História do Equador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A História do Equador compreende um período de cerca de nove mil anos, sendo subdividido em cinco períodos principais: Era pré-colombiana, Conquista Espanhola, Era Colonial, Independência e República. A história do Equador tem início com o estabelecimento de várias civilizações, seguidas pelo crescimento dos Incas, e estes pelos colonizadores espanhóis. Na primeira metade do século XIX, surgiram os ideais de independência da América com relação ao domínio espanhol, influenciado pelos Libertadores Simón Bolívar e José de San Martín.

Mundo Pré-Hispánico[editar | editar código-fonte]

A primeira etapa da história do Equador começa com a chegada dos primeiros povoadores indígenas que desenvolveram ao longo de 10.000 anos impressionantes civilizaçőes donas de uma tecnología e sabedoria únicas.

Povoamento dos Andes equatoriais[editar | editar código-fonte]

O primeiro período da história equatoriana se denomina Paleo-Índio. É o mais longo e o menos valorizado. Segundo as pesquisas arqueológicas realizadas pela arqueóloga norte-americana Karen Stother, os primeiros hominídeos chegaram no litoral do Equador por volta do ano 10 000 a.C. Os cientistas chamam essa civilização de "Las Vegas". Eram caçadores transhumantes que se estabeleceram na Península de Santa Elena, um território coberto por uma vegetação própria das savanas tropicais e manguezais. Alimentavam-se de frutos do mar, além de carne de veado e frutos selvagens. Em 7000 a.C., estes primeiros povoadores cultivaram a cabaça, sendo a planta mais antiga produzida pelo homem nas Américas, pelo menos dois mil anos antes dos peruanos e mexicanos.

Quase mil anos depois do litoral, grupos de caçadores e colheitores chegaram nos Andes entre os anos 9000 a.C. e 8000 a.C. Nos arredores da cidade de Quito, no norte da cordilheira, os arqueólogos encontraram os restos de ferramentas feitas de uma pedra de origem vulcânica denominada obsidiana. Tratava-se de facas e pontas de lança usadas para a caça de veados, perus e porquinhos da Índia (cuy em quéchua).

Na província de Azuay se encontra a Grota preta de Chobshi, cujos achados incluem pontas de lança e facas de obsidiana, além de restos fóseis de animais caçados pelo homem como porquinho da Índia, peru e coelho. Desde o período Paleo-Índio se sabe da existência e domesticação do cachorro andino, uma espécie de cão sem pêlo que hoje é conhecido como cachorro peruano.

A população indígena na Amazônia se formou graças a algumas migrações procedentes da bacia do rio Orinoco, na Venezuela e na Colômbia, e do planalto brasileiro. Entre os primeiros crânios achados pelo arqueólogo francês Paul Rivet em 1906, se estabeleceram semelhanças com o homem da Lagoa Santa, no Brasil.

A agricultura e a cerâmica[editar | editar código-fonte]

No litoral equatorial, principalmente na Península de Santa Elena, os antigos habitantes de Las Vegas evoluiram até se transformar na civilização Valdivia (4.000 - 1.500 a.C.). Esta cultura foi descoberta pelo arqueólogo guayaquilenho Emilio Estrada em 1956 e foi estudada por vários pesquisadores equatorianos como Jorge Marcos e os americanos Clifford Evans e Betty Meggers. A cerâmica encontrada nos enterros e sítios arqueológicos data de 3.800 a.C., considerada a segunda tradição oleira mais antiga das Américas depois de Monsú e Puerto Hormiga na Colômbia.

