Telescópio espacial Hubble

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hubble)
Ir para: navegação, pesquisa
Telescópio Espacial Hubble
HST-SM4.jpeg
O Telescópio Espacial Hubble, visto do Ônibus Espacial Atlantis durante a Missão de Serviço 4 (STS-125)
Informações Gerais
Status: operando
Nomes Alternativos: HST, Space Telescope
Tipo de Telescópio: Refletor Ritchey-Chretien
Lançamento: 24 de Abril de 1990
Veículo de Lançamento: Discovery - STS-31
Desativação do telescópio: depois de 2020
N° NSSDC: 1990-037B
Massa: 11.110 kg
Informações do telescópio
Localização atual: Órbita terrestre
Altitude: 589 km
Comprimento de onda: Luz visível, raios gama, raios-X, infravermelho
Diâmetro: 2.4 m
Instrumentos

Telescópio espacial Hubble (em inglês Hubble Space Telescope - HST) é um satélite astronômico artificial não tripulado que transporta um grande telescópio para a luz visível e infravermelha. Foi lançado pela agência espacial estadunidense - NASA - em 24 de abril de 1990, a bordo do vaivém espacial (No Brasil: ônibus espacial) Discovery (missão STS-31). Este telescópio já recebeu várias visitas espaciais da NASA para a manutenção e para a substituição de equipamentos obsoletos ou inoperantes.

O telescópio é a primeira missão da NASA pertencente aos Grandes Observatórios Espaciais - (Great Observatories Program), consistindo numa família de quatro observatórios orbitais, cada um observando o Universo em um comprimento diferente de onda, como a luz visível, raios gama, raios-X e o infravermelho. Pela primeira vez se tornou possível ver mais longe do que as estrelas da nossa própria galáxia e estudar estruturas do Universo até então desconhecidas ou pouco observadas. O Hubble, de uma forma geral, deu à civilização humana uma nova visão do universo e proporcionou um salto equivalente ao dado pela luneta de Galileu Galilei no século XVII.

Desde a concepção original, em 1946, a iniciativa de construir um telescópio espacial sofreu inúmeros atrasos e problemas orçamentais. Logo após o lançamento para o espaço, o Hubble apresentou uma aberração esférica no espelho principal que parecia comprometer todas as potencialidades do telescópio. Porém, a situação foi corrigida numa missão especialmente concebida para a reparação do equipamento, em 1993, voltando o telescópio à operacionalidade, tornando-se numa ferramenta vital para a astronomia. Imaginado nos anos 40, projetado e construído nos anos 70 e 80 e em funcionamento desde 1990, o Telescópio Espacial Hubble foi batizado em homenagem a Edwin Powell Hubble, que revolucionou a Astronomia ao constatar que o Universo estava se expandindo.

História[editar | editar código-fonte]

Concepção e objetivos[editar | editar código-fonte]

A história do Telescópio espacial Hubble pode ser rastreada até 1923, quando Hermann Oberth (considerado junto com Robert Goddard e Konstantin Tsiolkovsky os pais dos foguetes modernos) publicou Die Rakete zu den Planetenräumen (O Foguete no Espaço Planetário), onde mencionou como um telescópio poderia ser lançado em órbita da Terra por um foguete.[1]

A astronomia baseada no espaço estava apenas no início nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, período em que os cientistas utilizaram a tecnologia melhorada dos foguetes. Em 1946 o astrônomo Lyman Spitzer escreveu o artigo Astronomical advantages of an extraterrestrial observatory (Vantagens Astronômicas de um Observatório Extraterrestre), onde discutiu as duas principais vantagens que um observatório baseado no espaço teria a mais do que os telescópios terrestres: primeiro, a resolução óptica (distância mínima de separação entre objetos na qual eles permaneçam claramente distintos) estaria limitada apenas pela difração, em oposição aos efeitos da turbulência da atmosfera que provocam o fenômeno do seeing. Os telescópios terrestres estão tipicamente limitados a resoluções de 0,5–1,0 segundos de arco (arcsec), comparativamente aos valores teóricos de resolução de difração limitada de cerca de 0,1 arc para um telescópio com um espelho de 2,5 m em diâmetro. A segunda maior vantagem seria a possibilidade de observar luz infravermelha e ultravioleta, que são fortemente absorvidas pela atmosfera.[2] No mesmo ano, foram obtidos os primeiros espectros ultravioleta do Sol.[3]

Em 1962, vários eventos importantes: a NASA lançou o Orbiting Solar Observatory para obter espectros de UV, raio-X e raios gama; a Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos publicou um relatório recomendando o desenvolvimento de um telescópio espacial como parte integrante do programa espacial, e o Reino Unido lançou um telescópio em órbita como parte do programa espacial Ariel.[4] Em 1965 Spitzer, que dedicou grande parte de sua carreira para estimular o desenvolvimento de um observatório espacial, foi indicado como dirigente de um comitê para a definição de objetivos científicos para um tal instrumento de grandes dimensões.[5]

Em 1966 foi lançado o primeiro Observatório Astronômico Orbital (OAO), da NASA, cujas baterias apresentariam falhas após três dias, terminando a missão; mais tarde, o OAO-2, o projeto sucessor, permitiu fazer observações em ultravioleta das estrelas e galáxias desde o seu lançamento em 1968 até 1972, prazo muito além do tempo de vida planejado de apenas um ano. As missões OSO e OAO demonstraram o papel importante que as observações baseadas no espaço poderiam desempenhar na astronomia.[4] Em 1968 a NASA iniciou a elaboração de planos para um telescópio espacial com um espelho de 3m de diâmetro, conhecido provisoriamente como Grande Telescópio Orbital ou Grande Telescópio Espacial (LST), com lançamento previsto para 1979. Os planos enfatizavam a necessidade de missões tripuladas para a manutenção do telescópio, de forma a justificar um investimento tão caro ao longo de um tempo de vida extenso, e os projetos em redor da tecnologia reutilizável do Vaivém Espacial indicavam que tal seria possível em pouco tempo.[6]

A odisseia pelo financiamento[editar | editar código-fonte]

O continuado sucesso do programa OAO encorajava um forte e cada vez maior consenso entre a comunidade astronômica de que o LST devia ser a meta principal. Em 1970 a NASA estabeleceu dois comitês, um para planejar os aspectos de engenharia do projeto, e o outro para estabelecer metas científicas para a missão. Uma vez estabelecidos esses comitês, o desafio seguinte da NASA seria obter financiamento para a construção deste instrumento que seria, de longe, muito mais caro que qualquer outro telescópio terrestre. O Congresso estado-unidense questionou muitos aspectos do orçamento proposto para o telescópio e impôs cortes orçamentais nas fases de planejamento que, na altura, consistiam em estudos muito detalhados sobre quais instrumentos e hardware deveriam ser incluídos no telescópio. Em 1974, cortes no setor público instigados por Gerald Ford forçariam o Congresso a cortar todo o financiamento para o projeto.[7]

Vista explodida do telescópio (em inglês).

