História e Memória

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Histoire et mémoire
História e Memória
Autor (es) Jacques Le Goff
Idioma francês
País  França
Editora Gallimard
Lançamento 1988
ISBN 2-07-032404-4
Edição portuguesa
Editora Edições 70
Lançamento 2000
Páginas 256 (vol. 1) e 248 (vol. 2)
ISBN ISBN 9789724410272 (vol. 1) & ISBN 9789724410289 (vol. 2)
Edição brasileira
Editora Editora da Unicamp
Lançamento 2003

História e Memória é um livro escrito por Jacques Le Goff em 1988.

Neste livro, Jacques Le Goff busca reconstruir o conceito de história, abordando, historicamente, como este conceito foi concebido desde a Antigüidade clássica, com Heródoto, passando pelas concepções de Santo Agostinho, de Ibn Khaldun até a contemporaneidade, com Michel de Certeau, Marc Bloch e a Escola dos Annales.

O pressuposto de Le Goff é de que existem dualidades que foram historicamente utilizadas para conceber a história, construí-la e interpretá-la; por exemplo, Antigo/Moderno,[1] Passado/Presente,[2] Progresso/Reação.[3] Já a dualidade Documento/Monumento não é antitética como as anteriores, mas sim construída pelos agentes sociais que, a partir de seus documento, erigem as representações possíveis (daí a afirmação de Le Goff de que o documento tornou-se monumento, pretendendo a permanência e delimitação das interpretações possíveis sobre uma época, fato, acontecimento, personagem, etc.[4] ).

Os demais capítulos (História, Idades Míticas, Escatologia, Decadência, Memória e Calendário) visam discutir conceitos que não se opõem a outros, mas que são constantemente trabalhados pelo historiador como pressupostos, como "pré-noções", que influenciaram o trabalho histórico ao longo do tempo.

Explorando exaustivamente os termos, História e Memória é resultado da reflexão de um historiador renomado sobre seu fazer e sobre o fazer de seus companheiros de ofício.

História e Memória: ocidental e ambiguo[editar | editar código-fonte]

O conceito de moderno aparece no meio do século XIX e constitui-se em uma reação ambígua da cultura à agressão do mundo industrial. Esta idéia de modernização é introduzida em outros lugares, principalmente no terceiro mundo onde modernização torna-se algo nascido do contato com o ocidente. Os conceitos antigo/moderno nem sempre foram opostos: no século XVI a historiografia ocidental divide a historia em três idades: antiga, medieval e moderna. Onde moderna se opõe a medieval e não a antiga. A renascença no século XVI trás exatamente o resgate do passado, da antiguidade. O moderno torna-se a retomada do antigo, a antiguidade clássica. Nas sociedades mais tradicionais a antiguidade tem valor de seguro. Os mais antigos tem mais conhecimentos e são o depositários da memória coletiva, há um grande valor no conselho dos antigos. Apesar de também como nas sociedades modernas, haver um desprezo pela decrepitude. O antigo assim participa da ambigüidade de conceitos oscilando entre a sabedoria e a senilidade. O jogo dialético gerado por moderno e a consciência de modernidade nasce da ruptura com o passado. O estudo do par antigo/moderno passa pela analise do momento histórico que segrega a idéia de modernidade, que cria a antiguidade (para denegrir ou exaltar; ou mesmo para distinguir ou afastar), pois ela destaca a modernidade promovendo-a ou vilipendiando-a.

A ambiguidade do antigo[editar | editar código-fonte]

O termo antigo pode tanto dar um valor neutro, não o associando à tradição Greco-romana, que pode ser sublimado (como Terra = mãe antiga) ou depreciado (Diabo = antiga serpente). Vemos no cristianismo a oposição do antigo e do novo testamento. A primeira vista, como uma nova lei, o novo testamento substituiria o anterior, a caridade substitui a justiça à qual é superior, mas a antiga lei tem o seu prestigio da antiguidade e das origens. Na mesma época que antigo passa a indicar a antiguidade clássica Greco-romana, retomados pelo renascimento, os humanistas chamam de escrita antiga a escrita carolíngia, e com isso, “à antiga” torna-se pejorativo, pois se refere a idade média (antiguidade grosseira, gótica). Vemos assim que antigo se associa a idéia de velho, usado. Como o renascimento nos trás de volta a antiguidade Greco-romana como o modelo a ser imitado, vemos que a oposição antigo/moderno é menos oposição passado/presente e mais duas formas de progresso: o eterno retorno, circular (que põe a antiguidade como de grande valor) e o progresso por evolução retilínea, linear (que privilegia o que se desvia da antiguidade) Assim a idade moderna torna-se quase anti humanista, pois o humanismo e a antiguidade Greco-romana estão intimamente associados. O moderno alia-se ao que a antiguidade Greco-romana tinha substituído, destruído ou condenado: os primitivos e os bárbaros.

