Hedda Gabler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hedda Gabler
Hedda Gabler
Hedda Gabler
Hedda Gabler
Página título de Hedda Gabler, em 1890
Autor (es) Henrik Ibsen
Idioma norueguês
País  Noruega
Género teatro
Espaço onde decorre a história Noruega
Editora Londres: William Heinemann (12 cópias)[1]
Copenhague: Gyldendalske Boghandels Forlag
Lançamento Londres: 11 de dezembro de 1890
Copenhague: 16 de dezembro de 1890
Edição portuguesa
Tradução Freire de Andrade
Editora Editorial Presença (Coleção Presença, 41)[2] [3]
Edição brasileira
Tradução Luiz Leite Vidal[2] [4]
Editora MEC (Coleção Teatro Universal)
Lançamento Anos 60
Cronologia
Último
Último
A Dama do Mar
Solness, o Construtor
Próximo
Próximo
Residenztheater, em Munique, onde "Hedda Gabler" foi representada em janeiro de 1891

Hedda Gabler é uma peça teatral escrita pelo dramaturgo norueguês Henrik Ibsen. Publicada pela primeira vez em 11 de dezembro de 1890, pelo inglês William Heinemann, em Londres, na língua norueguesa, com uma tiragem de apenas 12 cópias, 5 dias depois foi publicada pela Gyldendalske Boghandels Forlag (F. Hegel & Son), em Copenhague e Christiania, em 16 de dezembro de 1890, com uma tiragem de 10000 exemplares. Foi representada pela primeira vez em 31 de janeiro de 1891, no Residenztheater[5] , em Munique[2] .

Personagens[editar | editar código-fonte]

Fonte[6]

  • Jörgen Tesman
  • Sra. Hedda Tesman, sua esposa
  • Juliane Tesman, sua tia
  • Sra. Elvsted
  • Sr. Brack, um juiz
  • Ejlert Lövborg
  • Berte, arrumadeira dos Tesmans

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Quando a peça inicia, Hedda e Jørgen acabam de voltar de sua lua de mel, que teve seis meses de duração. Jørgen passou seu tempo estudando e trabalhando, enquanto Hedda confidencia ao seu amigo, Juiz Brack, ter ficado entediada.

Susanne Sheehy e Tom Bateman representam Hedda Gabler e Eilert Loevborg, no The North Wall Theatre, Summertown, Oxford, em 2008. [7]

Hedda Tesman é filha do falecido general Gabler, que morreu sem lhe deixar herança. Perto dos trinta anos, acabou se casando com Jørgen Tesman, que tem uma bolsa de estudos em história da arte. Jörgen foi educado por seus tios, Julle e Rina, e agora está esperando por uma cadeira na Universidade.

Hedda está grávida, fato que ela esconde de todos; logo que chegam de viagem, Jørgen descobre que precisará competir pela cadeira na Universidade, justamente com um dos antigos admiradores de Hedda, Eilert Løvborg, conhecido por ser um boêmio, talentoso, mas propenso a beber demais. Apesar disso, ele tem vivido sobriamente, e está escrevendo duas teses em colaboração com Thea Elvsted, que está apaixonada por ele, tendo inclusive deixado o marido para segui-lo.

No curso de apenas dois dias, Hedda participa de uma série de acontecimentos com consequências dramáticas. Ela consegue embebedar Lovborg e ele perde o manuscrito de seu novo livro. Jørgen Tesman o encontra e dá a Hedda para cuidar, mas Hedda não conta a Løvborg, queima o manuscrito e lhe dá uma das pistolas de seu pai, dizendo-lhe para atirar em si mesmo. Løvborg leva porém um tiro acidental em um bordel, e Brack, que sabe de onde a pistola veio, usa esse conhecimento para chantagear Hedda, para que ela se torne sua amante. Thea e Tesman se ajudam num trabalho de reconstrução do manuscrito de Løvborg através da anotações que Thea manteve. Quando Hedda percebe que ela está no poder de Brack e não tem mais nada para viver, ela se suicida com a segunda pistola do General.

