História do futebol do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SC Internacional e SC Germânia, uma das primeiras partidas disputadas no país, em 1899.

O futebol no Brasil começou como algo apenas praticado pela elite branca.[1] [2] [3] Diz-se que a primeira bola de futebol do país foi trazida em 1894 pelo paulista Charles William Miller.[4] A aristocracia dominava as ligas de futebol, enquanto o esporte começava a ganhar as várzeas.[2] Somente na década de 1920, os negros passam a ser aceitos ao passo que o futebol se massifica.

Durante os governos, principalmente de Vargas, foi feito um grande esforço para alavancar o futebol no país. A construção do Maracanã e a Copa do Mundo do Brasil (1950), por exemplo, foram na Era Vargas. A vitória no Mundial de 1958, com um time comandado pelos negros Didi e Pelé, o mestiço Garrincha e pelo capitão paulista Bellini, ratificou o futebol como principal elemento da identificação nacional, já que reúne pessoas de todas as cores, condições sociais, credos e diferentes regiões do país.

Introdução do esporte[editar | editar código-fonte]

Como em muitos países, o futebol chegou ao Brasil nos pés de ingleses expatriados. No Brasil, é amplamente considerado que o pai do futebol foi Charles Miller, o filho de um empregado de uma empresa ferroviária. Miller, que era nascido no Brasil, foi à Inglaterra para estudar na Banister Court School. Lá, se tornou um admirador do futebol e quando retornou ao Brasil, em 1894, trouxe com ele duas bolas na mala.

Numa tarde fria de outono em 1895, reuni os amigos e convidei-os a disputarem uma partida de football. Aquele nome, por si só, era novidade, já que naquela época somente conheciam o críquete.
- Como é esse jogo? - perguntam uns.
- Com que bola vamos jogar? - indagavam outros.
- Eu tenho a bola. O que é preciso é enchê-la.
- Encher com o quê - perguntavam.
- Com ar.
- Então vá buscar que eu encho."

Foi assim, que, de acordo com Charles Miller, o futebol começou no Brasil, numa entrevista dada à revista O Cruzeiro em 1952.[4] Em 1895 houve o que é considerado o primeiro jogo de futebol no país. Na Várzea do Carmo, em São Paulo, em 14 de abril,[5] [6] uma partida entre ingleses e anglo-brasileiros, formados pelos funcionários da São Paulo Gás Company e da Estrada de Ferro São Paulo Railway. O amistoso terminou em 4 a 2, com vitória do São Paulo Railway.[7]

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Thomas Donohoe

No entanto, há registros que afirmam que o esporte já havia sido praticado no país anteriormente. Em 1874, marinheiros estrangeiros disputaram uma partida em praias cariocas. Em 1878, tripulantes do navio Criméia enfrentaram-se em uma exibição para a Princesa Isabel. Em 1886, o Colégio Anchieta, em Nova Friburgo, impunha regularmente a prática do futebol, por influência dos padres jesuítas.[8] [9] O pioneirismo de Miller também é contestado pelo Bangu Atlético Clube, que afirma ser o escocês Thomas Donohoe quem introduziu o esporte em terras brasileiras. Thomas, que era um técnico da firma inglesa Platt Brothers and Co., de Southampton, tinha sido contratado para ajudar na implantação da fábrica têxtil de Bangu. Em 1894, teria ido a Inglaterra e de lá trazido uma bola, dando pontapé ao primeiro jogo de futebol brasileiro, em maio de 1894, quatro meses antes de Miller.[10] Já para o historiador Loris Baena Cunha, haveria registros de uma partida entre funcionários ingleses da Amazon Steam Navigation Company Ltd., da Parah Gaz Company e da Western Telegraph, no Pará, em 1890.[9]

Time do Sport em 1905.

Há também outras histórias não comprovadas. É dito que, em 1882, um homem chamado Mr. Hugh teria introduzido o futebol em Jundiaí, entre seus funcionários. Diz-se também que entre 1875 e 1876, no campo do Paissandu Atlético Clube, na cidade do Rio de Janeiro, funcionários de duas companhias teriam jogado uma partida. Contudo, a hipótese a partir de Charles Miller é a mais aceita e difundida no cotidiano brasileiro.

Logo após a sua introdução, o esporte começou a se difundir por outros estados. Em 1897 o estudante Oscar Cox, regressando da Suíça, introduziu o futebol no Rio de Janeiro. A primeira equipe do estado foi o Rio Team, formada por Cox em 1901.[11] No Rio Grande do Sul a tarefa coube a Johannes Minerman e Richard Woelckers, em 1900, fundadores do Sport Club Rio Grande no mesmo ano. Na Bahia, a José Ferreira Filho, o Zuza Ferreira, que retornara da Inglaterra após cinco anos de estudos, em 28 de outubro de 1901.[12] Em 1903 Guilherme de Aquino Fonseca após estudar na Hooton Lown School, na Inglaterra, voltou a Pernambuco e em 1905 fundou o Sport Club do Recife. Vito Serpa trouxe o esporte a Minas Gerais em 1904 e Charles Miller Wright ao Paraná em 1908.[13]

Primeiros campeonatos e clubes[editar | editar código-fonte]

Despedida de São Paulo do Rio Team

O São Paulo Athletic Club foi a primeira equipe de futebol do Brasil, formada em 1894 por Charles Miller. Já o Associação Atlética Mackenzie College foi o primeiro time voltado para brasileiros, em 1898. O primeiro clube destinado só ao futebol foi o paulista Sport Club Internacional, fundado em 1899 e já extinto. Logo depois, no mesmo ano, foi fundado o Sport Club Germânia pelo alemão Hans Nobiling, hoje com o nome de Esporte Clube Pinheiros.

Anotações de O. Cox do jogo entre cariocas e paulistas

Devido a extinção do departamento de futebol do Germânia, o Sport Club Rio Grande é considerado primeiro clube de futebol, ainda em atividade, a ser fundando no Brasil . Está localizado na cidade do Rio Grande no Estado do Rio Grande do Sul. Em homenagem ao clube, a extinta CBD (hoje CBF), em 1976, instituiu a data de fundação do clube - 19 de julho - como o "Dia do Futebol".[14]

A Associação Atlética Ponte Preta (AAPP) de Campilhas, São Paulo, é o clube mais antigo em atividade depois do Sport Club Rio Grande, fundado em 11 de Agosto de 1900, 23 dias depois.

