Heliópolis Atlético Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Heliópolis
Heliópolis AC.jpg
Nome Heliópolis Atlético Clube
Alcunhas Alvi-anil, azulão
Mascote Arara Azul
Fundação 1 de maio de 1950 (64 anos)
Estádio José de Alvarenga
Capacidade 4.000
Presidente Brasil Gilvan Gorgonho de Medeiros
Treinador Brasil Quinzinho
Patrocinador Rio de Janeiro Prefeitura de Belford Roxo
Brasil Belgás
Competição Rio de Janeiro Campeonato Carioca - Série C
Website Site oficial
Kit left arm.png Kit body whitearc.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm.png Kit body cuciturerev.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

Heliópolis Atlético Clube é uma agremiação esportiva da cidade de Belford Roxo, no estado do Rio de Janeiro, fundada a 1º de maio de 1950.

Equipe profissional do Heliópolis em 2009

História[editar | editar código-fonte]

Tradicional agremiação esportiva da Baixada Fluminense, o Heliópolis, fundado a 1 de Maio de 1950, sob a denominaçăo de Heliópolis Futebol Clube, passou à atual a 20 de Março de 1955.

Localiza-se no bairro de mesmo nome em Belford Roxo. Estreou no profissionalismo em 1983, ao participar do Campeonato Estadual da Terceira Divisão de Profissionais do Rio de Janeiro pela primeira vez.

Possui sede social e seu estádio, o José de Alvarenga, tem capacidade para aproximadamente 4 000 pessoas.

Entre os seus fundadores, se destacam Jonas Bento da Silva, seu filho, o professor José Bento da Silva (Bento Kojak), além de Humberto Flutuoso. Todos eles são figuras atuantes na agremiação, que personifica a tradição de ser a único representante da cidade atualmente no profissionalismo.

Participações no Campeonato Estadual do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

1983 - Campeonato Estadual da Terceira Divisão de Profissionais do Rio de Janeiro. Ficou apenas em sexto no seu grupo na fase inicial, não se classificando para a fase final.

1984 - É apenas o quinto colocado em sua chave, não se classificando para as finais.

1985 - Fica em terceiro em seu grupo, se classificando para a fase final. Acaba em sexto na classificação geral.

1986 - Se licencia das competições profissionais.

1987 - Terceira Divisão. Fica em terceiro em sua chave e se classifica para a fase seguinte. Na segunda fase é apenas o quarto colocado, sendo portanto alijado das finais.

Fachada do Heliópolis Atlético Clube

1988 - É o terceiro em sua chave, se habilitando para a segunda fase. Nesta, fica apenas em terceiro, sendo eliminado da competição.

1989 - Se licencia novamente das competições.

1990 - Na Terceira Divisão, fica apenas em sexto na sua chave, não se classificando para a fase final.

1991 - Se licencia novamente das competições.

1992 - Terceira Divisão (chamada de Segunda na época, já que a verdadeira Segunda Divisão se tornara Módulo "B" da Primeira). Faz a sua melhor campanha em todos os tempos. Fica em quarto lugar no seu grupo, se classificando para a fase seguinte, na qual fica em primeiro na chave "A". Na fase final fica em segundo no seu grupo, perdendo a vaga para o Serrano Foot Ball Club, que vai para a final contra o Esporte Clube Barreira, e se sagra campeão.

1993 - Terceira Divisão (ainda chamada de Segunda Divisão). fica em terceiro na sua chave no primeiro turno. No segundo, é o quinto. Acaba sendo penalizado com a perda dos pontos em uma partida, à qual não compareceu contra o Barra Mansa Futebol Clube.

1994 - Fica em primeiro lugar em seu grupo, se classificando para a fase final, na qual fica em quinto lugar. O campeão e vice foram respectivamente Goytacaz Futebol Clube e Nova Iguaçu Futebol Clube.

1995 - A então chamada Segunda Divisão (na prática, a Terceira) ganha o nome de Módulo Intermediário. O clube alvianil de Belford Roxo, é apenas o oitavo em seu grupo. Participa da Copa Rio, grupo 4, seção Interior, mas é eliminado na primeira fase ao ficar na quarta colocação, última, na sua chave, atrás de Barra Mansa Futebol Clube, Nova Iguaçu Futebol Clube e Mesquita Futebol Clube.

