Henry Hugh Armstead

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henry Hugh Armstead
O Troféu Stockbridge, projetado por Armstead como prêmio de uma corrida de cavalos em Nottingham.
Nascimento 18 de junho de 1828
Londres
Morte 4 de dezembro de 1905 (77 anos)
Cidade de Westminster
Nacionalidade Flag of the United Kingdom.svg britânica
Área escultura, ilustração

Henry Hugh Armstead R.A. (Londres, 18 de junho de 1828 – Cidade de Westminster, 4 de dezembro de 1905) foi um escultor e ilustrador inglês, influenciado pela Irmandade Pré-Rafaelita.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Fachada do edifício do Foreign and Commonwealth Office (FCO), Londres, com cariátides desenhadas por Henry Hugh Armstead
Face leste do Friso do Parnaso no Albert Memorial.
Face sul do Friso do Parnaso no Albert Memorial.
Busto da senhora Hugh Wells Armstead, em mármore.

Armstead nasceu em Bloomsbury, Londres, filho de John Armstead um chaser[2] heráldico. Iniciou sua aprendizagem profissional sob a orientação de seu pai, e depois continuou seus estudos na Escola de Desenho do Governo, na Somerset House e, posteriormente, nas escolas particulares de arte. Estudou também com o escultor Edward Hodges Baily.[3]

Com a idade de dezoito anos, passou a trabalhar para os ourives Hunt e Roskell,[4] e seus trabalhos, mais tarde, fizeram parte do "Kean Testimonial", um conjunto de nove peças de prata presenteadas ao ator Charles Kean,[5] e o "Outram Shield" (1862), feito para presentear o tenente-general Sir James Outram.[6] Ele tanto fez os modelos em argila, como também gravou as peças moldadas em prata.[5] [4]

No final da década de 1850 Armstead foi contratado para fazer uma estátua de Aristóteles[3] em pedra de Caen[7] para o Museu de História Natural em Oxford. Depois disso, ele se dedicou cada vez mais à escultura, em vez dos trabalhos em metal.[3] Projetou um conjunto de frisos para o exterior do Eatington Hall, como parte de sua remodelação em 1858-1862; eles foram esculpidos por Edward Clarke,[8] Os contratos de trabalho no Palácio de Westminster e no Albert Memorial ajudaram Armstead a consolidar sua reputação. Posteriormente, criou um grande número de estátuas públicas, obras funerárias e outros projetos arquitetônicos.[3]

No Palácio de Westminster gravou dezoito painéis de carvalho no Queens's Robing Room ilustrando a lenda do Rei Arthur sob uma série de murais de William Dyce.[4] [9]

Armstead trabalhou em estreita colaboração com George Gilbert Scott no memorial Albert desde o início do processo de criação, fazendo os modelos em pequena escala dos grupos esculturais projetados para o modelo arquitetônico de Scott.[10] Quando foi para fazer as esculturas do monumento real, escolheu fazer metade do Friso do Parnaso, uma representação de 169 grandes figuras culturais esculpidas em duro mármore Campanella. Armstead esculpiu os poetas e músicos, no lado sul do monumento, e os pintores na face leste. Os outros dois lados foram executados por John Birnie Philip. Armstead tomou muito cuidado com os detalhes das figuras, pedindo ajuda aos amigos ainda vivos de Goethe, Beethoven e Mendelsohn, e trabalhou tendo como referência a máscara mortuária de Weber.[11] A escultura foi esculpida in situ, nos blocos já instalados no pódio do monumento, em vez de no estúdio.[12] O relevo foi concluído, e os abrigos temporários dos escultores removidos, em 1872.[13] Armstead também fez algumas das estátuas de bronze, simbolizando as ciências nos níveis superiores do memorial; as outras foram feitas por Philip.[14]

Com John Birnie Philip, Armstead trabalhou nas decorações escultóricas externas de Scott escritório colonial em Whitehall,[1] Armstead esculpiu também a grande fonte do King's College em Cambridge (1874-1879), incorporando uma estátua de seu fundador, Henrique VI[15] e inúmeras efígies, como as do bispo Wilberforce em Winchester e do Lorde John Thynne na Abadia de Westminster.[1]

Foi eleito um Associado da Academia Real Inglesa em 1875 e membro pleno em 1880.[1]

Armstead morreu em sua casa no número 52 da Circus Road, em St John's Wood, Cidade de Westminster em 4 de dezembro de 1905.[3]

Trabalhos selecionados[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. a b c d Chisholm, Hugh, ed. (1911). Henry Hugh Armstead. Encyclopædia Britannica (11ª ed.).
  2. chaser: termo de origem francesa, se refere ao ofício de gravador em metais.
  3. a b c d e Henry Hugh Armstead RA, Mapping the Practice and Profession of Sculpture in Britain and Ireland 1851-1951. Universidade de Glasgow, History of Art and HATII, online database 2011.
  4. a b c The National Gallery British Art Catalogue With Descriptions Historical Notes and Lives of Deceased Artists. Londres: His Majesty's Stationery Office. 4–5 pp.
  5. a b (24 de março de 1862) "The Kean Testimonial". The Times.
  6. Shield. Victoria and Albert Museum.
  7. The statues in the court.
  8. Evelyn Philip Shirley. Lower Eatington: Its Manor House and Church. [S.l.]: Privately. print. at the Chiswick press, 1869. 22–23 pp.
  9. The Legend of King Arthur. UK Parliament.
  10. Bayley 1983, p. 52
  11. Bayley 1983, pp.67–9
  12. Bayley 1983, pp.67, 73
  13. Bayley 1983, p. 142
  14. Bayley 1983, pp.123–7
  15. The Fountain: King's own water feature. Kings College Cambridge.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]