Em 1901 o primeiro confronto entre paulistas e cariocas, que viria a ser consolidado em 1933 com o surgimento do Torneio Rio-São Paulo. Entusiasmado com o time formado pelo Rio Team, Oscar Cox, que como indica no site do Fluminense Football Club esse seria o seu definitivo nome, começou a se corresponder com Renê Vanorden, do extinto Sport Club Internacional, Charles Miller e Antonio Casemiro da Costa, que viria a ser o fundador da Liga Paulista de Football, sobre a ideia de um jogo entre paulistas e cariocas.[15] O mesmo ocorreu no dia 19 de outubro, no campo do São Paulo Athletic Club. O primeiro jogo terminou empatado em 1 a 1. No dia seguinte outra partida, que também acabou em um empate de 2 a 2.

No mesmo ano foi fundado a Liga Paulista de Football, em 19 de dezembro. Em 1902, foi realizado o primeiro campeonato oficial no Brasil, o Campeonato Paulista de Futebol, onde o extinto São Paulo Athletic Club sagrou-se campeão. Pouco a pouco, novos clubes foram surgindo no estado paulista, como o SC Americano, AA São Bento, SC Internacional, Ypiranga e o Paulistano, clubes este que tiveram forte atuação nos primeiros anos do século XX, mas logo deixaram de praticar o futebol em São Paulo.

Elenco do Vitória campeão baiano de 1908.

Na Bahia, é fundada a liga de futebol do estado, em 1905. A Liga Bahiana de Sports Terrestres teve quatro clubes fundadores: São Paulo Clube (que não participou do campeonato), Clube Internacional de Cricket, Sport Club Victoria e Sport Club Bahiano. O Clube de Natação e Regatas São Salvador filiou-se à liga pouco antes do começo do primeiro certame, que consagraria o Internacional de Cricket como campeão. Destes, apenas o Victoria, atual Esporte Clube Vitória e fundado em 1899 como Club de Cricket Victoria, mantém contatos com o esporte atualmente.

Time do Botafogo em 1906.

No Rio de Janeiro, no dia 21 de Julho de 1902 foi fundado o Fluminense Football Club, primeiro clube de futebol do estado que estimularia a criação de uma liga carioca e organizaria o futebol na cidade. A partir de 1904, novos clubes surgiram, entre eles, destacam-se o Botafogo Football Club (atual Botafogo de Futebol e Regatas) e o América, esses do Rio de Janeiro. Em 1906, o primeiro Campeonato Carioca foi disputado, no qual o Fluminense foi campeão. Em 30 de maio de 1909, depois de cinco anos de sua criação, o Botafogo estabeleceu o recorde de maior goleada da história do futebol brasileiro, vencendo o Sport Club Mangueira por 24 a 0, pelo Campeonato Carioca daquele ano. O artilheiro da partida foi Gilbert Hime, que fez nove gols, recorde até 1976, quando Dario marcou dez no jogo Sport 14 a 0 Santo Amaro, pelo Campeonato Pernambucano. O Mangueira acabou desistindo da disputa a quatro rodadas do final.[16]

O Vasco da Gama quando iniciou no futebol.

Entre 1910 e 1919, mais times e federações surgiram. O esporte tornou-se cada vez mais popular. Em 1910, por exemplo, após uma visita do Corinthian FC de Londres ao Brasil, surgiu em São Paulo o atual Sport Club Corinthians Paulista.[17] Outro futuro grande clube seria fundado dois anos depois: o Santos Futebol Clube, com sede em Santos, SP. Em 1912, o Clube de Regatas do Flamengo começaria a jogar futebol,[18] assim como Club de Regatas Vasco da Gama faria em 1915,[19] clubes estes que existiam desde o século XIX, mas que iniciaram com a prática do remo no Rio de Janeiro.[18] [19]

Inicialmente, apenas pessoas de pele branca podiam jogar futebol no Brasil como profissionais, dado o fato de a maioria dos primeiros clubes terem sido fundados por estrangeiros. Em jogo contra o seu ex-clube, o America do Rio de Janeiro, o mestiço Carlos Alberto no Campeonato Carioca de 1914, por conta própria, chegou a cobrir-se com pó-de-arroz para que ele parecesse branco. Porém, com o decorrer da partida, o suor cobriu a maquiagem de pó-de-arroz e a farsa foi desfeita. A torcida do América, que o conhecia - ele havia sido um dos jogadores que saíram do clube na cisão interna de 1914, tendo sido campeão carioca em 1913 - começou a persegui-lo e a gritar "pó-de-arroz", apelido que acabou sendo absorvido pela torcida do Fluminense, que passou a jogar pó-de-arroz e talco à entrada de seu time em campo.[20]

Surgem os campeonatos regionais, e público e imprensa, interessados cada vez mais pelo esporte, difundiram-no pelo país. Separa-se do tênis e do críquete, esportes da elite, para despertar o interesse de toda a massa, principalmente na década de 1920, quando os negros começaram a ser aceitos em outros clubes. O Vasco foi o primeiro dos clubes grandes a vencer títulos com uma equipe repleta de jogadores negros e pobres.

A primeira partida da seleção brasileira contra o Exeter City Football Club em 1914.

Criação Brasileira[editar | editar código-fonte]

Com a fundação da Federação Brasileira de Sports (FBS) em 1914, a Seleção Brasileira tem sua estreia em um jogo considerado não oficial pela FIFA contra a equipe britânica do Exeter City. Realizado no Estádio do Fluminense Football Club nas Laranjeiras, na cidade do Rio de Janeiro, os anfitriões ficaram com a vitória por 2 a 0. O primeiro título do país veio dois meses mais tarde, quando o Brasil venceu a seleção da Argentina no campo do Club de Gimnasia y Esgrima, em Buenos Aires, por 1 a 0, trazendo a Copa Roca para casa.[21]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter se consolidado como o esporte preferido dos brasileiros já na década de 1920, o futebol não foi visto com bons olhos durante sua popularização pelo país. As mais pesadas críticas vieram de setores da elite intelectual. O escritor Graciliano Ramos escreveu em sua crônica "Traças a Esmo" que o futebol era a prova da superioridade européia sobre o brasileiro, afirmando que sua popularidade seria apenas passageira (fogo de palha) pelo frágil biotipo dos que habitavam o Brasil.[22] Graciliano Ramos terminava a crônica de forma irônica:

Os verdadeiros esportes regionais estão aí abandonados: o porrete, o cachação, a queda de braço, a corrida a pé, tão útil a um cidadão que se dedica ao arriscado ofício de furtar galinhas, a pega de bois, o calto, a cavalhada, e o melhor de tudo, o cambapé, a rasteira. A rasteira! Esse sim é o esporte nacional por excelência!

As críticas mais contundentes, contudo, partiram do escritor Lima Barreto. Barreto via no futebol um fator de dissensão, e nos clubes, agremiações comandadas por descendentes dos senhores de escravos. Em seu artigo "Como Resposta, Careta", na publicação "Marginalia", o escritor afirma ser o futebol "primado da ignorância e da imbecialidade".[23] Por tais opiniões Lima Barreto chegou a criar a ""Liga Contra o Foot-ball", no qual tentava a proibição do esporte no país usando como justificativa supostos malefícios da prática do mesmo, como brigas e mortes.[24] Apesar de nunca ter sido proibido no Brasil, chegaram a ser discutidas limitações para o exercício do futebol. Em 1916, a Academia Nacional de Medicina estudou a hipótese da proibição do jogo para menores de 18 anos. Em 1919 a prática foi vetada no Colégio Pedro II, do Rio de Janeiro.[24]

Festival Operário de 1919.

Da mesma forma que não fora recebido com simpatia pela elite intelectual, o mesmo acontecera em relação a classe trabalhadora. As lideranças sindicais da época, compostas em sua maioria por anarquistas e comunistas, viam o esporte com desconfiança, por acharem-o uma forma de alienação produzida pelos donos das fábricas para desviar a atenção do proletariado em relação à causa operária. Para tais lideranças, o futebol era "mera expressão da manipulação consumista e alienante da burguesia".[24]

A relação com os líderes sindicais começou a mudar a partir da década de 1910, quando as lideranças passaram a perceber que poderiam angariar membros a causa anarquista/comunista por meio do esporte. Assim, se tornaram comum eventos que, para divulgar a doutrina trabalhadora, usavam como pretexto partidas entre times operários. Foi assim que em 1919 criou-se o Festival Operário de 1919, onde equipes formadas pelos operários disputavam amistosos entre si.[24]

A popularização e o fim do amadorismo[editar | editar código-fonte]

A década de 1920 é considerada como o marco para a popularização do futebol no Brasil. O exemplo mais claro do fenômeno que se tornara ocorreu na final do terceiro campeonato Sul-Americano de Futebol (hoje Copa América), quando a seleção brasileira enfrentou o seleção uruguaia, em 29 de maio de 1919. Era a primeira vez que a seleção brasileira chegava tão longe no torneio. A expectativa para a partida era tamanha que o presidente da época, Delfim Moreira, decretou ponto facultativo nas repartições públicas, enquanto que o comércio do Rio de Janeiro não abriu as portas naquele dia.[25] Mesmo em outros estados a partida ganhou contornos patrióticos, como relata o jornal O Estado de São Paulo:

No círculo dos jovens, considera-se impatriótico o desinteresse do desfecho do certâmen continental, declarado que seja por um brasileiro! … e nas rodas mundanas, não se admite nem por esnobismo, uma afirmativa desta natureza.[26]

A popularização do esporte iniciou a briga entre o amadorismo, a realidade da época, e o profissionalismo. Os primeiros indícios de jogadores assalariados vêm do futebol operário. Inicialmente usado como lazer e fonte de disciplinarização para seus funcionários, os donos de fábricas logo perceberam que o sucesso das equipes que levavam o nome da fábrica era um ótimo meio de divulgação dos seus produtos. Os trabalhadores que se destacavam com a bola nos pés começaram então a gozar de vários benefícios, como prêmios por vitória (o 'bicho'), dispensa para treinos e trabalhos mais leves. Ocorria assim, pela primeira vez, a valorização do 'capital esportivo'.[27] Surgia então o que foi chamado do 'operário-jogador'. Sobre isso, o escritor Mário Filho, abordando o caso específico do Bangu, fala no livro O Negro no Futebol Brasileiro:

Operário que jogasse bem futebol, que garantisse um lugar no primeiro time, ia logo para a sala do pano. Trabalho mais leve.(...) Os garotos que jogavam no largo da igreja sabiam que, quando crescessem, se fossem bons jogadores de futebol, teriam lugares garantidos na fábrica. (...) Depois de trabalhar muito, e principalmente, de jogar muito, o operário-jogador ganhava o prêmio da sala do pano. E podia ser ainda melhor se continuasse a merecer a confiança da fábrica, do Bangu. Havia o escritório, o trabalho mais suave do que na sala do pano. E o ordenado maior.[28]

O aparecimento do 'operário-jogador' proporcionou aos operários a possibilidade de o esporte ser uma segunda fonte de renda, além de uma relativa mobilidade social dentro da fábrica. A prática começou então a ser vista como possibilidade de ascensão social. Exemplo claro desse processo, o jogador Domingos da Guia, que fez muito sucesso na década de 1930, relatou numa entrevista que seu início no futebol começou muito mais por necessidade do que por vontade própria. Seu interesse na atividade se dava pelos lucrativos 'bichos' que recebia após cada vitória.[29]

Início de uma nova era[editar | editar código-fonte]

Palestra Itália campeão paulista de 1920

O profissionalismo começou a ganhar ares de realidade com o Vasco da Gama, em 1923. Com o departamento de futebol criado em 1915,[19] desde essa época o Vasco, junto com alguns outros clubes do subúrbio, reuniam jogadores de baixa renda, baixa escolaridade até mesmo desempregados, o que inquietava a elite carioca. Esta jogava pela ideologia do que foi chamada ethos amador.[30] Isto é, o principal aspecto do esporte seria a sua prática por divertimento, sem qualquer interesse pecuniário.[30] A participação esportiva seria um direito de tal classe, e portanto, dirigida a mesma e com regras egocêntricas. Assim, a entrada no futebol de jogadores que jogavam pela renda proporcionada, e não por uma busca de divertimento, seria uma ameaça a tal ideologia dominante. Sendo assim, a inserção das camadas mais baixas no futebol era visto como uma potencial ameaça aos clubes elitistas da Zona Sul do Rio de Janeiro.

Tal ameaça, contudo, nunca foi seriamente combatida, já que os clubes que adotavam entre suas fileiras esportistas pouco abastados disputavam divisões inferiores aos que os 'grandes clubes' disputavam. Assim, por algum tempo o futebol da cidade viu-se divido entre o amadorismo da divisão principal e o semi-profissionalismo, ou 'profissionalismo marrom', presente em divisões mais baixas.

Isso até 1923, quando o Vasco ascendeu a primeira divisão do Campeonato Carioca de Futebol, após ter vencido a segunda divisão estadual. No elenco vascaíno, a clara mistura que existia nos times do subúrbio: a equipe era composta pelo chofer de táxi Nelson da Conceição, o estivador Nicolino, o pintor de parede Ceci e o motorista de caminhão Bolão, todos negros, além de quatro brancos analfabetos.[31]

O escrete cruzmaltino, apesar da descrença em seu potencial, terminou o primeiro turno com uma campanha muito a frente dos seus rivais, com seis vitórias e um empate em sete jogos disputados.[32] A boa campanha continuou no segundo turno e levou ao clube a vitória do Campeonato Carioca. Se por um lado negros e analfabetos até aquela época não tinham incomodado, a vitória vascaína não podia ser suportada pela elite, já que havia uma clara invasão de indivíduos sem status social numa prática até então restrita aos setores mais abastados da sociedade. Sobre a vitória do Vasco, assim escreve Mário Filho:

Desaparecera a vantagem de ser de boa família, de ser estudante, de ser branco. O rapaz de boa família, o estudante, o branco, tinha de competir, em igualdade de condições, com o pé-rapado, quase analfabeto, o mulato e o preto para ver quem jogava melhor. Era uma verdadeira revolução que se operava no futebol brasileiro.[33]

Indignados, os chamados 'grandes clubes' começaram a articular na Liga Metropolitana dos Desportos Terrestres (LMDT) uma forma de conter o avanço do profissionalismo. Acusando a LMDT de 'populismo' por apoiar os 'pequenos',[34] os clubes da Zona Sul exigiram mudanças no regulamento interno da Liga, entre as quais cada clube teria um voto com um certo valor, cabendo a América, Botafogo, Flamengo e Fluminense a maior pontuação. Tais mudanças não foram aceitas pela maioria das equipes restantes, o que levou a um racha no futebol carioca: os grandes mais alguns outros clubes abandonaram a LMDT e fundaram em 1 de março de 1924 a Associação Metropolitana de Esportes Athleticos - AMEA.

O caráter excludente da nova liga se tornava claro logo em seu estatuto (direita), que excluia da prática esportiva desempregados, analfabetos e "os que tirem os seus meios de subsistência de qualquer profissão braçal".

''Capitulo III - DA ADMISSÃO DE MEMBROS DA A.M.E.A.

Art 5° ITEM 10 - Indicar de seus athletas o número e o nome por extenso; a residência actual e a anterior; a profissão que actualmente exercem e a que exerciam precedentemente; o local em que a praticavam e o em que praticam; e bem assim o nome das pessoas sob cuja direcção a exercitavam e exercitam.

Capitulo IX - DA INSCRIPÇAO DOS AMADORES, SUAS FORMALIDADES E REQUISITOS
Art 65 - Não poderão, porém, ser inscriptos:
ITEM 2 - os que tirem os seus meios de subsistência de qualquer profissão braçal, considerando-se como tal a em que predomine o esforço physico;
ITEM 7- os que não saibam ler ou escrever correntemente;
ITEM 9 - os que habitualmente não tenham profissão ou empregos certos"

Trecho do Estatuto da Associação Metropolitana de Esportes Athleticos - A.M.E.A., Rio de Janeiro, 1924.

O amadorismo, contudo, não podia resistir ainda por muito tempo, seja pelo situação interna do futebol no Brasil e até mesmo no mundo. Em 1923, na Itália, a Juventus pagou pela transferência do atleta Viri Rosetta. Os dirigentes do seu antigo clube entraram na justiça pedindo a anulação dos pontos conquistados com ele em campo. O tribunal italiano deu ganho de causa à Juventus, abrindo o precedente para que as equipes tirassem jogadores de outras agremiações à custa de dinheiro, iniciando assim o profissionalismo no país.[35] De modo semelhante, desde 1924 diversas outras nações adotaram o profissionalismo, como Espanha e Áustria, na Europa, além dos vizinhos sul-americanos Argentina e Uruguai. A difusão do profissionalismo fez com que a FIFA em 1930 autorizasse na primeira Copa do Mundo a participação de atletas que recebiam ordenados.

Internamente a situação também foi se tornando complicada para o amadorismo. Em 1932 um grupo de jogadores publicaram no jornal Gazeta Esportiva um manifesto onde pediam pelo direito de exercer sua profissão de jogador de futebol.[36] Em 1933 o jogador Floriano Peixoto Correa, conhecido como Marechal da Vitória, publica o livro "Grandezas e Misérias do Nosso Futebol", onde aborda de forma crítica o amadorismo. Segundo Correa:

Com o desenvolvimento do soccer no país, aumentou, naturalmente, o desenvolvimento do profissionalismo oculto. E o profissionalismo que devia ter sido legalizado nessa ocasião, passou a desfrutar uma proteção escandalosa de nossas entidades, clubes e paredros, unidos num deslavado semvergonhismo que depunha contra o seu carater e a sua conduta hipocrisia essa impotente para encobrir os escandalos que vieram depois.[37]
E o ‘amadorismo’ foi-se desmascarando. Em 1915 já não era escandalo a gratificação aos jogadores feita ás claras em qualquer clube de São Paulo ou do Rio, de Pernambuco ou do Rio Grande do Sul.[38]

Além de Correa, companheiros também relatavam os problemas que a proibição ao profissionalismo lhe causavam. A transcrição a seguir é de Amilcar Barbuy:

Vou para à Itália. Cansei de ser amador no futebol onde essa condição há muito deixou de existir, maculada pelo regime hipocrita da gorgeta que os clubes dão aos seus jogadores, reservando-se para si o grosso das rendas. Durante 20 anos prestei desinteressadamente ao futebol nacional os meus modestos serviços. Que aconteceu? Os clubes enriqueceram e eu não tenho nada. Sou pobre. Sou um pária do futebol. Não tenho nada. Vou para o país onde sabem remunerar a capacidade do jogador.[39]

Ao clamor desses futebolistas foram se juntando também dirigentes de clubes, insatisfeitos com a situação de um 'amadorismo marrom', que não era nem um amadorismo, mas também nem um profissionalismo. Para tais, a profissionalização poderia transformar o esporte num espetáculo[23] e sobretudo assegurar a permanência dos craques nas equipes.

Grêmio de 1931.

Sem pagar salários a seus jogadores, os clubes amadores não conseguiam disputar com estrangeiros, que viam ao país com interessantes propostas financeiras para os atletas que se destacavam. Esse foi o caso de Fausto dos Santos, que em 1931 se transferiu para o Barcelona, da Espanha.

A subida ao poder de Getúlio Vargas, em 1930, também teve forte impacto no fim das práticas amadoras. O governo de Vargas impulsionou um projeto de integração da identidade brasileira e a criação de uma cidadania brasileira, de forma a estender direitos e deveres para uma maior parcela da população.[40] Para tal, regulamentou muitos aspectos da sociedade, entre elas a criação de uma política de esportes mais organizada, estruturada e centralizada.[40]

Resultado desse conjunto de fatores, em 1933 os presidentes de Vasco, Fluminense, América e Bangu romperam com a AMEA e fundaram a Liga Carioca de Football (LCF), primeira entidade a aceitar oficialmente a inscrição de atletas profissionais.[25]

Em agosto do mesmo ano a Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA) toma o mesmo rumo que a LCF. Ambas então se desfiliam da CBD e criam a Federação Brasileira de Futebol (FBF), que apoiava o profissionalismo e por isso obteve da FIFA o direito de representar o Brasil em competições internacionais.[23]

Com o profissionalismo começando a ganhar forma, a CBD passou então a ser a grande antagônica do processo, o último bastião do amadorismo. As freqüentes brigas entre a mesma e a FBF fez com que na Copa do Mundo de 1934 o Brasil enviasse apenas jogadores amadores, o que resultou na desclassificação da equipe na competição. Em 1937, contudo, a CBD aceita o profissionalismo em troca da manutenção do seu poder sobre o futebol nacional. Era a extinção das práticas amadoras.

O pós-amadorismo[editar | editar código-fonte]

A Copa América, no princípio sob o nome de Campeonato Sul-Americano de Futebol, foi a primeira competição envolvendo Seleções Nacionais de Futebol. Envolve países da América do Sul desde 1916. Entre a sua primeira edição até 1949, o Brasil foi campeão apenas três vezes em 21 ocasiões em que o campeonato foi realizado. Ainda assim, alguns historiadores atribuem a uma heróica vitória do Brasil sobre o Uruguai na final do Campeonato Sul-Americano de 1919, disputado no estádio do Fluminense, construído especialmente para a competição,[41] em 29 de maio daquele ano, como o início da paixão brasileira pelo esporte. A partida, ganha com um gol de Friedenreich na terceira prorrogação, fez com que ele fosse carregado nos ombros da torcida pelas ruas da cidade e sua chuteiras, expostas em uma joalheria, além de ganhar o apelido de El Tigre de seus adversários.[1] Além de importante para o futebol, esta partida foi marcante para a música brasileira . Inspirado nela, ninguém menos que Pixinguinha compos o choro "1x0", primeiro registro de música sobre futebol no Brasil.[42]

Se por um lado, a profissionalização do futebol no Brasil fez com que grandes potências nos torneios estaduais fosse extinta,[2] o processo acabou abrindo espaço definitivo para que os primeiros gênios do esporte nacional entrassem em campo para substituir El Tigre: Fausto dos Santos, Domingos da Guia, Leônidas da Silva, Waldemar de Brito e depois uma longa e ilustre galeria de Zizinho a Pelé.[1]

Copas do Mundo[editar | editar código-fonte]

As Copas do Mundo começaram a ser disputadas em 1930, e as edições seguintes sempre teriam participações da Seleção Brasileira. Mesmo com resultados fracos nas duas primeiras edições, o Brasil esteve representando nas edições do campeonato de 1930, 1934 e 1938, no Uruguai, Itália e França respectivamente.[43] Após uma interrupção devido à Segunda Guerra Mundial, a Copa do Mundo voltaria a ser realizada em 1950 no Brasil.[44]

O Maracanazo e suas consequências[editar | editar código-fonte]

O Brasil foi sede da Copa do Mundo de 1950 e, por ser o anfitrião, havia a expectativa por parte da população de uma primeira conquista. Contudo, na final da competição, a Seleção Brasileira foi derrotada por 2 a 1, de virada, para a Seleção Uruguaia, que obteve seu segundo título.[44] A derrota provocou uma grande mudança no futebol brasileiro, a iniciar pela troca do uniforme da seleção nacional, que passou de branco (nunca mais usado) para amarelo, azul, branco e verde.[45] O episódio entrou para a história como "Maracanazo", uma das maiores zebras de todos os tempos.[46]

Para ajudar a acabar com a tristeza nacional após a derrota, ainda em 1950, o jornalista Mario Filho promove a volta da disputa do Torneio Rio-São Paulo, que agora passa a acontecer de maneira regular, anualmente, envolvendo as principais equipes de Rio de Janeiro e São Paulo. Este campeonato serviria de base para a criação de um campeonato nacional anos depois.[47]

A era clássica[editar | editar código-fonte]

Pelé, o maior atleta do século XX.

