Hockenheimring

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alemanha Hockenheimring
Hockenheim
Hockenheim2002.gif
Mapa do circuito.
Informações da corrida
Localização Hockenheim - Baden-Württemberg, na Alemanha
Voltas 67
Percurso 4.574 km (2.842 mi)
Total 306.458 km (190.424 mi)
Curvas 17
Pole Alemanha Michael Schumacher
Ferrari V10
1min 13s 306
2004
Volta mais rápida
na prova
Finlândia Kimi Raikkonen
McLaren-Mercedes V10
1min 13s 780
2004
Anos disputados 34 (33 oficial)
Primeira disputa 1970
Última disputa 2012
Maior vencedor (pilotos) Alemanha Michael Schumacher (4)
Maior vencedor (equipe) Itália Ferrari (12) (11 oficial)
Última corrida (2012):
Pole Position
Piloto Espanha Fernando Alonso
Ferrari V8
Tempo 1min 40s 621
Volta mais rápida
Piloto Alemanha Michael Schumacher
Mercedes V8
Tempo 1min 18s 725
Pódio
Primeiro Espanha Fernando Alonso
Ferrari V8
1h 31min 05s 862
Segundo Reino Unido Jenson Button
McLaren-Mercedes V8
+6s 949
Terceiro Finlândia Kimi Raikkonen
Lotus-Renault V8
+16s 409

O circuito de Hockenheim (nome oficial: Hockenheimring Baden-Württemberg) é um autódromo localizado perto de Hockenheim, em Baden-Württemberg, na Alemanha. É conhecido pela sua grande história na Fórmula 1, sendo um dos circuitos mais antigos que está presente na categoria atualmente.

História[editar | editar código-fonte]

1932 - 1937[editar | editar código-fonte]

O circuito de Hockenheim foi construído em 1932, utilizando estradas pré-existentes na Floresta Negra. Na altura, era um circuito completamente diferente do que é atualmente, o seu nome era Hockenheimer-Dreieck. Foi neste período que o circuito apresentou a sua maior extensão de sempre, com 12,045 km de comprimento. Era uma alternativa ao Wildpark-Circuit em Karlsruhe, que ficou proibido como circuito de automobilismo pelo governo alemão. A pista era utilizada para motociclismo e em 1936, o traçado foi usado para testes da Mercedes-Benz e Auto Union. Durante este período, o circuito era corrido no sentido anti-horário.

1938 - 1963[editar | editar código-fonte]

Em 1938, o circuito teve uma redução no seu comprimento de quase 4,5 km, passando a ter 7,725 km de extensão e começou a ser corrido no sentido horário. O seu nome oficial também foi modificado para Kurpfalzring, nome utilizado até 1947. Foi um período muito pouco produtivo, uma vez que foi marcado pela Segunda Guerra Mundial. Em 1948, o circuito passou a denorminar-se de Hockenheimring, nome ainda hoje utilizado.

1965 - 2001[editar | editar código-fonte]

Em 1965, o circuito foi novamente remodelado e voltou a ter o seu perímetro reduzido, quase 1 km. O aparecimento da nova auto-estrada A6 separou a zona da curva Westkurve de maior parte do circuito, por isso, essa zona foi removida. Com isto, foi necessário um local novo para a grelha de partida e o edifício de boxes, que foram colocados numa reta completamente nova que unia as extremidades não removidas do circuito.

A grelha de partida não foi mais deslocada desde então, mas as alterações não ficaram por aqui. Na parte final do circuito, antes da última curva, foi edificada uma nova secção de curvas, o Motódromo, que inicia a zona do estádio (nome dado à secção que se inicia na curva Mobil 1 até à saída da reta da meta por causa das muitas bancadas presentes nessa zona, pois até hoje permitem o ambiente de um estádio).

No entanto, três anos depois, em 1968, ocorreu um acidente trágico. O piloto Jim Clark teve um acidente fatal quando disputava uma corrida de Fórmula 2. Isto promoveu a adição de duas chicanes, no meio de cada uma das duas retas longas do circuito, o que aumentou o perímetro do circuto em 21 metros e deixou o circuito dividido em 4 retas mais o complexo do estádio.