Estádio José de Alvarenga

1996 - Disputa a Divisão Intermediária, na prática, a Terceira Divisão. Fica em oitavo no primeiro turno e em segundo lugar no returno, não se classificando para a final.

1997 - É convidado a disputar a Divisão Especial, na prática a Segunda Divisão de Profissionais, o módulo abaixo da divisão de elite. Pela primeira vez em sua história o clube se aproxima da divisão principal do futebol do Rio de Janeiro. A campanha, porém, é ruim e o alvi-anil é o último em sua chave no término da primeira fase do campeonato, sendo logo eliminado da competição. Participa da Copa Rio, mas é eliminado na primeira fase ao ficar em quarto na sua chave, atrás dos classificados Duquecaxiense Futebol Clube e Rodoviário Piraí Futebol Clube, além do eliminado União Esportiva Coelho da Rocha.

1998 e 1999 - Se licencia das competições profissionais.

2000 - Segunda Divisão. A campanha é novamente ruim. Fica em último na sua chave, sendo eliminado na primeira fase da competição.

2001 - Novamente na Segunda Divisão, à época chamada de Módulo Extra - Série A2, fica em segundo em sua chave, se classificando para a fase seguinte, na qual fica em sétimo, não chegando às finais.

2002 - Houve uma diminuição no número de participantes da Segunda Divisão e o Heliópolis voltou para a Terceira. Nesse ano faz uma péssima campanha, ficando em último em sua chave, na primeira fase, sendo logo eliminado da competição.

2003 - Se licencia das competições profissionais.

2004 - Terceira Divisão. Fica em quinto na sua chave, sendo eliminado da competição.

José Bento da Silva (Bento Kojak), vice-presidente e fundador do Heliópolis Atlético Clube

2005 - Se licencia novamente das competições.

2006 - Terceira Divisão. É o segundo em sua chave, atrás somente do Esporte Clube Nova Cidade. Na fase seguinte é eliminado em jogos de ida e volta pelo Resende Futebol Clube, que começava a sua trajetória vitoriosa rumo à Primeira Divisão.

2007 e 2008 - Se licencia das competições profissionais.

2009 - Disputa a Terceira Divisão de Juniores, competição à qual não consegue a classificação para a segunda fase. Participa da categoria profissional do Campeonato Estadual da Terceira Divisão, conseguindo a classificação para a segunda fase, ao se habilitar em seu grupo na segunda colocação, atrás somente do Clube Atlético Castelo Branco, superando Rubro Social Esporte Clube, Clube de Futebol Rio de Janeiro e o estreante Esporte Clube Marinho. Na segunda fase, faz campanha irregular e não consegue marcar um único gol, empatando três partidas seguidas em 0 a 0. Se classificam, nessa fase, Santa Cruz Futebol Clube e Leme Futebol Clube Zona Sul, ficando o Heliópolis e o Bela Vista Futebol Clube eliminados da competição.

2010 - Terceira Divisão do Rio de Janeiro, onde é eliminado na primeira fase do campeonato, na qual fica em último atrás do primeiro colocado, Associação Desportiva Itaboraí, do segundo, Esporte Clube São João da Barra, do terceiro, Serra Macaense Futebol Clube e do também eliminado Canto do Rio Football Club. Desiste, já com a tabela montada, de disputar a categoria de Juniores do Campeonato Estadual da Série C.

2011 e 2012 - Se licencia das competições profissionais.

2013 - Na Terceira Divisão do Rio de Janeiro é eliminado na primeira fase do campeonato, ao ficar em terceiro no seu grupo, que classificava dois times para a segunda fase.

2014 - Participará da Terceira Divisão do Rio de Janeiro.

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • 1976 - Campeão da Liga Desportiva de Nova Iguaçu (Categoria Adultos);

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fonte[editar | editar código-fonte]

  • VIANA, Eduardo. Implantação do futebol Profissional no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Cátedra, s/d.

Galeria de imagens de 2009[editar | editar código-fonte]