História do Pará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A História do Pará começa antes do descobrimento do Brasil pelos portugueses, em 1500, e vai até os dias atuais.

Ocupação pré-cabralina[editar | editar código-fonte]

Existem registros arqueológicos comprovando a presença humana na ilha de Marajó e na região de Santarém desde 3000 a.C. Entre 500 e 1300, ocorreu o auge da cultura marajoara.1

Ocupação portuguesa[editar | editar código-fonte]

Em 1500, o navegador espanhol Vicente Yañez Pinzón tornou-se o primeiro europeu a navegar pela foz do Rio Amazonas.2 Em 26 de agosto de 1542, o espanhol Francisco de Orellana chegou também à foz do rio Amazonas, só que por via fluvial, partindo de Quito, no Equador.3 Em 28 de outubro de 1637, o português Pedro Teixeira partiu de Belém, foi até Quito e voltou: durante a expedição, ele fincou um marco de pedra na confluência dos rios Aguarico e Napo, na atual fronteira entre Equador e Peru, assegurando, para Portugal e, posteriormente, para o Brasil, a posse da maior parte da Amazônia, incluindo a totalidade do atual território paraense.4

Revoltas contra o Império do Brasil[editar | editar código-fonte]

A Província do Pará foi a última a ser incorporada ao Império do Brasil, quando da Independência do Brasil, uma vez que, com fortes laços com Portugal, o Grão-Pará não aceitou fazer parte da nova nação. Apesar de o dia 15 de Agosto ser feriado estadual, questiona-se hoje o mérito da comemoração, já que houve uma "anexação" à Coroa Brasileira e não uma "adesão" por parte dos paraenses.[carece de fontes?]

Outro dos principais episódios da história paraense foi a Cabanagem, uma revolta popular onde os rebelados tomaram o controle regional, que custou anos para o Império do Brasil reprimir.

Ciclo da Borracha[editar | editar código-fonte]

Primeiro ciclo[editar | editar código-fonte]

O Pará apresenta uma economia sem relevância até cerca de 1880, quando começa o Ciclo da Borracha: muitos migrantes são recebidos, principalmente da Região Nordeste do Brasil, para realizarem a extração do látex em latifúndios pertencentes à elite da capital, Belém. Durante quase quarenta anos, Belém do Pará foi a residência de "barões da borracha", onde foi construída até uma réplica de Paris pelo então prefeito Antônio Lemos: uma reforma urbana invejável até por Rio de Janeiro e São Paulo. A província tornou-se estado com a proclamação da República, em 15 de novembro de 1889. Na década de 1910, termina o ciclo da borracha, voltando o Pará à pobreza: passando a ser apenas um mero fornecedor de matérias-primas para o sudeste brasileiro.

Segundo ciclo[editar | editar código-fonte]

Na Segunda Guerra Mundial, pelas mãos de Getúlio Vargas, foi criado o Banco de Crédito da Borracha para incentivar a retomada da extração de látex para a exportação, com a demanda dos Estados Unidos, o que ficou conhecido como o Segundo Ciclo da Borracha. Na mesma época, o governo estadunidense, interessado na localização estratégica de Belém, implanta importantes obras na capital, como o aeroporto, a vila militar e o Grande Hotel. Porém o segundo ciclo não tarda a findar: com a rendição do Japão, cessam os interesses militares dos Estados Unidos, são liberadas as colónias produtoras de borracha na Ásia, perdendo novamente a preferência pela borracha amazônica, sendo o Pará renegado outra vez à pobreza: intensifica-se o papel de fornecedor de matérias-primas para a crescente indústria da Região Sudeste do Brasil.

Redescoberta[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1960, o Pará foi "redescoberto": o presidente Juscelino Kubitschek construiu Brasília e, paralelamente, construiu rodovias radiais ligando diversas regiões do país à nova capital, sendo a rodovia Belém-Brasília uma delas. Mudou a temática de transportes no Pará e na Amazônia, que era quase completamente fluvial, passa a ser rodoviarista. Essa estrada facilitou o escoamento de produtos e pessoas em direção ao Distrito Federal e ao resto da nação.

A colonização do Sudeste Paraense e a mineração em Carajás[editar | editar código-fonte]

Já nos governos militares, criou-se uma concepção de que a Amazônia possuía um solo extremamente fértil (tese rechaçada recentemente), sendo um "vazio demográfico" que deveria ser devastado e ocupado para ser o "celeiro agrícola da nação", para garantir a posse das terras ao Brasil e para amenizar conflitos por terras em outras regiões, com o lema "terras sem homens para homens sem terra".

Paralelamente, foram realizadas prospecções minerais no Sudeste do Pará (região que tem Marabá como cidade-polo), responsáveis por descobrirem as Reservas de Carajás: gigantescas reservas mineralógicas que deveriam ser exploradas.

