Holodomor - A desconhecida tragédia ucraniana (1932-1933)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Holodomor - A desconhecida tragédia ucraniana (1932-1933)
Book Holodomor.jpg
Autor (es) José Eduardo Franco e Beata Cieszynska
Idioma português
País  Portugal
Género História
Editora Grácio Editor
Lançamento 2013
Páginas 208
ISBN 978-989-8377-39-5

Holodomor - A desconhecida tragédia ucraniana (1932-1933) é um livro coordenado por José Eduardo Franco e Beata Cieszynska, publicado pela Grácio Editor, em Junho de 2013, sobre a Grande Fome da Ucrânia, também designada de Holodomor.

Segundo os autores, esta obra é "pioneira do género em língua e contexto português", pretendendo trazer ao "público páginas da História que muitas vezes se quiseram apagadas, fazendo igualmente justiça à memória de milhões de vítimas desta tragédia".

Através de uma visão abrangente e interdisciplinar, são referidos os actos de reconhecimento e é feita uma "análise histórica e sociológica do Holodomor, mas também do complexo processo da sua entrada na consciência comum, através da ampla difusão jornalística, artística e cultural".[1]

A obra foi elaborada no âmbito de duas instituições: Associação Internacional de Estudos Ibero-Eslavos – CompaRes e CLEPUL5 – Grupo de Investigação do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, cujos horizontes científicos abrangem os universos culturais Ibero-Eslavos.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O caso da Grande Fome na União Soviética, designada por Holodomor ou Golodomor (com o significado de “morte pela fome”) pertence, na opinião dos autores do livro, aos "mais extensivos e hediondos massacres que o século XX conheceu, e ainda por muitos desconhecido".

De acordo com o livro, "trata-se de uma tragédia artificialmente provocada nos anos 1932 e 1933 pelo regime estalinista aos povos da União Soviética em consequência do fracasso da forçada colectivização. A Grande Fome afectou sobretudo os países que possuíam grandes e férteis terrenos agrícolas, entre os quais se destaca o caso ucraniano, cujo país, em termos geográficos, é o segundo maior da Europa".

A obra divide-se em cinco partes: "Aproximações Históricas"; "Apreciações Jurídicas"; "Impressões da Imprensa"; "Visões Artísticas" e "Declarações". Entre os seus autores, destacam-se Guilherme d'Oliveira Martins, Carlos Gaspar, Luciano Amaral, Nuno Rogeiro, Manuel Valente Alves e António Rosa Mendes.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]