Henrique de Malaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Henrique de Malaca (século XVI) foi um nativo do arquipélago malaio, possivelmente de Sumatra, que Fernão de Magalhães tomou como escravo em 1511, durante a conquista de Malaca. Henrique acompanhou Magalhães em todas as suas viagens, incluindo a primeira viagem de circum-navegação (Agosto 1519-Setembro 1522) que demonstrou definitivamente que a Terra é redonda. Henrique participou como intérprete nesta viagem, com algumas fontes a considerarem que terá sido a primeira pessoa a completar uma volta ao mundo.1

O italiano Pigafetta, que fez o relato presencial da expedição, afirmou explicitamente que Henrique era nativo de Sumatra. É referido como "Henrique", o nome cristão com que fora batizado pelos seus captores, no relato de Pigafetta e em documentos oficiais da Casa de Contratación de las Indias sobre a expedição de Fernão de Magalhães às Filipinas.

Conforme escrito no testamento de Magalhães, este adquiriu-o como escravo em Malaca, provavelmente na fase inicial do cerco português em 1511. O nome de baptismo indica que sua captura terá ocorrido no dia de Santo Henrique, 13 de Julho, poucos depois do início do cerco sob a liderança de Afonso de Albuquerque. O seu baptismo é atestado pelo próprio Magalhães, que escreveu ser Henrique um cristão, afirmando explicitamente que era natural de Malaca. Testemunhos de Antonio Pigafetta, Ginés de Mafra, o piloto genovês, e de Antonio Herrera, Juan Sebastian Elcano e Bartolomé de las Casas, além de fontes secundárias como João de Barros e Francisco López de Gomara, referem-no como um escravo.

Henrique acompanhou Magalhães de regresso à Europa, e aprendeu com este português e espanhol, trabalhando como escravo e intérprete. Ginés de Mafra refere explicitamente que Henrique participou na expedição principalmente pela sua capacidade de falar o idioma malaio. "Ele [Magalhães]," escreveu, "disse aos seus homens que estavam agora na terra que tanto desejava, e enviou um homem chamado Heredia, que era funcionário do navio, a terra com um índio que haviam tomado, porque segundo disseram, ele era conhecido por falar malaio, a língua falada no arquipélago malaio." A ilha das Filipinas onde ele falou e foi entendido pelos nativos foi Mazaua que Ginés de Mafra localiza algures no Mindanau.

O piloto genovês da expedição de Magalhães afirma - erradamente - que os espanhóis não tinham intérprete quando chegaram a Cebu, porque Henrique havia morrido juntamente com Magalhães, durante a Batalha de Mactan em 1521. No entanto, Henrique estava vivo em 1 de Maio de 1521, e participou da festa dada pelo Rajá Humabon aos espanhóis. Antonio Pigafetta escreve que o sobrevivente João Serrão, ao pedir auxílio à tripulação para o salvar dos Cebuanos, disse que todos os que estavam no banquete haviam sido envenenados, excepto Henrique. Este facto levantou o rumor de que Henrique tinha sido conivente no plano do rajá Humabon, como forma de obter a liberdade. De acordo com vontade de Magalhães, com a sua morte violenta de Magalhães em Abril de 1521, na ilha filipina de Cebu, Henrique seria libertado da condição de escravo, contudo o novo capitão quis manter Henrique como intérprete. O certo é que, após esta celebração a maioria dos europeus foram mortos e perdeu-se o rasto de Henrique. Juan Sebastián Elcano e 17 tripulantes do Victoria, único navio sobrevivente da expedição, regressaram a Espanha em 6 de setembro de 1522.

References[editar | editar código-fonte]

  1. Visto que partira inicialmente da longitude malaia, Henrique teria concluído uma circum-navegação ao retornar ao arquipélago, ou seja antes de os seus companheiros regressarem a Espanha.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bergreen, Laurence. 2003. Over The Edge of The World: Magellan’s Terrifying Circumnavigation of the Globe. New York.
  • Pigafetta, Antonio. 1524. Various editions and translations:
  • 1524a. Magellan’s Voyage, Vol. II. Facsimile edition of Nancy-Libri-Phillipps-Beinecke-Yale codex. New Haven 1969.
  • 1524b. Primo viaggio intorno al globo terracqueo, ossia ragguaglio della navigazione...fatta dal cavaliere Antonio Pigafetta...ora publicato per la prima volta, tratto da un codice MS. Della biblioteca Ambrosiana di Milano e corredato di note da Carlo Amoretti. Milan 1800.
  • 1524f. Magellan’s Voyage: A Narrative Account of the First Circumnavigation. R.A. Skelton (ed. and tr. of Yale ms.). New Haven 1969.
  • 1524j. The First Voyage Around the World (1519-1522). Theodore J. Cachey Jr. (ed. based on Robertson’s tr.) New York 1995.
  • Piloto Genovês, 1519. Navegaçam e vyagem que fez Fernando de Magalhães de Seuilha pera Maluco no anno de 1519 annos. In: Collecção de noticias para a historia e geografia das nações ultramarinas, que vivem nos dominios Portuguezes, ou lhes sao visinhas. Lisboa 1826. Pp. 151–176.
  • Mafra, Ginés de. 1543. Libro que trata del descubrimiento y principio del Estrecho que se llama de Magallanes. Antonio Blazquez y Delgado Aguilera (eds.) Madrid 1920. Pp. 179–212.
  • Parr, Charles McKew. 1953. So Noble a Captain: The Life and Times of Ferdinand Magellan. New York.
  • Quiriño, Carlos. 1980-1995. "The First Man Around the World Was a Filipino." In: Philippines Free Press, December 28, 1991. --"Pigafetta: The First Italian in the Philippines." In: Italians in the Philippines, Manila: 1980. -- "Enrique." In: Who's Who in the Philippines. Manila: Pp. 80–81.
  • Ramusio, Gian Battista. 1550. La Detta navigatione per messer Antonio Pigafetta Vicentino. In: Delle navigationi e viaggi…Venice: Pp. 380–98.
  • Torodash, Martín. 1971. “Magellan Historiography.” In: Hispanic American Historical Review, LI, Pp. 313–335.
  • Zweig, Stefan. 1938. Conqueror of the Seas: The Story of Magellan. New York.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]