Hiroaki Samura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Hiroaki Samura (沙村 広明?) nasceu no dia 17 de fevereiro de 1970, na província de Chiba, próxima à Tokyo.

Depois de terminar a faculdade, Samura deixou os estudos e resolveu tentar a carreira de Manga-ka (autor de mangá). Após vencer um concurso na revista japonesa Afternoon da editora Kodansha, Samura tornou-se um desenhista brilhante e tornou sua arte uma das mais ousadas.

Desde suas primeiras idéias sobre quadrinhos, ele imaginava como criar uma história tendo como tema principal a vida eterna. Pensando nisso, descobriu algo interessante sobre a morte no Bushidô (o famoso código de ética dos samurais): a obrigação de um samurai de se suicidar quando julgava ter perdido a honra. Desta forma, a morte era uma parte muito importante da vida e para um samurai desonrado, suicidar-se era um jeito de vencer a morte e de se purificar dos atos desonrados.

Então o que aconteceria se um guerreiro não morresse nunca? Foi pensando nisso que Hiroaki Samura criou Blade - A Lâmina do Imortal, que é a mistura de uma sensibilidade moderna com a forma clássica de se contar um Jidai Geki, como são chamadas aquelas histórias baseadas no Japão antigo, e que geralmente narram aventuras de samurais.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Para criar o estilo e a arte presente em Blade, Hiroaki baseou-se nos desenhos de um antigo artista chamado Tatsumi Nishimura, um importante desenhista de Bijin-ga (arte japonesa de desenhar mulheres) no final do século 19. Tatsumi era famoso por desenhar mulheres do período Edo com grandes cílios e pupilas enevoadas e havia feito alguns desenhos de Tange Sazen, um famoso guerreiro japonês que, apesar de ter apenas um olho e uma perna, tinha uma grande habilidade com a espada. Foi daí que Samura se inspirou para criar o mundo detalhado de Blade usando apenas um lápis preto e muita criatividade. As ilustrações das histórias são únicas e demonstram a profundidade da obra.

Hiroaki Samura colocou em Manji tudo o que pensa sobre como deve ser o herói ideal. Um guerreiro que não revela suas fraquezas para o adversário, mas que ao mesmo tempo também não se acha melhor do que os outros.As armas exóticas e os estilos de luta usados pelos personagens em Blade também são criações do próprio autor.

nome:Hiroaki Samura local de nascimento:Chiba,Japão data de nascimento:17 de fevereiro de 1970 bandas favoritas:Quen,Black Sabbath e jittarin jin


obs:Além de desenhar Blade Hiroaki Samura já desenhou outros tipos de mangá(com outros gêneros),mas nenhum se encontram no Brasil:{Buraddo Haaree no Basha} sobre drama que teve um volume. {Emerald} de ação e aventura também com um volume,passada no velho oeste. {Brigt´s Supper} (seinen):com apenas um volume,é uma história sobre Brigit onde se passa na Alemanha,quando é separada do irmão e acaba sendo vendida como um tipo de serva. {Night of succubus} de fantasia,no qual, conta a história de Angelique quando deixa sua antiga vida depois da morte de sua mãe.Ela (mais tarde)encontra a uma solução possível de trazer sua mãe de volta à vida,mas não será fácil pois ela terá de pagar um alto preço. {Ohikkoshi}romance,tragédia e comédia,onde conta a história de dois estudantes de arte que se apaixonam,tocam em bandas de rock,andam de motocicletas e etc.várias histórias em um só volume.

Premiações[editar | editar código-fonte]

Blade foi premiado em 1998 com o nono Media Arts Award, um importante prêmio promovido pela agência de cultura, um órgão criado pelo Ministério da Educação do Governo Japonês. Este prêmio foi criado para encorajar e recompensar a criação de trabalhos que se destacam por difundir a cultura e a história do Japão, e no caso dos mangás, por extrapolar os limites da expressão artística. Autores famosos como Shotaro Ishinomori (Cyborg 009), Hayao Miyazaki (Princess Mononoke), Mamoru Oshii (Ghost in the Shell) e Inoue Takehiko (Vagabond) também tiveram a honra de ganhar este prêmio.

Blade ganhou porque a história tem uma sensibilidade evidente no poder e na força dos desenhos, além de uma exploração profunda do caráter humano. Este mangá é considerado um trabalho ambicioso porque herda as melhores tradições das antigas histórias do Japão feudal, enquanto eleva esta forma a novos planos de maturidade e realização. Blade – A Lâmina do Imortal foi lançado no Japão na revista semanal Afternoon da editora Kodansha, foi publicado também nos Estados Unidos pela Dark Horse e finalmente está chegando ao Brasil pela Conrad Editora.

Ver também[editar | editar código-fonte]