Histoire d'O

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A História de O
9782720200311.jpg
Autor (es) Pauline Réage(Anne Desclos}
Idioma francesa
País  França
Editora Jean-Jacques Pauvert
Lançamento 1954
Cronologia
Último
Último
Retorno a Roissy
Próximo
Próximo

A História de O (em francês: Histoire d'O) é um romance erótico escrito por Anne Desclos sob o pseudônimo Pauline Réage e publicado na França em 1954.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

"O" é uma mulher livre e independente, que é levada por seu amante René a um castelo situado em Roissy, perto de Paris, onde ela se torna uma escrava de René e outros homens. Após esse periodo em Roissy é entregue ao Sr. Stefan que compartilha os direitos de tê-la como escrava com René, aos poucos René se afasta e ela vai sendo apenas do Sr. Stefan que agora submeterá ela aos cuidados de Marie em sua casa, "O" é marcada a ferro quente com as iniciais de seu novo mestre Sr. Stefan e é submetida, por sua própria vontade e consentimento, a uma variedade de práticas sexuais sadomasoquistas.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

A "O", uma fotógrafa de moda parisiense bem sucedida, se deixa levar sem resistência por seu amante René ao isolado castelo de Roissy. Roissy é uma propriedade particular; no seu interior muitas mulheres são educadas para serem submissas à vontade dos homens. "O" deixa-se ensinar para ser uma perfeita submissa e aprende ser uma escrava. Como parte de seu treinamento, ela é amarrada, chicoteada e aprende a ser a qualquer momento e para todos sexualmente disponível.

Depois de completar sua formação, ela, como mais uma prova do amor, concorda com o pedido de René para viver temporariamente com um amigo paternal dele, Sir Stephen, e se submete incondicionalmente aos desejos dele. Sir Stephen revela-se ainda mais dominante que René, por isso O apaixona-se por ele. Como prova final de seu amor, ela passa por um treinamento ainda mais rigoroso, em um lugar habitado e gerenciado exclusivamente por mulheres, denominada Samois. Lá, ela concorda em obter uma marca de ferrete e um piercing em forma de anéis na vagina, como o sinal definitivo de sua submissão.

Tudo é descrito na perspectiva da heroína, cuja vida interior é retratado de uma maneira sutil, sem ser avaliada moralmente ou psicologicamente. É famosa uma cena de violação e tortura em que ela repara que os chinelos de seu amante são gastos e ela teria na próxima oportunidade adquirir novos. Na linguagem e estilo, a obra fica na tradição da literatura clássica francesa. Apesar da temática o livro é escrito sem palavras obscenas.

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Pela qualidade literária e pela considerável coragem com que trata o tema da submissão sexual feminina em um estilo cru e direto, o romance se tornou um dos ícones da literatura erótica do século XX.

O livro provocou fortes reações do público e da crítica, e recebeu o prêmio de literatura erótica Les Deux-Magots, em 1955.

Autoria[editar | editar código-fonte]

Anne Desclos publicou o romance sob o pseudônimo de Pauline Réage. Quinze anos mais tarde, em 1969, ainda como Réage, publicou uma continuação do romance de O, intitulada Retorno a Roissy.

A real identidade de Pauline Réage só foi revelada em 1994, numa entrevista concedida à revista americana The New Yorker.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Em 1975, foi lançada uma co-produção entre a França, RFA e Canadá, e baseado na obra-prima de Pauline Réage, conta com as interpretações de Corinne Cléry, Udo Kier e Anthony Steel. Direção de Just Jaeckin.

Em 1984, é lançada uma sequência do filme anterior, agora dirigida por Eric Rochat.

Ver também[editar | editar código-fonte]