Em resposta ao sucedido, surgiu um esforço internacional de pressão coordenado entre astrônomos. Muitos se encontraram pessoalmente com congressistas e senadores, e muitas campanhas de abaixo-assinado foram organizadas. A Academia Nacional de Ciências publicou um relatório enfatizando a necessidade de um telescópio espacial, e eventualmente o Senado teria concordado com um orçamento que seria metade daquele que o Congresso recusara.[8]

As dificuldades em obter o financiamento levaram à redução da escala do projeto, passando o diâmetro do espelho de 3m para 2,4m, quer para reduzir custos, quer para permitir uma configuração mais compacta do hardware telescópico.[9] Foi descartado um protótipo de menores dimensões (1,5m), que seria concebido para testar os sistemas a utilizar no satélite principal, e as preocupações com o orçamento despertaram a colaboração da Agência Espacial Europeia (ESA). A ESA concordou em fornecer alguns dos instrumentos para o telescópio, bem como as células solares que iriam fornecer-lhe energia, financiando também 15% dos custos, em troca da garantia de 15% do tempo de observação para astrónomos europeus.[10] O Congresso aprovaria um financiamento de 36 milhões de dólares em 1978. O desenho do LST iniciou-se de imediato, agendando o lançamento para 1983.[8] Durante a década de 1980 o telescópio foi batizado em homenagem a Edwin Hubble, pelas suas descobertas astronômicas revolucionárias, como a expansão do universo.[11]

Construção, montagem e lançamento[editar | editar código-fonte]

Assim que foi dada luz verde ao projeto, os trabalhos da fase de construção foram divididos por diversas instituições. O Marshall Space Flight Center ficou responsável pelo controle geral dos instrumentos científicos e controle terrestre durante a missão. O centro Marshall incumbiu a Perkin-Elmer, uma companhia do ramo da óptica, de conceber o mecanismo de montagem do telescópio (Optical Telescope Assembly - OTA) e os sensores de navegação (Fine Guidance Sensors) para o telescópio espacial. A Lockheed ficou responsável pela construção da nave espacial em que o telescópio ficaria alojado.[12]

A nave[editar | editar código-fonte]

Primeiros estágios da construção do Hubble.
Polimento do espelho primário do Hubble feito pela Perkin-Elmer Corporation, Danbury, Connecticut, maio de 1979.
Lançamento do Hubble a bordo da Discovery

A nave espacial na qual seriam alojados o telescópio e os instrumentos representava um grande desafio para a engenharia. Teria que suportar adequadamente mudanças frequentes entre a luz direta do Sol e a escuridão da sombra da Terra — que provocam mudanças bruscas na temperatura — enquanto pudesse permanecer estável o suficiente para permitir o direccionamento extremamente preciso do telescópio. Um manto de isolamento em multi-camadas mantém a temperatura estável dentro do telescópio, e envolve um casco leve de alumínio dentro do qual o telescópio e os instrumentos são instalados. Dentro deste escudo, uma armação de grafite-epóxi mantém as peças de funcionamento do telescópio firmemente alinhadas.[13] Uma vez que os compostos de grafite são higroscópicos, havia um risco de que o vapor de água absorvido pela armação durante sua montagem viesse a ser liberado no vácuo do espaço; se isso ocorresse, os instrumentos do telescópio ficariam cobertos de cristais de gelo. Para reduzir esse risco, uma purga com gás nitrogênio foi realizada antes do lançamento do telescópio para o espaço.[14]

Enquanto a construção da nave espacial em que o telescópio e os instrumentos seriam alojados andava bem, a Lockheed ainda experimentava dificuldades com o orçamento e o cronograma, e, no verão de 1985, a construção da nave havia ultrapassado em 30% o orçamento e estava com três meses de atraso. Um relatório disse que a Lockheed tendia a confiar em indicações da NASA, em vez de tomar iniciativa própria na construção.[15]

Sistema óptico[editar | editar código-fonte]

Opticamente o Hubble é um refletor tipo Cassegrain com um projeto Ritchey-Chrétien. Este projeto, com dois grandes espelhos hiperbólicos, é bom para fotografar um largo campo de vista, mas tem a desvantagem de ser de difícil construção. Os sistemas relacionados com a óptica e espelhos do telescópio representavam a parte crucial, e seriam concebidos segundo especificações muito rígidas. Em média, os telescópios usam espelhos polidos para uma precisão de cerca de um décimo do comprimento de onda da luz visível; porém, uma vez que o Telescópio Espacial seria utilizado para observações na gama do ultravioleta ao infravermelho com uma resolução dez vezes superior aos telescópios antecessores, o espelho deste teria que ser polido para uma precisão de 10 nanómetros, cerca de 1/65 do comprimento de onda da luz vermelha.[16]

