Herculano Pires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

José Herculano Pires (Avaré, SP, 25 de setembro de 1914, — São Paulo, SP, 9 de março de 1979) foi um jornalista, filósofo, educador, escritor e tradutor brasileiro.

Destacou-se como um dos mais ativos divulgadores do espiritismo no país. Traduziu os escritos de Allan Kardec e escreveu tanto estudos filosóficos quanto obras literárias inspiradas na Doutrina Espírita.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Conforme se vê na biografia J. Herculano Pires, o apóstolo de Kardec[1] , é filho do farmacêutico José Pires Corrêa e de sua esposa, a pianista Bonina Amaral Simonetti Pires. Fez os seus primeiros estudos em Avaré, Itaí e Cerqueira César. Desde cedo revelou vocação literária, tendo composto aos 9 anos de idade, o seu primeiro soneto, um decassílabo sobre o Largo São João, da sua cidade natal. Aos 16 anos publicou o seu primeiro livro, Sonhos azuis (contos) e, aos 18 anos, o segundo, Coração (poemas livres e sonetos).

Colaborou em jornais e revistas da época, tanto do estado de São Paulo quanto do Rio de Janeiro. Teve vários contos publicados, com ilustrações, na Revista Artística do Interior, que promoveu dois concursos literários, um de poemas, pela sede, em Cerqueira César, e outro de contos, pela Seção de Sorocaba.

Em 1940 transferiu-se para Marília, onde adquiriu o jornal Diário Paulista, que dirigiu por seis anos. Com José Geraldo Vieira, Zoroastro Gouveia, Osório Alves de Castro, Nichemja Sigal, Anthol Rosenfeld e outros promoveu, através do jornal, um movimento literário na cidade e publicou Estradas e ruas (poemas) que Érico Veríssimo e Sérgio Milliet comentaram favoravelmente.

Em 1946 mudou-se para São Paulo, onde lançou o seu primeiro romance O caminho do meio, que mereceu críticas elogiosas de Afonso Schmidt, Geraldo Vieira e Wilson Martins.

Em sua carreira, foi ainda repórter, redator, secretário, cronista parlamentar e crítico literário dos Diários Associados, tendo exercido essas funções por cerca de trinta anos.

Graduado em filosofia pela Universidade de São Paulo, publicou uma tese existencial: O ser e a serenidade.

Obra[editar | editar código-fonte]

No livro Expoentes da codificação espírita[2] vê-se que Herculano Pires é autor de oito dezenas de livros, distribuídos por filosofia, ensaios, histórias, psicologia, parapsicologia e espiritismo, alguns em parceria com o médium Francisco Cândido Xavier, e é considerado um dos autores mais críticos dentro do movimento espírita. A sua linha de pensamento era forte e racional, combatendo os desvios e mistificações, sendo a maior característica do conjunto de suas obras a luta por demonstrar a consistência do pensamento espírita e defender a valorização dos aspectos crítico e investigativo originalmente propostos por Kardec.

Em seus ensaios nota-se a preocupação em combater interpretações e traduções deturpadas das obras de Kardec, inclusive aquelas que surgiram no seio do movimento espírita brasileiro ao longo do século XX.

Defendia o conceito de pureza doutrinária, segundo o qual era preciso preservar a doutrina de todo tipo de influência mística e esotérica.

Em monografias filosóficas, a exemplo de Introdução à filosofia espírita, propõe-se a esclarecer a contribuição do espiritismo para o desenvolvimento da filosofia, em especial no tocante ao sentido da existência humana. Contrapõe-se frontalmente ao niilismo e ao existencialismo materialista.

A maioria das suas obras é atualmente publicada pela Editora Paideia (de sua família), a qual fundou na década de 1970 para publicar suas obras.

A sua tradução dos livros de Kardec tem sido editada por várias editoras, a exemplo da Livraria Allan Kardec Editora (LAKE), da Editora Argentina e da Federação Espírita do Estado de São Paulo (FEESP).

Títulos publicados[editar | editar código-fonte]

Em ordem alfabética
  • A ciência espírita e suas implicações terapêuticas
  • A obsessão - o passe - a doutrinação
  • A pedra e o joio
  • Adão e Eva
  • Agonia das religiões
  • Arigó – vida, mediunidade e martírio
  • Astronautas do além (em parceria com Chico Xavier)
  • Barrabás (trilogia "A conversão do mundo")
  • Chico Xavier pede licença (em parceria com Chico Xavier)
  • Concepção existencial de Deus
  • Curso dinâmico de espiritismo
  • Diálogo dos vivos (em parceria com Chico Xavier)
  • Educação para a morte
  • Evolução espiritual do homem na perspectiva da doutrina espírita
  • Introdução à filosofia espírita
  • Lázaro (trilogia "A conversão do mundo")
  • Madalena (trilogia "A conversão do mundo")
  • Mediunidade
  • Metrô para outro mundo
  • Na era do espírito (em parceria com Chico Xavier)
  • Na hora do testemunho (em parceria com Chico Xavier)
  • O caminho do meio
  • O centro espírita
  • O espírito e o tempo
  • O menino e o anjo
  • O mistério do ser ante a dor e a morte
  • O reino
  • O sentido da vida
  • O ser e a serenidade
  • O túnel das almas
  • O verbo e a carne – duas análises do roustainguismo (em parceria com Júlio de Abreu Filho)
  • Os filósofos
  • Os sonhos de liberdade
  • Os sonhos nascem da areia
  • Os três caminhos de Hécate
  • Parapsicologia hoje e amanhã
  • Pedagogia espírita
  • Pesquisa sobre o amor
  • Poesias
  • Relação espírito-corpo
  • Revisão do cristianismo
  • Um Deus vigia o planalto
  • Vampirismo

Além dos seus livros, Herculano traduziu e/ou comentou as seguintes obras de Allan Kardec (Editora LAKE):

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. RIZZINI, Jorge. J. Herculano Pires, o apóstolo de Kardec. São Paulo: Paideia, 2000. 282p. ISBN 85-88849-03-2
  2. Expoentes da codificação espírita. Curitiba: Federação Espírita do Paraná, 2002. ISBN 85-86255-11-4