Hipocretina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hipocretina
Estrutura de RMN em fase de solução de orexina. Uma base PDB nas coordenadas 1R02.
Indicadores
Símbolo Orexina
Pfam PF02072
InterPro IPR001704
SCOP 1cq0
Família OPM 154
Proteína OPM 1wso

Orexina, também chamada hipocretina, é um neurotransmissor que regula a excitação, vigília e apetite.[1] A forma mais comum de narcolepsia, na qual o doente perde rapidamente tônus muscular (cataplexia), é causada por uma falta de orexina no cérebro, devido à destruição das células que a produzem.[2]

O cérebro contém muito poucas células que produzem a orexina; num cérebro humano, de cerca de 10.000 a 20.000 neurônios do hipotálamo.[1] No entanto, os axônios estendem a partir destes neurônios em todo o cérebro e na medula espinal,[3] onde também são receptores para orexina.

Orexina foi descoberta quase simultaneamente por dois grupos independentes de pesquisadores do cérebro de ratos.[4] [5] Um grupo nomeou orexina, de orexis, que significa "apetite" em grego; o outro grupo com o nome que hipocretina, porque é produzido no hipotálamo e carrega uma semelhança fraca com a secretina, um hormônio encontrado no intestino.[2] A comunidade científica ainda não resolveu em um consenso qual palavra deve ser usada.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1998, cientistas descobriram um peptídeo denominado hipocretina ou orexina, produzido no cérebro. A hipocretina foi descoberta por dois grupos de pesquisadores.

As hipocretinas são neuropeptídeos importantes na regulação do ciclo sono-vigília, são encontrados em neurônios do hipotálamo lateral e que possuem efeitos neuroexcitatórios. A distribuição e a farmacologia dos peptídeos hipocretinérgicos e seus receptores sugerem que eles têm um papel importante em vários sistemas reguladores diferentes como o cardiovascular, homeostase energética e regulação do consumo alimentar. Entretanto as observações mais consistentes da fisiologia destes peptídeos os implicam na manutenção da vigília, na modulação do ciclo sono-vigília, bem como na fisiopatologia da Narcolepsia.

Referências

  1. a b "Orexigenic Hypothalamic Peptides Behavior and Feeding", pp. 361–2, Jon F. Davis, Derrick L. Choi, and Stephen C. Benoit, em Handbook of Behavior, Food and Nutrition, Victor R. Preedy, Ronald Ross Watson, and Colin R. Martin, eds. Springer, 2011
  2. a b Stanford Center for Narcolepsy FAQ (Página visitada em 24 de agosto de 2013)
  3. "Orexin Projections and Localization of Orexin Receptors", Jacob N. Marcus and Joel K. Elmquist, capítulo 3, The Orexin/Hypocretin System: Physiology and Pathophysiology, Seiji Nishino and Takeshi Sakurai, eds. Springer, 2006
  4. Sakurai T, Amemiya A, Ishii M, Matsuzaki I, Chemelli RM, Tanaka H, Williams SC, Richardson JA, Kozlowski GP, Wilson S, Arch JR, Buckingham RE, Haynes AC, Carr SA, Annan RS, McNulty DE, Liu WS, Terrett JA, Elshourbagy NA, Bergsma DJ, Yanagisawa M. (1998). "Orexins and orexin receptors: a family of hypothalamic neuropeptides and G protein-coupled receptors that regulate feeding behavior" (em inglês). Cell 92 (4): 573–85. DOI:10.1016/S0092-8674(00)80949-6. PMID 9491897.
  5. de Lecea L, Kilduff TS, Peyron C, Gao X, Foye PE, Danielson PE, Fukuhara C, Battenberg EL, Gautvik VT, Bartlett FS, Frankel WN, van den Pol AN, Bloom FE, Gautvik KM, Sutcliffe JG. (1998). "The hypocretins: Hypothalamus-specific peptides with neuroexcitatory activity" (em inglês). Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 95 (1): 322–7. DOI:10.1073/pnas.95.1.322.