A Perkin-Elmer planejava utilizar maquinaria assistida por computador extremamente sofisticada para modelar o espelho segundo as especificações impostas,[17] mas para o caso da sua tecnologia de ponta apresentar dificuldades, a Kodak estava também contratada para construir um espelho de salvaguarda utilizando as técnicas de polimento tradicionais.[18] A construção do espelho foi iniciada em 1979, utilizando vidro de expansão ultra-reduzida. Para reduzir ao máximo o peso do espelho, este foi acondicionado numa espécie de sanduíche de duas placas de cerca de uma polegada de altura e uma estrutura em forma de colmeia no meio. O polimento prolongou-se de 1979 até maio de 1981. Mais tarde, relatórios da NASA questionaram a estrutura intermédia proposta pela Perkin-Elmer, o que acarretou complicações de agenda e de orçamento. O espelho foi concluído nos finais de 1981, com o acrescento de um revestimento reflectivo em alumínio, de espessura de 75 mm, e outro revestimento protetor de fluoreto de magnésio, de 25 mm de espessura, o que permitia aumentar a reflexão da luz ultravioleta.[19] [20] [21]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Subsistiam, porém, dúvidas sobre a competência da Perkin-Elmer num projecto desta importância, já que o orçamento e agenda para concluir o OTA continuavam a aumentar. Em resposta a esta agenda, descrita como "não delineada e diariamente alterada", a NASA adiou o lançamento do telescópio para abril de 1985. A agenda da Perkin-Elmer continuou a inflar, a uma taxa de cerca de um a cada três meses, tendo-se mesmo verificado, esporadicamente, atrasos de um dia por cada dia de trabalho. Face a isto, a NASA foi forçada a reagendar o lançamento para 1 de março de 1986. Por esta altura, o custo total do projeto tinha atingido 1,175 bilhões de dólares.[22] Além disso, o software necessário para controlar o Hubble em terra não ficou pronto em 1986, e de fato estaria inacabado até 1990. Para completar o quadro de dificuldades, no mesmo ano aconteceu o acidente com a nave Challenger, o que decretou um esfriamento no programa espacial. Eventualmente, após a retomada dos voos dos vaivéns espaciais em 1988, o lançamento do telescópio foi reagendado para 1990. Por fim, em 24 de abril de 1990, a missão STS-31 do Discovery fez o lançamento do telescópio com sucesso em sua órbita prevista.[23] [24]

Desde a sua estimativa de custo inicial de cerca de 400 milhões, o telescópio chegou a custar mais de 2,5 bilhões de dólares para construir. Custos cumulativos do Hubble até hoje são estimados entre 4,5 e 6 bilhões, com uma contribuição financeira adicional da Europa de 593 milhões de euros, até a estimativa de 1999.[25]

Instrumentos originais[editar | editar código-fonte]

Lançamento do Hubble pela Discovery na Missão STS-31

Quando lançado, o Hubble transportava cinco instrumentos científicos: a Wide Field and Planetary Camera (câmera de campo largo e planetário - WF/PC), o Goddard High Resolution Spectrograph (espectrógrafo de alta resolução Goddard - GHRS), o High Speed Photometer (fotômetro de alta velocidade - HSP), a Faint Object Camera (câmera de objetos pálidos - FOC) e o Faint Object Spectrograph (espectrógrafo de objetos pálidos - FOS). A WF/PC era um dispositivo de imagem de alta resolução destinado principalmente para observações ópticas. Foi construído pelo Jet Propulsion Laboratory da NASA, e incorporou um conjunto de 48 filtros de isolamento das linhas espectrais de particular interesse astrofísico. O instrumento continha oito chips CCD divididos entre duas câmeras, cada uma com quatro CCDs. A câmera de campo largo WF abrangeu um campo de grande angular em detrimento da resolução, enquanto a câmera planetária PC tomava imagens em um comprimento focal mais eficaz do que os chips WF, dando-lhe uma maior ampliação.[26]

O GHRS foi um espectrógrafo projetado para operar no ultravioleta. Foi construído pelo Goddard Space Flight Center, e pode alcançar uma resolução espectral de 90.000.[27] Também otimizadas para observações ultravioleta eram a FOC e a FOS, que conseguiram a mais alta resolução de todos os instrumentos no Hubble. Ao invés de CCDs, estes três instrumentos utilizaram a contagem digital de fótons como detector. A FOC foi construído pela ESA, enquanto a Universidade da Califórnia em San Diego e a Martin Marietta Corporation construiu o FOS.[26]

O instrumento final era o HSP, projetado e construído na Universidade de Wisconsin-Madison. Foi otimizado para observações em luz visível e ultravioleta de estrelas variáveis ​​e outros objetos astronômicos variando de brilho. Poderia fazer até 100.000 medições por segundo com uma precisão fotométrica de cerca de 2% ou melhor.[28] O sistema de orientação HST também pode ser usado como um instrumento científico. Seus três Fine Guidance Sensors (sensores de orientação fina - FGS) são utilizados principalmente para manter o telescópio apontado com precisão durante a observação, mas também pode ser usado para realizar astrometria extremamente precisa. Já foram obtidas medições de 0,0003 arcsecs.[29]

Falha no espelho[editar | editar código-fonte]

Dentro de poucas semanas após o lançamento do telescópio, pelas imagens que voltavam, ficou evidente que havia um sério problema com o sistema óptico. Embora as imagens parecessem de início ser mais nítidas do que as imagens obtidas em terra, o telescópio falhou em obter um foco tão exato como esperado. Imagens de fontes pontuais eram difusas em um raio de mais de 1 arcsec, em vez de ter uma função de espalhamento pontual (PSF) dentro de um círculo de 0,1 arcsec de diâmetro, como havia sido especificado nos requisitos técnicos do projeto.[30]

A análise das imagens borradas mostrou que a causa do problema era que o espelho principal tinha sido construído com uma forma errada. Apesar de ter sido provavelmente o espelho mais precisamente construído de todos os tempos, com variações de apenas 10 nanômetros a partir da curva prevista,[16] era plano em demasia nas bordas em cerca de 2.200 nanômetros (2,2 mícrons).[31] Esta diferença foi catastrófica, produzindo uma aberração esférica grave.[32]

A falha do espelho afetou relativamente pouco a observação em alta resolução de objetos brilhantes e a espectroscopia; no entanto, a perda de luz no grande halo desfocado em redor reduzia severamente a utilidade do telescópio para objetos de brilho fraco ou para imagens de alto contraste. Isto significava que quase todos os programas cosmológicos ficavam praticamente inviabilizados, uma vez que exigem a observação de objetos extremamente pálidos.[32] A NASA e o telescópio passaram a ser alvo de muitas piadas, e o projeto foi considerado popularmente como um elefante branco. Por exemplo, na comédia de 1991 The Naked Gun 2 ½: The Smell of Fear, o Hubble foi comparado ao Titanic, ao Hindenburg e ao Edsel.[33] Não obstante, durante os primeiros três anos da missão Hubble, mesmo antes das correções ópticas posteriores, o telescópio conseguiu realizar um grande número de observações produtivas. O erro foi bem caracterizado e era estável, permitindo aos astrônomos otimizar os resultados obtidos através de técnicas compensatórias sofisticadas de processamento de imagem.[34]

Comparação das imagens antes e depois da correção da falha do espelho
Os astronautas Musgrave e Hoffman na Missão de Serviço 1
Astronautas trabalhando nos giroscópios durante a Missão 3A

