II Clemente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Papa Clemente I, em nome do qual foi escrita II Clemente.
Por Tiepolo, atualmente na Alte Pinakothek, de Munique.

A Segunda Epístola de Clemente (em grego: Κλήμεντος πρὸς Κορινθίους, Klēmentos pros Korinthious), conhecida também como II Clemente ou Clemente aos Coríntios, é um dos apócrifos do Novo Testamento. Ela nunca foi aceita no cânone do Novo Testamento, embora tenha sido amplamente circulada entre os Padres Apostólicos.

Como muitos textos do Cristianismo primitivo, II Clemente foi escrito em grego koiné, a língua franca da região.

Data[editar | editar código-fonte]

A mais antiga referência externa à existência de II Clemente é a História Eclesiástica de Eusébio de Cesareia, no início do século IV d.C.

Porém, é importante observar que se alega existir uma segunda epístola de Clemente. Porém, nós não temos conhecimento de ela ser reconhecida como a anterior, pois não conseguimos descobrir nada que indique que os antigos fizeram qualquer uso dela. E alguns homens também trouxeram recentemente outros longos e prolixos escritos alegando ser em seu nome [de Clemente], contendo diálogos de Pedro e Apion. Mas nenhuma menção foi feita destes também pelos antigos, ainda mais que estas obras não preservam o puro selo da ortodoxia apostólica.
 

Autoria[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente, acredita-se que II Clemente tenha sido uma carta à Igreja de Corinto escrita por Clemente de Roma no final do século I d.C. Porém, o historiador do século IV d.C., Eusébio de Cesareia, afirmou que Clemente "...nos deixou uma epístola reconhecida.",[2] o que significa que as dúvidas sobre a autoria desta obra não são novas. Estudiosos modernos acreditam que esta epístola seja de fato um sermão escrito por volta de 140 - 160 d.C. por um autor anônimo - que não seria nem o autor de I Clemente e nem Clemente de Roma. De qualquer maneira, ela ainda é geralmente chamada pela forma tradicional de "II Clemente".

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

A obra parece ser a transcrição de uma homilia ou um sermão que já tinha sido feito oralmente em um serviço litúrgico cristão. Como exemplo, no capítulo XIX, o leitor anuncia que ele irá ler alto a partir das Escrituras - algo que se esperaria encontrar apenas numa transcrição de um discurso. De maneira similar, enquanto uma epístola tipicamente se inicia com a identificação do remetente e do destinatário, II Clemente começa com um vocativo ("Irmãos!"), seguido imediatamente do sermão. Se este for mesmo o caso, II Clemente é o mais antigo sermão cristão sobrevivente fora do Novo Testamento.

Ao invés de tentar converter outros para o Cristianismo, II Clemente parece ser direcionado para uma audiência de cristãos que se converteram do paganismo, com referências que parecem ser à idolatria: "[Antes] nós estávamos mutilados em nossa compreensão - nós estávamos venerando pedras e pedaços de madeira, e ouro e prata e cobre - todos eles feitos por humanos."

A despeito de seu pano de fundo pagão, o leitor e a audiência em II Clemente parecem reconhecer os textos judeus (o Antigo Testamento) como Escritura - o autor cita repetidamente do Livro de Isaías e interpreta o texto[nota a]. O autor também considera as palavras de Jesus como Escritura - como em 2:4[3] , onde ele cita Jesus - "E outra escritura disse, Eu não vim para chamar os puros, mas os pecadores"numa frase muito similar com Marcos 2:17 e Mateus 9:13.

Além da literatura canônica, o autor de II Clemente parece ter tido acesso a outras obras cristãos ou à tradição oral. Algumas citações atribuídas a Jesus só se encontram aqui (4:5, por exemplo). Em II Clem 5:2-4, o autor cita uma frase de Jesus que está apenas parcialmente no Novo Testamento, de forma substancialmente mais longa que ali. No século XX, um fragmento de manuscrito foi descoberto que sugere que esta frase é uma citação do Evangelho de Pedro, muito do qual se perdeu. De maneira similar, em II Clem 12, o autor cita do Evangelho de Tomé, que estava perdido até a metade do século XX (quando foi encontrado na Biblioteca de Nag Hammadi).

Notas[editar | editar código-fonte]

[nota a] ^  Em 2 Clem 2:1,[3] o autor cita «Canta, estéril, que não deste à luz; rompe em cânticos, e clama, tu que não tiveste dores de parto; porque mais são os filhos da desolada, do que os da que tem marido, diz Jeová.» (Isaías 54:1).

Referências

  1. Eusébio de Cesareia. História Eclesiástica: The Epistle of Clement and the Writings falsely ascribed to him. (em inglês). [S.l.: s.n.]. Capítulo: 38. , vol. III.
  2. Eusébio de Cesareia. História Eclesiástica: The Epistle of Clement. (em inglês). [S.l.: s.n.]. Capítulo: 16. , vol. III.
  3. a b Texto completo de II Clemente (em inglês). EarlyChristianWritings. Página visitada em 05/02/2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com II Clemente