Hominidae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Como ler uma caixa taxonómicaHominidae [1]
Ocorrência: Mioceno Tardio – Recente, 7–0 Ma
Bonobo (Pan paniscus)

Bonobo (Pan paniscus)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Gray, 1825
Gêneros
Subfamília Ponginae

Subfamília Homininae

Sinónimos
  • Pongidae Elliot, 1913

Os Hominídeos formam uma família taxonômica dos grandes primatas, incluindo os quatro gêneros existentes:

Até recentemente, considerava-se que a família Hominidae incluía apenas o género Homo; os orangotangos, gorilas, bonobos, e chimpanzés eram classificados na família Pongidae, que também incluía os gibões que atualmente se encontram classificados na família Hylobatidae – esta família é por vezes considerada a família-irmã dos hominídeos na super-família Hominoidea, dentro da ordem dos primatas.

Estudos realizados com técnicas moleculares indicam que os chimpanzés, gorilas e humanos formam uma clade, com os orangotangos um pouco mais separados filogeneticamente. Os membros não-humanos actuais desta família encontram-se apenas na África equatorial, na Sumatra e em Bornéu. No entanto, foram encontrados fósseis de hominídeos desde o Mioceno (de há cerca de 20 milhões de anos) em praticamente todos os continentes (aparentemente, nas Américas, os fósseis de hominídeos não vão para além dos 60 mil anos).

Os hominídeos são os maiores primatas, com pesos variando entre 48 kg e 270 kg – em geral, os machos são maiores que as fêmeas -, com corpos robustos e braços bem desenvolvidos. Têm o polegar e o hallux (o dedo grande do ) oponível aos outros dedos (excepto no género humano que perdeu a oponibilidade no pé) e todos os dedos têm unhas achatadas. Nenhum hominídeo tem cauda nem calosidades isquiais. Existem ainda numerosas diferenças no esqueleto entre os hominídeos e os outros primatas relacionadas com o seu porte vertical.

Todos os membros desta família têm um crânio maior (relativamente ao tamanho do corpo) e um cérebro mais desenvolvido e mais complexo do que qualquer outro animal e são catarrinos, ou seja, têm as narinas próximas uma da outra e viradas para a frente e para baixo. A fórmula dental é a mesma em todos os membros deste grupo: Superior: 2.1.2.3 / Inferior: 2.1.2.3, Total = 32 e os incisivos largos e os caninos nunca se encontram transformados em presas.

Os hominídeos são omnívoros, mas a base da sua alimentação são vegetais. Uma outra característica é a complexidade do seu comportamento social, expressão facial e vocalização complexa. Todos constroem ninhos e exercem cuidados parentais durante um largo período; geralmente as fêmeas têm um único filhote em cada gestação.

Taxonomia da Família Hominidae Gray, 1825[editar | editar código-fonte]

Subfamília "Kenyapithecini" (="Eohominoidea" Begun, 2005 )[editar | editar código-fonte]

  • Griphopithecus
    • Griphopithecus alpani - Paşalar e Çandir, Turquia
    • Griphopithecus suessi (=G. darwini) - Hungria, Alemanha, Áustria e Eslováquia.
  • Austriacopithecus
    • Austriacopithecus weinfurteri – Klein Hadersdorf e Rakúsku
    • Austriacopithecus abeli - Klein Hadersdorf e Rakúsku
  • Equatorius Ward et alii, 1999
    • Equatorius africanus (Le Gros Clark and Leakey, 1951). (=Kenyapithecus africanus) - Quênia
  • Nacholapithecus Ishida et alii, 1999
    • Nacholapithecus kerioi Ishida et alii, 1999- Mioceno Médio, Quênia
  • Kenyapithecus - Quênia
    • Kenyapithecus wickeri Leakey, 1962 - 14 Ma, Quênia.

Subfamília Ponginae[editar | editar código-fonte]

    • Ankarapithecus Ozansoy, 1965 †
      • Ankarapithecus meteai Ozansoy, 1965 - Mioceno Superior, Turquia.
    • Lufengpithecus Wu, 1987 †
      • Lufengpithecus lufengensis (Xu et alii, 1978) (=Ramapithecus lufengensis)
      • Lufengpithecus keiyuanensis (Woo, 1957) (=Dryopithecus keiyuanensis) - Xiaolongtan, China
      • Lufengpithecus hudienensis Zhang et alii, 1987
    • Sivapithecus Pilgrim, 1910 †
      • Sivapithecus parvada Kelley, 1988 - Mioceno Superior (9,1 Ma), Potwar, Paquistão
      • Sivapithecus punjabicus (=Ramapithecus punjabicus)
      • Sivapithecus sivalensis - Mioceno Superior (8,7-8 Ma), Siwaliks, Paquistão
      • Sivapithecus indicus Pilgrim, 1910 - Mioceno Superior (8,7-8 Ma), Siwaliks, Paquistão
      • ?Sivapithecus simonsi
      • ?Sivapithecus brevirostris (=Ramapithecus brevirostris)
    • Indopithecus Von Koenigswald, 1950
      • Indopithecus giganteus (Pilgrim, 1915) (=Gigantopithecus bilaspurensis) Mioceno Superior (7,8-7,3 Ma), Siwaliks, Paquistão
    • Gigantopithecus von Koenigswald, 1935
    • Gigantopithecus blacki von Koenigswald, 1935 - Plistoceno, China
    • Khoratpithecus Chaimanee et alii, 2004
      • Khoratpithecus chiangmuanensis (Chaimanee et alii, 2003) - Mioceno Superior(MN9), Chiang Muan, Tailândia
      • Khoratpithecus piriyai Chaimanee et alii, 2004 - Nakhon Ratchasima, Tailândia.
    • Pongo Lacépède, 1799
      • Pongo pygmaeus (Linnaeus, 1760)
      • Pongo abelii

