Hendrik Nicolaas Werkman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
H.N. Werkman.

Hendrik Nicolaas Werkman (Leens, 29 de abril de 1882Bakkeveen, 10 de abril de 1945) foi um pintor e tipógrafo holandês, adscrito ao expressionismo.

Nasceu em Leens, na província neerlandesa de Groninga. Em 1908 fundou uma imprensa e uma casa editorial em Groningen. Reveses financeiros obrigaram o seu fecho em 1923, após o qual começou novamente com um pequena oficina no cobertura de um armazém.

Werkman era membro do grupo de artistas De Ploeg (A carreta), para a que imprimiu cartéis, convites e catálogos. De 1923 a 1926 produziu a sua própria revista, a vanguardista The Next Call, que, como outras obras da época, incluía collages, experimentando com diversos tipos de letra e materiais de impressão.

Em maio de 1940, pouco depois da invasão alemã dos Países Baixos, Werkman, com o seu amigo August Henkels e outros, começou a publicar uma série de histórias chassídicas da lenda do Baal Shem Tov através da sua editorial clandestina De Blauwe Schuit (O barco azul). Em 13 de março de 1945, a Gestapo arrestou a Werkman, e fuzilou-o com outros nove prisioneiros, perto da aldeia de Bakkeveen em 10 de abril, três dias antes de ser liberta Groninga. As suas pinturas e gravuras, que a Gestapo confiscara, ficaram destruídas no incêndio que estourou durante a batalha entre as forças alemãs e canadenses.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Martinet, Jan. Hendrik Nicolaas Werkman – 'Druksels' Prints and General Printed Matter. Stedelijk Museum, Amsterdam, 1977.

Referências