Hitman Hart: Wrestling with Shadows

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hitman Hart: Wrestling with Shadows
Estados Unidos
1998 • Cor • 93 minutos min 
Direção Paul Jay
Codireção
Sally Blake

David M. Ostriker

Silva Basmajian
Roteiro Paul Jay
Elenco
Bret Hart

Julie Hart

Vince McMahon

Shawn Michaels

Stu Hart

Owen Hart

Davey Boy Smith

Jim Neidhart

Steve Austin
Gênero Documentário
Idioma Inglês

Hitman Hart: Wrestling with Shadows (do português "Hitman Hart: Lutando com Sombras") é um filme no gênero documentário sobre o lutador de wrestling profissional e superstar da empresa World Wrestling Federation Bret Hart e seus últimos dias à serviço da empresa. O documentário retrata Bret desde sua vitória pelo WWF Championship no evento SummerSlam até sua polêmica luta final pela promoção no Survivor Series, em 9 de novembro de 1997.

História[editar | editar código-fonte]

Entre duas Companias[editar | editar código-fonte]

Com seu contrato próximo de ser findado rm março de 1996, o lutador de wrestling profissional Bret "Hitman" Hart está dividido entre duas companias gigantes no segmento, World Wrestling Federation (WWF) e World Championship Wrestling (WCW). De um lado, a WWF era sua casa. O diretor da empresa, Vince McMahon, é como um pai para Bret e também o responsável por ele tornar-se um astro internacional no ramo. Porém, a nova linha criativa de marketing batizada de "WWF Attitude", a qual apoia-se mais no forte apelo sexual e substitui lutadores heróicos clássicos por anti-herois na linha "bad boys", havia deixado Bret completamente desiludido.

O diretor Ted Turner, da empresa WCW, tenta aproveitar-se desta desilusão de Bret para oferecer-lhe uma enorme quantia em dinheiro para "pular para seu barco", prometendo-lhe um novo recomeço no tipo de wrestling admirado e desejado por Bret, o qual seria a proposta de transmissão da WCW. Bret opta por permanecer leal à compania que lhe deu tanto, e indiferente do fato do show da WWF Raw is War estar sempre atrás em audiência na chamada guerra Monday Night Wars para seu rival WCW Monday Nitro, ele ainda assina um novo contrato de 20 anos com a WWF. McMahon logo retira o acordo, passando a encorajar Hart a mudar-se para a WCW, citando para tanto questões financeiras. Isto o deixa sem escolhas além de aceitar a proposta do presidente da WCW Eric Bischoff e preparar-se para deixar a antiga empresa. Como o campeão do principal título da promoção na época, surgiram conflitos sobre sua luta final pela compania, incluindo a recusa de Hart em perder o cinturão da WWF Championship. Sendo mais preciso, Hart recusava-se a perder o título para Shawn Michaels, o qual ele tinha uma grande antagonia na vida real, e ainda faze-lo no país do Canada, sua pátria-mãe. Tudo isto desfeixaria-se num dos mais infames eventos na história do wrestling profissional, que seria mundialmente conhecido como o Montreal Screwjob.

Este documentário é uma rara oportunidade para fãs do segmento de observarem o wrestling profissional por trás das câmeras. Exemplos podem ser encontrados quando Bret confabula com The Undertaker e Pat Patterson sobre como as lutas irão proceder, a esposa de Bret, Julie, acusando Triple H de ser uns dos responsáveis pelo "Screwjob", e até mesmo o monstruoso Vader falando sobre seus planos futuros.

Wrestling with Shadows ainda mostra raras cenas da família Hart, de como ela foi extensivamente bem-orientada nos caminhos do wrestling, além de visitar lugares como a casa onde Bret passou toda a sua infância e que viria a tornar-se um verdadeiro obelisco para a história do wrestling amador e profissional. Contudo, a mãe de Bret, Helen, descreve como ela odiava (e odeia até hoje) o wrestling e como ela desejou que sua família o abandonasse ao longo de décadas. Bret Hart descreve o papel que o wrestling teve em sua vida enquanto são mostradas imagens de seu pai, o lendário Stu Hart, aplicando legítimamente chaves de submissão em um dos alunos de seu não menos lendário centro de treinamento montado em seu porão - The Dungeon como ficou mundialmente conhecido. A esposa de Hart, Julie, também é entrevistada sobre o preço cobrado pelo wrestling em seu relacionamento com Bret e na criação de seus quatro filhos. Bret é mostrado discutindo com seu pai e sua esposa sobre o dilema de ficar com a WWF ou mudar-se para a WCW. Em dado momento, sua frustração torna-se tão grande que ele pede ao diretor para que pare a filmagem.

