Helibras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Helibras logo.png
Tipo Sociedade anônima
Indústria Aeronáutica / Defesa
Fundação 14 de abril de 1978
Sede  Brasil  Minas Gerais - Itajubá
Produtos Helicópteros
Subsidiárias Subsidiaries
Página oficial Site oficial


A Helibras é uma empresa brasileira fabricante de helicópteros subsidiária da Airbus Helicopters, controlada pelo Airbus Group. O atual presidente da empresa é Eduardo Marson Ferreira.[1] [2]

História[editar | editar código-fonte]

A história da Helibras começa em 1978, na cidade de São José dos Campos (SP), com um projeto do grupo francês Aérospatiale desenvolvido após uma licitação do governo brasileiro para a produção de helicópteros. Dois anos depois (1980), a empresa muda-se para Itajubá (MG), cidade em que sua fábrica permanece instalada.[3] [4]

Já em 1988, o consórcio Helibras/Aérospatiale/Engesa vence uma concorrência internacional que leva a empresa a fornecer ao Exército Brasileiro 36 helicópteros Pantera e 16 Esquilos, também são adquiridos outros 20 Esquilos.[5]

O ano de 1992 é marcado pela fusão das divisões de helicópteros dos grupos Aérospatiale e Daimler Chrysler Aerospace, dando início à Eurocopter, que se torna a nova matriz da Helibras.[6]

No ano de 1998, a Helibras completa seu 20º aniversário. Nesse período, a empresa inaugura instalações no Campo de Marte, em São Paulo, para sediar o departamento comercial e a oficina de manutenção.[7]

Oito anos após entregar o helicóptero de número 200, a Helibras registra 400 aeronaves entregues ao mercado brasileiro. Dois anos depois, entrega o primeiro EC155 VIP do Brasil.[8]

Em 2002, outro helicóptero chega ao mercado brasileiro, desta vez é o Esquilo EC130, lançado pela Eurocopter no ano anterior. Em 2004, o modelo Dauphin começa a operar no Brasil em missões offshore.[9]

Em 2005 e 2006, os helicópteros EC135 chegam ao Brasil para a realização de missões offshore e atendimento médico de urgência. O primeiro órgão público a utilizar este modelo biturbina foi o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.[10]

No ano de 2008 a Helibras completa 30 anos e assina contrato com as Forças Armadas para a aquisição de 50 helicópteros EC725.[11] [12] [13]

Novo hangar da Helibras, em Itajubá (MG), inaugurado em outubro de 2012.

Em 2012, a empresa inaugurou novo hangar em sua fábrica, em Itajubá (MG), que passa a abrigar a linha de montagem dos helicópteros Esquilo e EC725/ EC225.[14]

No começo de 2013, a Helibras completou 35 anos de atuação no Brasil. A empresa inaugurou, no mesmo ano, um serviço dedicado ao pós-vendas chamado de Centro de Suporte ao Cliente (CSC). A base, localizada em Atibaia, interior de São Paulo, recebe e gerencia as solicitações dos clientes de todo o país relacionadas à manutenção, reparo, fornecimento de peças, garantia e assistência técnica. A empresa também anunciou que, no decorrer de 2014, terá condições de definir o tipo e categoria do helicóptero que será projetado e desenvolvido no Brasil.[15] [16]

Em janeiro de 2014 houve uma reestruturação no Grupo Airbus, que havia sido anunciada em julho de 2013, sendo extinta a EADS (que controlava a Eurocopter).[17]

Na nova organização do grupo, a Eurocopter passou a ser Airbus Helicopters, uma das três divisões da Airbus e que passou a ser a controladora da Helibras.[18]

Atuação no mercado brasileiro[editar | editar código-fonte]

A Helibras detém 50% do mercado nacional e atua nos segmentos Civil, Governamental, Militar e Óleo&Gas.[19] [20] [21] [22] [23] [24]

Produtos[editar | editar código-fonte]

Modelos de helicópteros de uso civil[editar | editar código-fonte]

  • EC120 COLIBRI - monomotor leve com capacidade para quatro passageiros e um piloto.
  • Esquilo AS350 B2 Esquilo - monoturbina leve multifunção para cinco ou seis passageiros e um piloto.
  • AS 350 B3 Esquilo – versão mais potente do modelo monoturbina leve multifunção para cinco ou seis passageiros e um piloto.
  • EC130 B4 - monoturbina leve multifunção da família Esquilo, com capacidade para seis ou sete passageiros e um piloto, com rotor de cauda do tipo fenestron.
  • AS355 NP - versão biturbina do Esquilo com capacidade para cinco ou seis passageiros mais um piloto.
  • EC135 T2e/P2e - biturbina leve e multifunção para até sete passageiros e um piloto, com cauda elevada para acesso direto ao compartimento de bagagem e rotor traseiro do tipo fenestron.
  • EC145 T2: biturbina multifunção com capacidade para transportar até dez pessoas, com cauda elevada para acesso direto ao compartimento de bagagem e rotor traseiro tipo fenestron.
  • AS365 N3+ Dauphin: biturbina médio multifunção com capacidade para até 11 passageiros e um piloto.
  • EC155 B1: biturbina multifunção de cabine ampla, rotor principal com cinco pás e rotor traseiro tipo fenestron, tem capacidade para até 12 passageiros mais um piloto. Utilizado no mercado civil e no offshore.
  • EC175 - bimotor multifunção de porte médio, rotor principal com cinco pás e capacidade para até 16 passageiros e dois pilotos em sua configuração offshore.
  • AS332 L1 - Super Puma - biturbina médio de uso civil empregado principalmente para operações offshore, pode transportar até 20 passageiros.
  • EC225 - Biturbina médio com cinco pás, é uma evolução da família Super Puma, destinado ao mercado offshore. Transporta até 25 passageiros e dois pilotos.

