Holmesina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Como ler uma caixa taxonómicaHolmesina
Holmesina occidentalis

Holmesina occidentalis
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Superordem: Xenarthra
Ordem: Cingulata
Família: Pampatheriidae
Género: Holmesina
Simpson, 1930
Espécies
  • Holmesina septentrionalis
  • Holmesina floridanus
  • Holmesina occidentalis

O Holmesina é um género de Pampatheriidae, um grupo extinto de seres semelhantes aos tatus de quem eram parentes distantes. Como tatus, e ao contrário do outro ramo extinto do Cingulata, o gliptodontes, a concha era composta de placas flexíveis que permitiam que o animal se movesse com mais facilidade. As espécies Holmesina eram herbívoros; os tatus são principalmente insetívoros.

O Holmesina viveu há aproximadamente 12 mil anos atrás durante o Pleistoceno no atual território dos EUA, era descendente de pequenos animais que migraram da América do Sul quando se formou a ponte de terra entras as Américas. O Holmesina foi um dos maiores tatus que já existiu, o único que atingiu tamanho próximo foi o Pampatherium, primo sul-americano. Se alimentava de raízes, ovos, insetos, moluscos e carniça, com a ajuda de suas poderosas garras, as quais também serviam para cavar enormes tocas para abriga-los. Apesar de seu enorme tamanho, os adultos podiam ser caçados por enormes tigres de dentes de sabre, que podiam quebrar sua forte couraça protetora e dispor da grande quantidade de carne que esses animais possuíam.

Holmesina septentrionalis

Ligações externas[editar | editar código-fonte]