Os valdivianos tinham uma organização social baseada na vida em comunidade. Por causa dos objetos encontrados, entre os quais aparecem as famosas estátuas de pequeno tamanho com representações femininas, os arqueólogos pensam que a forma de governo devia ser o matriarcado. Na década de 1970 foi descoberto o complexo arqeológico de Real Alto (3.500 a.C.). Aqui os valdivianos ergueram uma aldéia de forma rectangular com choças ovaladas localizadas ao redor de uma praça cerimonial feita por baixo do nível do resto do vilarejo. Aos lados da praça foram construídos uns montículos de terra com rampas de acesso para os templos. Na casa denominada ossário, os arqueólogos descobriram um enterro de uma mulher colocada junto a um homem e, por trás, os osos de oito homens que foram sacrificados em honra dela e da Pachamama (Mãe Terra). Estes indígenas cultivavam milho, feijões, amendoins, pimenta, abóbora e complementavam a dieta com frutos do mar, peixe e carne de veado.Em Real Alto também se encontrou o vestígio mais antigo da cultura do algodão no Equador, utilizada para a produção de tecidos. Da planta do agave, conhecida também como "cabuya",os indígenas extrairam uma fibra vegetal usada até hoje na elaboração de bolsos, sandálias e vestidos.

Por volta do ano 1.500 a.C., o litoral do Equador viu florescer outra civilização chamada Machalilla, famosa por quanto os seus habitantes começaram a prática da deformação cranial. Este grupo assentou-se na província de Manabi, no Pacífico central equatoriano. A cerâmica apresenta variações em relação à de Valdivia. Além da cor natural da argila, aparecem linhas de decoração de cor vermelha. São famosas as garrafas com asa em forma de estribo e as representações de mulheres com as cabeças deformadas.

Ruínas do Templo do Sol, em Ingapirca.

Colonização[editar | editar código-fonte]

Francisco Pizarro arquitetou a decadência do Império Inca com a Guerra Civil Inca.

Em 1534, chegaram os espanhóis que, derrotando os exércitos incas, iniciaram a colonização européia.

Nas primeiras décadas de dominação espanhola a população indígena foi dizimada pelo contágio de doenças às quais os nativos não eram imunes, tempo em que os nativos também foram forçados ao trabalho para os proprietários de terras espanhóis no sistema de trabalho de "encomienda".

Em 1563, a cidade de Quito foi elevada à categoria de distrito administrativo da monarquia espanhola.

Independência[editar | editar código-fonte]

Em 1822 forças locais se organizaram e derrotaram o exército monarquista se unindo à Grã Colômbia, república fundada por Simón Bolívar, da qual só veio a separar-se no dia 13 de maio de 1830.

O século XIX foi marcado por instabilidades, com rápidos movimentos políticos e institucionais. O conservador Gabriel García Moreno unificou o país nos anos de 1860 com o apoio da Igreja católica.

Com o aumento da demanda mundial de cacau, desde o início de 1800, produziu-se uma migração dos altiplanos em direção à fronteira agrícola da costa do Pacífico.

Em 1895, sob a liderança de Eloy Alfaro, se deflagrou uma revolução liberal nas planícies, que reduziu o poder do clero e possibilitou o desenvolvimento do capitalismo.

Entretanto, o declínio do ciclo econômico do cacau produziu nova instabilidade política que culminou com o golpe militar de 1925.

Os trinta anos seguintes foram marcados por políticos populistas como o presidente José María Velasco Ibarra que, em janeiro de 1942, assinou o "Protocolo do Rio", acordo pelo qual se encerrava a rápida guerra com o Peru, iniciada um ano,no qual o Equador aceitou uma fronteira provisória que consolidou a perda de grande parte do território que antes reivindicava na Bacia Amazônica.

Período após Segunda Grande Guerra[editar | editar código-fonte]

Depois da Segunda Guerra Mundial, a recuperação do mercado agrícola e o crescimento da indústria da banana ajudaram a restabelecer a prosperidade e paz política.

De 1948 a 1960, três presidentes, iniciando por Galo Praça Laço, foram eleitos livremente e completaram seus mandatos.