Fonte[8]

Considerações críticas[editar | editar código-fonte]

Otto Maria Carpeaux defende que, em Hedda Gabler, Ibsen “conseguiu uma de suas criações mais perfeitas, que se considera e é considerada genial por ser caprichosa, inadaptada, histérica, é uma figura extraordinária, irradiando a sua vitalidade nervosa e irritante por toda a peça; em particular, sobre aqueles dois homens que ela arruína, o marido Tesman e o amante Løvborg”. Carpeaux considera que “no pensamento de Ibsen aproxima-se a hora dum grande dia de julgamento. Nesse julgamento o réu será o ‘homem superior’, que começara como fanático da ‘exigência ideal’, continuou como anarquista ideal, e fica vencido como gênio malogrado. Contra ele, o último produto da civilização intelectual, revoltam-se as forças da natureza elementar, encarnadas em mulheres histéricas”[9] .

Graça Aranha considera que “Hedda Gabler é um destino trágico. A sua tragédia é quase animal, a tragédia da sensibilidade, a tragédia da dominação. Hedda Gabler é uma vontade que necessita vencer as forças humanas. (...) O gênio de Ibsen nos afirma nesse drama magistral que só há tragédia no que é insolúvel para o destino humano. (...) Em Hedda Gabler há alguma coisa de insolúvel, portanto uma tragédia eterna, como não há solução humana possível para Prometeu e Hamlet[10] .

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Gossensass, aldeia do Tirol onde Henrik Ibsen conheceu Emilie Bardach e onde pode ter iniciado a peça Hedda Gabler.

Hedda Gabler foi a última das peças de Ibsen a ser publicada enquanto ele estava vivendo no exterior, e foi escrita em Munique, em 1890.[11]

Durante o verão de 1889, quando estava em Gossensass, pequena aldeia alpina do Tirol, Ibsen conheceu a vienense Emilie Bardach, de 27 anos, por quem se apaixonou. Emilie Bardach voltou a Viena, e os dois se corresponderam durante algum tempo. No entanto, não há indicação clara de que Hedda Gabler estava em processo já nessa época.[11] De acordo com uma carta enviada a August Larsen, da Gyldendal, em Copenhague, a peça estava pronta em 16 de novembro de 1890.

Ao longo da realização da peça, Ibsen alterou o título de "Hedda" para "Hedda Gabler". Em uma carta datada de 4 de dezembro para Moritz Prozor em 1890, que traduziu a peça para o francês, Ibsen explicou que havia escolhido "Gabler" em vez de "Tesman", para indicar que uma personalidade como ela deve ser considerada "mais como filha de seu pai, do que esposa de seu marido".

Primeira edição[editar | editar código-fonte]

Poster de Alla Nazimova como Hedda Gabler, 1907.

A edição Gyldendal[editar | editar código-fonte]

Hedda Gabler foi publicada pela Gyldendalske Boghandels Forlag (F. Hegel & Son), em Copenhague e Christiania, em 16 de dezembro de 1890, com uma tiragem de 10000 exemplares.

A reação ao livro foi negativa, e os críticos definiram Hedda apenas como uma personagem feminina "enigmática" e "incompreensível". Não havia qualquer sugestão de reforma social ou simbolismo óbvio[11] .

A edição Heinemann[editar | editar código-fonte]

Na verdade, Gyldendal não foi o primeiro a publicar Hedda Gabler. Em 11 de dezembro de 1890, o editor inglês William Heinemann publicou a peça em Londres, em norueguês, com uma tiragem de apenas 12 cópias. Ele fez o mesmo com todas as peças subsequentes de Ibsen.

O motivo de Heinemann ter feito tal publicação foi ter notado a crescente popularidade de Ibsen na Inglaterra. O autor se tornara um sucesso, após sua introdução na Inglaterra pelo crítico literário Edmund Gosse. A produção de “A Doll House” no Novelty Theatre, em Camden, marcou sua descoberta no teatro. A peça foi dirigida pelo irlandês Charles Charrington, e o papel de Nora foi interpretado por Janet Achurch. A primeira noite foi em 7 de junho de 1889, e foi de enorme importância para estabelecer a reputação de Ibsen em Inglaterra. Em conjunto com a publicação, William Archer estava trabalhando em sua edição inglesa das peças completas de Ibsen, cujo primeiro volume saiu em novembro de 1890.

