História dos conceitos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

História dos conceitos (ou história conceitual, em alemão: Begriffsgeschichte) é um campo multidisciplinar das ciências humanas estudando a semântica histórica de conceitos e termos.

O historiador alemão Reinhart Koselleck é, ao lado dos filósofos Joachim Ritter e Erich Rothacker, um dos mais importantes nomes associados à história dos conceitos (Begriffsgeschichte)1 , e boa parte da sua obra concerne à história intelectual, social e administrativa da Prússia e da Alemanha nos séculos XVIII e XIX. Tornou-se conhecido pela sua tese doutoral Crítica e crise. Um estudo acerca da patogênese do mundo burguês (1973)2 . Além disso, foi um dos co-organizadores do léxico Geschichtliche Grundbegriffe (1971-1992).

Resumo[editar | editar código-fonte]

Reconhecendo que o significado das palavras e termos está envoltos em culturas e estão mudando constantemente, a história dos conceitos mostra como uma determinada palavra vem sido associada a diferentes significados. A insistência em uma perspectiva histórica faz da história dos conceitos uma alternativa às orientações positivistas. Um exemplo de uma ferramenta semântica desenvolvida por esta tradição é o Reallexikon der deutschen Literaturwissenschaft (Weimar, 1997-2003), que fornece as seguintes informações para cada termo:

  • O termo (ex: “bibliographie” - termo alemão para “bibliografia”)
  • Uma definição da palavra (sua etimologia, ex: a etimologia da palavra “bibliographie”)
  • Uma história do conceito (ex: a história dos significados de bibliografia)
  • Uma história da área (ex: a história da das bibliografias por elas mesmas)
  • Uma história sobre as pesquisas do campo ( ex: a história da pesquisa em bibliografias , ex: ciência literária)

Estes dicionários e revistas historicamente orientados (como o Historisches Wörterbuch der Philosophie, 1971-2005, Geschichtliche Grundbegriffe, 1971-1997 e a revista Archiv für Begriffsgeschichte, desde 1955) podem servir especialmente para as ciências humanas como ferramenta semântica aos pesquisadores de uma maneira mais profunda do que, por exemplo, os conjuntos de sinônimos são capazes (eles podem representar outro paradigma na organização do conhecimento, um paradigma mais relacionado com uma epistemologia hermenêutica)

Literatura (seleção)[editar | editar código-fonte]

Dicionários:

  • Historisches Wörterbuch der Philosophie
  • Geschichtliche Grundbegriffe
  • Rolf Reichardt / Hans-Jürgen Lüsebrink (ed.): Handbuch politisch-sozialer Grundbegriffe in Frankreich 1680-1820, Oldenbourg, München 1985ff.

Literatura secundária:

  • Ernst Müller,Falko Schmieder (ed:): Begriffsgeschichte der Naturwissenschaften: Zur historischen und kulturellen Dimension naturwissenschaftlicher Konzepte, de Gruyter, Berlin 2008.
  • Hans Erich Bödecker (ed.): Begriffsgeschichte, Diskursgeschichte, Metapherngeschichte. Wallstein-Verlag, Göttingen 2002.
  • Reinhart Koselleck (ed.): Historische Semantik und Begriffsgeschichte. Klett-Cotta, Stuttgart 1979.
  • Ernst Müller (ed.): Begriffsgeschichte im Umbruch?, Felix Meiner Verlag, Hamburg 2004.
  • Reinhart Koselleck: Begriffsgeschichten. Suhrkamp, Frankfurt am Main 2006.
  • Hans Ulrich Gumbrecht: Dimension und Grenzen der Begriffsgeschichte. Wilhelm Fink Verlag, Paderborn 2006.
  • Marcelo Gantus Jasmin e Joao Feres Junior (orgs.): História dos Conceitos: diálogos transatlânticos, ed. Editora PUC-Rio/edições Loyola, 2007 ISBN 9788515033140

Referências

  1. Nelson Schapochnik: Uma nova história intelectual, acessado em 1 de outubro de 2009
  2. (1973) Kritik und Krise - Eine Studie zur Pathogenese der bürgerlichen Welt. Frankfurt am Main. ISBN 3-518-07636-1

Ligações externas[editar | editar código-fonte]