Para se corrigir o problema da aberração esférica foi estabelecido o sistema Corrective Optics Space Telescope Axial Replacement (COSTAR), constituído por dois espelhos de compensação da falha.[35] Para ajustar o sistema COSTAR no telescópio, um dos outros instrumentos teve de ser removido, e os astrônomos selecionaram o High Speed Photometer para ser sacrificado.[36] Várias missões do vaivém espacial foram lançadas para consertos, substituição de instrumentos e outros ajustes.[37]

Missões de serviço[editar | editar código-fonte]

Missão 1[editar | editar código-fonte]

O telescópio havia sido concebido de modo que pudesse sofrer manutenção regular, mas depois que o problema com o espelho veio à tona, a primeira missão de manutenção assumiu uma importância muito maior, e os astronautas teriam que realizar um extenso trabalho no telescópio para instalar a ótica corretiva. Os sete astronautas escolhidos para a missão foram treinados intensivamente no uso das cem ou mais ferramentas especializadas que seriam necessárias. O vaivém espacial Endeavour, em sua missão STS-61, lançada em dezembro de 1993, instalou vários instrumentos e outros equipamentos ao longo de um total de 10 dias.[38]

Mais importante, o High Speed Photometer (fotômetro de alta velocidade) foi substituído pelo pacote de lentes corretivas COSTAR e a WFPC foi substituída pela Wide Field and Planetary Camera 2 (WFPC2), com o seu sistema interno de correção óptica. Além disso, os painéis solares e sua unidade de eletrônicos foram substituídos, bem como quatro dos giroscópios utilizados no sistema de direcionamento do telescópio, duas unidades de controle elétrico e outros componentes elétricos, e dois magnetômetros. Os computadores de bordo foram atualizados e, finalmente, a órbita do telescópio foi retificada, para compensar o decaimento orbital de 3 anos de arrasto pela atmosfera superior.[31] Em 13 janeiro de 1994 a NASA declarou que a missão fora um sucesso e mostrou a primeira imagem nítida obtida com a correção do sistema óptico.[39]

Missão 2[editar | editar código-fonte]

A Missão de Serviço 2, conduzida pelo Discovery (STS-82) em fevereiro de 1997, substituiu o GHRS e o FOS do Space Telescope Imaging Spectrograph (STIS) e o Near Infrared Camera and Multi-Object Spectrometer (NICMOS), substituiu um Engineering and Science Tape Recorder por um Solid State Recorder, reparou o isolamento térmico e novamente retificou a órbita do Hubble.[40] O NICMOS continha um dissipador de calor de nitrogênio sólido para reduzir o ruído térmico do instrumento, mas logo depois que ele foi instalado, uma expansão térmica inesperada resultou que parte do dissipador de calor entrou em contato com um defletor óptico. Isto levou a um aumento da taxa de aquecimento no instrumento, reduzindo sua vida útil esperada de 4,5 anos para cerca de dois anos.[41]

Missão 3A[editar | editar código-fonte]

A Missão de Serviço 3A (STS-103), conduzida pela Discovery, teve lugar em dezembro de 1999, e foi uma adaptação da Missão de Serviço 3 depois que três dos seis giroscópios a bordo falharam. Um outro falhou poucas semanas antes da missão, tornando o telescópio incapaz de realizar observações científicas. A missão substituiu todos os seis giroscópios, um Fine Guidance Sensor e o computador, instalou um kit de melhoramento de tensão/temperatura (VIK) para impedir que a bateria sobreaquecesse, e substituiu cobertores de isolamento térmico.[42] Embora o novo computador não fosse propriamente uma potência (processador Intel 486 de 25 MHz com dois megabytes de RAM), ainda é 20 vezes mais rápido e tem seis vezes mais memória que o DF-224 substituído. O novo computador aumentou o rendimento transferindo algumas tarefas de computação feitas no solo para a sonda, e economizou dinheiro permitindo o uso de linguagens de programação modernas.[43]

Missão 3B[editar | editar código-fonte]

A Missão de Serviço 3B (STS-109), levada pelo Columbia em março de 2002, instalou um novo instrumento, com a FOC (o último instrumento original) sendo substituída pela Advanced Camera for Surveys (ACS). Isso significava que o COSTAR já não era necessário, uma vez que todos os instrumentos novos foram construídos para compensarem a aberração do espelho principal.[37] A missão também viu o renascimento do NICMOS, que tinha perdido a refrigeração em 1999. Um novo sistema de refrigeração foi instalado, que reduziu a temperatura do instrumento o suficiente para que pudesse ser útil novamente. Embora não tão fria quanto o seu projeto original previa, a temperatura se tornou mais estável, o que em muitos aspectos representou uma vantagem. O ACS em particular reforçou as capacidades do Hubble; ele e o NICMOS realizaram as imagens do Hubble Ultra Deep Field.[41]

A missão substituiu os painéis solares pela segunda vez. os painéis novos foram produzidos a partir dos criados para o sistema comsat de irídio e eram menores em dois terços do que os antigos, resultando em menos arrasto contra a ténue da atmosfera superior e fornecendo 30% a mais de energia. A energia adicional permitiu que todos os instrumentos a bordo do Hubble pudessem ser executados em simultâneo, e reduziu um problema de vibração que ocorria quando os painéis antigos, mais rígidos, se expunham ao Sol ou dele se ocultavam. A Power Distribution Unit foi também substituída, a fim de corrigir um problema com relés endurecidos, um procedimento que exigiu o desligamento completo da energia pela primeira vez desde que o telescópio fora lançado.[44]

Missão 4[editar | editar código-fonte]

Astronautas trabalhando no Hubble na Missão de Serviço 4

A Missão de Serviço 4, que teve lugar em maio de 2009, foi a última missão do vaivém regular (STS-125) para o Telescópio Espacial Hubble.[45] A missão fora planejada para 14 de outubro de 2008.[46] No entanto, em 27 setembro de 2008 o Science Instrument Command and Data Handling (SIC&DH) do Hubble falhou. Todos os dados científicos passam por esta unidade antes que possam ser transmitidos para a Terra. Embora tivesse uma unidade de backup, se o backup falhasse a vida útil do Hubble estaria encerrada.[47] Por conseguinte, em 29 de setembro de 2008, a NASA anunciou que o lançamento da SM4 seria adiado até 2009 para que a unidade SIC&DH pudesse ser substituída.[48] A SM4, com uma unidade de substituição do SIC&DH, foi lançada a bordo do vaivém Atlantis em 11 de maio de 2009.[49] [50]

