História da Costa do Marfim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Agosto de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Feiticeira de Grand-Bassam, c. 1869.

A história da Costa do Marfim anterior aos primeiros contatos com os europeus é quase desconhecida. Esses primeiros contatos, feitos no século XVI, limitaram-se aos missionários religiosos. A cultura neolítica então existente é mal conhecida, em razão da falta de achados arqueológicos.

História pré-colonial[editar | editar código-fonte]

As populações indígenas estiveram política e socialmente isoladas até épocas muito recentes. O país foi habitado pelos krus (no sudoeste), depois pelos senufos (no noroeste). Os krus retiraram-se da região no século XV, sob pressão dos mandingas, que fundaram o reino de Kong. No século XVII estabeleceram-se diferentes Estados negros, entre os quais se destacou o dos baules por suas atividades artísticas. Os akans fundaram domínios ou reinos no século XVIII. Os antecessores da população atual se instalaram na área entre os séculos XVIII e XIX.

Período colonial[editar | editar código-fonte]

Os exploradores portugueses chegaram no século XV e iniciaram o comércio de marfim e escravos do litoral. No final do século, os franceses fundaram os entrepostos de Assini e Grand-Bassam e, no século XIX, estabeleceram feitorias fortificadas e celebraram uma política de pactos com os chefes locais com o objetivo de estabelecer uma colônia. Em 1887 iniciou-se a penetração para o interior. A região se tornou uma colônia autônoma em 1893. Em 1899, passou a fazer parte da Federação da África Ocidental Francesa. A ocupação militar ocorreu entre 1908 e 1918, enquanto se construía a linha férrea entre o litoral e Bobo-Dioulasso, hoje pertencente a Burkina Faso.

A república[editar | editar código-fonte]

Em 1919, a parte norte da colônia se tornou independente. Abidjan permaneceu sob jurisdição francesa durante a Segunda Guerra Mundial, embora a França estivesse ocupada pelos alemães. Em 1944, foi criado o Sindicato Agrícola Africano, que deu origem ao Partido Democrático da Costa do Marfim (Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire). Entre 1950 e 1954, foi construído seu porto. Em 1958, foi proclamada a República da Costa do Marfim, como república autônoma dentro da Communauté française (Comunidade Francesa) e, em 1960, alcançou a independência plena.

Foi eleito presidente Félix Houphouët-Boigny, líder do Parti Démocratique de la Côte d'Ivoire--Rassemblement Démocratique Africain, que até 1990, foi a única agremiação política legal no país. Com um alinhamento político pró-ocidental, a Costa do Marfim esteve em foco na década de 1970, ao tentar intervir pela via das negociações na resolução do apartheid na África do Sul.

As eleições de 1990, a primeira em que houve uma disputa real pelo poder, foram disputadas por todos os partidos políticos já legalizados, tendo o presidente Houphouët-Boigny sido reeleito para um sétimo mandato. Também em 1990 o Papa João Paulo II visitou a Costa do Marfim, onde consagrou, em Yamoussoukro, uma suntuosa basílica, oficialmente construída às expensas do presidente. Houphouët-Boigny, apesar de numerosas tentativas de golpes de estado e da instabilidade social provocada por crises econômicas, manteve-se no poder desde a independência até dezembro de 1993, quando faleceu.

O ex-presidente Henri Konan Bédié.

O antigo presidente da Assembléia Nacional (Parlamento), Henri Konan Bédié, assumiu a presidência da República em 1993, sendo confirmado no cargo em 1995. No dia 24 de dezembro de 1999, um golpe de Estado, comandado pelo general Robert Guéï, destituiu o presidente Konan Bedié, que se refugiou na Embaixada da França e depois no Togo. O general Guéï convocou todos os partidos políticos para formarem um governo de transição e prometeu que o retorno à democracia seria rápido. Esse foi o primeiro golpe de estado no país desde a sua independência em 1960.

Em 2000, Laurent Gbagbo, líder histórico da oposição, foi eleito presidete da República, derrotando Robert Gueï, tendo este último sido assassinado durante um levantamento encabeçado pelo Movimento Patriótico da Costa do Marfim em 2002. O escrutínio, entretanto, reavivou as tensões étnicas e religiosas no país, que desempenha importante papel na África e dentro da Entente.

O presidente Laurent Gbagbo.

Eclodiu a Guerra civil da Costa do Marfim (2002-2004), tendo focos rebeldes assumido o controle do Norte e do Oeste do país. 10.000 boinas azuis da ONUCM (Forças de Paz da ONU na Costa do Marfim), dentre os quais 4600 soldados franceses da Licorne (operação militar francesa para a Costa do Marfim), foram posicionadas entre os beligerantes. Um acordo de paz diminuiu o poder de Laurent Gbagbo, mas a situação política permaneceu instável. Em 2003, após o cessar-fogo, estabeleceu-se um governo de união nacional, mas continuaram os confrontos políticos e militares. Em 2005, o mandato do presidente Gbagbo é prorrogado pelo máximo de um ano (um governo de transição é encarregado de organizar eleições). Mas a situação política e militar permanece caótica. Gbagbo, entretanto, manteve-se no poder por mais alguns anos devido a atrasos na convocação do pleito pela guerra civil, que dividiu o país entre o sul, leal ao governo, e o norte, controlado pelas Forças Novas de Guillaume Soro. http://www1.folha.uol.com.br/mundo/840013-conselho-rejeita-vitoria-de-oposicionista-na-costa-do-marfim-pais-fecha-fronteiras.shtml

Eleições presidenciais de 2010[editar | editar código-fonte]

A eleição presidencial, adiada por cinco anos, finalmente ocorreu em 2010. A primeira eleição do país em uma década tinha como objetivo restaurar a estabilidade e fortalecer a união do país africano, maior produtor mundial de cacau, que ficou dividido pela guerra civil de 2002-2003, mas acabou escancarando divisões entre o norte e o sul do país, e causando uma onda de violência.

Youssouf Bakayoko, presidente da Comissão Eleitoral Independente (CEI), declarou que o oposicionista Alassane Ouattara, ex-funcionário do FMI, venceu o segundo turno das eleições no país com 54,1% dos votos contra o atual presidente Laurent Gbagbo (45,9% dos votos), mas a entidade responsável por ratificar o resultado disse que o anúncio era ilegal. Logo depois do anúncio da comissão eleitoral, o presidente do Conselho Constitucional do país, o governista Paul Yao N'dre, afirmou em entrevista coletiva que a comissão eleitoral teria deixado expirar o prazo para a validação obrigatória dos resultados provisórios, motivo pelo qual caberia ao mais alto órgão legal do país decidir sobre o resultado http://www1.folha.uol.com.br/mundo/840013-conselho-rejeita-vitoria-de-oposicionista-na-costa-do-marfim-pais-fecha-fronteiras.shtml. O presidente Laurent Gbagbo alegou que teria havido fraude a favor de seu rival no norte do país.

O Conselho Constitucional reverteu a decisão da comissão eleitoral da Costa do Marfim, declarando Gbagbo vencedor. A comunidade internacional, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, entretanto, reconheceram a vitória de Alassane Ouattara, rejeitando o resultado revisto pela Justiça do país africano, que favoreceu o presidente Laurent Gbagbo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre História da Costa do Marfim
Cartography of Africa.svgHourglass drawing.svg Este artigo sobre História da África é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Bandeira da Costa do Marfim Costa do Marfim
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens