Hughes Aircraft

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hughes Aircraft
HughesAircraftCo.png
Indústria Indústria aeroespacial e Defesa
Destino Adquirida pela Raytheon e Boeing
Fundação 1932
Fundador(es) Howard Hughes
Encerramento 1997
Sede Culver City, California - Estados Unidos

Hughes Aircraft Company foi uma empresa aeroespacial de defesa estadunidense fundada em 1932 por Howard Hughes, em Culver City, como uma divisão da Hughes Tool Company. A empresa foi conhecida por produzir, entre outros produtos, a aeronave Hughes H-4 Hercules "Spruce Goose", a sonda de entrada na atmosfera utilizada pela sonda espacial Galileo, e o míssil guiado AIM-4 Falcon.[1]

Foi adquirida pela General Motors do Howard Hughes Medical Institute, em 1985. Hughes Aircraft foi colocada sob a direção da Hughes Electronics, agora conhecida como DirecTV, até que a GM vendeu seus ativos para a Raytheon, em 1997. [2]

História[editar | editar código-fonte]

Logo da Hughes Aircraft, adotado depois da morte de seu fundador
Hughes H-1 Racer
sonda Galileo sendo lançada.
O topógrafo lunar "Surveyor 1" da NASA construído pela Hughes.
A Hughes desenvolveu o AIM-120 AMRAAM, um dos mísseis mais avançados do mundo (ar-ar).

Durante a Segunda Guerra Mundial a empresa projetou e construiu vários protótipos de aeronaves no Aeroporto Hughes. Incluindo nestes, o famoso Hughes H-4 Hercules mais conhecido pelo nome público "Spruce Goose", o H-1 Racer, D-2 e o XF-11.[3] No entanto os hangares da empresa no aeroporto, local da atual Playa Vista no lado oeste de Los Angeles, foram utilizados principalmente como uma filial para a construção de projetos de outras empresas. No início da guerra, a Hughes Aircraft tinha apenas quatro funcionários a tempo integral, no final, o número foi de 80.000. [1]


Pós-Guerra[editar | editar código-fonte]

Hughes Aircraft foi uma das muitas empresas de defesa aeroespacial que cresceu no sul da Califórnia durante e após a Segunda Guerra Mundial e ao mesmo tempo foi a maior empregadora na área.

No verão de 1947, alguns políticos ficaram preocupados com a alegada má gestão do Hughes no H-4 Hercules e o XF-11 avião de reconhecimento. Eles formaram uma comissão especial para investigar Hughes, que culminou com uma conhecida investigação do Senado, uma das primeiras a ser televisionada ao público. Apesar de um relatório do comitê altamente crítico, Hughes foi absolvido.

Em 1948, Hughes criou uma nova divisão da empresa, a Aerospace Group (Grupo Aeroespacial). Dois engenheiros da Hughes, Simon Ramo e Dean Wooldridge, tinham ideias novas no posicionamento dos eletrônicos para tornar os sistemas de disparos mais completos. O sistema MA-1 deles combinam sinais de radar da aeronave com um computador analógico para guiar automaticamente a aeronave interceptadora até a posição adequada para disparar mísseis. Ao mesmo tempo, outras equipes estavam trabalhando com a recém-formada Força Aérea dos EUA em mísseis ar-ar, entregando o AIM-4 Falcon, até então conhecido como o F-98. O pacote MA-1/Falcon, com várias atualizações, foi a principal arma interceptadora dos EUA por muitos anos, e durou até a década de 1980. Ramo e Wooldridge, não tendo conseguido chegar a um acordo com Howard Hughes sobre problemas de gestão, renunciaram em setembro de 1953. Eles fundaram a Corporação Ramo-Wooldridge, mais tarde, juntaram a Thompson Products para formar a Thompson-Ramo-Wooldridge Corporation com base em Canoga Park e Hughes alocando espaço para programas de pesquisa nuclear (atual West Hills (Canoga Park)) [4] . A empresa se tornou TRW em 1965, outra empresa aeroespacial e um grande concorrente para Hughes Aircraft.

Howard Hughes doou a Hughes Aircraft para o recém-formado Howard Hughes Medical Institute (Instituto Médico Howard Hughes) em 1953, supostamente como uma forma de evitar os impostos aplicados sobre sua enorme renda.[5] No ano seguinte, L.A. "Pat" Hyland foi contratado como vice-presidente e gerente geral da Hughes Aircraft, ele acabaria por se tornar presidente e CEO da empresa após a morte de Howard em 1976.

