Hiperião

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Titãs
Oceano
Céos
Crio
Hiperião
Jápeto
Cronos
Tétis
Teia
jujuco
Febe
Reia
Mnemosine
Têmis

Hiperião ou Hipérion, na mitologia grega, é um dos titãs, filhos de Urano e Gaia.[1] [2] [3] Por uma outra versão, atribuída por Diodoro Sículo aos cretenses, os titãs eram filhos de um dos curetes com Titaea, e o nome titãs deriva da sua mãe.[4]

Da sua união com sua irmã Teia nasceram Eos, Hélio e Selene.[5] [6] Segundo a interpretação de Diodoro Sículo,[Nota 1] Hiperião foi o primeiro a estudar o movimento do Sol, da Lua e das estrelas, e foi, por isto, chamado de pai destes astros.[7]

Ainda segundo Diodoro, a lenda dos atlantes sobre a origem dos deuses não é muito diferente das lendas gregas.[8] Por esta lenda, Urano foi seu primeiro rei,[9] e teve quarenta e cinco filhos de diversas esposas, sendo dezoito de sua esposa Titaea.[10] Titaea, depois de morta, foi deificada como Gaia.[11] Basileia, a filha mais velha de Urano, sucedeu seu pai quando este morreu e foi deificado. Ela era virgem, mas desejando ter herdeiros, casou com seu irmão Hiperião.[12] Basileia e Hiperião tiveram dois filhos, Hélio e Selene,[13] porém os irmãos de Basileia conspiraram e assassinaram Hiperião, e afogaram Hélio, que ainda era uma criança, no rio Erídano. Selene se suicidou, jogando-se de uma rocha. Basileia teve uma visão, na qual Hélio dizia para ela não lamentar a morte dos filhos, pois os titãs receberiam uma punição adequada, e ele havia se tornado o Sol e sua irmã a Lua.[14] Segundo Newton, a origem destas lendas atlantes foram os sacerdotes do Egito;[15] ele identifica Hiperião com Osíris, Hélio com Hórus, Selene com Bubaste,[16] e o rio onde Hélio foi afogado com o rio Nilo.[15]

O gregos [Nota 2] identificaram Mitra, deus persa, com Hiperião ou com Febo.[17] Ovídio menciona que os persas sacrificavam cavalos a Hiperião, porque nenhuma vítima lenta poderia se sacrificada a um deus rápido.[18]

Notas e referências

Notas

  1. A interpretação de que evento mitológicos são eventos reais que ocorreram com pessoas mortais, e que foram divinizadas depois de mortas, se chama evemerismo.
  2. O autor citado, Ovídio, porém, é romano.

Referências

  1. Hesíodo, Teogonia, 134-138 [em linha]
  2. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.1.3 [em linha]
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 66.3 [ael/fr][en][en]
  4. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 66.2 [ael/fr][en][en]
  5. Hesíodo, Teogonia, 371-374
  6. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.2.2
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 67.1 [ael/fr][en][en]
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 56.1 [ael/fr][en]
  9. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 56.3
  10. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 57.1
  11. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 57.2
  12. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 57.3
  13. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 57.4
  14. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro III, 57.6
  15. a b Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms, Chapter 1: Of the Chronology of the First Ages of the Greeks [newtonproject] [google books]
  16. Isaac Newton, Draft chapters of The Chronology of Ancient Kingdoms Amended, Chapter 1: Of the Chronology of the first ages of the Greeks & Latines [newtonproject]
  17. Charles William King, The Gnostics and Their Remains (1887), Part II. The Worship of Mithras and Serapis, The Worship of Mithras, I. Origin of Mithraicism [em linha]
  18. Ovídio, Fasti, 9 de janeiro, 381-392 [em linha]

Árvore genealógica baseada em Hesíodo. Por simplificação, não foram incluídos irmãos e meio-irmãos de Hiperião:

 
 
 
 
 
 
 
Gaia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Urano
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Hiperião
 
 
 
 
 
Teia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Eos
 
Hélio
 
Selene