Num ambiente em que quase toda a América do Sul foi palco de golpes militares, o retorno de políticas populistas provocou inquietações que foram motivo de intervenções militares domésticas nos anos sessenta, época em que a descoberta de petróleo atraíram companhias estrangeiras e foi fundada a "Amazônia Equatoriana".

Em 1972, um golpe militar derrubou o regime de José María Velasco Ibarra passando a utilizar a riqueza do petróleo e empréstimos estrangeiros para custear um programa de industrialização, reforma agrária, e subsídios para consumidores urbanos.

Com o desvanecimento de ciclo econômico do petróleo, o Equador voltou a democracia em 1979, sob o primeiro presidente da Constituição equatoriana de 1979, Jaime Roldós Aguilera, candidato de uma grande frente partidária, a "Concentração de Forças Populares" ou "CFP" que obteve expressiva vitória sobre Sixto Durán Ballén do Partido Cristão Social "(PSC)".

Depois de uma discordância de liderança com Asaad Bucaram, o líder de então do CFP, Roldós, deixou a coligação para fundar com sua esposa um partido próprio denominado "Mudança e Democracia" levando condigo grande número de partidários. Com isto, o PCD, se tornou o terceiro partido em importância política .

Em 1981 ocorreu novo episódio de conflito de fronteira com o Peru, na região de Paquisha, com algumas recorrências posteriores.

Ao final de 1981 o vice-presidente Osvaldo Hurtado Larrea do partido Democracia Popular "DP" sucedeu o presidente Roldós depois que este morreu num acidente aéreo na selva amazônica.

Devido à pressão econômica da guerra sobre o mercado (particularmente do petróleo), o governo de Osvaldo Hurtado enfrentou uma crise econômica crônica em 1982, com crescente inflação, déficits de orçamento com efeitos desvalorizadores da moeda, acúmulo do serviço da dívida e parque industrial não competitivo.

Em 1984 as eleições presidenciais foram vencidas por León Febres Cordero Rivadeneira do PSC por estreita margem de votos. Durante os primeiros anos da sua administração dele, Febres Cordero orientou sua política econômica para o livre-mercado, fortaleceu o combate à produção de drogas e terrorismo, no que foi auxiliado pelos Estados Unidos da América.

Seu mandato foi prejudicado por disputas políticas dentro do governo e pelo seu breve seqüestro por elementos do exército. Em março de 1987 um terremoto devastador suspendeu a exportação de petróleo piorando assim os problemas econômicos do país.

Em 1988 Rodrigo Borja Cevallos do partido da Esquerda Democrática "ID" elegeu-se presidente, concorrendo contra Abdalá Bucaram do "POR". Sua proposta era de melhorar a proteção de direitos humanos e levou a cabo algumas reformas, notavelmente uma abertura de Equador para comércio estrangeiro. O governo de Borja concluiu também um acordo com o pequeno grupo terrorista " Alfaro Vive, Carajo " porém a continuidade de problemas econômicos no país acabou arruinando sua popularidade, permitindo que a oposição obtivesse maioria no Congresso de 1990.

Em 1992, Sixto Durán Ballén ganhou sua terceira concorrência para a presidência da república. As medidas de ajuste de macroeconômicas duras que ele impôs eram impopulares, mas obtiveram sucesso mediante iniciativas de modernização do Congresso. O vice-presidente de Durán Ballén, Alberto Dahík, foi o arquiteto das políticas econômicas de administração, mas em 1995, Dahík fugiu o país para evitar processo por corrupção impulsionado pela ferrenha oposição. Uma guerra com o Peru (chamada Guerra de Cenepa, na área do rio com este nome) estourou em janeiro e fevereiro de 1995 em função de atrito sobre as fronteiras estabelecidas em 1942 e foi solucionada Protocolo de Rio.

