Humberto Pasquale

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Maio de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Humberto Pasquale foi um sacerdote salesiano, escritor. Nasceu em 1906, em Vignole Borbera, Itália, e faleceu em Rivoli, Turim, em 5 de Março de 1985.

No início da década de 1930, veio para Portugal. Entrou em contacto com a Beata Alexandrina em 1944 e dirigiu-a durante quatro anos, após os quais regressou à Itália. Entre 1967 e 1973, voltou a Portugal para organizar o Processo de Beatificação e Canonização.

Ele é hoje conhecido principalmente pelas obras que escreveu sobre a Beata Alexandrina e que são ou de carácter biográfico, ou estudos temáticos, ou antologias. Todas elas foram escritas originalmente em italiano. Nos casos de antologia, colocou a Beata Alexandrina como autora. Os escritos do Pe. Humberto levaram outros escritores a tratar o tema da Alexandrina, como foi o caso do irlandês Francis Johnston, com Alexandrina, the Agony and the Glory, e A. Rebesco, com a Extática, traduzida depois para tailandês e chinês.

O excerto seguinte contém uma das mais entusiastas apreciações que o Pe. Humberto alguma vez fez da sua antiga dirigida:

No entanto, se realmente quer que eu sintetize, numa só palavra, aquilo que nela era mais convincente e a fazia aparecer aos nossos olhos como alma extraordinária, dir-lhe-ei que era a sua bondade. Ela era «a bondade em pessoa». Era esta bondade que imediatamente nos levava a pensar em Deus e dava à Alexandrina a auréola de «alma extraordinária».

Mas Humberto Pasquale publicou muito mais, quer no período que passou em Portugal quer no que depois viveu na Itália. Do seu afã editorial, haveriam de nascer as Edições Salesianas [1]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Obras sobre a Beata Alexandrina[editar | editar código-fonte]

  • Venerável Alexandrina, trad. de Ismael Matos, 6ª ed., Ed. Salesianas, 1998[1]
  • Sob o céu de Balasar, Ed. Salesianas, Porto, 1983[2] [3]
  • Eis a Alexandrina, trad. de H. C., edição da Postulação da Causa, Balasar, 1967
  • Alexandrina... un Serafino d’Amore, Centro Catechistico Salesiano, Leuman (TO), 1978
  • A Paixão de Jesus em Alexandrina Maria da Costa, uma mística do nosso tempo, Ed. Salesianas, Porto, 1979 (esta obra está já traduzida para japonês)
  • Fátima e Balasar, duas terras irmãs, Cavaleiro da Imaculada, 3ª ed., Porto
  • Mensageira de Jesus para a consagração do mundo ao Coração Imaculado de Maria, trad. do Pe. Heitor Calovi, Cavaleiro da Imaculada, Porto, 1980

Antologias[editar | editar código-fonte]

  • COSTA, Alexandrina Maria da, Tu sei amore che tutto vince, ELLE DI CI, Turim, 1965
  • COSTA, Alexandrina Maria da, Tu sei dolore che dà la vita, ELLE DI CI, Turim, 1965
  • COSTA, Alexandrina Maria da, A Paixão de Jesus em Alexandrina Maria da Costa, uma mística do nosso tempo, Ed. Salesianas, Porto, 1979 (a edição original é italiana) [4]
  • COSTA, Alexandrina Maria da, Cristo Gesù in Alexandrina (autobiografia), Turim, 1973. Edição extracomercial (838 páginas) [5]

Outras publicações[editar | editar código-fonte]

Em português
  • Que Mãe! A Mãe de S. João Bosco, Edições Salesianas, 2ª ed., Porto
  • Asas brancas, Edições Salesianas, 3ª ed., Porto
  • Onde não há Padres, Edições Salesianas, 5ª ed., 1963, Porto
  • Nas linhas de fogo, Edições Salesianas, 2ª ed., Porto;
  • Vítima duma calúnia, Edições Salesianas, Porto.

Nos livros publicados em Portugal usa por vezes o pseudónimo Salesianus.

Em italiano
  • Da Fatima un Messaggio di Salvezza; Francesco il Pastorello di Fatima; Giacinta la Pastorella di Fatima; La Madonna a Suor Lucia, etc.

Estas quatro obras foram editadas pelas Oblate Cuore Immacolato de Maria, em Settimo Torinese. Humberto Pasquale correspondeu-se assiduamente com a Irmã Lúcia, de quem recebeu 166 cartas.

Autobiografia[editar | editar código-fonte]

Ultimamente (2006) foi publicada a sua autobiografia, com o titulo de Il Monello di Dio. Don Umberto Maria Pasquale, organizada por Maria Rita Scrimieri (Elledici, Leumann-Turim, Itália).

Notas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.