Na SM4 os astronautas, ao longo de cinco caminhadas espaciais, instalaram dois novos instrumentos, a Wide Field Camera 3 (câmera de campo largo - WFC3), e o Cosmic Origins Spectrograph (espectrógrafo de origens cósmicas - COS). A WFC3 vai aumentar as capacidades de observação do Hubble no ultravioleta e na luz visível em até 35 vezes devido à sua maior sensibilidade e maior campo de visão.[37] A missão reparou dois instrumentos que haviam falhado, a Advanced Camera for Surveys (câmara avançada para pesquisas - ACS) e o Space Telescope Imaging Spectrograph (espectrógrafo de imagens telescópicas espaciais - STIS). Os astronautas também realizaram substituições de outros componentes, incluindo três Rate Sensor Units, um dos três Fine Guidance Sensors (FGS), a unidade SIC&DH; todas as seis baterias de níquel-hidrogênio, e três mantas de isolamento térmico de proteção. As baterias nunca tinham sido substituídas e duraram mais de 13 anos além da sua vida prevista.[51]

O Atlantis liberou o Hubble para o espaço em 19 de maio de 2009, depois de todos os reparos serem feitos com sucesso. Depois de testes e calibração, o Hubble retomou a operação de rotina em setembro de 2009.[52] Estes esforços devem manter o telescópio em pleno funcionamento pelo menos até 2014, e talvez mais.[53]

O Hubble foi originalmente concebido para ser devolvido à Terra a bordo de um vaivém espacial. Com a aposentadoria da frota prevista para 2011, não será mais possível. Os engenheiros da NASA desenvolveram o Soft Capture and Rendezvous System (SCRS), um dispositivo em forma de anel que foi anexado à antepara de ré do Hubble durante a SM4, o que permitirá o encontro, captura e descarte seguro do Hubble por uma missão tripulada ou robótica no futuro.[54]

Controle em terra[editar | editar código-fonte]

Diagrama da órbita do Hubble
Sala de controle do Hubble no Goddard Space Flight Center

O Space Telescope Science Institute (STSI) é o responsável pela exploração científica do telescópio e pela liberação de dados para os astrônomos. O STSI é operado pela Association of Universities for Research in Astronomy (AURA), e está localizado em Baltimore, Maryland, no campus de Homewood da Universidade Johns Hopkins, uma das 33 universidades dos EUA e 7 filiais internacionais que compõem o consórcio AURA. O STSI foi criado em 1981[55] , após uma espécie de luta de poder entre a NASA e a comunidade científica em geral. NASA queria manter esta função "em casa", mas os cientistas queriam que fosse baseada em uma instituição acadêmica.[56] [57] Outra tarefa bastante complexa que recai para o STSI é a programação do cronograma de observações do telescópio; os horários de observação são geralmente definidos com pouca antecedência para evitar tornar a agenda rígida demais.[58]

O Hubble está situado em uma órbita baixa da Terra, para que possa ser alcançado pelo ônibus espacial para missões de serviço, mas isso significa que a maioria dos alvos astronômicos são ocultadas pela Terra ao longo de pouco menos da metade de cada órbita. Observações não podem ter lugar quando o telescópio passa pela anomalia do Atlântico Sul, devido aos níveis elevados de radiação, e há também zonas de exclusão consideráveis em torno da Lua, da Terra e do Sol (impedindo observações de Mercúrio). O ângulo de evasão solar é cerca de 50°, que é especificado para impedir a luz do sol de iluminar qualquer parte da OTA. Observações da Terra foram usadas ​​logo no início do programa para gerar campos planos para o instrumento WFPC1. Existe uma chamada "zona de visão contínua" (ZVC), em aproximadamente 90 graus em relação ao plano da órbita do Hubble, em que os alvos astronômicos não são ocultadas por longos períodos. Devido à precessão da órbita, a localização da ZVC move-se lentamente durante um período de oito semanas. Porque a parte da Terra está sempre dentro de aproximadamente 30° de regiões dentro do ZVC, o brilho disperso da Terra pode ser elevado por longos períodos durante as observações na ZVC. Como o Hubble orbita na atmosfera superior, muda sua órbita ao longo do tempo de uma forma que não é exatamente previsível. A densidade da atmosfera superior varia de acordo com muitos fatores, e isso significa que a posição prevista do Hubble para o tempo de seis semanas pode ter um erro de até 4.000 km.[59] O apoio de engenharia para o Hubble é fornecido pela NASA e pessoal contratado no Goddard Space Flight Center em Greenbelt, Maryland, 48 km ao sul do STSI. A operação do Hubble é monitorada 24 horas por dia por quatro equipes de controladores de voo que compõem sua Equipe de Operações.[60]

Da câmara aos cientistas[editar | editar código-fonte]

Transmissão para a Terra[editar | editar código-fonte]

Os dados recolhidos pelo Hubble eram inicialmente armazenados na nave. À data do seu lançamento, o equipamento de armazenamento consistia em gravadores de fita (cassete), sendo substituídos por dispositivos não-mecânicos durante as missões de assistência 2 e 3A. Depois de armazenados, os dados são transferidos para as instalações em terra através de uma rede de satélites concebida de modo que outros satélites em órbitas baixas possam comunicar com as respectivas instalações de controle de missão durante cerca de 85% do seu tempo em órbita. Esta rede de satélites foi batizada de Tracking and Data Relay Satellite System (TDRSS). Os dados são então retransmitidos para as estações terrestres do TDRSS e, posteriormente, para o Goddard Space Flight Center para arquivação.[61]

Arquivo[editar | editar código-fonte]

Todos os dados recolhidos pelo Hubble são eventualmente disponibilizados ao público através dos websites do STSI, CADC e ESO. Porém, o acesso a esses dados é restringido, durante um ano, ao Investigador Principal e alguns outros astrónomos por ele designados. No entanto, o Principal pode requerer junto do STSI o alargamento deste prazo.[62]

As observações realizadas durante o tempo atribuído são publicadas imediatamente, sem prazo. Dados sobre a calibragem dos instrumentos e outras frames inutilizadas são também publicados sem qualquer atraso. Toda informação constante neste arquivo encontra-se no formato FITS, muito recomendado para análise astronómica, mas não para utilização generalizada.[63] O Hubble Heritage Project processa e publica uma pequena selecção das imagens mais impressionantes nos formatos JPEG e TIFF.[64]

