Hector Pieterson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Hector Pieterson (196416 de junho de 1976) tornou-se um símbolo do levante em Soweto a partir de uma fotografia feita por Sam Nzima que circulou por todo o mundo.

História[editar | editar código-fonte]

Hector Pieterson foi um garoto sul-africano de 13 anos morto nos braços de uma colega que fugia da carga policial durante os confrontos ocorridos em Soweto, durante a época do Apartheid na África do Sul. Posteriormente Hector tornar-se-ia a face do massacre numa fotografia que viria a ser publicada por todo o mundo no dia seguinte à tragédia.

Os mundialmente conhecidos levantes de Soweto custaram a vida de mais de 100 menores (segundo dados extra-oficiais, o número real seria de mais de 300 vítimas), entre eles Hector Pieterson (cuja foto, ensangüentado nos braços de um desconhecido que decidiu ajudar o pequeno, ao lado de sua irmã, deu a volta ao mundo e transformou-se num dos símbolos da luta contra o apartheid).

Hoje há na África do sul um memorial que leva seu nome. O Hector Pieterson Museum, que foi construído em 1976, fica em Soweto, na Hector Pieterson Square, e é hoje um local obrigatório de passagem para todos os que visitam pela primeira vez o bairro do Soweto, onde vivem mais de dois milhões de pessoas.