História da Noruega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vikingshipmini.jpg
Este artigo é parte da série
Escandinávia
Geografia
Península
Montanhas
Tópicos
Idiomas
Escandinavismo
Conselho Nórdico
SAS
Varangianos
Ting
História
História da Suécia
História da Noruega
História da Dinamarca
Era dos Vikings
Vikings
União de Kalmar
Dinamarca-Noruega
Suécia-Noruega
União Monetária
União de defesa

O território que hoje é a Noruega foi habitado por populações germânicas desde a pré-história. Os primeiros vestígios humanos no país encontram-se ao longo da costa, cuja fauna proporcionava um meio de vida para os pescadores e caçadores lapões. É possível que estes tenham penetrado no norte da Noruega, vindos da Ásia central, por volta de 10000 a.C., quando o interior do país estava ainda coberto pelo gelo da última glaciação. No sul da Noruega encontraram-se artefatos, datados de 5000 a.C., que dão uma ideia bastante clara sobre a vida desses caçadores e pescadores. Entre 3000 e 2500 a.C., novos imigrantes estabeleceram-se no leste da Noruega. Eram comunidades de agricultores e criadores de gado, com uma língua germânica, e que se estabeleceram nas margens dos grandes lagos e fiordes e, paulatinamente, substituíram os caçadores e pescadores da costa oeste, embora a caça e a pesca se tenham mantido como atividades secundárias de subsistência.

Por volta de 1500 a.C., introduziu-se o uso do bronze, que durante muito tempo coexistiu com os instrumentos de pedra. Da idade do ferro há poucos vestígios, pois nos 500 anos anteriores à era cristã o costume de incinerar os cadáveres provocou a destruição dos adereços funerários.

No ano 5 a.C., uma frota romana alcançou a costa norueguesa. O contato com as civilizações meridionais favoreceu o desenvolvimento da escrita rúnica, cujas primeiras manifestações na Noruega surgiram no século III da era cristã. Até o século VI os habitantes do país construíram fortes nas colinas para se defenderem das incursões das tribos germânicas do sul, o que estimulou o surgimento de pequenas organizações políticas. Por volta do século VIII, elas estavam divididas em 29 pequenos reinos. No século IX, esses pequenos Estados dotaram-se de assembleias regionais, que às vezes se uniam para formar unidades ainda maiores.

Unificação da Noruega[editar | editar código-fonte]

Expansão Viking. O mapa mostra as colônias vikings nos séculos VIII (vinho), IX (vermelho), X (laranja) e XI (amarelo); as áreas em verde são as que sofriam constantes incursões dos vikings.

A era viking começou em torno do ano 800 d.C. Os vikings (normandos) da Escandinávia eram comerciantes, colonizadores e exploradores, além de saqueadores. Os vikings (ou viquingues) protagonizaram uma onda de invasões de outras regiões da Europa. O movimento expansionista dos vikings foi possível graças a suas avançadas armas e embarcações, sua organização militar e seu indubitável espírito aventureiro. Os vikings da Noruega realizaram expedições à Grã-Bretanha, à França, às ilhas Shetland, Órcadas, Hébridas, de Man e Faroe, e à Islândia. Érico, o Vermelho, conduziu os vikings até a Groenlândia a partir da Islândia; anos mais tarde, o seu filho Leif Ericsson teria se tornado possivelmente o primeiro europeu a chegar, sem saber, à costa da América do Norte (Vinland). Muitos vikings regressaram a suas terras e os conhecimentos por eles adquiridos no contato com a civilização da Europa ocidental prestaram importante contribuição para a unificação e a cristianização da Noruega.

A Noruega unificada sob Olavo II, o Santo (1015-1030).