Redução do pipeline[editar | editar código-fonte]

Os dados astronómicos recolhidos com CCDs devem ser processados/calibrados em várias operações até estarem preparados para análise astronómica. O STSI desenvolveu software sofisticado que automaticamente calibra os dados sempre que são requisitados do arquivo, usando os melhores ficheiros de calibração possíveis. Este processamento em tempo real implica que requisições de grandes volumes de dados podem demorar um dia ou mais para serem processadas e devolvidas. Este processo de calibração automática é designado de redução do pipeline, e é cada vez mais comum nos observatórios. No entanto, os próprios astrónomos podem requisitar os ficheiros de calibração e executar o sofware de redução do pipeline localmente, aconselhável quando é necessário utilizar outros ficheiros de calibração que não aqueles seleccionados automaticamente.[65]

Análise dos dados[editar | editar código-fonte]

A análise dos dados recolhidos pelo Hubble pode realizar-se através de vários pacotes, embora o STSI tenha concebido o STSDAS (Space Telescope Science Data Analysis System) especialmente para isso. Além de incluir todas as ferramentas necessárias ao processo de redução do pipeline (para os ficheiros em bruto), dispõe também de várias outras ferramentas de processamento de imagem, especializadas para o tipo de dados recolhidos pelo Hubble. O software é executado como um módulo do IRAF, um programa de redução de dados astronómicos muito popular que é executado em várias variantes de Linux e MacOS X.[66]

Legado[editar | editar código-fonte]

Impacto na astronomia[editar | editar código-fonte]

Uma das mais famosas imagens do Hubble, "Pilares da Criação" mostrando a Nebulosa da Águia
Galáxias distantes no espaço profundo, em uma fotografia Hubble Ultra Deep Field.
A nebulosa planetária M2-9, apenas uma entre as milhares de estruturas cósmicas fascinantes reveladas pelo Hubble
O planeta Marte visto pelo Hubble

O Hubble tem ajudado a resolver alguns antigos problemas da astronomia, bem como revelado novos resultados que exigiram novas teorias para explicá-los. Entre suas principais conquistas está a medição das distâncias das cefeidas com precisão inédita e, com isso, limitando o valor da constante de Hubble - a medida da taxa na qual o universo está em expansão, que também está relacionada com a sua idade. Antes do lançamento do Hubble as estimativas da constante de Hubble tipicamente tinham erros de até 50%, mas as medições do Hubble de ​​cefeidas no aglomerado de Virgem e outros aglomerados de galáxias distantes forneceu um valor medido com uma precisão de ± 10%, o que é consistente com outras medidas mais precisas feitas desde o lançamento do Hubble usando outras técnicas.[67]

Enquanto que o Hubble ajudou a refinar as estimativas da idade do universo, ele também colocou em dúvida as teorias sobre o seu futuro. Astrônomos do High-z Supernova Search Team e do Supernova Cosmology Project usaram o telescópio para observar supernovas distantes e descobriram evidências de que, longe de desaceleração sob a influência da gravidade, o universo pode de fato estar se expandindo em uma taxa de aceleração. Esta aceleração foi posteriormente medida com mais precisão por outros telescópios terrestres e espaciais, confirmando a constatação do Hubble. A causa desta aceleração permanece mal compreendida, mas atribui-se mais comumente à influência da energia escura.[68] [69] [70]

Os espectros e imagens de alta resolução fornecidos pelo Hubble têm sido particularmente úteis para estabelecer a prevalência de buracos negros no núcleo de galáxias próximas. Embora tivesse sido suposto na década de 1960 que os buracos negros seriam encontrados nos centros de algumas galáxias, coube ao Hubble contribuir para mostrar que os buracos negros são, provavelmente, comuns nos centros galáticos, e não só, mas também que as massas dos buracos negros e as propriedades destas galáxias estão intimamente relacionadas.[71] [72] [73]

A colisão do cometa Shoemaker-Levy 9 com Júpiter em 1994 foi um presente para os astrônomos, acontecendo apenas alguns meses após uma missão de manutenção restaurar o desempenho óptico do Hubble. As imagens que o Hubble conseguiu do planeta foram mais nítidas do que quaisquer outras tomadas desde a passagem da Voyager 2 em 1979, e foram cruciais para o estudo da dinâmica da colisão de um cometa com Júpiter, um evento raro. Outras grandes descobertas feitas usando dados do Hubble incluem discos proto-planetários na nebulosa de Orion;[74] evidências da presença de planetas extra-solares em torno de estrelas como o Sol[75] e as contrapartidas ópticas das ainda misteriosas explosões de raios gama.[76] O Hubble também tem sido usado para estudar os objetos nos confins do Sistema Solar, incluindo planetas anões Plutão e Eris.[77] [78]

Um legado único do Hubble são as imagens produzidas pelas câmeras de espaço profundo e ultraprofundo, de sensibilidade inigualável em comprimentos de onda visíveis, criando imagens das mais distantes regiões do céu já obtidas nestes comprimentos de onda. As imagens revelam galáxias a bilhões de anos-luz de distância, e têm tanto gerado como subsidiado uma grande quantidade de trabalhos científicos, abrindo uma nova janela para o Universo primordial.[79] [80]

Muitos fatos objetivos mostram o impacto positivo do Hubble na astronomia. Mais de 9.000 trabalhos com base em dados do Hubble têm sido publicados em jornais peer-reviewed,[81] e inúmeros outros surgiram em anais de eventos. Em média, um trabalho com base em dados do Hubble recebe cerca de duas vezes mais citações do que os com base em dados não-Hubble. Dos 200 artigos científicos publicados a cada ano que recebem mais citações, cerca de 10% são baseadas em dados do Hubble.[82]

Embora o Hubble tenha claramente um impacto significativo na pesquisa astronômica, o custo financeiro desse impacto tem sido grande. Um estudo sobre os impactos relativos à astronomia de tamanhos diferentes de telescópios descobriu que enquanto os trabalhos com base em dados do Hubble geram 15 vezes mais citações do que os baseados em telescópios de terra, os custos de construção e manutenção do Hubble são cerca de 100 vezes maiores.[83]

