História do futebol de Ceará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Passeio Público, onde foram realizadas as primeiras partidas de futebol no Ceará.

As primeiras demonstrações de futebol ocorridas no estado do Ceará foram promovidas por ingleses, fossem eles marinheiros de passagem pela terra da luz ou então trabalhadores de empresas britânicas instaladas por aqui. O esporte logo virou mania entre os cearenses, primeiramente com o surgimento dos clubes de brancos e ricos, em seguida com os clubes populares e operários que ajudaram a transformar o futebol no esporte mais popular do estado.

Os primeiros jogos[editar | editar código-fonte]

José Silveira, pai do futebol cearense.

Um dos primeiros jogos de que se têm notícia ocorreu em 1903, quando um navio britânico que levava jogadores de futebol para um torneio na Argentina ancorou no porto de Fortaleza. A população local recepcionou com homenagens a tripulação que, em troca, decidiu fazer uma demonstração daquele esporte desconhecido. A partida foi realizada no Passeio Público e foi um enorme sucesso. A partir de então, todos os navios vindos da europa eram "forçados" a realizarem demonstrações de futebol.

Os primeiros jogadores cearenses[editar | editar código-fonte]

Foi um jovem que estudava na Inglaterra, chamado José Silveira, quem trouxe a primeira bola para o estado junto com um livrinho de regras, em 1904. Logo houve a realização de um jogo entre cearenses e ingleses que agitou toda a cidade. A disputa ocorreu nàs vésperas do natal, novamente no Passeio Público, e contou com a presença de toda a elite da sociedade local. Os ingleses ganharam por 2 a 0, o que não foi um resultado tão ruim visto que a maioria dos cearenses jogavam o futebol pela primeira vez.

O time dos cearenses manteve suas atividades durante todo o ano de 1905 com o nome de Foot-ball Club, sempre disputando no Passeio Público com os tripulantes dos navios de passagem pela cidade. Por algum motivo ainda desconhecido, o time mudou de nome para Clube da Vaca e logo em seguida encerrou suas atividades, o que causou um certo hiato na prática do futebol no estado que duraria até 1912.

A expansão do futebol[editar | editar código-fonte]

O início elitista[editar | editar código-fonte]

Com a chegada de jovens de "boa família" que estudavam no exterior e no sul do país, por volta de 1912, o futebol passou a ser praticado cada vez mais. Contudo, a prática desse esporte ainda estava restrita às elites. Os primeiros times, ligas e associações que surgiam permitiam a participação apenas dos brancos e ricos. As arquibancadas dos precários estádios eram ocupadas por homens e mulheres vestidos da forma mais elegante possível, já que os jogos eram verdadeiros "eventos sociais" .

A popularização[editar | editar código-fonte]

Obviamente as classes pobres também eram atraídas pelas emocionantes partidas de futebol e começaram a disputar suas próprias partidas com campo e bola improvisados e regras nada precisas. Surgiram então os times populares de subúrbios, formados por moradores de cada rua, como os rivais "24 de Maio" e "Barão do Rio Branco".

Os primeiros craques "de cor" começaram a chamar a atenção dos clubes das elites. Muitos eram contra a participação de negros e mulatos, mas aos poucos os clubes acabaram cedendo diante de tanto talento e convidando-os a participarem de seus times. Isso não significou, infelizmente, o fim do racismo: os jogadores brancos costumavam ser excessivamente violentos quando jogavam contra jogadores mestiços.

A formação das ligas e campeonatos[editar | editar código-fonte]

Junto com o aumento do número de clubes, aumentaram também as confusões. Frequentemente havia brigas por causa de times que marcavam jogos no mesmo local, visto que na época eram poucos os lugares aptos a realização do desporto, como a praça Clóvis Beviláqua (então praça de Pelotas), praça da Estação, praça da Lagoinha, praça Fernandes Vieira e Largo da Alfândega.

Para organizar melhor o esporte local criou-se, em 1915, a Liga Metropolitana Cearense de Futebol, sob a presidência de Alcides Santos. Prova de que o futebol ainda era bastante elitista é o fato de que, apesar do grande número de times que existiam na época, apenas quatro times participaram do primeiro campeonato da Liga (Ceará, Maranguape, Rio Negro e Stella, todos formados por "bons moços").

Em 1920 aconteceu o primeiro Campeonato Cearense de Futebol, organizado pela Associação Desportiva Cearense, instituição depois denominada Federação Cearense de Desportos e que hoje chama-se Federação Cearense de Futebol.

A evolução das praças futebolísticas[editar | editar código-fonte]

Torneio Início de 1927 no Campo do Prado.

Campo do Prado[editar | editar código-fonte]

A aquisição do Campo do Prado pela Liga Metropolitana, apesar de toda a precariedade do campo, foi um importantíssimo passo para a melhoria da organização do futebol cearense, pois foi a primeira praça esportiva dedicada exclusivamente ao futebol. Inaugurado em 5 de junho de 1927, o campo era na verdade de terra batida, por isso costumava-se aguá-lo antes das partidas para diminuir a poeira na hora do jogo. Ao seu redor havia uma pista de corrida de cavalos e, para impedir a entrada de penetras, o Prado era cercado por estacas de madeiras e arame farpado. Também foi no Campo do Prado que ocorreu o primeiro jogo noturno do Ceará. A inauguração dos refletores ocorreu no dia 28 de setembro de 1939, com o jogo Ferroviário 2 x 1 Estrela do Mar.

Sob o Campo do Prado foram construídos o estádio Presidente Vargas e o Instituto Federal do Ceará (IFCE), antigo CEFET ou Escola Técnica.

Presidente Vargas[editar | editar código-fonte]

O Estádio Presidente Vargas representou a modernização do futebol cearense. O estádio construído pela prefeitura municipal deu aos torcedores cearenses acomodações super-modernas para a época como: arquibancadas de madeira, iluminação noturna, uma cerca separando a torcida do campo e, pela primeira vez no estado, um campo com gramado.

A inauguração do PV ocorreu no dia 14 de setembro de 1941 com desfiles e festas. O primeiro jogo ocorreu uma semana depois, em 21 de setembro de 1941, com a partida Ferroviário 1 x 0 Tramways-PE. O PV, que já recebeu um público recorde de mais de 38.000 pessoas, teve sua capacidade reduzida para aproximadamente 22.000, o que o lhe credencia para sediar apenas jogos de "médio porte".

Castelão[editar | editar código-fonte]

Com o crescimento da cidade e do estado, faltava ainda um estádio de grande porte que pudesse confortar o número cada vez maior de torcedores cearenses. Vivia-se então sob o Regime Militar, no qual os militares empreenderam uma série de grandes obras para angariar a simpatia do povo. Foi nessa época que foram construídos vários grandes estádios pelo país inteiro, entre eles o nosso Estádio Castelão. Assim, em 11 de novembro de 1973, o Estádio Plácido Castelo foi inaugurado com o jogo Ceará 0 x 0 Fortaleza, para um público de mais de 70.000 pessoas.

O maior público de sua história, contudo, não foi registrado em um evento futebolístico, mas sim durante a visita do papa João Paulo II, em 1980, quando mais de 120 mil fiéis compareceram ao estádio.

Foi completamente reformado para abrigar os jogos da Copa do Mundo de 2014.

Referências[editar | editar código-fonte]