A partir do final da década de 1950, o futebol brasileiro foi criando uma série de grandes jogadores ao mesmo tempo. Destacaram-se Pelé, Garrincha, Nílton Santos, Didi, Vavá, Zagallo, Djalma Santos o capitão Bellini, entre outros que participaram da campanha vencedora da Copa de 1958 pela Seleção Brasileira. A dose foi repetida na Copa de 62, desta vez Amarildo, Coutinho e Pepe somados ao elenco campeão.[48]

Em 1959, a CBD inovou, e finalmente resolveu criar uma competição entre clubes para substituir o deficitário Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais. Essa competição foi nomeada como Taça Brasil, primeira competição com abrangência nacional do país, criada para definir o clube campeão brasileiro de futebol que representaria o Brasil na Taça Libertadores da América, que na época contava apenas com os campeões nacionais de cada país (campeão argentino, campeão chileno, campeão uruguaio, campeão paraguaio, campeão colombiano, campeão boliviano e campeão brasileiro).[49] O primeiro campeão foi o Bahia, porém foi o Santos, de Pelé, a equipe que mais vezes a conquistou a Taça Brasil, cinco seguidas. Nesta época, o Santos fazia com o Botafogo, de Garrincha e companhia, o principal clássico do Brasil, tanto em competições regionais, nacionais e até internacionais, uma vez que a Taça Libertadores da América começou a ser disputada em 1960, ainda com pouco interesse das equipes brasileiras. O Santos, em 1962, foi o primeiro clube do país a conquistar a Libertadores e a ser campeão do mundo.[50]

Apesar de não ter feito boa campanha na Copa de 1966,[51] em 1970, a Seleção Brasileira sagrou-se campeã pela terceira vez da Copa do Mundo, recebendo definitivamente a Taça Jules Rimet (troféu que viria a ser roubado e derretido treze anos depois) por ter sido o primeio país a conquistar a Copa pela terceira vez.[52]

Em 1967, o Torneio Roberto Gomes Pedrosa foi criado para ser o campeonato nacional em um novo formato, possibilitando a participação de um número maior de clubes. Oriundo do Torneio Rio-São Paulo, essa competição logo ganhou status de Campeonato Nacional, recebendo da CBD a denominação de 'Taça de Prata' ou 'Robertão'. O Torneio Rio-São Paulo foi interrompido, bem como a Taça Brasil dois anos depois, incumbindo ao Robertão definir os novos campeões brasileiros até 1970.[50]

Pós-70[editar | editar código-fonte]

Após quatro edições do Torneio Roberto Gomes Pedrosa, a CBD decidiu organizar definitavamente o primeiro Campeonato Nacional de Clubes em 1971, tradicionalmente referido como Campeonato Brasileiro de Futebol.[53] Seu primeiro vencedor foi o Atlético Mineiro.[54]

Logo, assistiu-se a uma maior integração do futebol do país, mesmo tendo apenas clubes de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul conquistado o torneio entre 1972 e 1984. Destacam-se a academia do Palmeiras, bicampeão em 1972 e 73, o Internacional, campeão de 1975, 1976 e 1979 (este último de forma invicta). De curioso, o fato de Guarani ter vencido o campeonato em 1978, sendo o primeiro clube com sede fora de uma capital a conquistar o título. A hegemonia dos estados citados só foi quebrada com a conquista do Coritiba em 1985, abrindo vez para conquistas dos nordestinos Sport e Bahia em 1987 e 1988 respectivamente.[54]

Ainda que timidamente, os clubes brasileiros foram pegando feição pelo campeonato continental, a Taça Libertadores da América. O Cruzeiro foi o segundo time do Brasil a vencer a competição, em 1976, sendo seguido por Flamengo e Grêmio em 1981 e 83 respectivamente.[55] Estes dois últimos clubes, conquistaram também o título de Campeonato Mundial de Clubes nestes anos.[56]

A esta época, a Seleção Brasileira ficou 24 anos sem vencer a Copa do Mundo. Em 1982, o time montado por Telê Santana era tido como candidato ao título, apresentando o melhor futebol da época e baseada nos jogadores como Zico, Falcão, Sócrate, Júnior, Oscar, Toninho Cerezo, entre outros, acabou sendo eliminada nas quartas-de-final da competição para a Itália da Copa.[57] Na Copa América, o Brasil conquistaria seu primeiro título desde 1949 em 1989.[58]

Reformulações[editar | editar código-fonte]

A grande novidade do calendário do futebol brasileiro na década de 1980 foi a criação da Copa do Brasil em 1989, que teve o Grêmio como o campeão de estréia.[50] A década seguinte inicia-se com o quinto título nacional do Flamengo no Campeonato Brasileiro de Futebol em 1992, o que daria à equipe o troféu do campeonato de maneira definitiva, embora a CBF não o reconheça o mérito devido a imbróglios durante a organização da Copa União de 1987.[59] [60]

Neste mesmo ano de 1992, era disputada pela primeira vez a Copa Conmebol, que tinha como objetivo ser a segunda principal competição do continente sul-americano, atrás da Libertadores. Seus primeiros campeões foram do Brasil, o Atlético Mineiro, na primeira edição, o Botafogo, na segunda e o São Paulo, na terceira. A Conmebol foi apenas mais um dos títulos internacionais vencidos pelo São Paulo.[61] Em 1992 e 1993, a equipe foi bicampeã da Libertadores e do Intercontinental.

Na Copa do Mundo de 1994, a Seleção Brasileira liderada por Romário, finalmente conquistaria o título outra vez, a quarta de sua história, recorde até então.[62] Em 1998, o Brasil chegaria a final de novo, porém, seria derrotado pela França por 3 a 0.[63]

Na segunda metade da década, times do país conquistariam quatro vezes a Copa Libertadores da América, em 1995, o Grêmio, e de 1997 a 1999, na ordem, Cruzeiro, Vasco e Palmeiras, porém nenhum deles ficaria com o título mundial. Em 1999, a Copa Conmebol, passava a estar em terceiro plano, sendo substituída, desde 98, pela Copa Mercosul, vencida por Palmeiras, Flamengo e Vasco em suas primeiras edições.