Tomar a decisão entre investir em telescópios terrestres ou espaciais no futuro é algo complexo. Mesmo antes do Hubble ser lançado, técnicas especializadas terrestres obtiveram imagens ópticas e infravermelhas de resolução mais alta do que o Hubble, embora restritas a alvos cerca de 100 vezes mais brilhantes que o menor alvo observado pelo Hubble. Desde então, os avanços na óptica adaptativa estenderam os recursos de alta resolução de telescópios terrestres para a imagem infravermelha de objetos fracos. A utilidade da óptica adaptativa versus as observações do Hubble depende fortemente dos detalhes particulares da pesquisa a ser feita. Nas faixas visíveis, a óptica adaptativa só pode corrigir um campo relativamente pequeno de vista, enquanto o Hubble pode produzir imagens ópticas de alta resolução ao longo de um vasto campo. Apenas uma pequena fração de objetos astronômicos pode ser registrada em alta resolução a partir da Terra; em contraste, o Hubble pode realizar observações de alta resolução de qualquer parte do céu noturno, e em objetos extremamente pálidos.[84] [85]

Popularização da ciência[editar | editar código-fonte]

Sempre foi parte importante da missão do Hubble capturar a imaginação do público, dada a considerável população de contribuintes que possibilitaram a sua construção e o financiamento dos custos operacionais.[86] Várias iniciativas têm contribuído para manter o público informado sobre as atividades do Hubble. O Hubble Heritage Project foi criado para produzir imagens de alta qualidade para consumo público dos objetos mais interessantes e marcantes observados. A equipe do projeto é constituída por astrônomos amadores e profissionais, bem como de pessoas com experiência além da astronomia, e enfatiza o caráter estético das imagens do Hubble. O projeto dispõe de um certo tempo de observação no cronograma do telescópio para produzir imagens inéditas em cores.[87] Além disso, o STSI mantém vários sites para o público em geral, contendo imagens do Hubble e informações sobre o telescópio. A divulgação é coordenada pelo Office for Public Outreach, que foi criado em 2000 para garantir que os contribuintes dos EUA vejam os benefícios de seus investimentos no programa do telescópio espacial.[88] [89] [90] [91]

Desde 1999 as atividades do Hubble são divulgadas na Europa pelo Hubble European Space Agency Information Centre (HEIC).[92] Este departamento foi criado no Space Telescope - European Coordinating Facility (ST-ECF), em Munique, na Alemanha. A missão do HEIC é cumprir as tarefas de divulgação e educação do Hubble para a Agência Espacial Europeia (ESA). O trabalho é centrado na produção de notícias e fotos interessantes que destacam os resultados do Hubble para a ciência e a contribuição de cientistas europeus para o observatório. O grupo também produz versões em vídeo e outros materiais de ensino. O Telescópio Espacial Hubble já recebeu dois prêmios Space Achievement Awards da Space Foundation por suas atividades de divulgação, em 2001 e 2010.[93]