No século IX, a unificação de grande parte do país foi obra de Haroldo Cabelo Belo, um chefe militar que, depois de derrotar no ano 872 uma coalizão de chefes locais, proclamou-se primeiro rei da Noruega, fazendo do país um feudo. Seus filhos o dividiram, em uma época em que os reis dinamarqueses e suecos tentavam anexar o seu território. O cristianismo penetrou no país durante o reinado de Olavo I (995-1000), bisneto de Haroldo I, que se havia convertido durante sua estada na Inglaterra. Contudo, a nova religião não se arraigou totalmente entre o povo até o reinado de Olavo II, o Santo (1015-1030), que além de incrementar o trabalho de conversão, unificou totalmente o país, mas foi morto em uma batalha com os dinamarqueses. Seguiu-se o domínio dinamarquês (1028-1035), logo depois uma guerra civil.

Magno I, o Bom, uniu a Dinamarca sob uma única coroa. Nos três séculos seguintes, a Noruega foi governada por reis nativos e emergiu como uma nação unida e próspera. A Igreja era um dos poderes mais fortes do reino. Com a morte de Magno, seu tio, Haroldo III, assumiu o reino com o nome de Haroldo III, o Impiedoso (ou o Severo), e, em 1066, empreendeu uma malograda expedição para reivindicar o trono inglês.

Em 1163, Magno V foi sagrado rei da Noruega. Com isso, a Igreja conferiu autoridade espiritual à monarquia norueguesa. O reino de Haquino IV, o Velho (1217-1263) estabeleceu a ordem e a Noruega alcançou o apogeu de seu poder político e cultural na Idade Média, estabelecendo sua autoridade sobre as ilhas do Atlântico (Féroe, Órcadas, Shetland), bem como sobre a Islândia (1262) e a Groenlândia. A partir de 1254, a Noruega comerciou com a Liga Hanseática. Seu filho, Magno VI o Legislador (1263-1280), aperfeiçoou a legislação e a administração.

O fortalecimento da autoridade real por Haquino IV e Magno VI permitiu o florescimento cultural e econômico; a aristocracia rural foi praticamente esmagada por Haquino V e a Noruega converteu-se gradualmente em uma nação de camponeses. A atividade comercial foi usurpada pela Liga Hanseática, que estabeleceu sua supremacia econômica no país. O último rei da dinastia foi Sigurdo I. Após sua morte, conflitos drásticos perturbaram o reino.

Da União com a Dinamarca e a Suécia à Independência[editar | editar código-fonte]

Érico da Pomerânia sendo coroado como rei dos países nórdicos.

A morte de Haquino V sem herdeiros varões deu o trono ao rei sueco Magno VII, que uniu momentaneamente a Noruega e a Suécia. Em 1343, Magno foi sucedido pelo filho Haquino VI Magnusson (1343-1380), que desposou Margarida, filha de Valdemar IV, rei da Dinamarca. Margarida I Valdemarsdotter, regente, governou a Dinamarca e a Noruega em nome do filho Olavo IV, menor de idade.

As disputas entre a dinastia norueguesa e as de Dinamarca e Suécia permitiram às aristocracias destes últimos países unir-se para vencer a nobreza norueguesa e unificar os três reinos escandinavos em uma só unidade administrativa sob a denominada União de Kalmar, celebrada em 1397. Assim, a rainha Margarida I deixou sua coroa, somada às da Noruega e da Suécia, para seu sobrinho Érico da Pomerânia. A Noruega passou a ser uma província da Dinamarca. Mais tarde, o luteranismo tornou-se a religião oficial e durante os quatro séculos seguintes a Noruega permaneceu estagnada sob o governo dinamarquês. Os suecos se rebelaram e romperam a união em 1523, mas a Noruega continuou vinculada à Dinamarca até 1814, quando foi cedida à Suécia.

Em seus primeiros anos, o domínio dinamarquês teve conseqüências muito negativas para a Noruega. Seu poderio militar decaiu, o dinamarquês substituiu gradualmente o norueguês, foi imposto o luteranismo, e numerosos dinamarqueses ocuparam terras e cargos públicos no país. No século XVII, a Noruega foi arrastada para os conflitos europeus, perdendo a Jämtland (1645) e Trondheim (1658) para a Suécia. O ressurgimento do comércio pesqueiro, o desenvolvimento da mineração e a indústria madeireira, no século XVIII, estimularam a consciência nacional e os noruegueses começaram a pedir autonomia política.

