Hunter S. Thompson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Hunter S. Thompson
Hunter S. Thompson na Miami Book Fair International, em 1988
Nascimento 18 de julho de 1937
Morte 20 de fevereiro de 2005 (67 anos)

Hunter Stockton Thompson (Louisville, Kentucky, 18 de julho de 1937Aspen, Colorado, 20 de fevereiro de 2005) foi um jornalista e escritor norte-americano. Conhecido pelo seu estilo de escrita extravagante, aperfeiçoado em seu livro mais famoso, Medo e Delírio em Las Vegas (Conrad, 2007, L&PM POCKET, 2010), Thompson foi um criador de um estilo denominado Jornalismo Gonzo. Esse estilo se caracteriza por acabar com a distinção entre autor e sujeito, ficção e não-ficção.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seus pais eram alcoólatras e seu pai morreu quando Hunter tinha 15 anos de idade. Ele foi um adolescente problemático, sendo preso por roubo em 1956. Como parte da pena, ele foi alistado na Força Aérea, onde começou a trabalhar como jornalista no jornal da base onde servia. Após ser dispensado, entrou na Universidade de Columbia, em Nova York, onde teve aulas de escrita de contos e levava um estilo de vida inspirado no Movimento Beat. Enquanto estudava, conseguiu um emprego de copiador na revista Time, de onde foi despedido por insubordinação. Depois trabalhou em um jornal do interior do estado de Nova York, e também foi despedido em pouco tempo.

Em 1960 ele se mudou para San Juan, Porto Rico, para trabalhar em uma revista de esportes chamada El Sportivo. A revista durou pouco tempo e Thompson foi viajar por vários países da América Central e da América do Sul, trabalhando como free-lancer para diversas publicações. Conseguiu um trabalho fixo como correspondente do jornal National Observer na América do Sul. De volta aos Estados Unidos, trabalhou como segurança, e escreveu dois romances, Prince Jellyfish e Rum: Diários de um jornalista bêbado (Conrad Editora, 2005), além de diversos contos, que não foram publicados.

Em 1963 ele se casou com sua namorada Sandra Dawn Conklin e teve seu único filho, Juan. Sua mulher engravidou outras cinco vezes, mas três foram abortados e dois morreram logo após o parto. Eles se divorciaram em 1980.

Em 1965 Thompson conseguiu seu primeiro grande sucesso. Estava morando em San Francisco e conheceu membros da famosa gangue de motociclistas fora-da lei Hell's Angels. O editor da publicação esquerdista The Nation pediu a Thompson para fazer uma matéria sobre o fenômeno das gangues de motociclistas, e o resultado foi o livro Hell´s Angels - Medo e Delírio Sobre Duas Rodas (Conrad Editora, 2004), lançado em 1966. Thompson havia passado um ano convivendo com membros dos Hell's Angels e o resultado foi um retrato completo, sociológico, antropológico, psicológico e político do fenômeno das gangues de motociclistas, seus problemas com a polícia, seu envolvimento com a contracultura da época e seu tratamento na grande mídia americana. O livro é considerado um clássico do New Journalism.

Durante a segunda metade dos anos 60 Thompson conviveu ativamente com a contracultura e a comunidade hippie de San Francisco e começou a utilizar uma grande variedade de drogas, como o LSD, a Mescalina, entre muitas outras. Também bebia muito e fumava tabaco, sendo sua marca registrada estar sempre com uma piteira na boca, fumando sem parar. Esse estilo de vida alucinado influenciou muito seu trabalho, levando ao desenvolvimento do Jornalismo Gonzo. Seu primeiro artigo genuinamente gonzo foi O Kentucky Derby É Decadente e Depravado, publicado em 1970 na revista Scanlan's Monthly. Escalado para cobrir a tradicional corrida de cavalos que acontece há mais de cem anos na sua cidade natal de Louisville, Thompson se afundou em um torpor alcoólico de quatro dias junto com o artista Ralph Steadman, que a partir de então ilustraria a maioria de seus artigos. Ao final da aventura, Thompson não sabia quem tinha ganho a corrida, mas produziu um artigo altamente ácido e crítico sobre a sociedade do sul dos Estados Unidos, repleto de digressões, e interferência do autor no curso dos acontecimentos, botando por terra a objetividade jornalística e a distinção entre autor e sujeito da narrativa. Nenhum jornalista tinha ido tão longe.