Sob a orientação de Hyland, o Aerospace Group (Grupo Aeroespacial) continuou a diversificar e tornar-se muito rentável, e tornou-se o foco principal da empresa. A empresa desenvolveu sistemas de radar, sistemas eletro-ópticos, o primeiro laser funcional, sistemas de computador de aviões, sistemas de mísseis, Propulsor de íons (para viagem espacial), e muitas outras tecnologias avançadas. A Electronic Properties Information Center - EPIC (Centro de Informação das Propriedades Eletrônicas) dos Estados Unidos foi organizada na biblioteca de Hughes em Culver City em 1970. O EPIC publicou o Handbook of Electronic Materials (Manual de Materiais Eletrônicos) como documento público.[6]

Os ganhadores do Prêmio Nobel, Richard Feynman e Murray Gell-Mann tinham conexões com a Hughes: Feynman realizava seminários semanais no Hughes Research Laboratories (Laboratórios de Pesquisa Hughes); Gell-Mann compartilhou um escritório com Malcolm Currie, mais tarde foi Presidente do Conselho e CEO da Hughes Aircraft. Greg Jarvis e Ronald McNair, dois dos astronautas no último voo do ônibus espacial Challenger foram alunos da Hughes.

Hughes Space and Communications Company[editar | editar código-fonte]

A “Hughes Space and Communications Company” (Companhia Aeroespacial e comunicações) foi formada como uma subsidiária da Hughes Aircraft em 1961 após a fusão da “Space and Communications Group” (Grupo Aeroespacial e Comunicações) e da “Hughes Space Systems Division” (Divisão de sistemas Aeroespaciais).[1] Essa divisão construiu o primeiro satélite geoestacionário de comunicação (Syncom) em 1963 e em seguida o primeiro Satélite geoestacionário meteorológico (ATS-1) em 1966. Mais tarde nesse ano o "Surveyor 1" fez o primeiro pouso suave na Lua como parte do projeto de pousos no projeto Apollo. A Hughes também construiu o “Pioneer Venus” em 1978, que realizou o primeiro grande mapeamento por radar de Vênus, e a sonda Galileu, que voou para Júpiter em 1990.[7] Em 2000, a empresa tinha construído cerca de 40 por cento dos satélites comerciais em serviço em todo o mundo.[1]

Helicópteros da Hughes[editar | editar código-fonte]

Em 1947, Howard Hughes redirecionou os esforços da Hughes Aircraft de aviões para helicópteros. Começou em 1948, quando o fabricante de helicópteros “Kellett Aircraft Co.” vendeu seu mais recente projeto para a Hughes produzir. O XH-17 "Sky Crane" voou pela primeira vez em outubro de 1952, mas foi um fracasso comercial. Em 1955, Howard Hughes dividiu a unidade de produção de helicópteros da Hughes Aircraft Company e reconstituiu com a Hughes Tool Company chamando-a “Hughes Tool Company's Aircraft Division”. A divisão de aeronaves tinha o foco na produção de helicópteros leves, principalmente o Hughes 269/300 e o OH-6 Cayuse/Hughes 500.

Howard Hughes Medical Institute vende a Hughes Aircraft Company[editar | editar código-fonte]

Hughes não deixou testamento e depois de sua morte, em 1976, havia vários pedidos para a sua propriedade. Um executivo e um advogado da Hughes alegaram que tinham o direito de criar um comitê executivo para tomar as rédeas do HHMI e sua subsidiária, a Hughes Aircraft. O procurador-geral de Delaware, Richard R. Wier, questionou esta decisão e entrou com uma ação em 1978. Charles M. Oberly continuou a ação quando ele se tornou procurador-geral em 1983. Oberly afirmou que desejava ver um conselho independente de curadores para garantir que o instituto cumprira a sua missão de caridade e que não continuará a operar como um abrigo de impostos.[8]

Em janeiro de 1984 o juiz Grover C. Brown decidiu que o tribunal deve nomear os administradores porque Hughes não tinha deixado um plano de sucessão. Brown pediu ao comitê executivo e ao gabinete do procurador-geral para apresentar uma lista de recomendações que ele poderia aprovar. Brown aprovou uma lista em abril de 1984.[8] Em janeiro de 1985 o novo conselho de administração do HHMI anunciou que iria vender a Hughes Aircraft, através da venda privada ou oferta pública de ações.[9]

Hughes Electronics Corporation[editar | editar código-fonte]

Logotipo da Hughes adotado depois de seu novo dono, General Motors
Display de um impulsionador de satélite da Hughes dentro do Space Shuttle (semelhante ao carregado em STS-49)

Em 5 de junho de 1985 a General Motors foi anunciada como a vencedora de um leilão secreto de cinco meses com outros licitantes, incluído Ford Motor Company e Boeing.[10] A compra foi concluída em 20 de dezembro de 1985, por cerca de US $ 5,2 bilhões, US $ 2,7 bilhões em dinheiro e o restante em 50 milhões de ações da GM de classe H. [11]

Em 31 de dezembro de 1985, a General Motors fundiu a Hughes Aircraft com sua Delco Electronics para formar a Hughes Electronics Corporation, uma subsidiária independente. O grupo, então, consistiu em: Delco Electronics Corporation, a Hughes Aircraft Company e a Hughes Space and Communications Company.

