Heliocanthus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHeliocanthus
Ocorrência: Triássico Superior
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: reptilia
Ordem: Aetosauria
Família: Stagonolepididae
Subfamília: Aetosaurinae
Tribo: Typothoracisinae, Paratypothoracisini
Género: Heliocanthus
Parker, 2007
Espécies
  • H. chamaensis Parker, 2007

Heliocanthus é o nome de um género problemático de aetossauro que passou por muitas revisões taxonômicas nos últimos anos, e pode vir a ser sinónimo do Rioarribasuchus. Fósseis foram encontrados na Formação Chinle no Arizona e Novo México, que remontam à fase final do Carniano no final do Triássico Superior.

História[editar | editar código-fonte]

O nome Heliocanthus foi usado primeiramente como um nome genérico para a substituição do aetossauro "Desmatosuchus" chamaensis, nomeado em 2003 e encontrado no Parque Nacional da Floresta Petrificada na Formação Chinle no Novo México.1 2 Foi sugerido estar relacionado ao Paratypothorax. No entanto, este novo nome genérico foi proposto pela primeira vez em uma tese inédita, e não atende às normas de ICZN para a nomeação de um novo taxon. Artigos mais recentes publicados reafirmam a separação genética do "D". chamaensis do Desmatosuchus, mas o nome Heliocanthus permaneceu um nomen nudum até 2007, onde foi exaustivamente redescrito em um artigo publicado pelo Jornal de Paleontologia Sistemática.3 No entanto, um artigo publicado no final de 2006 atribuído "D". chamaensis ao novo género Rioarribasuchus.4 Como resultado, Heliocanthus pode ser considerado um sinónimo do Rioarribasuchus, mas o género possui antiguidade mais acima do Heliocanthus. Portanto, o nome Rioarribasuchus tem sido visto como uma violação do código de ética estabelecidos no Apêndice A do Código Internacional de Nomenclatura Zoológica e os jornais que fizeram uso do nome podem ser classificados como "roubo intelectual".5 Um artigo publicado no final de 2007 no popular blogue de Zoologia dos Tetropodes trouxe esses eventos para a atenção dos leitores.6 Isto acendeu um debate sobre estas questões entre os paleontólogos de vertebrados, o que levou a uma investigação pela Sociedade de Paleontologia de Vertebrados que deu uma resposta a estas questões, em meados de 2008, a respeito da conduta antiética dos autores que descreveram o Rioarribasuchus.7

Notas e referências

  1. Zeigler, K. A., Heckert, A. B., and Lucas, S. G. (2003). A new species of Desmatosuchus (Archosauria:Aetosauria) from the Upper Triassic of the Chama Basin, north-central New Mexico. In: Heckert, A. B. and Lucas, S. G., eds., Upper Triassic Stratigraphy and Paleontology. New Mexico Museum of Natural History and Science Bulletin No. 21
  2. Parker, W. G. (2003). Description of a new specimen of Desmatosuchus haplocerus from the Late Triassic of Northern Arizona. Unpublished MS thesis. Northern Arizona University, Flagstaff. 315 pp.
  3. Parker, W. G. (2007). Reassessment of the Aetosaur "Desmatosuchus" chamaensis with a reanalysis of the phylogeny of the Aetosauria (Archosauria:Pseudosuchia). Journal of Systematic Palaeontology 5:41–68.
  4. Lucas, S. G., Hunt, A. P., and Spielmann, J. A. (2006). Rioarribasuchus, a new name for an aetosaur from the Upper Triassic of north-central New Mexico. In: Harris et al., eds., The Triassic-Jurassic Terrestrial Transition. New Mexico Museum of Natural History and Science Bulletin 37.
  5. http://www.miketaylor.org.uk/dino/nm/timeline.html
  6. http://scienceblogs.com/tetrapodzoology/2007/04/post_2.php
  7. http://www.vertpaleo.org/society/documents/ExecutiveCommitteestatement.pdf