: :31–4. (em inglês)
  25. Xie, Z, Wroblewska L, Prochazka L, Weiss R, Benenson Y. Multi-Input RNAi-Based Logic Circuit for Identification of Specific Cancer Cells. Science [serial online]. September 2, 2011;333(6047):1307-1311. Available from: Academic Search Elite, Ipswich, MA. Accessed April 2, 2012. (em inglês)
  26. The Nobel Prize in Physiology or Medicine 2009 on nobelprize.org
  27. Ivanković M, Cukusić A, Gotić I, Skrobot N, Matijasić M, Polancec D, Rubelj I. (April 2007). "Telomerase activity in HeLa cervical carcinoma cell line proliferation". Biogerontology 8 (2): 163–72. DOI:10.1007/s10522-006-9043-9. PMID 16955216.
  28. Macville M, Schröck E, Padilla-Nash H, Keck C, Ghadimi BM, Zimonjic D, Popescu N, Ried T. (January 1999). "Comprehensive and definitive molecular cytogenetic characterization of HeLa cells by spectral karyotyping". Cancer Res. 59 (1): 141–50. PMID 9892199. (em inglês)
  29. Masters JR. (April 2002). "HeLa cells 50 years on: the good, the bad and the ugly". Nat. Rev. Cancer 2 (4): 315–9. DOI:10.1038/nrc775. PMID 12001993.
  30. "Na década de 70, W. A. Nelso-Rees, pesquisador cubano e radicado nos EUA, através de novos métodos de análise celular, expôs a contaminação generalizada que havia ocorrido, ao analisar uma colonia de células que havia recebido de pesquisadores soviéticos. A contaminação havia partido dos norte-americanos, que haviam mandado por desconhecimento uma cultura infectada com HeLa para a União Soviética." Luiz Gustavo Guilhermano [et al.]. Páginas da história da medicina. [S.l.]: EDIPUCRS, 2010. p. 184. ISBN 978-85-7430-974-3
  31. Gold, Michael. A Conspiracy of Cells: One Woman's Immortal Legacy and the Medical Scandal It Caused. [S.l.: s.n.]. ISBN 978-0-88706-099-1 (em inglês)
  32. a b organizadores, Luiz Gustavo Guilhermano ... [et al.]. Páginas da história da medicina. [S.l.]: EDIPUCRS, 2010. p. 184. ISBN 978-85-7430-974-3
  33. Medicine's 10 Greatest Discoveries. [S.l.]: Yale University Press, 1 August 2000. ISBN 978-0-300-08278-4
  34. Wang H, Huang S, Shou J, Su EW, Onyia JE, Liao B, Li S. (2006). "Comparative analysis and integrative classification of NCI60 cell lines and primary tumors using gene expression profiling data". BMC Genomics 7: 166. DOI:10.1186/1471-2164-7-166. PMID 16817967. (em inglês)
  35. Nardone RM. (November 2007). "Eradication of cross-contaminated cell lines: a call for action". Cell Biol. Toxicol. 23 (6): 367–72. DOI:10.1007/s10565-007-9019-9. PMID 17522957. (em inglês)
  36. a b Van Valen LM, Maiorana VC. (1991). "HeLa, a new microbial species". Evolutionary Theory & Review 10: 71–4. ISSN 1528-2619. (em inglês)
  37. Is carcinogenesis a form of speciation? Duesberg et al http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21666415

}