A nação exportadora[editar | editar código-fonte]

Com a chegada do século XXI, nota-se uma forte tendência de saída de atletas brasileiros para clubes de Europa. Os clubes ficavam cada vez mais enfraquecidos, além de terem perdido a autonomia e os direitos sobre o "passe" dos jogadores a partir da Lei Pelé. Ano após ano, aumentava em todas as regiões do mundo a quantidade de futebolistas brasileiros em atuação por outros países economicamente mais fortes. Atualmente, uma média de 800 jogadores saem do Brasil para jogador profissionalmente em outras nações.[64] No ano de 2007, 1085 jogadores foram envolvidos em transferências internacionais.[65]

O ano 2000 começou com disputa do Campeonato Mundial de Clubes de 2000 no Rio e em São Paulo. Teve como vencedor o Corinthians, que derrotou o Vasco na final, no estádio do Maracanã.[66]

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Ronaldinho se cumprimentam antes de uma partida.

Em 2002, a Seleção Brasileira chegava desacreditada à Copa do Mundo. Porém, com os fracassos precoces de Argentina e França, o Brasil teve menos dificuldades do que o esperado e, guiado por Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho, entre outros, o país conquistou o seu quinto título mundial.

Neste mesmo ano, a Copa Sul-Americana foi inaugurada em lugar da Mercosul,[67] porém, a nova competição continental só teve adesão brasileira em 2003. Até hoje, somente os clubes Internacional e São Paulo vencenceram. Foi em 2008 e a vitória foi sobre o Estudiantes de La Plata.[68]

Em 2003, o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado por pontos corridos, em dois turnos em que todos os times jogavam contra todos. Esta mudança afetou o calendário do esporte no país, extinguindo competições regionais e encurtando as estaduais. O São Paulo FC venceu o torneio em três oportunidades dentro do novo formato, fazendo da equipe a mais vitoriosa na "era dos pontos corridos" até o final da década.

