Hospital Heliópolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hospital
Hospital Heliópolis
Rampa do Pronto-Socorro do Hospital Heliópolis.
Nome completo Complexo Hospitalar Heliópolis
Localização São Paulo, SP
Fundação 1969
Sistema de saúde SUS
Financiamento Governo do Estado de São Paulo
Tipo Público
Emergência 12 mil atendimentos mensais
Leitos 330
Especialidades Quadro abaixo
editar

O Complexo Hospitalar Heliópolis, mais popularmente conhecido como Hospital Heliópolis, é um hospital geral do governo do estado de São Paulo. Está localizado na rua Cônego Xavier, 276 na Cidade Nova Heliópolis na zona sudeste da cidade de São Paulo. Possui 330 leitos. [1]

Atualmente, seu atendimento abrange a população da zona sul de São Paulo e dos municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema e Mauá, além de pacientes vindos de diversas regiões do País. São realizados 12 mil atendimentos mensais no pronto-socorro (os moradores do Grande ABC são responsáveis por 60% do atendimento).[2]

Criado em 1969, o Hospital Heliópolis surgiu como parte integrante do Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social (INAMPS). Pertencia inicialmente ao governo federal, tendo sido estadualizado em 1989.[3] Durante muitos anos foi campo de internato dos acadêmicos da Faculdade de Medicina do ABC.

Segundo Abrão Rapoport, diretor técnico do Hospital Heliópolis há 12 anos, que é livre docente em cirurgia de cabeça e pescoço da USP e trabalha no Heliópolis há 30 anos, a oncologia é o carro-chefe do hospital há muitos anos, com ênfase em tumores de cabeça e pescoço e tubo gastrointestinal.

Destaques[editar | editar código-fonte]

Especialidades e seus respectivos andares

É um hospital fortemente oncológico. É, hoje, o quarto hospital com nota mais alta em pesquisa do Datafolha. Atrás apenas dos hospitais privados. [4]

Realizam-se muitas pesquisas no Hospital Heliópolis. Na Scielo são mais de 1.100 citações e na BIREME mais de 120. O Setor de Oncologia e Biologia Molecular participou do Projeto Genoma Humano do Câncer em parceria com outros grandes hospitais de São Paulo com pacientes e extração de DNA no próprio hospital.[5]

Na 5ª edição do Prêmio Aids Responsabilidade Social Saúde Brasil o ambulatório de lipodistrofia do hospital foi vencedor na categoria Órgãos Públicos de Saúde com o projeto: Ambulatório de Lipodistrofia do Hospital Heliópolis: Uma experiência com as correções cirúrgicas em 3 anos de atendimento.[6]

Os cerca de vinte mil prontuários de pacientes atendidos desde 1977 pelo Hospital Heliópolis serão digitalizados. Os arquivos pertencem ao Centro de Pesquisas em Pescoço e Cabeça da entidade e são utilizados para pesquisas médicas, inclusive por alunos de mestrado e doutorado. O Centro de Pesquisas em Pescoço e Cabeça do Hospital Heliópolis atende cerca de 600 pacientes por mês, e conta com aproximadamente 30 profissionais, que serão beneficiados pelo projeto em parceria com o Centro Universitário da FEI. Depois da avaliação dos usuários, o sistema poderá ser implementado em outros serviços do Hospital Heliópolis e em outros hospitais.[7]

Ensino[editar | editar código-fonte]

O hospital, de perfil educacional, tem programas de pós-graduação lato sensu (residência médica, especialização) e stricto sensu (mestrado).

As seguintes especialidades de Residência Médica são oferecidas com acesso pela prova do SUS-SP realizada pela Fundação Carlos Chagas: Dermatologia, Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Cirurgia do Aparelho Digestivo, Cirurgia Geral, Cirurgia Torácica, Cirurgia Plástica, Cirurgia Vascular, Clínica Médica, Coloproctologia, Gastroenterologia, Infectologia, Neurocirurgia, Neurologia, Patologia, Pneumologia, Radiologia e Diagnóstico por Imagem e Reumatologia.

Em Odontologia, há o Aprimoramento Profissional e Especialização em Estomatologia com bolsa da FUNDAP.

Novo Ambulatório de Oncologia, Radiologia e Radioterapia[editar | editar código-fonte]

Está sendo construído um ambulatório de Oncologia que terá capacidade para atender, em consultas, 25 mil pacientes com câncer por mês e 1.000 sessões de quimioterapia. Foram investidos R$ 25 milhões na construção do prédio - dividido em dois blocos - e mais R$ 20 milhões na compra de equipamentos.[8] Também em construção, o novo prédio contará com serviço de apoio diagnóstico e terapêutico, equipado por um PET-CT (equipamento de última geração de medicina nuclear), tomógrafos, ressonância magnética, angiografia, aparelhos de raios-X digital, convencional e telecomandado, além de ultrassonografias e mamografia, com capacidade de atendimento de 15 mil pacientes ao mês. [8]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]