Outros pontos fortes deste documentário incluem entrevistas feitas em um estacionamento em Meadowlands, onde o diretor pergunta à fãs de wrestling levemente intoxicados e incoerentes sobre fatos como o feudo America versus Canada. Entre estas declarações, uma garota afirma que Bret lhe serviu de inspiração para que ela retomasse aos estudos em computação gráfica, enquanto outro rapaz afirma que americanos que torcem por lutadores "heel" (lutadores vaiados pelo público), como Shawn Michaels e Steve Austin na época, não amam seus próprios filhos. Outro entrevistado vai ainda mais longe e alega que suspeita existir uma forte ligação entre a América corporativa e o storyline da rivalidade entre Undertaker e Bret Hart. Em suas palavras, ele detalha como os americanos tem que lidar com a filosofia "por todos os meios necessários".

O Montreal Screwjob[editar | editar código-fonte]

O ato final do filme lança luzes aos eventos que levariam ao polêmico evento Survivor Series de 1997, no qual Hart colocou seu título WWF à prova contra Shawn Michaels. Bret Hart é mostrado entrando em uma conversa particular com McMahon sobre como esta luta decorreria, conversa esta que pode ser ouvida pelo espectador, pois Bret estava usando uma escuta escondida neste momento. Eles parecem entrar num acordo sobre um desfexo que leve a um resuldado por desclassificação (em termos americanos, um "no contest" ou vulgarmente "schmozz"). Este resultado permitiria então à Bret fazer sua despedida oficial com um discurso apropriadp na Raw da noite seguinte e, nesta ocasião, abdicar do cinturão do WWF Championship.

Bret inicia a luta acreditando que ela terminaria da maneira que havia acertado com McMahon; pelos idos da metade do confronto, Michaels colocou Hart em seu próprio "Sharpshooter" (movimento submissão e finalização de Bret) do qual Hart estava em vias de escapar e reverter. Porem, McMahon correu até a lateral do ringue e ordenou ao juiz da partida - e amigo pessoal de Bret - Earl Hebner a imediatamente decretar o fim da luta e soar o gongo, dando à Michaels a vitória por submissão. Hebner obedece e declara Michaels o vencedor, arrancando assim o título de Bret.

Um furioso Hart cospe em McMahon enquanto Hebner, temendo por sua própria segurança, abandona as instalações às pressas. Bret soletra "WCW" com seus dedos para uma audiência chocada e confusa, e procede a destruir vários equipamentos de filmagem ao redor do ringue antes de partir enraivecido para os bastidores para confrontar Michaels e McMahon. Michaels finge ignorância sobre o assunto, alegando que ele não havia feito nada e também estava confuso. No confronto à portas fechadas com McMahon, Bret o atinge no rosto com um forte soco. A esposa de Hart, acreditando que o incidente havia sido fruto de uma conspiração de todo o plantel da WWF, confronta e interpela vários lutadores, muitos dos quais dizem nada saber sobre isto. O atordoado e contundido McMahon apressa-se para deixar as instalações enquanto Bret e sua família também partem.

O filme conclui com filmagens de Hart em sua casa, enquanto legendas na tela descrevem as consequência imediatas do "screwjob".

Produção[editar | editar código-fonte]

Wrestling with Shadows foi co-produzido pela High Road Productions Inc. e pela National Film Board of Canada (NFB). Foi lançado no formato VHS tanto nos Estados Unidos como no Reino Unido em 1999. O filme só foi lançado em formato DVD no Reino Unido em 2009. E, 3 de fevereiro de 2009, Wrestling with Shadows : The 10th Anniversary Collectors Edition foi lançado em DVD pela primeira vez nos Estados Unidos. Esta edição com 2 discos trazem o documentário, entrevistas com Bret Hart e com o diretor Paul Jay 10 anos após a produção, além de um segundo documentário intitulado "The Life and Death of Owen Hart", tributo ao irmão falescido de Bret, o também lutador Owen, morto em um acidente durante um dos eventos da WWF. Este lançamento é datado de 25 de outubro de 2010.

Recepção pela Mídia[editar | editar código-fonte]

O documentário venceu inúmeros prêmios em festivais, e foi ao ar diversas vezes nos canais americanos A&E e Documentary Channel, bem como no britânico BBC Two.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]