Coroação do marechal Jean Baptiste Bernadotte como rei da Noruega sob o título de Carlos XIV.

No fim do século XVIII produziu-se entre as duas nações um forte contraste econômico, uma vez que as transações mercantis da Noruega se realizavam de preferência com a Grã-Bretanha, enquanto a Dinamarca comerciava com Alemanha e França. As Guerras Napoleônicas levaram à dissolução da União de Kalmar, depois de séculos de suserania dinamarquesa. A aliança da Dinamarca com o Império de Napoleão, inevitável depois do bombardeio de Copenhague pela frota britânica em 1807, avivou o descontentamento dos noruegueses. Pelo Tratado de Kiel, a Dinamarca cedeu a Noruega ao rei da Suécia, mas os noruegueses rechaçaram o tratado, declarando-se independentes, o que levou à invasão do país pelos suecos. Os noruegueses reeditaram uma Constituição liberal, criaram seu próprio Parlamento (Storting) a partir de 1807 e ofereceram a coroa ao príncipe herdeiro dinamarquês Frederico (que reinou com o nome de Cristiano VIII). O marechal Jean Baptiste Bernadotte, que, posteriormente, reinou com o nome de Carlos XIV, convenceu a Noruega a aceitar o Tratado de Kiel como um mal menor estabelecendo um compromisso entre os dois territórios, em que a Noruega permanecia com o seu parlamento independente mas sob a monarquia comum a ambos os países; a mudança permitiu a manutenção da nova Constituição. As Atas de União de 1815 deram ao país uma ampla autonomia. Apesar da oposição de Carlos XIV, monarca autocrático, em 1821 foi abolida a nobreza criada pelos dinamarqueses. Seu filho Oscar I aceitou muitas das reclamações norueguesas. O movimento liberal e os sentimentos nacionalistas aumentaram depois das revoluções de 1848. Em 1860, a Suécia começou a propor a revisão das Atas de União para conceder poderes adicionais à Noruega, mas estes foram boicotados pelo grupo Venstre (Esquerda). Em 1884, o chefe da resistência nacionalista, Johan Sverdrup (1816-1892), garantiu um regime parlamentar. Em 1898, foi consentido o sufrágio universal masculino [1] .

O primeiro-ministro norueguês Christian Michelsen recebe o recém-eleito rei da Noruega, Haquino VII, e seu filho, Olavo, após desembarcarem na Noruega em novembro de 1905.

Noruega independente[editar | editar código-fonte]

A união com a Suécia durou até 1905 e caracterizou-se pela luta dos noruegueses para afirmar sua autonomia política e para emancipar-se da influência cultural dinamarquesa. No século XIX, a população norueguesa cresceu mais rapidamente que em qualquer outro período da história, e passou de 883 000 habitantes em 1801 para 2,24 milhões em 1900. Produziu-se também um importante movimento migratório do campo para as cidades, de forma que, no fim do século XIX, a população urbana representava 28% do total, contra 8,8% no início do século.

O conflito entre o parlamento norueguês e a Coroa sueca durou até junho de 1905, altura em que divergências entre o rei sueco Oscar II e o governo norueguês provocaram a separação dos dois países com a declaração de completa independência do parlamento da Noruega. Um plebiscito ratificou a decisão da assembleia norueguesa, que foi aceita também por Oscar II. Uma segunda consulta popular elegeu a forma monárquica de governo, e o príncipe Carlos da Dinamarca, neto de Cristiano IX da Dinamarca, ascendeu ao trono da Noruega com o nome de Haquino VII. Reinou durante 52 anos até morrer, em 1957.

Rapidamente, o país tornou-se uma democracia. O período de 1905 a 1914 caracterizou-se na Noruega pelo rápido crescimento econômico. O governo norueguês, dominado por ministros liberais, tornou-se um dos mais avançados da Europa em temas sociais, como a semana de 48 horas, auxílio-desemprego, pensões de aposentadoria e leis que admitiam numerosos direitos individuais, inclusive o divórcio; em 1913, as mulheres norueguesas obtiveram o direito ao voto [2] . Posteriormente, o país sofreu os efeitos das duas guerras mundiais.