Subfamília Dryopithecinae[editar | editar código-fonte]

    • Pierolapithecus
      • Pierolapithecus catalaunicusMoyà-Solà et al, 2004 - Mioceno (13 Ma), Espanha
    • Dryopithecus Lartet, 1856
      • Dryopithecus wuduensis
      • Dryopithecus carinthiacus - Mioceno Médio (MN 7-8, 12,5 Ma), Hungria
      • Dryopithecus fontani - Mioceno Médio (MN 8), Saint Gaudens, França; Seu d'Urgell, Espanha.
      • Dryopithecus brancoi (=Rudapithecus hungaricus) - Mioceno Superior (MN 9, 10 Ma), Hungria
      • Dryopithecus (Hispanopithecus) laietanus - Mioceno Superior (MN 9), Can Llobateres, Espanha
      • Dryopithecus crusafonti Begun, 1991 - Mioceno Superior , Can Ponsic, Espanha
      • Dryopithecus sihongensis
      • Dryopithecus (Udabnopithecus) garedziensis (Burchak-Abramovich & Gabashvili, 1945)
    • Samburupithecus
      • Samburupithecus kiptalami - Mioceno Superior (9,5 Ma), Samburu Hills, Quênia.
    • Ouranopithecus Bonis & Melentis, 1977
      • Ouranopithecus macedoniensis
      • Ouranopithecus turkae Güleç, Sevim, Pehlevan & Kaya, 2007
    • Nakalipithecus Kunimatsu et alii, 2007
      • Nakalipithecus nakayamai Kunimatsu et alii, 2007 - Mioceno Superior (9,9 - 9,8 M.a.), Nakali, Quênia

Subfamília Homininae[editar | editar código-fonte]

Tribo Gorillini[editar | editar código-fonte]

Tribo Hominini[editar | editar código-fonte]

Subtribo Panina

Subtribo Hominina

Paleontologia — Australopitecíneos[editar | editar código-fonte]

Subfamília de Primatas fósseis pertencentes, segundo alguns autores, aos Hominídeos, enquanto para outros são simplesmente Pré-hominídeos. O grupo compreende diversos géneros, todos africanos, tais como Australopithecus, Paranthropus, Telanthropus, Zinjanthropus, etc. Até há pouco, só eram conhecidos na África do Sul (a que alude o nome de Australopithecus), mas recentemente apareceram restos de Paranthropus perto do lago Chade. Os Australopitecíneos eram Primatas cuja estatura atingia 1,20 m ou mais, tinham atitude erecta (bipedia) e possuíam capacidade craniana de 600 a 700 cm³ (superior à do chimpanzé e vizinha à do gorila). A dentição lembra a dos grandes símios, sobretudo pela forma em U da arcada dentária. Porém, os molares e os caninos são de tipo humano. Segundo tudo leva a crer, os Australopitecíneos não atingiram a fase instrumental, embora alguns autores os considerem ligados à pebble culture.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Suwa, G., Kono, R. T., Katoh, S., Asfaw, B. & Beyene, Y. (2007) - A new species of great ape from the late Miocene epoch in Ethiopia. Nature 448, 921-924(23 de Agosto de 2007)
  • Kunimatsu, Y., Nakatsukasa, M., Sawada, Y., Sakai, T., Hyodo, M., Hyodo, H., Itaya, T., Nakaya, H., Saegusa, H., Mazurier, A., Saneyoshi, M., Tsujikawa, H., Yamamoto, A., & Mbua, E.(2007) - A new Late Miocene great ape from Kenya and its implications for the origins of African great apes and humans. Proc. NAS, 4 Dezembro, 2007, vol. 104 no. 49, pg. 19220-19225.
  • Harrison, T. (2005) - The zoogeographic and phylogenetic relationships of early catarrhine primates in Asia. Anthropological Science, Vol. 113, 43–51.
  • Begun, D. R. (2005) - 'Sivapithecus is east and Dryopithecus is west, and never the twain shall meet. Anthropological Science, Vol. 113, 53–64, 2005
  • Begun, D. R. (1991) - Dryopithecus crusafonti sp. nov., a new Miocene Hominoid species from Can Ponsic (northeastern Spain). American Journal of Physical Anthropology 1918-1995, Volume 87, Issue 3 , Pages 291 - 309.

Referências

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 181–184 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. http://primatas.no.sapo.pt/historia.htm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Hominidae
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Hominidae