Herman Kahn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Herman Kahn (Bayonne, 15 de fevereiro de 1922Chappaqua, 7 de julho de 1983) foi um estrategista militar e teórico da Corporação RAND que ficou conhecido por suas análises sobre as prováveis conseqüências de uma guerra nuclear. No Brasil ficou famoso por causa do seu projeto Grandes Lagos.

Biografía[editar | editar código-fonte]

Nascido em Bayonne, Nova Jérsei e criado em uma família judia no Bronx vai morar em Los Angeles por causa do divórcio dos seus pais. Estudou na Universidade da Califórnia (UCLA), onde se especializou em Física. Durante a Segunda Guerra Mundial trabalhou como telefonista na Birmânia. Com o fim da guerra voltou para a UCLA onde concluiu seus estudos e tentou fazer um doutorado na Caltech que foi obrigado a abandonar por razões econômicas. Depois de um curto período trabalhando como corretor imobiliário foi contratado para trabalhar na Rand Corporation pelo seu amigo Samuel Cohen, o inventor da bomba de nêutrons. Se dedicou ao desenvolvimento da bomba de hidrogênio nos Laboratórios Lawrence Livermore, onde trabalhou com a colaboração de Edward Teller, John von Neumann, Hans Bethe e Albert Wohkstetter.

Teorias da Guerra Fria[editar | editar código-fonte]

As principais contribuições de Kahn foram as diversas estratégias que foram desenvolvidas durante a guerra fria para "pensar o impensável", ou seja, a guerra nuclear. Em meados da década de 50, durante a administração de Eisenhower, o Secretário de Estado John Foster Dullesmontou a teoria de "represália maciça". Essa teoria, também chamada de "nova imagem" era resultado da percepção de que o Exército Vermelho era muito maior do que o dos Estados Unidos da América. Seguindo essa teoria qualquer ataque soviético seria retaliado como se fosse um ataque nuclear. Kahn considerava essa posição insustentável e desestabilizadora.

Em 1960 cresciam as tensões da Guerra Fria, com o Sputnik e a crise dos mísseis em Cuba. Kahn então publicou um ensaio sobre a guerra termonuclear onde sua preocupação foi a de projetar um plano de guerra para a era nuclear: como prevenir a guerra; se não for possível prevenir, como ganhar; e, se não for possível ganhar, como sobreviver. Sua obra se baseia na Teoria dos Jogos aplicada à estratégia de guerra, para isso Kahn preconizava que uma dissuasão adequada dos Estados Unidos da América seria baseada na certeza, por parte dos soviéticos, de que um ataque aos EUA desencadearia em uma reação de maior proporção, a chamada "destruição mútua assegurada", em inglês essa doutrina ficou conhecida como MAD e dominou o pensamento militar e estratégico americano até o fim da Guerra Fria.