A Família real norueguesa retornando do exílio.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Suécia, a Noruega e a Dinamarca acordaram em declarar-se neutras, política que se prolongou depois da guerra. Apesar disso, ataques de submarinos alemães destruíram metade da frota mercante norueguesa [3] . A depressão de 1929 afetou profundamente o país. O Partido Trabalhista ganhou o poder em 1935 e continuou a política de moderação e liberalismo. Apesar de sua neutralidade no início da Segunda Guerra Mundial, o Exército do Terceiro Reich invadiu e derrotou as forças norueguesas e anglo-francesas em Narvik, em 1940, e um partidário do nazismo, Vidkun Quisling, dirigente da União Nacional, assumiu um governo-fantoche em Oslo. O rei Haquino e seu conselho de ministros se retiraram para Londres. Os líderes políticos se negaram a cooperar com o comissário alemão Josef Terboven, que dissolveu todos os partidos e anunciou a abolição da monarquia. As tentativas do governo colaboracionista de Vidkun Quisling de submeter a Noruega às diretrizes do regime nazista alemão fracassaram diante da resistência passiva da população e dos atos de sabotagem de guerrilheiros noruegueses, entre os quais se destacou a destruição de uma fábrica de deutério em Rjukan, no sul do país. Em maio de 1945, as forças alemãs se renderam e Haquino e o governo trabalhista regressaram do exílio. Para castigar os colaboracionistas, restaurou-se a pena de morte, abolida desde 1876.

Depois da guerra, no período de 1945 a 1965, os trabalhistas praticaram uma política intervencionista. O governo norueguês centralizou seus esforços mais na recuperação da indústria de base que na de produção de bens de consumo, e em 1949 já havia conseguido alcançar os níveis econômicos anteriores à guerra. A experiência da ocupação alemã entre 1940 e 1945 persuadiu os noruegueses a abandonarem a sua política de tradicional neutralidade e juntarem-se à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), em 1949, ao Conselho Nórdico. Durante a Guerra Fria conseguiu manter boas relações com a ex-União Soviética sem prejudicar o seu relacionamento com o Ocidente. Conseguiu obter estabilidade política após vários governos de coligação.

O rei Olavo V.

Olavo V sucedeu ao pai, Haquino VII, em 1957. Nas eleições de 1961, o Partido Trabalhista Norueguês perdeu a maioria que mantinha desde 1935. Em 1965, o partido, que governava o país desde 1945, foi derrotado nas eleições gerais e o rei Olavo V pediu ao chefe da coligação das forças conservadoras que formasse o governo. Formou-se uma coalizão de partidos de centro, mas a política econômica não sofreu grandes mudanças e, desde então, coligações de partidos conservadores se alternam no poder. Em 1970, a Noruega solicitou o seu ingresso na Comunidade Econômica Europeia (atual União Europeia), o que criou forte dissensão entre os políticos. Em 1972, A Noruega foi aceita como membro da CEE mas, após um referendo realizado nesse ano, a proposta de adesão foi rejeitada pelos noruegueses, forçando uma nova mudança de governo.

O rei da Noruega Haroldo V.

A exploração de petróleo no mar do Norte, na década de 70, deu um grande impulso à economia. A Noruega foi membro-fundador da AELC (Associação Europeia de Livre Comércio), em 1960, mas quatro anos depois 60% de suas receitas de exportação vinham do comércio com a Comunidade Europeia e somente 15% da AELC. Este fato fez com que a Noruega fosse um dos principais negociadores no processo que levou à criação da Área Econômica Europeia, em fevereiro de 1992.

Gro Harlem Brundtland (1939-hoje) liderou três governos de minoria trabalhista (1981, 1986-1989 e 1990-hoje).

