I Never Loved a Man the Way I Love You

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
I Never Loved A Man (The Way I Love You)
Álbum de estúdio de Aretha Franklin
Lançamento 10 de Março de 1967
Gravação Janeiro-Fevereiro de 1967
Gênero(s) R&B, soul
Duração 32:59
Gravadora(s) Atlantic Records, Rhino
Produção Jerry Wexler
Cronologia de Aretha Franklin
Último
Último
Take It Like You Give It
(1966)
Aretha Arrives
(1967)
Próximo
Próximo
Singles de I Never Loved Man (The Way I Love You)
  1. "I Never Loved Man (The Way I Love You)"
    Lançamento: Janeiro de 1967
  2. "Respect"
    Lançamento: Abril de 1967

I Never Loved A Man (The Way I Love You) é o décimo álbum de estúdio da cantora americana de soul e lenda da música negra Aretha Franklin. É seu primeiro álbum pela gravadora Atlantic Records e considerado pela critica seu melhor álbum e um dos álbuns mais influentes da história da música moderna. Foi certificado de ouro em 1967, atingindo o #2 lugar nas paradas da Billboard Hot 100 e o primeiros nas paradas de Black Music. Em Janeiro de 2000, foi eleito pelo The New York Times um dos 25 albuns que representam “pontos de virada e pincelagem na música popular do século 20”.[1] È comumente apontado por críticos e fãs do gênero como o melhor álbum de soul e R&B de todos os tempos.

O album produziu dois grandes hits que foram para o topo das paradas como a canção titulo I Never Loved a Man (The Way I love You) e Respect, que atingiu #1 lugar durante duas semanas.

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All Music Guide 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [2]
Robert Christgau (A)[3]
[Warr.org] 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [4]

História[editar | editar código-fonte]

Depois de seis anos gravando álbuns de jazz de pouco sucesso pela Columbia Records, Aretha assina contrato com a gravadora Atlantic e passa a trabalhar com Jerry Wexler, produtor de artistas renomados como Ray Charles e Ruth Brown. Jerry queria estrair todo o potencial soul de Aretha que havia sido esnobado em sua antiga gravadora, então a levou para os estúdios FAME em Muscle Shoals, Alabama para gravar junto aos famosos músicos do Muscle Shoals Rhythm Section. Conta a história que quando Jerry Wexler, Aretha e Ted White, seu marido, chegaram ao estúdio, os músicos estavam todos a vontade e não deram a mínima para nenhum dos três. Wexler, com raiva do desinteresse dos músicos, teria dito: “ponham os sapatos que agora chegou alguém que realmente pode cantar.” Colocaram Aretha ao piano e em poucos segundos estavam todos de queixo caído e tendando acompanhá-la na bateria e no saxofone, assim nascia “I Never Loved a Man (The Way I Love You)”, a canção título do álbum.

“I Never Loved a Man (The Way I Love You)” tão logo foi gravada e atingiu 9ª posição nas paradas da época se tornando seu primeiro grande sucesso musical. Mas o fenômeno viria apenas com a canção cover de Otis Redding, “Respect”, que se tornaria sua canção assinatura na américa. A canção não só se tornou um verdadeiro hino em prol dos direitos civis e feministas da época, como também por ser uma das melhores canções já cantadas por uma artista do sexo feminino, sendo um divisor de águas na música popular. Considerada por muitos críticos como a melhor canção/referencia à música soul, “Respect”, ocupou a 5ª posição na lista das melhores canção de todos os tempos pela revista Rolling Stone. Também aparecendo na lista das canções que moldaram o Rock and Roll. O album atingiu o segundo lugar em vendas na Billboard Hot 100. E um lugar privilegiado na história da música, lhe garantindo uma posição de “muito imitado, mas nunca igualado”.

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Lado Um

  1. "Respect" (Otis Redding) – 2:29
  2. "Drown in My Own Tears" (Henry Glover) – 4:07
  3. "I Never Loved a Man (The Way I Love You)" (Ronny Shannon) – 2:51
  4. "Soul Serenade" (Curtis Ousley, Luther Dixon) – 2:39
  5. "Don't Let Me Lose This Dream" (Aretha Franklin, Ted White) – 2:23
  6. "Baby, Baby, Baby" (A. Franklin, Carolyn Franklin) – 2:54

Lado Dois

  1. "Dr. Feelgood (Love Is a Serious Business)" (A. Franklin, White) – 3:23
  2. "Good Times" (Sam Cooke) – 2:10
  3. "Do Right Woman, Do Right Man" (Dan Penn, Chips Moman) – 3:16
  4. "Save Me" (Ousley, A. Franklin, C. Franklin) – 2:21
  5. "A Change Is Gonna Come" (Cooke) – 4:20

1995 faixas bônus da reedição

  1. "Respect" (versão estéreo)
  2. "I Never Loved a Man (The Way I Love You)" (versão estéreo)
  3. "Do Right Woman, Do Right Man" (versão estéreo)

Honrarias[editar | editar código-fonte]

  • Em 2000, foi eleito pelo The New York Times como um dos 25 álbuns mais significativos da década de 20.
  • Em 2003, foi eleito pela revista Rolling Stone como o 83º melhor álbum de todos os tempos. [5]
  • Em 2001, foi eleito pela VH1 como o 30º melhor álbum de todos os tempos. A segundo melhor posição para uma artista feminina.
  • Em 2006, foi listado como um dos 100 álbuns de todos os tempos pela revista TIME.[6]
  • Em 2012, a Rolling Stone o elegeu como o melhor álbum feminino da história. Numa lista que continham nomes como Joni Mitchell, Patti Smith, Carole King, Janis Joplin e Etta James.[7]

Grammy Awards[editar | editar código-fonte]

Ano Vencedor Categoria
1968 "Respect" Melhor Gravação de R&B
1968 "Respect" Melhor Performance Vocal de R&B Femenina

Créditos[editar | editar código-fonte]

  • Aretha Franklin – piano, vocal
  • King Curtis – tenor saxofone
  • Carolyn Franklin – backvocal
  • The Sweet Inspirations – backvocals
  • Willie Bridges – baritone saxofone
  • Charles Chalmers – tenor saxofone
  • Gene Chrisman – bateria
  • Tommy Cogbill – baixo
  • Jimmy Johnson – guitarra
  • Melvin Lastie – trompete, corneta
  • Chips Moman – guitarra
  • Dewey Oldham – teclado

Referências

  1. Jon Pareles, Neil Strauss, Ben Ratliff and Ann Powers. "Critics' Choices; Albums as Mileposts In a Musical Century", January 3, 2000. Página visitada em Maio, 19, 2013.
  2. I Never Loved a Man the Way I Love You (em inglês) no Allmusic
  3. Robertchristgau.com
  4. Warr.org
  5. [1]. Visitado em 19/05/2013.
  6. [2]. Visitado em 19/05/2013.
  7. [3]. Visitado em 19/05/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]