Hora de Santa Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Hora de Santa Catarina
Hora de Santa Catarina
Razão social RBS - Zero Hora Editora Jornalística S/A
Periodicidade Diária (exceto domingo)
Formato Tablóide
Proprietário Eduardo Sirotsky Melzer
Fundação 2006
Sede Florianópolis
Página oficial www.horasc.com.br

O Hora de Santa Catarina é um jornal pertencente ao mesmo grupo do jornal Zero Hora, o Grupo RBS, este jornal editado em Florianópolis, Santa Catarina, segue o estilo dos tablóides britânicos, com títulos altamente grifados, muitas vezes em linguagem popular e em cores chamativas nas capas de suas edições. Em seu sentido tradicional, tabloides tendem a ter grande ênfase em histórias sensacionalistas e são relatados muitos casos nos quais o próprio jornal cria suas notícias, se sentirem que os assuntos não podem, ou não poderão ser processados por difamação. Sendo uma categoria de jornal popular, direcionado às classes C e D da Grande Florianópolis, veicula quase que exclusivamente notícias relativas a crimes passionais, futebol regional, relacionamentos de pessoas presentes na grande mídia e fotos de mulheres seminuas. No entanto, não há estudos sociais que comprovem que essa camada da população não consumiria um conteúdo de melhor qualidade. Em função dessas características, o jornal é vendido a um baixo preço.

No início, o jornal fez uma enquete com o povo para decidir o nome do jornal, sorteando um automóvel para aumentar a participação na decisão. As primeiras edições eram vendidas a R$ 0,25, para concorrer com o jornal Notícias do Dia, e permitir que o Grupo RBS pudesse aumentar sua influência entre as camadas mais pobres da população.

Para aumentar mais ainda o apelo popular, existem também as promoções dos cupons: desde o lançamento do jornal, bastava colecionar os cupons de forma que preenchesse uma cartela que, completa, dava direito à brindes, começando por um conjunto de panelas, e depois passando por pratos, tigelas, copos, etc.

O jornal é idêntico ao Diário Gaúcho, que circula no estado do Rio Grande do Sul desde 2000. Apenas os colunistas e algumas matérias locais são diferentes, mas a maior parte do jornal tem o mesmo conteúdo (textos e fotos), e a estratégia de marketing (preço, promoções) é idêntica.

Já custou R$0,50, e atualmente custa R$0,60.

Publicado de segunda à sábado, o jornal tem tiragem média aproximada de 30.000 exemplares.

Colunistas: Mário Motta, Miguel Livramento, Rodrigo Búrigo, Ângela Bastos, Lúcia Pesca e Andréa Alves - Falando de Sexo, Michael Gonçalves, Ivens W. de Abreu, Fabio Machado, Marcos Aurélio de Ávila, dentre outros.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.