Henrique Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henrique Campos
Nome completo Henrique Xavier de Oliveira Campos
Nascimento 9 de fevereiro de 1909
Santarém
 Portugal
Morte 18 de dezembro de 1983 (74 anos)
Lisboa
 Portugal
Ocupação realizador, roteirista
IMDb: (inglês)

Henrique Campos (Santarém, 9 de fevereiro de 1909Lisboa, 18 de dezembro de 1983) foi um realizador e ator português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Depois de completar os estudos liceais na sua cidade natal, vai para Lisboa em 1931, ingressando na companhia teatral de Alves da Cunha, sediada no Teatro Politeama. É nesta Companhia e, mais tarde, na Companhia de Abílio Alves (sediada no Teatro Avenida) que enceta uma carreira teatral com algum sucesso[1] . É como ator que inicia a sua carreira no cinema, ao participar, em 1938, em Os Fidalgos da Casa Mourisca de Arthur Duarte.
Tomado de amores pelo cinema, decide ir para Espanha adquirir conhecimentos técnicos que lhe permitissem passar à realização. Após três anos de vicissitudes na rodagem do filme, consegue estrear em setembro de 1946 a sua primeira obra como diretor: Um Homem do Ribatejo. A sua carreira estava lançada e foi prolífica, tendo realizado um número de longas-metragens muito superior à média dos cineastas portugueses. Assumindo a vertente comercial dos seus filmes, Campos tocou vários géneros ao gosto popular português dos anos 50 e 60. No filme Rosa de Alfama foi realizador e ator no papel de Renato.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Longas-metragens[editar | editar código-fonte]

Documentários e curtas-metragens[editar | editar código-fonte]

  • 1949: Campeões do mundo
  • 1949: A canção do cigano
  • 1949: Canção fadista
  • 1949: Fado Hilário
  • 1949: Guadiana
  • 1949: Rainha Santa
  • 1949: Santa Luzia
  • 1950: Canção serrana
  • 1950: Candeeiro de esquina
  • 1950: Catraia do Porto
  • 1954: A ilha verde
  • 1962: Férias... num lugar ao sol

Referências

  1. Jorge Leitão Ramos, Dicionário 20 Anos de Cinema Português, Diário de Lisboa, 11 de maio de 1984.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]