Em agosto de 1992, a Hughes Aircraft completou a aquisição dos negócios de mísseis da General Dynamics por US $ 450 milhões.[12] Isto trouxe o BGM-109 Tomahawk, AGM-129 ACM, Standard missile, FIM-92 Stinger, o sistema de armas Phalanx CIWS e o RIM-116 Rolling Airframe Missile para a carteira da Hughes.

Em 1994, a Hughes Electronics introduziu a DirecTV, o primeiro serviço DTH de alta potência. Em 1995, a Hughes Space and Communications tornou-se o maior fornecedor de satélites comerciais. Também em 1995, o grupo comprou a Magnavox Electronic Systems do Carlyle Group. Em 1996, a Hughes Electronics e a PanAmSat fundiram seus serviços fixos de satélite em uma nova empresa de capital aberto, também chamada de PanAmSat com a Hughes Electronics como acionista majoritária.

Em 1995, a Hughes Aircraft vendeu sua Technology Products Division (Divisão de produtos tecnológicos) para um grupo de investidores liderado pela Citicorp e incorporou a divisão como Palomar Technologies. Em 2008, a Citicorp vendeu a divisão para a atual equipe de gestão na Palomar Technologies.[13]

Em 1997, a GM transferiu a Delco Electronics para o seu negócio Delphi Automotive Systems. Mais tarde naquele ano, os ativos da Hughes Aircraft foram vendidos a Raytheon por US $ 9,5 bilhões.[14] As demais empresas permaneceram sob o nome de Hughes Electronics e dentro da GM.

Em 2000, a Boeing comprou três unidades da Hughes Electronics Corp: Hughes Space and Communications Co, Hughes Electron Dynamics, e a Spectrolab Inc, além do proveito da Hughes Electronics no HRL, principal laboratório de pesquisa da empresa. As quatro se juntaram a Boeing Satellite Systems, uma subsidiária da empresa, tornando-se posteriormente a Satellite Development Center, parte da Boeing Integrated Defense Systems. [15]

Em 2003, as partes restantes da Hughes Electronics: DirecTV, DirecTV Latin America, PanAmSat e Hughes Network Systems foram compradas da GM pela NewsCorp e renomeadas The DirecTV Group.

Legado Corporativo[editar | editar código-fonte]

A ampla gama de ciência e tecnologia desenvolvida pela Hughes Aircraft nunca incluiu aplicações na medicina porque a empresa era de propriedade do Howard Hughes Medical Institute. Esta restrição foi imposta para evitar até mesmo a aparência de um conflito de interesses. [16]

No entanto, o dinheiro fornecido para HHMI pela Hughes Aircraft levou a grandes melhorias para a área médica da genética, pesquisa de câncer, a formação de médicos que prestam cuidados a milhões de pessoas. É importante notar que Hughes desenvolveu a cama médica moderna como um resultado direto de sua internação hospitalar.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