O Campeonato Mundial de Clubes ganhou um novo formato em 2005, inspirado na edição de 2000 no Brasil, envolvendo equipes vencedoras de todas as competições continentais. Tendo as primeiras edições (de 2005 a 2008) disputadas no Japão, São Paulo e Internacional venceram nos dois primeiros anos, e o Corinthians foi vencedor do torneio no ano de 2012.[69]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Scielo Brasil Estudos Avançados - Memórias do futebol brasileiro. Acessado em 14/04/2010.
  2. a b c Klepsidra As origens do futebol na Inglaterra e no Brasil. Acessado em 14/04/2010.
  3. Sua Pesquisa História do Futebol. Acessado em 16/04/2010.
  4. a b Unzelte 2002, pp. 20
  5. Futebol na Rede História do Futebol - Futebol do Sul do Brasil. Acessado em 16/04/2010.
  6. John Mills. Charles Miller: O Pai do Futebol Brasileiro. [S.l.]: Panda Books, 2005.
  7. JAL & GUAL 2004, pp. 12
  8. Silva 2006, p. 27
  9. a b Cunha, s/d
  10. Carlos Molinari. Bangu.net: Nós é que somos banguenses - Capítulo 1889 a 1903. Página visitada em 20 de julho de 2009.
  11. Jal & Gual 2004, pp. 12.
  12. História do Futebol Baiano
  13. Unzelte 2001, pp. 22.
  14. Revista Placar, pp 11. Edição 1297, agosto de 2006.
  15. Botafogo Paixão: Origem do Futebol. Página visitada em 16 de janeiro de 2008.
  16. Globoesporte.com Memória E.C. > Arquivo > Maior goleada da história do futebol brasileiro completa um século. Acessado em 16/04/2010.
  17. Banco de Dados Folha - Acervo de Jornais No Bom Retiro, em 1910, começa essa história. Publicado em 05/12/1976. Acessado em 14/04/2010.
  18. a b Campeoes do Futebol História do Clube de Regatas Flamengo. Acessado em 14/04/2010.
  19. a b c Campeoes do Futebol História do Clube de Regatas Vasco da Gama. Acessado em 14/04/2010.
  20. GloboEsporte.com É Festa! Justiça libera o pó-de-arroz. 03/03/2008. Acessado em 14/04/2010.
  21. Campeoes do Futebol História da Seleção Brasileira de Futebol
  22. Soares, Lovisolo, Helal 2001, pp 125
  23. a b c Franzini 2003
  24. a b c d Pereira 2000
  25. a b Franzini 2003.
  26. Sevcenko 1992, pp. 84-89, apud Silva 2006, pp. 62
  27. Antunes 1994
  28. Filho 2003, pp. 84-89
  29. Pereira 2000, pp. 312
  30. a b Dunning 1992, p.312
  31. Junior 1999
  32. Lance! 1998.
  33. Filho 2003, pp. 126.
  34. Soares, Lovisolo, Helal 2001, pp 125.
  35. Coelho 2009, p. 43
  36. FRANZINI 2003
  37. Correa 1933, p. 21
  38. Correa 1933, p. 24
  39. Correa 1933, p. 127
  40. a b Coertjens 2004, p. 254
  41. História do Futebol-Final O Primeiro Título Sulamericano de 1919. Acessado em 16/04/2010.
  42. XAVIER, Beto. Futebol no país da música. [S.l.: s.n.]. 25 p.
  43. Almanaque da Folha Década de 1930 no esporte
  44. a b FIFA.com 1950 FIFA World Cup Brazil
  45. Campeoes do Futebol Todos os uniformes da Seleção Brasileira. Acessado em 18/04/2010.
  46. UOL Copa do Mundo Brasil na Copa de 1950, Brasil: A atuação da seleção. Acessado em 18/04/2010.
  47. Bola n@ Área Torneio Rio-São Paulo. Acessado em 18/04/2010.
  48. Fifa.com Brasil é bicampeão mundial com Garrincha. Acessado em 22/01/2012.
  49. Site Parmerista Dossiê, Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959. Acessado em 02/06/2012.
  50. a b c RSSSF Brasil Brazil Cup History. Acessado em 22/01/2012.
  51. Fifa.com Em 1966, um gol polêmico e a consagração inglesa. Acessado em 22/01/2012.
  52. Fifa.com Acessado em 22/01/2012.
  53. How Stuff Works A história do Campeonato Brasileiro. Acessado em 16/04/2010.
  54. a b RSSSF Brazil - List of Champions. Acessado em 22/01/2012.
  55. RSSSF Brazilian clubs in Copa Libertadores de América. Acessado em 22/01/2012.
  56. RSSSF Intercontinental Club Cup. Acessado 22/01/2012.
  57. FIFA.com Brasil brilha, mas Itália leva o caneco. Acessado 22/01/2012.
  58. RSSSF Copa América 1989. Acessado 22/01/2012.
  59. BOLA N@ ÁREA Campeonato Brasileiro de 1987. Acessado em 22/01/2012.
  60. Footbo Tudo sobre a Copa União de 1987. Acessado em 22/01/2012.
  61. RSSSF Copa Conmebol. Acessado em 22/01/2012.
  62. FIFA.com Brasil desbrava última fronteira do futebol mundial. Acessado em 22/01/2012.
  63. 1013/overview.html FIFA.com Tudo azul para Les Bleus. Acessado em 22/01/2012.
  64. Folha Online: Êxodo de jogadores espalha brasileiros no Mundial. Página visitada em 19 de fevereiro de 2008.
  65. CBF: Relatório de Transferências Internacionais em 2007. Página visitada em 17 de junho de 2008.
  66. FIFA.com FIFA Club World Championship Brazil 2000. Acessado em 18/04/2010.
  67. Confederación: Conmebol Acessado em 18/04/2010. (em espanhol)
  68. CONMEBOL.com / Reprodução: Zero Hora. (4 de dezembro de 2008). ¡Internacional brillante campeón de la Copa Nissan Sudamericana!" (em espanhol).
  69. FIFA.com Torneios. Acessado em 31/12/2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ANTUNES, Fátima Martim Rodrigues Ferreira. O futebol nas fábricas. Revista USP: Dossiê Futebol, nº 22 (p. 102-109). EdUSP, 1994.
  • COELHO, Paulo Vinicius. Bola Fora - A história do êxodo do futebol brasileiro. Panda Books, 2009. ISBN 978-85-7888-019-4
  • CORREA, Floriano Peixoto. Grandezas e Misérias do Nosso Futebol. Flores & Mano, 1993. No ISBN.
  • COERTJENS, Marcelo. GUAZZELLI, César Barcellos. WASSERMAN, Cláudia. Club de Regatas Guahyba-Porto Alegre: o nacionalismo em revistas esportivas de um clube teuto-brasileiro (1930 e 1938). Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.18, n.3.
  • CUNHA, Loris Baena. A verdadeira história do futebol brasileiro. Rio de Janeiro: ed. do autor, s/d.
  • Da SILVA, I. A. RODRIGUEZ-AÑEZ, C. R. FRÓMETA, E. R. O árbitro de futebol – uma abordagem histórico-crítica. Revista de Educação Física / UEM. Maringá: UEM, Vol. 13 nº 1, 2002.
  • DUNNING, Eric. A dinâmica do desporto moderno: notas sobre a luta pelos resultados e o significado social do desporto. In: ELIAS, Norbert. A busca da excitação. DIFEL, 1992.
  • FILHO, Mário. O Negro no Futebol Brasileiro. MAUAD Editora, 2003 - ISBN 85-7478-096-0
  • FRANZINI, Fabio. Corações na ponta da chuteira: capítulos iniciais da história do futebol brasileiro (1919-1938). DP&A editora, 2003 - ISBN 8574902349
  • GEHRINGER, Max. Revista A saga da Jules Rimet - Fascículo 5. Editora Abril, 2006.
  • JAL & GUAL - A história do futebol no Brasil através do cartum; Bom Texto Editora, 2004 - ISBN 85-87723-49-9
  • Lance!, Série Grandes Clubes - Um século de paixão, Vasco da Gama, A História do clube da Cruz de Malta; 1998
  • MOREIRA JUNIOR, José Honorato. O Negro e o profissionalismo no futebol de: 1925 - 1933. Monografia. UFF, 1999.
  • PEREIRA, Leonardo Affonso de. Footballmania: uma história social no futebol do Rio de Janeiro: 1902-1938. Editora Nova Fronteira, 2000 - ISBN 852091053X
  • PRONI, Marcelo Weishaupt. A Metamorfose Do Futebol. Unicamp – Instituto de Economia, 2000. ISBN 8586215333
  • SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na Metrópole: São Paulo nos frementes anos 1920. Companhia das Letras, 1992 - ISBN 8571642621
  • SILVA, Francisco C. Teixeira. Memória Social dos Esportes - Futebol e Política - A Construção de uma Identidade Nacional - Vol. II. Mauad, 2006 - ISBN 8574781827
  • SOARES, Antônio Jorge.; LOVISOLO, Hugo; HELAL Ronaldo. Invenção do país do futebol, a Mídia, Raça e Idolatria. Mauad, 2001 - ISBN 8574780464
  • UNZELTE, Celso - O Livro de Ouro do Futebol; Editora Ediouro, 2002 - ISBN 85-00-01036-3

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

  • ASSAF, Roberto. Banho de Bola - Os Técnicos, as Táticas e as Estratégias que Fizeram História no Futebol. Relume-Dumará, 2002. ISBN 8573162740
  • GIULIANOTTI, Richard. Sociologia do Futebol. Nova Alexandria, 2002 - ISBN 8574920533
  • HAMILTON, Aidan. Jogo Inteiramente Diferente, Um. Gryphus, 2001. ISBN 8575100025.
  • MARTINS, Clovis; ASSAF, Roberto. Campeonato Carioca: 96 Anos de História - 1902 a 1997. Irradiação Cultural, 1997.
  • MATTOS, Cláudia. Cem anos de paixão: uma mitologia carioca no futebol. Rocco, 1997. ISBN 8532507298
  • SILVA, Francisco Carlos Teixeira da; SILVA, Carlos Leonardo Bahiense da; AGOSTINO, Carlos Gilberto. Memória Social dos Esportes Volume 1. Mauad, 2003. ISBN 8574780901

Ligações externas[editar | editar código-fonte]