Foi realizado um grande plano de colonização das terras que margeavam as estradas, na linha entre Belém e Brasília (Sudeste do Pará), onde foram implantadas agrovilas e rurópoles. Muitos migrantes foram atraídos, principalmente do Nordeste e do Sul do Brasil, porém fracassaram os planos de assentamento: os colonos abandonaram seus lotes e mudaram-se para as maiores cidades do Sudeste Paraense, ocasionando inchaço populacional, grilagem de terras, constituição de latifúndios, devastação, desterritorialização de populações tradicionais e corrida pelo ouro em Serra Pelada. O que foi um clima extremamente propício para que o Sudeste Paraense se tornasse um local desflorestado, dominado por uma elite agrária, muito produtivo (de bens primários) e principalmente extremamente violento. Antes dos planos de colonização, o Pará tinha cerca de 80 municípios: agora são 143 municípios, quase todos criados no Sudeste do estado.

Nessa época (década de 1980), houve a construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, que é a maior hidrelétrica 100% brasileira e que faz parte do plano de crescimento econômico da região: ela foi inaugurada pelo presidente João Figueiredo, servindo principalmente como fornecedora de energia a baixo custo para os grandes projetos minerais e secundariamente para a população comum do estado.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Atualmente, com uma economia baseada na exploração mineral, o Pará é a maior reserva mineralógica do planeta: 75% de todas as exportações do Pará é minério, principalmente proveniente das Reservas de Carajás; 13% de madeira, também proveniente principalmente do Sudeste Paraense; 2% de pimenta e 10% de outros produtos (principalmente energia elétrica, da hidroelétrica de Tucuruí). Sua capital é uma metrópole comparável a Belo Horizonte, Porto Alegre ou a Brasília, com vôos para a Europa, Miami e Caribe sem necessidade de conexão em outras regiões brasileiras. Goza de uma infraestrutura urbana herdada do Ciclo da Borracha, onde ocorrem frequentes e seguidos booms imobiliários promovidos por grandes construtoras; a indústria estadual, ainda fraca, é baseada na siderurgia para exportação, seu setor primário (agropecuária e mineração) é concentrada no Sudeste do estado, sua rede de transportes valoriza o rodoviarismo e despreza o fluviarismo, maior potencial de transportes da Amazônia, por uma imposição dos brasileiros.

O Estado pode ser dividido basicamente em três grandes áreas:

1. Nordeste Paraense: menor região em território, cerca de 22% do estado, possui a capital, Belém do Pará, que também é sua cidade-pólo e a 10º maior cidade brasileira em número de habitantes [1 437 600, segundo dados do Censo 2009]. Sem dúvida essa é a região com a melhor qualidade de vida, possui uma grande malha viária, bom estado de conservação da floresta amazônica e maior presença do poder público. Especializada no setor terciário (comércio e serviços), há pouca concentração fundiária e melhor infraestrutura para o turismo e estabelecimento de escritórios: é a região mais populosa e povoada, onde a população é "tradicionalmente paraense" (origem basicamente luso-indígena). Aí estão os menores municípios do Pará em cobertura territorial. É dominada por uma elite ligada aos setores de comunicação, construção civil e supermercadista.

2. Sudeste Paraense: A região que mais gera riquezas do estado, cobrindo cerca de 25% do mesmo, tem Marabá como cidade-polo. Possui um grande parque agromineral voltado para a exportação, é onde estão situadas as Reservas de Carajás e o maior número de latifúndios. Apenas cerca de 20% da população é paraense. É a região do Bico do Papagaio, onde há a maior concentração de conflitos fundiários no Brasil. A violência atual na região já é mais amena, se comparada a décadas atrás. A região não para de receber migrantes, principalmente nordestinos empobrecidos, visando a empregos simples e subempregos, e fazendeiros sulistas emergentes visando à aquisição de terras para o empreendimento do agronegócio. Existe a previsão que serão mais um milhão nos próximos três anos, uma situação preocupante. Ainda com muitos conflitos no campo e dominada por uma elite aristocrática ligada a terra, essa região está quase toda devastada. Possui 1,3 milhões de habitantes e 14 milhões de cabeças de gado: mais de 10 cabeças de gado per capita.

3. Oeste do Pará: compreende mais da metade de todo o Estado, é a região menos povoada e menos populosa, que menos gera riqueza, onde a floresta amazônica está melhor preservada. Esta região compreende o centro, o sudoeste, o oeste e o noroeste do Pará, tem Santarém como cidade-polo. Tendo sua população tradicionalmente de paraenses, a região vem sofrendo recente crescimento econômico com o escoamento de soja produzida no Mato Grosso (maior produtor sojeiro do planeta) através da hidrovia Tapajós-Teles Pires e da rodovia Santarém-Cuiabá, o produto é transportado até o porto de Santarém, onde é embarcado diretamente para a exportação internacional. 5% de toda a soja exportada por Santarém já é de produção própria. A região é dominada por uma elite de comerciantes e de fazendeiros tradicionais, possui os maiores e menos habitados municípios do Pará, em extensão territorial, entre eles, Altamira, que é o maior município do mundo.

Referências

  1. Guías visuales El País - Aguilar: Brasil. Madri. Santillanes Ediciones Generales. 2009. p. 47.
  2. BUENO, E. A viagem do descobrimento: a verdadeira história da expedição de Cabral. Rio de Janeiro. Objetiva. 1998. p. 132.
  3. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 158-159.
  4. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 161.