Outras imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Oberth, H. Die Rakete zu den Planetenräumen. Oldenbourg-Verlay, 1923
  2. Spitzer, Lyman (2001). Report to Project Rand: Astronomical Advantages of an Extra-Terrestrial Observatory. IN Logsdon, John M. Exploring the Unknown. NASA, Document III-1, p. 546.
  3. Baum, W. A. et alii. "Solar Ultraviolet Spectrum to 88 Kilometers". IN Physical Review. American Physical Society, nov. 1946, volume 70, nº 9-10, pp. 781–782
  4. a b OAO. NASA, acesso 26/04/2008
  5. Lyman Spitzer. Caltech, 27 mar 2008
  6. Spitzer, Lyman (1979). "History of the Space Telescope". IN Quarterly Journal of the Royal Astronomical Society, 1979, volume 20, p. 32.
  7. Spitzer (1979), pp. 33–34.
  8. a b Spitzer (1979), p. 34.
  9. Andersen, Geoff. The telescope: its history, technology, and future. Princeton University Press, 2007, p. 116
  10. "Memorandum of Understanding Between The European Space Agency and The United States National Aeronautics and Space Administration". IN Logsdon, John M. Exploring the Unknown. NASA, Cap. 3, Documento III-29, p. 671.
  11. The path to the Hubble Space Telescope. NASA, acesso 26 abr 2008
  12. Dunar, A. J. & Waring, S. P. Power To Explore—History of Marshall Space Flight Center 1960–1990. U.S. Government Printing Office, 1999. pp. 487–489.
  13. Hubble Space Telescope Systems. Goddard Space Flight Center, acesso 26 abr 2008
  14. Ghitelman, David. The Space Telescope. Michael Friedman Publishing, New York, 1987, p. 50
  15. Dunar & Waring, p. 508.
  16. a b Waldrop, M. M. "Hubble: The Case of the Single-Point Failure". IN Science, 17 ago 1990, 249(4970):735-6
  17. Dunar & Waring, p. 489.
  18. Allen, Lew. "The Hubble Space Telescope Optical Systems Failure Report". NASA Technical Report. NASA-TM-103443, 1990, pp. 3–4.
  19. Dunar, p. 496
  20. Robberto, M. et alii. The Performance of HST as an Infrared Telescope. Space Telescope Science Institut / LMTO Thermal Systems, volume 4013, 2000.
  21. Ghitelman, David. The Space Telescope. Michael Friedman Publishing, New York, 1987, p.32
  22. Dunar & Waring, p. 504.
  23. Wilford, John. "Telescope Is Set to Peer at Space and Time". IN New York Times, 9 abr 1990
  24. STS-31. NASA, acesso 26 abr 2008
  25. Frequently Asked Questions. Hubble Space Telescope, acesso 1 out 2007
  26. a b Hall, Donald N.B., ed.The Space Telescope Observatory. NASA, CP-2244, 1982
  27. Brandt, J.C. et alii. "The Goddard High Resolution Spectrograph: Instrument, goals, and science results". IN Publications of the Astronomical Society of the Pacific", 1994, volume 106, pp. 890–908
  28. Bless R.C., Walter L.E., White R.L. (1992), High Speed Photometer Instrument Handbook, v 3.0, STSci
  29. Benedict, G. Fritz & McArthur, Barbara E. "High-precision stellar parallaxes from Hubble Space Telescope fine guidance sensors". IN Kurtz, D.W. (ed.) Proceedings of IAU Colloquium #196 - Transits of Venus: New Views of the Solar System and Galaxy. Cambridge University Press, 2005, pp. 333–346
  30. Burrows, C.J. et alii. "The imaging performance of the Hubble Space Telescope". IN Astrophysical Journal, 1991, part 2. p. L21, |series 369
  31. a b Servicing Mission 1. NASA, acesso 26 abr 2008
  32. a b Tatarewicz, p. 375.
  33. The Naked Gun 2½: The Smell of Fear. Internet Movie Database, 26 abr 2008
  34. Dunar & Waring, pp. 514–515.
  35. Jedrzejewski, R.I. et alii. "In-orbit performance of the COSTAR-corrected Faint Object Camera". IN Astrophysical Journal Letters, volume 435, 1994, pp. L7–L10
  36. Tatarewicz, p. 376
  37. a b c Corrective Optics Space Telescope Axial Replacement. STSci
  38. Tatarewicz, pp. 384–387.
  39. Trauger J.T. et alii. "The on-orbit performance of WFPC2". IN Astrophysical Journal Letters, volume 435, 1994, pp. L3–L6
  40. Servicing Mission 2. NASA, 26 abr 2008
  41. a b NICMOS Temperature History. STSI, 25 abr 2008
  42. Servicing Mission 3A Overview. NASA, acesso 26 abr 2008
  43. Lockheed Martin Missiles and Space. Hubble Space Telescope Servicing Mission 3A Media Reference Guide. NASA, acesso 27 abr 2008, pp. 5-9
  44. Servicing Mission 3. NASA, acesso 26 abr 2008
  45. Hubble Space Telescope Servicing Mission 4. NASA, 29 Set 2008.
  46. Media Advisory: M08-181: NASA Announces New Target Launch Dates, Status News Conference. NASA, acess0 26 abr 2008
  47. "Hubble suddenly quiet". IN Science News, 29 set 2008.
  48. Dunn, Marcia. NASA delays repair mission to Hubble telescope. Yahoo news, September 29, 2008.
  49. Hubble Space Telescope Servicing Mission 4. NASA, accsso 12 mai 2009
  50. Morris, Jefferson. "Shuttle Blasts Off To Repair Hubble". IN Aviation Week, 11 de maio de 2009.
  51. Hubble Nickel Hydrogen Batteries. NASA, 20 mai 2009
  52. Sen. Mikulski Unveils First Images from Rejuvenated Hubble. NASA, 9 set 2009
  53. Servicing Mission 4. NASA, acesso 21 set 2008
  54. Soft Capture and Rendezvous System. NASA, 20 de maio de 2009
  55. Space Telescope Science Institute - AURA
  56. Dunar & Waring, pp. 486–487.
  57. Roman, Nancy Grace. "Exploring the Universe: Space-Based Astronomy and Astrophysics". IN Logsdon, John M. op. cit. p. 536.
  58. STScI. Hubble Space Telescope Primer for Cycle 17, Cap. 2.
  59. Diane Karakla, Susan Rose. HST Primer for Cycle 14, STScI, 2004.
  60. Hubble Space Telescope Servicing Mission 4. Space Telescope Operations Control Center, NASA
  61. The Hubble Program: Hubble Operations — Capturing Images. NASA, acesso 8 jul 2008
  62. STScI, Section 7.2
  63. Primer, Chapter 7.
  64. The Hubble Heritage Project. STScI, acesso 26 abr 2008
  65. STScI, Section 7.2.1
  66. STScI, Section 7.1.1
  67. Freedman, W. L. et alii. ["Final Results from the Hubble Space Telescope Key Project to Measure the Hubble Constant"]. IN Astrophysical Journal, volume 553, nº1. pp. 47–72
  68. Supernova Cosmology Project. Lawrence Berkeley Laboratory, 2008
  69. "Does Dark Energy Exist?". IN Scientific American, 16-06-2009
  70. Seife, Charles. "Dark Energy Tiptoes Toward the Spotlight" IN Science, 20 jun 2003, vol. 300, nº 5627. pp. 1896–1897
  71. Hubble Confirms Existence of Massive Black Hole at Heart of Active Galaxy. Goddard Space Flight Center, NASA, 25 mai 1994
  72. Gebhardt, K. ey alii. ["A Relationship between Nuclear Black Hole Mass and Galaxy Velocity Dispersion"]. IN Astrophysical Journal, 2000, volume 539, pp. L13–L16
  73. Ho, Luis C. et alii. "A Fundamental Relationship between Supermassive Black Holes and their Host Galaxies". IN The Astrophysical Journal, 2000, volume 539, nº1, pp. L9–L12
  74. Hubble Confirms Abundance of Protoplanetary Disks around Newborn Stars. STScI, 13 jun 1994
  75. Hubble Finds Extrasolar Planets Far Across Galaxy. NASA, 4 out 2006
  76. Autopsy of an Explosion. NASA, 26 mar 1999
  77. APOD: March 11, 1996 – Hubble Telescope Maps Pluto. NASA, 26 abr 2008
  78. Astronomers Measure Mass of Largest Dwarf Planet. NASA, 14 jun 2007
  79. "How they wonder what you are". IN Nature News, 19 Set 2008
  80. Gänsicke et al. "SCP06F6: A carbon-rich extragalactic transient at redshift z~0.14". Preprint, 2008.
  81. HST Publication Statistics. STScI, 9 set 2009-09-09
  82. STSCi newsletter, v. 20, issue 2, Spring 2003
  83. Benn, C.R. & Sánchez, S.F. "Scientific Impact of Large Telescopes". IN Publications of the Astronomical Society of the Pacific, 2001, volume 113, nº 781, p. 385
  84. Haniff, C. A. et alii. "The first images from optical aperture synthesis". IN Nature, ago 1987, volume 328, nº 6132, p. 694
  85. Buscher, D. F. et alii. "Detection of a bright feature on the surface of Betelgeuse". IN Monthly Notices. Royal Astronomical Society, volume 245, jul 1990, p. 7
  86. National Aeronautics and Space Administration 2003 Strategic Plan. NASA, 2003
  87. The Hubble Heritage Project. STScI, 2008
  88. HubbleSite - STScI
  89. NewsCenter - STScI
  90. News Release Archive: Entire Collection. STScI, 2008
  91. Hubble Public Talks. STScI, 2008
  92. The European Homepage For The NASA/ESA Hubble Space Telescope
  93. "Historic Hubble Space Telescope Repair Mission Team Honored by the Space Foundation with 2010 Space Achievement Award". IN 26th National Space Symposium, 29 mar 2010

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Telescópio espacial Hubble