Heinemann estava interessado em garantir os direitos do autor para a publicação de Hedda Gabler, na Inglaterra. Ele ofereceu £ 150 para Ibsen, e que a oferta foi aceita. A fim de garantir seus direitos, Heinemann publicou pela primeira vez a peça no original e depois, a 20 de janeiro de 1891, a tradução para o inglês de Edmund Gosse[11] .

Estreia[editar | editar código-fonte]

Hedda Gabler teve sua primeira apresentação no Residenztheater, em Munique, a 31 de janeiro de 1891. Ibsen estava presente na primeira noite, e parece ter ficado descontente com a atriz que interpretou Hedda, Clare Heese, pois sua atuação foi muito declamatória. Os críticos também foram reservados em seu julgamento. A recepção pelo público foi mista, com aplausos e vaias.

Cinema e televisão[editar | editar código-fonte]

Henrik Ibsen fotografado por Gustav Borgen.
  • Hedda Gabler – filme mudo inglês feito em 1917, sob direção de Frank Powell, com Nance O’Neal no papel título.
  • Hedda Gabler – filme italiano produzido em 1920, sob direção de Gero Zambuto e Giovanni Pastrone, e Hedda foi interpretada por Italia Almirante –Manzini.
  • Hedda Gabler – filme alemão produzido em 1925, com Asta Nielsen no papel título, sob direção de Franz Eckstein.
  • Hedda Gabler – filme iugoslavo de 1961, feito para TV, sob direção de Marko Fotez e com Marija Crnobori no papel título.
  • Hedda Gabler – filme do Reino Unido (BBC) e Estados Unidos da América, feito para TV em 1963, com Ingrid Bergman interpretando Hedda, ao lado de Trevor Howard, Ralph Richardson e Michael Redgrave. Direção Alex Segal.
  • Hedda Gabler – filme alemão feito para TV em 1963, com Ruth Leuwerik no papel título.
  • Hedda Gabler – filme francês feito para TV em 1967, sob direção de Raymond Rouleau e com Catherine Ariel no papel de Hedda.
  • Hedda Gabler – filme finlandês feito para TV em 1973, sob direção de Ritva Nuutinen e com Tea Ista no papel título.
  • Hedda Gabler – filme alemão feito para TV em 1974, com Elisabeth Trissenaar no papel de Hedda, sob direção de Heribert Wenk e Hans Neuenfels.
  • Hedda Gabler – filme norueguês feito para TV em 1975, sob direção de Arild Brinchmann, com Monna Tandberg no papel de Hedda.
  • Hedda Gabler – filme inglês feito em 1976, sob direção de Trevor Nunn e com a atriz Glenda Jackson no papel de Hedda, ao lado de Patrick Stewart.
  • Hedda Gabler – filme belga feito em 1978, sob direção de Jan Decorte, com Rita Wouters no papel de Hedda.
  • Hedda Gabler – filme italiano feito para TV em 1979, com Giuliana de Sio como Hedda, sob direção de Maurizio Ponzi.
  • Hedda Gabler – filme alemão feito para TV em 1980, sob direção de Thomas Langhoff, com Jutta Hoffmann no papel de Hedda.
  • Hedda Gabler – filme inglês feito para TV em 1981, com Diana Rigg no papel de Hedda e a direção de David Cunliffe.
  • Hedda Gabler – filme belga feito para TV em 1984, sob direção de Adrian Brine e Luc Segers, com Chris Lomme no papel de Hedda.
  • Hedda Gabler – filme sueco feito para TV em 1993, sob direção de Margareta Garpe, com Lena Endre como Hedda.
  • Hedda Gabler – filme mexicano feito para TV em 1994, sob direção de Antulio Jiménez Pons.
  • Hedda Gabler – filme estadunidense feito em 2004, com Heidi Schreck no papel de Hedda, e direção de Paul Willis. Adaptação contemporânea.
  • Hedda Gabler – filme alemão feito para TV em 2006, sob direção de Hannes Rossacher e com Katharina Schüttler no papel de Hedda.