Modelos para uso militar[editar | editar código-fonte]

Helicóptero EC725.
  • EC120 B - monomotor leve, pode ser usado em treinamentos de pilotos.
  • AS550 C3 - versão de combate do AS350, é denominado Fennec quando em configuração militar. É um helicóptero monoturbina utilizado pelas Forças Armadas brasileiras em diferentes versões.
  • AS555 SN – versão biturbina do AS350 configurado para operações navais. É utilizado pela Marinha do Brasil.
  • EC635 - versão militar do EC 135. Helicóptero utilitário leve biturbina, pode ser configurado para missões de combate, busca, salvamento e transporte.
  • AS565 Panther: helicóptero médio, biturbina e multimissão, é a versão militar do Dauphin. Utilizado pelo Exército Brasileiro.
  • EC645 – versão militar do EC145, transporta dois pilotos e até 10 soldados.
  • AS532 AL COUGAR - esta é a versão "alongada" da família Cougar. Este helicóptero pode transportar 25 combatentes ou seis feridos em macas, e mais 10 passageiros.
  • EC725 - helicóptero biturbina médio com capacidade para transportar até 28 combatentes e dois pilotos. Utilizado pelas Forças Armadas brasileiras, desde 2012 é produzido no Brasil.[25]
  • Tigre HAP/HCP - aeronave de combate ar-ar e apoio de fogo; helicóptero de médio porte de seis toneladas, motorizado com duas turbinas MTR 390.
  • NH90 - biturbina da classe de nove toneladas para transporte tático e missões navais.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Márcia Mendes Ribeiro. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Página visitada em 26 de março de 2013.
  2. Guilherme Wiltgen. Defesa Aérea e Naval. Página visitada em 15 de janeiro de 2014.
  3. Defesanet. Página visitada em 02 de abril de 2013.
  4. LYNCH, Pedro. O voo do Falcão Cinza. 1 ed. Rio de Janeiro: [s.n.], 2003. p. 171-217.
  5. Helibras. Página visitada em 02 de abril de 2013.
  6. SIMMMEI – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Itajubá. Página visitada em 22 de março de 2013.
  7. Defesanet. Página visitada em 02 de abril de 2013.
  8. Revista Flap. Página visitada em 04 de abril de 2013.
  9. Helibras. Página visitada em 04 de abril de 2013.
  10. Revista Flap. Página visitada em 04 de abril de 2013.
  11. Altovoô.com. Página visitada em 25 de março de 2013.
  12. CLARO JÚNIOR, Oswaldo. Nas Garras do Puma: 3º/8º Grupo de Aviação. 2 ed. Rio de Janeiro: Adler Ed., 2012. p. 75.
  13. BITTENCOURT LYNCH, Pedo Augusto. A viabilização da indústria de asa rotativa no Brasil – A Marinha e os 35 anos da Helibras. Revista Marítima Brasileira, edição jan./mar.2013. Páginas 45-56.
  14. Terra Economia. Página visitada em 12 de maio de 2013.
  15. G1 Economia. Página visitada em 18 de novembro de 2013.
  16. Piloto Policial. Página visitada em 18 de novembro de 2013.
  17. EADS Announces Name Change, Restructuring (em inglês) Defencenews (31 de julho de 2013). Página visitada em 13 de fevereiro de 2014.
  18. Who We Are (em inglês) Airbus Helicopters (2014). Página visitada em 13 de fevereiro de 2014.
  19. SIMMMEI – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Itajubá. Página visitada em 22 de março de 2013.
  20. Istoé Dinheiro. Página visitada em 05 de abril de 2013.
  21. Piloto Policial. Página visitada em 05 de abril de 2013.
  22. Revista Guia Offshore Magazine, edição Setembro de 2012. Páginas 24 a 29.
  23. Conexão Itajubá. Página visitada em 05 de abril de 2013.
  24. Blog do Viana. Página visitada em 20 de março de 2013.
  25. CLARO JÚNIOR, Oswaldo. Nas Garras do Puma: 3º/8º Grupo de Aviação. 2 ed. Rio de Janeiro: Adler Ed., 2012. p. 75.