Foi essa mesma configuração que abrigou a Fórmula 1 pela primeira vez em 1970, que até então visitara regularmente o circuito de Nürburgring e uma vez AVUS. No entanto, só em 1977 é que a Fórmula 1 regressou e fixou-se em Hockenheim, tendo apenas uma interrupção em 1985. A Fórmula 1 mudou de sede para o grande prémio alemão pois os pilotos consideraram que a configuração que Nürburgring tinha na altura já estava desadequada à Fórmula 1. Só em 1985, única interrupção do grande prémio em Hockenheim, Nürburgring sediou a Fórmula 1, mas com uma configuração atualizada.

Em 1982, Hockenheimring ganhou mais uma chicane (a Bremskurve), na Ostkurve devido ao acidente mortal de Patrick Depailler em 1980. O circuito ganhou 8 metros de perímetro com essa alteração.

O que ficou da clássica Ostkurve

Apesar de ser um circuito muito popular, tinha as suas desvantagens. Mesmo estando longe dos 12 km que já teve, o circuito continuava a ser grande, possuíndo a secção rapidíssima de 4 retas e uma zona do estádio bastante sinuosa. Isto dificultava a escolha das afinações para os carros. Se se optasse por pouca carga aerodinâmica optimizando a velocidade, tinha-se grandes problemas de tração no Motódromo. Mas melhorar as afinações para a secção do estádio diminuiria a velocidade.

Outro problema era que o facto de o circuito ser grande fazia com que uma corrida de Fórmula 1 tivesse apenas 45 voltas. Assim, os espetadores viam os carros apenas essas 45 vezes na zona do estádio. Para piorar as coisas, a maior parte das manobras de ultrapassagem realizavam-se na secção rápida, onde não haviam bancadas.

E ainda havia outro problema. Antes de haverem reabastecimentos durante os pit stop, nomeadamente na era do Turbo, o limite de combustível foi diminuído de 220 litros para 195 em 1986 e ainda para 150 litros em 1988. Isto fazia com que uma corrida que começava com mais de 20 pilotos tivesse menos de 10 pilotos a verem a bandeira de xadrez, pois o circuito gastava imenso combustível perto do final da corrida via-se imensos pilotos a ficarem parados sem combustível.

2002 - 2006[editar | editar código-fonte]

Em 2000, levataram-se grandes críticas ao circuito, aquando de uma vitória de Rubens Barrichello após ter partido de 18º lugar, numa corrida com condições bastante variáveis. Todas as ultrapassagens foram feitas nas chicanes da floresta, ou seja, os espetadores perderam maior parte da emoção. E nesse mesmo Grande Prémio, o francês Jean Alesi teve um acidente grave após uma colisão com Pedro Diniz.

Isto levantou protestos da FIA que exigiu que o perímetro do circuito fosse diminuído, ameaçando que a Fórmula 1 não voltaria lá, uma vez que havia uma forte concorrência de Lausitzring e outros circuitos asiáticos. Nestas circunstâncias, os autarcas de Baden-Württemberg asseguratam o financiamento para um redesenho do circuito.

Em 2002, o Grande Prémio da Alemanha foi realizado num Hockenheimring reduzido e com características completamente diferentes. Esta nova configuração, projetada pelo arquiteto alemão Hermann Tilke, que já fizera um trabalho do género com o Red Bull Ring, teve a zona do estádio intata. No entanto, a zona que ia pela Floresta Negra foi praticamente toda removida, ficando apenas o início da primeira das retas e a última das retas, apesar de interrompida pela secção da Mercedes Arena no meio.

A grande secção removida foi desasfaltada e replantada com árvores, eliminadno a hipótese de se voltar a usar. Foi uma mudança muito controversa, pois desde então existem críticas negativas ao redesenho do circuito, pois muitos acham que arruinou as características técnicas únicas do antigo traçado, dando-lhe uma linha homogénia sem as características do antigo circuito, o que proporcionou a fácil tendência a criticar outros circuitos de Hermann Tilke. Alguns nomes como Ron Dennis, Jarno Trulli e Juan Pablo Montoya são críticos do novo traçado, mostrando a sua preferência pela configuração anterior.

