Hematopoiese

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Hematopoese humana - clique aqui para ampliar

Hematopoiese (também conhecida por hematopoese, hemopoese e hemopoiese), é o processo de formação, desenvolvimento e maturação dos elementos figurados do sangue (eritrócitos, leucócitos e plaquetas) a partir de um precursor celular comum e indiferenciado conhecido como célula hematopoiética pluripotente, célula-tronco ou stem-cell. As células-tronco, que no adulto encontram-se na medula óssea, são as responsáveis por formar todas as células e derivados celulares que circulam no sangue.

Hematopoiese em humanos[editar | editar código-fonte]

Local de formação[editar | editar código-fonte]

Nas primeiras semanas de gestação (aproximadamente 19° dia), o saco vitelino é o principal local de hematopoiese. De seis semanas até seis a sete meses de vida fetal, o fígado e o baço são os principais órgãos envolvidos e continuam a produzir os elementos figurados do sangue até cerca de duas semanas após o nascimento.

A medula óssea dos ossos chatos é o local mais importante a partir de seis a sete meses de vida fetal e, durante a infância e a vida adulta, é a única fonte de novos elementos figurados. As células em desenvolvimento estão situadas fora dos seios da medula óssea, enquanto as maduras são liberadas nos espaços sinusais e na microcirculação medular e, a partir daí, na circulação geral.

No período da lactação, toda a medula óssea é hematopoiética, mas durante a infância há substituição progressiva da medula por gordura nos ossos longos, de modo que a medula hematopoiética no adulto é confinada ao esqueleto central e às extremidades próximais do fêmur e do úmero. Mesmo nessas regiões hematopoiéticas, aproximadamente 50% da medula é de gordura. A medula óssea gordurosa é capaz de reverter para hematopoiese e, em muitas doenças, também há expansão da mesma nos ossos longos. Além disso, o fígado e o baço podem retomar seu papel hematopoiético fetal (hematopoiese extramedular).

Tecido Hematopoiético[editar | editar código-fonte]

A hematopoiese é função do tecido hematopoiético, que aporta a celularidade e o microambiente tissular necessários para gerar os diferentes constituintes do sangue. No adulto, o tecido hematopoiético forma parte da medula óssea (medula vermelha) e é o local onde ocorre a hematopoiese normal.

O local onde ocorre a hematopoiese varia durante a ontogênese. Assim, observamos três fases sequenciais de locais hematopoiéticos:

  1. Fase mesoblástica: Fase inicial, no peduncúlo do tronco e saco vitelino. Ambas estruturas tem poucos mm. de longitude, ocorre na 2ª semana embrionária.
  2. Fase hepática: Na 6ª semana de vida embrionária.
  3. Fase mielóide: O baço e a medula óssea fetal

Somente resumindo, o tecido hematopoiético é o formador dos elementos figurados do sangue.

Órgãos hematopoiéticos[editar | editar código-fonte]

São os órgãos que produzem no processo da Hematopoiese os elementos do sangue: leucócitos, hemácias e plaquetas.
Esses órgãos são: medula óssea, linfonodos (gânglios linfáticos), baço e fígado.

Medula óssea[editar | editar código-fonte]

A medula óssea é o órgão mais importante da gênese dos diversos elementos figurados do sangue, pois lá estão as células-tronco que dão origem a células progenitoras de linhagens mielocíticas, linfocítica, megacariócitos e eritroblastos.

Diferenciação sanguínea[editar | editar código-fonte]

Os histologistas do século XIX e princípios do XX classificavam as células do sangue em duas categorias (ou linhas) segundo seu suposto lugar de origem: médula óssea ou órgãos linfóides (gânglios linfáticos, baço ou timo).

Com algumas correções, pois não se considera válida a suposição de una origem dual das células sanguíneas. A teoria atual aponta que todas têm uma origem única e comum na medula óssea, tal classificação segue vigente:

A "estirpe mielóide", compreende aos eritrócitos, plaquetas, leucócitos granulares (neutrófilos, basófilos e eosinófilos) e monócitos-macrófagos. O desenvolvimento de tais elementos se conhece como mielopoiese e parte de uma célula mãe precursora comum. A "estirpe linfóide", compreende unicamente aos linfócitos, que podem ser de dois tipos: linfócitos B e linfócitos T (existe ainda um terceiro tipo,os linfócitos NK). O desenvolvimento destas células se denomina linfopoiese.

Mielopoiese[editar | editar código-fonte]

Se denomina assim ao processo de formação de células granulocíticas: (Eosinófilos, Basófilos e Neutrófilos)a partir de uma célula única (UFC-G) ou unidade de colônias granulocíticas.

Evolução Celular:

Monopoiese[editar | editar código-fonte]

Por monopoiese se conhece a formação dos monócitos a partir das UFC-M (unidade formadora de colônias monocíticas ou monócitos). Sua formação está caracterizada por duas fases de maturação que se consideram as mais importantes:

Os monócitos podem se localizar como células fixas em órgãos como no baço, alveólos pulmonares, e nas células de Kupffer do fígado. Sua função principal consiste em fagocitar bactérias, micobactérias, fungos, protozoários ou vírus.

Trombopoiese[editar | editar código-fonte]

Este é o processo mediante o qual se geram as plaquetas que promovem a coagulação para impedir a perda de sangue em caso de uma lesão vascular. Partes do citoplasma do megacariócito dão origem às plaquetas, responsáveis pela coagulação sanguínea.

Evolução Celular:

Eritropoiese[editar | editar código-fonte]

A eritropoiese é o processo que se corresponde a geração dos eritrócitos (ou hemácias também chamados de glóbulos vermelhos). Este processo nos seres humanos ocorre em diferentes lugares dependendo da idade da pessoa.

Na vida fetal este processo acontece pricipalmente no fígado e no baço e na vida extrauterina, este processo ocorre na medula óssea e também no interior do músculo serratil anterior.

O processo se inicia com uma célula mãe que gera, por bipartição dupla, 4 células diferenciadas para produzir eritrócitos que mediante diferentes mecanismos enzimáticos chega a formação de reticulócitos e três dias depois se transformam em hemácias maduras anucleadas. A vida média de um eritrócito é de 120 dias.


Linfopoiese[editar | editar código-fonte]

É o processo mediante o qual se formam os linfócitos.

Engloba os linfócitos T e B.Os linfócitos B saem maduros da medula óssea enquanto os linfócitos T precisam migrar para o Timo onde irão sofrer o processo de maturação.Os linfócitos B ainda se diferenciam em plasmócitos quando encontram um antígeno num órgão linfóide secundário e secretam anticorpos nos tecidos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]