Hipérbato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Hipérbato (do grego hyperbaton, que ultrapassa) também conhecido como inversão, é uma figura de linguagem que consiste na troca da ordem direta dos termos da oração (sujeito, verbo, complementos, adjuntos) ou de nomes e seus determinantes. Incide quando há demasia propositada num conceito. Assim expressando de forma muito dramática tudo aquilo que se ambiciona a vocabular.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  1. "Aquela triste e leda madrugada" (Luís Vaz de Camões)
  2. "Do que a terra mais garrida / Teus risonhos, lindos campos têm mais flores" (Osório Duque Estrada, em Hino Nacional Brasileiro)
  3. "Não é que o meu o teu sangue / Sangue de maior primor." (Alexandre Herculano)
  4. Dança, à noite, o casal de apaixonados no clube.
  5. Aves, desisti de as ter!
  6. Das minhas coisas cuido eu!
  7. "Ouviram do Ipiranga às margens plácidas / De um povo heroico o brado retumbante." (Osório Duque Estrada, em Hino Nacional Brasileiro)
  8. "O caso triste e dino da memória / Que do sepulcro os homens desenterra," (Camões, em Os Lusíadas no episódio de Inês De Castro (Canto III))
  9. Escura, sombria e assustadora noite.