Evolução do circuito[editar | editar código-fonte]

Desde a primeira configuração até os dias de hoje, Hockenheimring teve evoluções, por vezes bastante radicais.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Desde 1995 até 2006 realizaram-se duas corridas na Alemanha por temporada (GP Alemanha em Hockenheim e GP Europa ou GP Luxemburgo em Nürburgring)

No entanto, em julho de 2006, Bernie Ecclestone anunciou que a partir de 2007 só haveria uma corrida na Alemanha por ano. Desde então, as provas têm alternado anualmente entre Nürburgring e Hockenheimring

Hockenheim recebe o Grande Prémio de Alemanha nos anos pares, tendo contrato com a FOA até 2018.

Hockenheimring visto da Südkurve da zona do estádio , com a reta da meta visível à esquerda

Acidentes fatais[editar | editar código-fonte]

O circuito de Hockenheim passou por alguns momentos trágicos que resultaram nas seguintes mortes.

Ano Piloto
1968 Reino Unido Jim Clark
1972 Nova Zelândia Bert Hawthorne
1980 Áustria Markus Höttinger
1980 França Patrick Depailler
1986 Reino Unido Tony Boden

Vencedores[editar | editar código-fonte]

Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

Ano Vencedor Chassi/Motor Detalhes
2012 Espanha Fernando Alonso Ferrari Detalhes
2010 Espanha Fernando Alonso Ferrari Detalhes
2008 Reino Unido Lewis Hamilton McLaren-Mercedes Detalhes
2006 Alemanha Michael Schumacher Ferrari Detalhes
2005 Espanha Fernando Alonso Renault Detalhes
2004 Alemanha Michael Schumacher Ferrari Detalhes
2003 Colômbia Juan Pablo Montoya Williams-BMW Detalhes
2002 Alemanha Michael Schumacher Ferrari Detalhes
2001 Alemanha Ralf Schumacher Williams-BMW Detalhes
2000 Brasil Rubens Barrichello Ferrari Detalhes
1999 Reino Unido Eddie Irvine Ferrari Detalhes
1998 Finlândia Mika Häkkinen McLaren-Mercedes Detalhes
1997 Áustria Gerhard Berger Benetton-Renault Detalhes
1996 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault Detalhes
1995 Alemanha Michael Schumacher Benetton-Renault Detalhes
1994 Áustria Gerhard Berger Ferrari Detalhes
1993 França Alain Prost Williams-Renault Detalhes
1992 Reino Unido Nigel Mansell Williams-Renault Detalhes
1991 Reino Unido Nigel Mansell Williams-Renault Detalhes
1990 Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda Detalhes
1989 Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda Detalhes
1988 Brasil Ayrton Senna McLaren-Honda Detalhes
1987 Brasil Nelson Piquet Williams-Honda Detalhes
1986 Brasil Nelson Piquet Williams-Honda Detalhes
1984 França Alain Prost McLaren-TAG Detalhes
1983 França René Arnoux Ferrari Detalhes
1982 França Patrick Tambay Ferrari Detalhes
1981 Brasil Nelson Piquet Brabham-Ford Detalhes
1980 França Jacques Laffite Ligier-Ford Detalhes
1979 Austrália Alan Jones Williams-Ford Detalhes
1978 Estados Unidos Mario Andretti Lotus-Ford Detalhes
1977 Áustria Niki Lauda Ferrari Detalhes
1971 Bélgica Jacky Ickx Ferrari Detalhes
1970 Áustria Jochen Rindt Lotus-Ford Detalhes

GP2 Series[editar | editar código-fonte]

Ano Corrida 1 Corrida 2
Vencedor Equipa Vencedor Equipa
2012 Venezuela Johnny Cecotto, Jr. Barwa Addax Team Reino Unido James Calado Lotus GP
2010 Venezuela Pastor Maldonado Rapax Team Itália Giacomo Ricci David Price Racing
2008 Itália Giorgio Pantano Racing Engineering Índia Karun Chandhok iSport International
2006 Itália Gianmaria Bruni Trident Racing Alemanha Timo Glock iSport International
2005 Alemanha Nico Rosberg ART Grand Prix França Olivier Pla David Price Racing

GP3 Series[editar | editar código-fonte]

Ano Corrida 1 Corrida 2
Vencedor Equipa Vencedor Equipa
2012 Suíça Patric Niederhauser Jenzer Motorsport Nova Zelândia Mitch Evans MW Arden
2010 Canadá Robert Wickens Status Grand Prix México Esteban Gutiérrez ART Grand Prix

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Automobilismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.