Henrique Alvim Corrêa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilustração de Henrique Alvim Corrêa para a edição belga de "A Guerra dos Mundos", publicada em 1906. Mostra um tripod em ação. Ao todo foram 23 ilustrações em grafite e tinta.

Henrique Alvim Corrêa (Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 1876 - Bruxelas, 7 de junho de 1910), foi um pintor, desenhista, gravador e ilustrador brasileiro radicado na Bélgica.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ficou conhecido por seu trabalho voltado para a ficção científica, notadamente com as ilustrações da edição belga de 1906 da obra de H.G. Wells A Guerra dos Mundos. No Brasil, geralmente se classifica sua obra como sendo Pré-Modernista.

Ele também produziu trabalhos artísticos sobre a vida militar, principalmente sobre a Guerra Franco-Prussiana (1870-1871); outras de cunho erótico, assinadas como "Henri LeMort". Na época da citada publicação do livro de Wells, Corrêa já padecia com a tuberculose. Faleceu poucos anos depois, em 1910, com 34 anos de idade.

Corrêa foi para a Europa com 16 anos, logo após a proclamação da República do Brasil, em 1892, levado pelo monarquista Barão de Oliveira Castro, seu padrasto.

A edição belga recebeu uma tiragem especial de 500 exemplares. Construiu uma prensa em seu ateliê de Watermael-Boitsfort. Em 1972, no Museu de Arte de São Paulo (MASP), promoveu-se a primeira exposição pública de sua obra. Outras se seguiriam, como as de 1977 e 1990, no Museu Nacional de Belas Artes, e a de 1981, na Fundação Casa de Rui Barbosa, ambas no Rio de Janeiro. Em 2004 foram expostas no Science Fiction Museum (EMP Museum), em Seattle, EUA, por ocasião da sua inauguração.

Imagens[editar | editar código-fonte]

Outra ilustração de Henrique Alvim Corrêa da edição belga de 1906. Uma máquina de guerra marciana enfrentando o navio Thunder-Child.
Máquinas marcianas atacando uma vila inglesa. Henrique Alvim Corrêa, edição belga, 1906.

Referências[editar | editar código-fonte]

Referências biográficas e o trabalho do autor podem ser conhecidos e apreciados nas seguintes obras:

  • A gravura brasileira contemporânea (Expressão e Cultura, 1966), de José Roberto Teixeira Leite;
  • A arte maior da gravura (Espade, 1976), de Orlando Dasilva;
  • A guerra dos mundos (Nova Fronteira, 1981), de H. G. Wells, tradução de Raul de Sá Barbosa;
  • Henrique Alvim Corrêa: guerra & paz, cotidiano e imaginário na obra de um pintor brasileiro no 1900 europeu (Fundação Casa de Rui Barbosa, 1981)
  • Literatura & artes plásticas (Fundação Casa de Rui Barbosa, 1989), de Alexandre Eulálio;
  • Henrique Alvim Corrêa - Cenas da vida militar (Museu Nacional de Belas Artes, 1990);
  • História geral da arte no Brasil (Instituto Walther Moreira Salles/Fundação Djalma Guimarães, 1983), coordenação de Walter Zanini;
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820/1970 (Ilustrado pela coleção Sergio Fadel, Colorama, 1989), de Donato Mello Júnior, Ferreira Gullar e outros.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Henrique Alvim Corrêa
  • [1] Perfil e referências na Internet (em português)
  • [2] - Referências para a edição do livro Confissões do Inexplicável pela Editora Devir, com ilustração da capa de Henrique Alvim Corrêa.