No pleito de 1981, o Partido dos Trabalhadores perdeu muito espaço para os partidos direitistas e centristas. Formou-se um governo conservador que durou dois anos, capitaneado por Kåre Isaachsen Willoch. Willoch promoveu a redução dos gastos do governo, o desativamento de mecanismos de controle estatal sobre a economia, o fim da representação pública majoritária em bancos, a privatização dos serviços de educação e saúde e a privatização de empresas estatais. Sua política estava ajustada à hegemonia da ideologia neoliberal no mundo. No pleito de 1985, o Partido Socialista e o Partido dos Trabalhadores aumentaram o número de cadeiras no parlamento, uma vez que a política fiscal dos conservadores trouxera considerável descontentamento. Willoch tentou aprovar um aumento tributário, medida que foi rechaçada por trabalhistas, progressistas e socialistas. Logo, o primeiro-ministro conservador renunciou, abrindo caminho para a ascensão da líder feminista e trabalhista, Gro Harlem Brutland. Gro (1939-hoje), a primeira mulher a ocupar a chefia do governo da Noruega, de fevereiro a setembro de 1981, enfrentou com sucesso o desemprego e a crise econômica em 1992, o que lhe deu vitória esmagadora nas eleições de 1993. Em novembro de 1988, a primeira-ministra Brundtland, autora do relatório do desenvolvimento sustentável do mundo, foi galardoada com o terceiro prêmio mundial pelo seu trabalho pelo ambiente. O rei Olavo V morreu em janeiro de 1991 e foi sucedido por seu filho, Haroldo V. Em 1992, a Noruega juntou-se à Islândia para defender a vida animal, nomeadamente na proibição da caça à baleia. Em 1994, o Parlamento Europeu aprovou o ingresso da Noruega, da Suécia, da Finlândia e da Áustria na União Europeia (UE), mas, em novo referendo, a população rejeitou pela segunda vez a sua entrada na UE, malgrado a campanha favorável da primeira-ministra. Em 2001, na pior derrota dos trabalhistas desde 1909, o conservador Kjell Magne Bondevik, do Partido Popular Cristão, foi eleito primeiro-ministro.

2005 – atual: O compromisso ambiental e social[editar | editar código-fonte]

Cenas de Oslo pouco após os atentados terroristas de 2011.

Desde 2005, a Noruega vem sendo governada por uma coalizão entre verdes e esquerdistas, liderada pelo primeiro-ministro Jens Stoltenberg. O líder trabalhista foi reeleito primeiro-ministro em 2009. O governo tem se destacado em sua defesa comprometida das questões ambientais, tornando a Noruega um dos países pioneiros em regulamentação de emissão de carbono e contenção de poluentes industriais. O Partido Socialista, integrante da atual coalizão governante, é o principal responsável pela elaboração e implementação das políticas ambientais norueguesas. O primeiro-ministro Stotenberg promoveu programas de defesa das minorias, pregando publicamente o respeito aos imigrantes, ao público LGBT e às mulheres.[4] O governo reorganizou o sistema público de saúde e deu continuidade às políticas de privatização de estatais. Stoltenberg também defende a legalização da cannabis.[5]

Secularismo[editar | editar código-fonte]

De acordo com Phil Zuckerman, renomado sociólogo e professor do Pitzer College, entre 31% e 72% dos noruegueses devem ser ateus.[6] De acordo com a Enquete Eurobarometer de 2005, 64% dos noruegueses são agnósticos ou ateus, contra 32% teístas.[7] A Noruega é um dos países mais seculares do mundo.

Terrorismo[editar | editar código-fonte]

Em 2011, o Partido Trabalhista foi alvo de ataques terroristas promovidos por um militante de extrema-direita[8] , Anders Behring Breivik. O extremista, que mais tarde foi diagnosticado com problemas mentais, implantou um carro bomba em Oslo nas proximidades do prédio do governo e atirou contra jovens noruegueses no acampamento do Partido Trabalhista, tendo matado dezenas de pessoas e deixado muitos feridos. Breivik publicava textos na internet nos quais criticava o “marxismo cultural” e fazia várias declarações xenofóbicas e racistas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre História da Noruega

Referências


Norway flagmap.svg Noruega
História • Política • Subdivisões • Geografia • Forças Armadas • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens • Família Real