I Am a Fugitive from a Chain Gang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
I Am a Fugitive from a Chain Gang
O fugitivo (BR)
Helen Vinson em cena do trailer do filme
 Estados Unidos
1932 • pb • 93 min 
Direção Mervyn LeRoy
Roteiro Brown Holmes
Howard J. Green
Elenco Paul Muni
Glenda Farrell
Helen Vinson
Noel Francis
Género Policial
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

I Am a fugitive from a chain gang (br. O Fugitivo) é um filme estadunidense de 1932 do gênero "Drama policial", dirigido por Mervyn LeRoy para a Warner Bros. A expressão "chain gang" (literalmente, quadrilha da corrente) é usado no filme com o significado de "trabalhos forçados", realizados por presidiários acorrentados o tempo todo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Após o término da Primeira Guerra, Allen torna-se um vagabundo sem dinheiro. Quando assiste a outro homem cometendo um furto, é condenado injustamente a dez anos de cadeia, numa prisão na Geórgia (cujo nome não é citado no filme). Lá, é dirigido aos trabalhos forçados e castigado cruelmente por guardas sádicos. Com a ajuda de outro prisioneiro, escapa e parte determinado em busca do sonho que tem de se tornar um engenheiro.

Citação[editar | editar código-fonte]

Na sequência final, Allen visita Helen numa rua escura. Ela pergunta "Can't you tell me where you're going? Will you write? Do you need any money?" ("Você não pode me que contar para onde vai? Vai me escrever? Precisa de dinheiro?) James repetidamente balança a cabeça em resposta e se vira para ir embora. Finalmente Helen diz "But you must, Jim. How do you live?" ("Como faz para viver?"). James some na escuridão e apenas se houve sua voz dizendo "I steal." ("Eu roubo"). Essa citação é uma das mais famosas do cinema americano.[1] LeRoy contou que a escuridão deveu-se a uma lâmpada queimada na hora da filmagem, mas o fato é que isso estava escrito no roteiro.[2]

A fala também pode ser vista como uma resposta a uma argumentação falaciosa da Comissão Penitenciária que, em represália as acusações de James na Imprensa sobre os maus tratos sofridos devido ao regime de trabalhos forçados, alegou que o sistema penitenciário do estado era bom pois James se tornara um cidadão respeitável após ter fugido. Mas depois da segunda fuga, ao dizer "Eu roubo", não se deixa mais qualquer dúvida ao público sobre o efeito daquele sistema na vida de James.

Referências

  1. O'Connor 25
  2. O'Connor, John E. "Introduction: Warners Finds Its Social Conscience." I Am a Fugitive From a Chain Gang. Ed. John E. O'Connor University of Wisconsin Press, 2005. p. 36.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre I Am a Fugitive from a Chain Gang