Moderno e seus concorrentes[editar | editar código-fonte]

Moderno assinala uma tomada de consciência de ruptura com o passado. Novo já carrega o caráter de esquecimento ou ausência de passado. Esta ausência de passado pode ser pejorativa como no caso dos “novos-ricos” (endinheirados que não são nobres) ou “novos-apóstolos” (pregadores itinerantes que não se tem legitimação de conhecimento pela igreja). Mas também tem seu sentido de recém aparecido, novo nascimento e de pureza. Moderno é arrastado também pelo uso de progresso. Mas com o contínuo uso de progresso derivando para progredir e progressista, moderno cai na desvalorização. No tempo da revolução industrial, moderno não terá o frescor e a inocência de novo e nem o dinamismo de progressista.

Memoria e Historia[editar | editar código-fonte]

Um sinal da renascença carolíngia foi a tomada de consciência do modernismo: era o “século moderno”. No século XII temos a modernidade como um progresso secular. Somente no século XIV temos vários movimento que abertamente reivindicam a si como modernidade ou novidade e se opõem, explicitamente ou não, as idéias e praticas anteriores, antigas. Moderno vai ganhando conotações de inovação no século XIV. Para o renascimento, moderno não pode se opor ao antigo, aqui o moderno so tem preferência quando imita o antigo. O moderno se exalta pelo antigo. Na historiografia cria-se a historia antiga e historia moderna (com a supreção da idade media). Levantam-se protestos contra esta concepção. No século XVI temos a imagem dos antigos como gigantes que levam em seus ombros anões (os modernos) que passa a ser combatido: nem os antigos podem ser considerados gigantes e nem os modernos podem ser considerados anões, mas os homens modernos são mais cultos que os antigos devido aos próprios antigos. É a noção de acúmulo de conhecimento: o mundo está dois mil anos mais velho e mais experiente que no tempo de Aristoteles e Platão. No século XVIII podemos ver a noção de moderno x antigo como o próprio homem numa senóide: ele cresce de criança, atinge o ápice como homem adulto e decai como velho. As vésperas da revolução francesa, o iluminismo nos traz a noção de progresso contínuo, no qual há o privilégio do moderno.

Ambiguidade da modernidade[editar | editar código-fonte]

O moderno tende a se negar e se destruir, afinal é questão de tempo até deixar de ser moderno. Da idade média ao século XVIII o argumento era de que os antigos foram modernos a seu tempo. Neste sentido moderno não se associa a moda. A valorização do novo por ser novo esvazia o conteúdo da obra, do objeto, da idéia. Novidade não exige análise mas sim pelo poder social e a pedagogia. Um paradoxo se coloca: o moderno, no presente, volta-se ao passado. Recusa o antigo, mas refugia-se na história: modernidade e moda retrô caminham em par. Henri Lefebvre disse a respeito da modernidade: “é a sombra da revolução, o seu dispensar e por vezes, a sua caricatura”. Esta ruptura dos indivíduos e das sociedades com o passado, esta leitura não revolucionaria, mas irreverente das historia, impregnada de vida cultural e quotidiana constituem também e paradoxalmente um instrumento de adiamento de mudança e de integração. [5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Em Portugal o livro encontra-se dividido em dois volumes, tendo o primeiro o subtítulo História e o segundo Memória - 9789724410272 (vol.1 - 256 pp) e 9789724410289 (vol. 2 - 248 pp)
  1. Nota da página 173: A oposição antigo/moderno, que emerge periodicamente as controvérsias dos intelectuais europeus desde a Idade Média, não pode ser reduzida à oposição progresso/reação, pois se situa fundamentalmente em nível cultural. Os "antigos" são os defensores das tradições, enquanto os "modernos" se pronunciam pela inovação. No caso especial da história, a oposição antigo/moderno introduz uma periodização, que é vista também no quatro do contraste entre concepções cíclicas e concepções lineares do tempo (…). (LE GOFF, 2003, p.173)
  2. Nas sociedade, a distinção do presente e do passado (e do futuro) implica essa escalada na memória e essa libertação do presente que pressupõem [sic] a educação e, para, além disso, a instituição de uma memória coletiva, a par da memória individual. (LE GOFF, 2003m p.210) Chama a atenção Le Goff expor a relação entre passado, presente e futuro; confrontar com o capítulo Escatologia, do mesmo livro, atentanto para a relação entre as diferentes temporalidades.
  3. Neste capítulo (LE GOFF, 2003, p.235-281), a reflexão é sobre estas duas expressões não somente enquanto oposições de posicionamento, mas também em suas relações dialéticas.
  4. (…) o que sobrevive não é o conjunto daquilo que existiu no passado, mas uma escolha efetuada quer pelas forças que operam no desenvolvimento temporal do mundo e da humanidade, quer pelos que se dedicam à ciência do passado e do tempo que passa, os historiadores. (LE GOFF, 2003, p.525)
  5. Le-Goff, 1984, p. 381