  • 1932: Howard Hughes fundou a Hughes Aircraft Company como uma divisão da Hughes Tool Company.
  • 1948: Howard Hughes formou o Aerospace Group dentro da empresa, dividido em:
    • Hughes Space and Comminications Group.
    • Hughes Space Systems Division.
  • 1953: O Howard Hughes Medical Institute (HHMI) foi formado, e a Hughes Aircraft reformada como uma subsidiária da fundação. A Receita Federal, sem sucesso, desafiou o seu estatuto "caridoso" que o tornou isentos de impostos.
  • 1955: Hughes formou a Helicopter Division e a Aircraft Division.
  • 1960: O primeiro laser é produzido no Hughes Research Laboratories, por Theodore Maiman.
  • 1961: Hughes Space and Communications Company foi formada, reunindo a Hughes Space and Communications Group e a Hughes Space Systems Division, o Hughes Research Laboratories completou sua mudança para Malibu.
  • 1972: Hughes vendeu a Hughes Tool Company. Seus ativos restantes foram transferidos para a Corporação Summa. Isto incluiu a Toolco Aircraft, as propriedades de Hughes e outras empresas.
  • 1976: Toolco Aircraft se tornou a Hughes Helicopters.
  • 1976: Howard Hughes morre aos 70 anos de idade, sem deixar testamento.
  • 1984: A Summa vendeu Hughes Helicopters a McDonnell Douglas por US $ 500 milhões; logo foi rebatizado McDonnell Douglas Helicopters.
  • 1984: O Tribunal de Delaware nomeia oito curadores para o Instituto Médico Howard Hughes, eles decidem vender a Hughes Aircraft.
  • 1985: O HHMI vendeu a Hughes Aircraft para a General Motors, por US $ 5,2 bilhões. Esta foi fundida com Delco Electronics da GM para formar a Hughes Electronics. Este grupo consistia em:
    • Delco Electronics Corporation
    • Hughes Aircraft Company
    • Hughes Space and Communications Company
    • Hughes Network Systems
    • DirecTV
  • 1987: Hughes Aircraft Company adquire a M/A-COM Telecommunications, para formar Hughes Network Systems.
  • 1994: Hughes Electronics apresenta a DirecTV.
  • 1995: Hughes Space and Communications Company tornou-se a maior fornecedora mundial de satélites comerciais.
  • 1995: Hughes Electronics adquire Magnavox Electronic Systems do Grupo Carlyle.
  • 1996: Hughes Electronics e PanAmSat entraram em acordo para fundir seus serviços fixos via satélite em uma nova empresa de capital aberto, também chamado de PanAmSat com Hughes Electronics como acionista majoritária.
  • 1997: GM transfere a Delco Electronics da Hughes Electronics para sua Delphi Automotive Systems. Delphi se tornou independente em 1999.
  • 1997: As operações de defesa e indústria aeroespacial da Hughes Electronics (Hughes Aircraft) são mescladas com a Raytheon, que também adquiriu metade da Hughes Research Laboratories.
  • 2000: Hughes Space and Communications Company permaneceu independente até 2000, quando foi comprada pela Boeing e tornou-se a Boeing Satellite Development Center. Boeing comprou um terço do HRL, LLC, que foi então co-propriedade da Boeing, GM e Raytheon.
  • 2003: As partes restantes da Hughes Electronics: DirecTV, DirecTV Latin America, PanAmSat e Hughes Network Systems foram comprados pela NewsCorp e renomeado para The DirecTV Group.
  • 2004: O diretor Martin Scorsese usa o espaço da Hughes Aircraft em Playa Vista para filmar as seqüências de captura de movimento no filme O Aviador.
  • 2006: SkyTerra Communications Inc completou a aquisição da participação de 100% de controle na Hughes Network Systems do grupo DirecTV.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d Judy Rumerman. The Hughes Companies [ligação inativa] (HTML) (em inglês) U.S. Centennial of Flight Commission. Visitado em 06/12/2006.
  2. Britannica. Hughes Electronics Corporation (HTML) (em inglês). Visitado em 28/11/2012.
  3. Aerofiles. American Airplanes (HTML) (em inglês). Visitado em 28/11/2012.
  4. Rocketdyne Archives. West Hills (HTML) (em inglês). Visitado em 28/11/2012.
  5. Ron Winslow (22/09/2006). Science Journal: Virginia lab putting big money into pure research (HTML) (em inglês) The Wall Street Journal. Visitado em 28/11/2012.
  6. M. Neuberger (1972). Handbook of Electronic Materials (em inglês) Hughes Aircraft Company. Visitado em 28/11/2012.
  7. Boeing Company. Galileo Probe (HTML) (em inglês). Visitado em 28/11/2012.
  8. a b Ted Griffith (12/02/2005). "Delaware Shaped Legacy of "Aviator"" (inglês). Wilmington News Journal.
  9. Gillot Roger (10/01/1985). Medical Institute to Sell Hughes Aircraft (HTML) (em inglês) The Associated Press. Visitado em 29/11/2012.
  10. Mark Potts (06/06/1985). "GM to Buy Hughes Aircraft; Offer Provides Windfall for Medical Institute" (inglês). The Washington Post.
  11. Reuters (23/12/1985). G.M. Purchase Of Hughes (HTML) (em inglês) The New York Times. Visitado em 29/11/2012.
  12. Flight International (02/09/1992). "Missile completion" (inglês). Reed Business Information Ltd..
  13. Palomar Technologies Achieves Management Buy-out (HTML) (em inglês) Photonics (Julho 2008). Visitado em 29/11/2012.
  14. Andy Chuter (07/01/1998). "Raytheon Completes Hughes Merger" (inglês). Reed Business Information Ltd..
  15. The Boeing Company. Hughes Companies... Joining the Boeing Family (HTML) (em inglês). Visitado em 29/11/2012.
  16. HughesNews (the company's weekly newspaper)

Notas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.