Thompson então foi contratado pela revista Rolling Stone, a maior porta-voz da contracultura nos Estados Unidos. Seu artigo de estréia foi sobre sua campanha para se eleger xerife da cidade de Aspen, no Colorado, famosa pelas pistas de esqui e frequentada pelos ricos e famosos. Ele concorreu pelo partido "Freak Party" e entre suas propostas estava a descriminalização do uso de drogas na cidade e a transformação de todas as ruas da cidade em ciclovias. Ele perdeu a eleição por poucos votos.

Em 1971 ele publica uma série de artigos na Rolling Stone que viria a se tornar seu livro mais famoso: Medo e Delírio em Las Vegas: Uma Jornada Selvagem ao Coração do Sonho Americano. Tratava-se de uma narrativa em primeira pessoa de seu alter ego, Raoul Duke, que viaja até a famosa cidade do jogo para cobrir uma corrida de motocross e uma convenção de promotores públicos sobre drogas, em companhia do bizarro advogado samoano Dr. Gonzo (inspirado no advogado mexicano Oscar Zeta Acosta). Antes da viagem, os dois encheram o porta malas de seu conversível vermelho com os mais diversos tipos de drogas (maconha, cocaína, LSD, éter, mescalina e muitas outras). O resultado foi uma busca esotérica do Sonho Americano, e o livro, também ilustrado por Ralph Steadman, se tornou o maior sucesso de Thompson.

No ano seguinte, ele cobriu as eleições presidenciais americanas entre o democrata George McGovern e o presidente republicano Richard Nixon. As críticas ácidas aos oponentes de McGovern, que se tornou seu amigo, dentro do Partido Democrata e principalmente ao presidente Nixon tornaram o livro Fear and Loathing on the Campaign Trail 1972 um clássico da sátira política. Thompson se tornou um dos mais ferozes críticos de Nixon, e ao escrever o seu obtuário na Rolling Stone em 1994, o descreveu como "um homem que pode apertar sua mão e o apunhalar nas costas ao mesmo tempo".

Nessa época Thompson se tornou recluso, vivendo em um sítio fortificado nas imediações de Aspen, de onde escrevia diversos artigos para jornais e revistas sobre seus temas favoritos: política, futebol americano, drogas e comportamento violento, sempre com duras críticas ao 'american way of life'. Em 1991, após uma busca em sua casa provocada pela acusação de assédio sexual por uma assistente, Thompson foi preso por porte de drogas. Seu julgamento obteve grande atenção da mídia e ele acabou sendo inocentado com a alegação de que a polícia invadiu ilegalmente sua casa.

Na década de 90 o escritor escreveu ocasionalmente para a Rolling Stone e lançou o romance The Curse of Lono. Na vírada do século, ele começou a utilizar a Internet, escrevendo uma coluna semanal sobre futebol americano para o site da emissora ESPN. Em 2003, Thompson lançou o livro Reino do Medo (Companhia das Letras, 2008), que continha duras críticas ao governo de George W. Bush.

Hunter Thompson suicidou-se com um tiro de espingarda na cabeça em 20 de fevereiro de 2005. Ele deixou um bilhete em que se mostrava deprimido e sofrendo de terríveis dores após uma cirurgia na região da bacia. Seu corpo foi cremado e as cinzas foram lançadas ao céu por um pequeno foguete, em uma cerimônia bancada pelo ator Johnny Depp, seu amigo e que interpretou o personagem Raoul Duke na versão para o cinema de Medo e Delírio em Las Vegas Fear and Loathing in Las Vegas (filme) em 1998 e Paul Kemp em O Diário de Um Jornalista Bêbado The Rum Diary (filme), lançado em 2011.

Obras publicadas em língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]