Período recente[editar | editar código-fonte]

Abdalá Bucaram, do POR, foi eleito presidente em 1996 com uma plataforma populista prometendo reformas econômicas e sociais e o rompimento do que chamou de poder da oligarquia nacional. Durante seu curto mandato a administração de Bucaram criticou a corrupção sendo deposto em 1997 pelo Congresso sob alegação de incompetência mental, sendo nomeado em seu lugar o presidente interino Fabián Alarcón então Presidente de Congresso e líder do pequeno partido Frente de Alfarista Radical "FRA".

Em maio de 1997 a presidência interina de Alarcón foi endossada por um referendo popular. Durante a presidência de Alarcón, foi escrita a nova Constituição do país (1979) que só entrou em vigor no dia 5 de junho de 1998, depois das eleições presidenciais e de membros do Congresso de 31 de maio de 1988.

Como nenhum candidato a presidência obteve maioria, no dia 12 de julho de 1998 seguiu-se uma eleição de segundo turno entre os dois candidatos mais votados, o prefeito de Quito Jamil Mahuad do "DP" e Álvaro Noboa Pontón do Partido Cristão Social. Mahuad foi eleito por uma estreita margem de votos assumindo o cargo no dia 10 de agosto de 1998, mesmo dia em que a nova Constituição do Equador entrou em vigor.

Mahuad concluiu um acordo de paz com o Peru em 26 de outubro de 1998, mas com as crescentes dificuldades econômicas, fiscais e financeiras do país, sua popularidade foi diminuindo até quando, inesperadamente substituiu a moeda corrente indígena o sucre (homenagem póstuma de um herói venezuelano na guerra revolucionária contra a Espanha), obsoleto,pelo dólar norte-americano (política monetária chamada de dolarização)

Esta reforma monetária causou grave desassossego nas classes de baixo poder aquisitivo que tentava converter seus sucres em dólar com muita perda no câmbio enquanto as classes mais abastadas, que já possuíam grandes volumes desta moeda e já faziam negócios com ela, capitalizaram grandes lucros.

Nas manifestações populares de grupos indígenas de 21 de janeiro de 2000, em Quito, o exército e a polícia se recusaram reprimir os manifestantes e em seguida a Assembléia Nacional Constituinte, num golpe de estado semelhante aos muitos já ocorridos no Equador, instituiu uma junta de tripartite para intervir na administração do país.

Oficiais militares graduados declararam seu apoio à intervenção e, durante uma noite de confusão, depois de fracassarem as conversações, o presidente Mahuad foi forçado a fugir o palácio presidencial para sua própria segurança, encarregando por decreto, o seu Vice-presidente Gustavo Noboa como responsável pela administração.

Na manhã seguinte, Mahuad endossou Noboa como seu sucessor por uma rede nacional de televisão e o triunvirato militar, que efetivamente já dirigia o país, também o endossou.

Assim, na reunião de emergência do mesmo dia 22 de janeiro, em Guayaquil, o Congresso do Equador ratificou Noboa como Presidente da República.

A política de dolarização ainda permaneceu sob a liderança de Noboa. Embora a dolarização tenha mitigado seus efeitos e iniciado ligeira melhoria sobre a economia, o governo de Noboa foi acusado pela mantença da dolarização e descuido com problemas sociais e outros assuntos importantes da política Equatoriana.

Em 15 de janeiro de 2003, o Coronel aposentado Lúcio Gutiérrez, membro da junta militar que subverteu presidente Jamil Mahuad em 2000, assumiu a presidência do Equador com uma plataforma de combate à corrupção. O partido de Gutierrez, tendo poucos assentos no Congresso, o força a negociar com outros partidos para mudar a legislação, já tendo ensaiado algumas reformas econômicas.

Lucio Gutiérrez, deixou o poder em 2005 diante da falta de apoio das Forças Armadas e no meio de fortes protestos, o que conduziu a que seu vice-presidente, Alfredo Palacio, assumisse a presidência até os dias de hoje. As eleições no país estão previstas para Outubro desse ano e pode ser um novo passo para uma possível maior integridade política do país.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2013). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.