Traduções na língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Peças no Brasil[editar | editar código-fonte]

Eleonora Duse, atriz italiana que representou Hedda Gabler pela primeira vez no Brasil, no Rio de Janeiro, em 1907.

1907[editar | editar código-fonte]

Anos 20[editar | editar código-fonte]

  • Nome: Hedda Gabler[15] .
  • Local: s. l.[16]
  • Produção: Companhia Francesa
  • Elenco: Marthe Pierat

1937[editar | editar código-fonte]

  • Nome: Hedda Gabler[17] .
  • Local: Rio de Janeiro
  • Teatro: Estréia no Teatro Regina (Rio de Janeiro), em 1937
  • Produção: Casa dos Artistas e Companhia de Arte Dramática Álvaro Moreira

1965[editar | editar código-fonte]

1982[editar | editar código-fonte]

Adaptações para televisão[editar | editar código-fonte]

1960[editar | editar código-fonte]

1961[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. O editor inglês William Heinemann publicou a peça em Londres - na língua original - em apenas 12 cópias. In: Processo criativo de Hedda Gabler (Ibsen.net)
  2. a b c d e Silva, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, Seleção de textos Críticos e Catálogo. [S.l.]: USP, 2007. Capítulo Tese.
  3. Tetra Base.
  4. Provavelmente em 1965, Clarice Lispector e Tati de Moraes a traduziram para a peça “Hedda Gabler”, realizada em 1965, porém não foi edição em livro. Apud SILVA, Jane Pessoa, 2007, p. 441
  5. Wikipédia.
  6. The Oxford Ibsen, Volume VII, Oxford University Press 1966. In: Ibsen.net: Personagens de Hedda Gabler
  7. http://ibsen.nb.no/id/11168031.0 National Library of Norway]
  8. Merete Morken Andersen, Ibsenhåndboken, Gyldendal Norsk Forlag, 1995. In: Sumário de Hedda Gabler (Ibsen.net)
  9. Carpeaux, Otto Maria. Estudo Crítico Henrik Ibsen. [S.l.]: Editora Globo, 1984. 51 pp.
  10. Aranha, Graça. A Estética da Vida. [S.l.]: Rio de Janeiro: Garnier, 1921. Capítulo In: SILVA, p. 221. 210-213 pp.
  11. a b c d [Ibsen.net]. Processo criativo de Hedda Gabler. [S.l.: s.n.].
  12. a b "Hedda Gabler". Visitado em 20 de novembro de 2011.
  13. Ministério de Educação e Cultura
  14. Associação Paulista de Críticos de Teatro
  15. ”O Primeiro Centenário de Ibsen: a obra e a vida do genial escandinavo”. Correio Paulistano, São Paulo, 20 março de 1928. In: SILVA, Jane Pessoa, 2007. p. 547
  16. Essa produção foi noticiada no Correio Paulistano de 20 de março de 1928, portanto, presume-se ter sido uma produção realizada naquela cidade, assim como a data, mediante tal notícia, aventa-se ter sido nos anos 20.
  17. DORIA, Gustavo A. Moderno Teatro Brasileiro. Crônica de suas raízes. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro, 1975, p. 39. In: SILVA, Jane Pessoa, 2007. p. 548

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • CARPEAUX, Otto Maria. Estudo Crítico. [S.l.]: Rio de Janeiro: Editora Globo, 1984. In: IBSEN, H. O Pato Selvagem..
  • OLIVEIRA, Vidal de. Biografia e comentários sobre a obra de Ibsen. [S.l.]: Rio de Janeiro: Editora Globo, 1984. In: IBSEN, H. O Pato Selvagem..
  • SILVA, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, Seleção de textos Críticos e Catálogo Bibliográfico. [S.l.]: São Paulo: USP, 2007. Tese.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]