Instituto Nacional de Emergência Médica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de INEM)
Ir para: navegação, pesquisa

Instituto Nacional de Emergência Médica

INEMlogoimage.jpg
Organização
Natureza jurídica Instituto público
Missão Coordenação do Sistema Integrado de Emergência Médica
Dependência Governo de Portugal
Ministério da Saúde
Chefia Dr Miguel Soares de Oliveira,
Presidente do Conselho Diretivo
Documento institucional Lei Orgânica do INEM
Localização
Jurisdição territorial Flag of Portugal.svg Portugal Continental
Sede Lisboa
Histórico
Antecessores Serviço Nacional de Ambulâncias
Gabinete de Emergência Médica
Criação 3 de agosto de 1981
Sítio na internet
www.inem.pt
Ambulância SBV do INEM.
VMER do INEM.

O Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. (INEM, I. P. ou simplesmente INEM) é o organismo do Ministério da Saúde de Portugal responsável por coordenar o funcionamento, no território de Portugal Continental, de um Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM), de forma a garantir aos sinistrados ou vítimas de doença súbita a pronta e correcta prestação de cuidados de saúde.

Características[editar | editar código-fonte]

A prestação de socorros no local da ocorrência, o transporte assistido das vítimas para o hospital adequado e a articulação entre os vários intervenientes do Sistema, são as principais tarefas do INEM.

O INEM está ligado ao Número Europeu de Emergência - 112, que transfere para os CODU (Centros de Orientação de Doentes Urgentes) os pedidos de socorro referentes a situações de urgência ou emergência na área da saúde.

O funcionamento dos CODUs é assegurado ao longo das 24 horas do dia por uma equipa de profissionais qualificados (médicos e operadores) com formação específica para efectuar o atendimento, triagem, aconselhamento, selecção e envio de meios de socorro.

História[editar | editar código-fonte]

O INEM tem origem no serviço de primeiros-socorros e transporte de feridos e doentes criado, em 13 de Outubro de 1965, pelo Ministério do Interior e pelo Ministério da Saúde e Assistência. O serviço estava a cargo da Polícia de Segurança Pública (PSP), sendo activado pelo número telefónico de socorro 115, que acabou por o baptizar, informalmente. A funcionar, inicialmente em Lisboa, o serviço foi-se alargando, sucessivamente às outras grandes cidades do país.

Em 22 de Novembro de 1971, foi criado, no Ministério do Interior, o Serviço Nacional de Ambulâncias (SNA), encarregue de assegurar a orientação, a coordenação e a eficiência das actividades respeitantes à prestação de primeiros socorros a sinistrados e doentes e ao respectivo transporte. O SNA assumiu a coordenação do serviço 115. Além das suas próprias ambulâncias, que continuavam a ser operadas pela PSP, o SNA coordenava também a prestação de serviços de emergência médica, por parte de outras entidades.

Por Resolução do conselho de Ministros de 11 de março de 1980 é criado o Gabinete de Emergência Médica (GEM) com o objetivo de propôr, no prazo de oitenta dias, o projeto de órgão coordenador do Sistema Integrado de Emergência Médica, de instalar a título experimental o SIEM e de contribuir para a melhoria da prestação dos cuidados de urgência.

Na sequência do trabalho do GEM, em 1981, através do Decreto-Lei n.º 234/81 de 3 de agosto, é criado o Instituto Nacional de Emergência Médica como órgão coordenador do SIEM, absorvendo o SNA e o próprio GEM.

Organização[editar | editar código-fonte]

O INEM é um instituto público dirigido por um conselho directivo, dependente do Ministério da Saúde.

Inclui serviços centrais:

  1. Gabinetes de apoio (jurídico, qualidade e auditoria, planeamento e controlo de gestão e de comunicação e imagem);
  2. Departamento de Emergência Médica (incluindo o Centro de Informação Anti-Venenos);
  3. Departamento de Formação em emergência Médica;
  4. Departamento de Telecomunicações e Informática;
  5. Departamento de Transportes;
  6. Departamento Administrativo e Financeiro;
  7. Departamento de Recursos Humanos;

Serviços regionais:

  1. Delegação Regional do Norte (incluindo o CODU Porto);
  2. Delegação Regional da Beira (incluindo o CODU Coimbra);
  3. Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo (incluindo o CODU Lisboa);
  4. Delegação Regional do Alentejo (incluindo o CODU Évora);
  5. Delegação Regional do Algarve (incluindo o CODU Faro).

Meios de emergência médica[editar | editar código-fonte]

Para exercer a sua actividade, o INEM dispôe de meios de emergência médica, operados directamente ou - através de protocolos, acordos e contrados - por outras entidades, tais como bombeiros, Cruz Vermelha Portuguesa e hospitais. Os principais meios são:

  1. Ambulâncias SBV (Suporte Básico de Vida) - destinadas à estabilização de transporte de doentes, com capacidade de aplicação de medidas SBV e tripuladas por dois técnicos de ambulância de emergência (TAE);
  2. Ambulâncias SIV (Suporte Imediato de Vida) - com maiores capacidades que as ambulâncias SBV, destinadas a garantir cuidados de saúde diferenciados e tripuladas por um enfermeiro e um TAE;
  3. Ambulâncias para recém-nascidos - destinadas à prestação de socorro a recém-nascidos em risco e prematuros, transportando-os para os hospitais onde existam unidades de neonatologia. Tripuladas por um TAE, um enfermeiro e médico neonatologista;
  4. Ambulância de Suporte Avançado de Vida Pediátrico - é uma ambulância destinada ao transporte secundário, geralmente para Unidades de Cuidados Intensivos, de crianças criticamente doentes. É tripulada por um médico, um enfermeiro e um técnico de ambulância de emergência.
  5. VMER (Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação) - veículos de intervenção pré-hospitalar, concebidos para um transporte de uma equipa médica directamente ao local onde se encontra a vítima. Tripulados por um médico e um enfermeiro.
  6. Helicópteros de emergência médica - equipados com material de Suporte Avançado de Vida e destinados ao transporte de doentes graves entre hospitais ou entre o local da ocorrência e um hospital. Tripulados por dois pilotos, um médico e um enfermeiro. Além dos helicópteros próprios, o INEM fornece equipas médicas para os helicópteros da Autoridade Nacional de Protecção Civil;
  7. Motas de emergência médica - equipadas com material para medidas iniciais de estabelecimento da vítima, permitem chegar mais rapidamente ao local, sobretudo em meios urbanos.

Até 2004 as ambulâncias, helicópteros e outros veículos do INEM eram brancos com faixas azuis. Nesse ano, o instituto introduziu a nova cor Amarelo "Ral 1016", adoptada a nível europeu para facilitar a identificação dos veículos de emergência. A escolha pela cor RAL 1016 possui uma explicação de natureza científica: estudos realizados provaram ser o olho humano particularmente sensível à cor Amarelo "RAL 1016", permitindo uma identificação muito mais rápida deste veículo prioritário. Diversos países comunitários, membros do Comité Europeu para a Normalização já adaptaram ou estão em fase de adaptação das suas ambulâncias a esta cor, na sequência dos compromissos assumidos no âmbito daquele Comité.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]