Iaçu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Iaçu
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 14 de agosto de 1958
Gentílico iaçuense
Lema Povo Unido,Governo Forte
Prefeito(a) Nixon Duarte (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Iaçu
Localização de Iaçu na Bahia
Iaçu está localizado em: Brasil
Iaçu
Localização de Iaçu no Brasil
12° 46' 01" S 40° 12' 43" O12° 46' 01" S 40° 12' 43" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro Norte Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Itaberaba IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes N-Itaberaba,Rafael Jambeiro,S-Milagres,Nota Itarana,Marcionilio Souza e Planaltino,L-Itatim,O-Boa Vista Do Tupim.
Distância até a capital 279 km
Características geográficas
Área 2 442,840 km² [2]
População 88 000 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 36,02 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,574 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 88 960,436 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 108,77 IBGE/2008[5]
Página oficial

Iaçu é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2013 era de 88.000 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A Colonização Portuguesa no Brasil foi feita subindo os rios, onde os Donatários de Capitanias e Governadores Gerais, por ordem do Governo da Metrópole, concediam Sesmarias, a fim de povoar o País. Foi o Paraguaçu o rio que primeiro atraiu o movimento de Colonização. A história de Iaçu, que em Tupy-guarany significa Água Grande, teve início por volta de 1674. O capitão-mor Estevão Baião Parente recebe as terras da Coroa Portuguesa como pagamento pelos serviços prestados à Coroa Portuguesa.

Alguns anos depois morreu o capitão Estevão, deixando como herdeiro das terras o seu filho Capitão João Amaro Maciel Parente, em 1698 o Capitão João Amaro chega para assumir a herança deixada pelo pai. A expedição que veio tomar posse das terras cruzando o Rio São Francisco, sofreu muitas perdas por causa de doenças como a peste bubônica. Em 1707 as terras são vendidas pela primeira vez. Após várias sucessões de herdeiros. Em 1735 foi feita a primeira arrematação por Thomas de Paiva Rollas, morre em 1743 Thomás de Paiva Rollas deixando como herdeiro seu sobrinho que vende a Manoel Frutoso em 1745. Em 1797 O Patrimônio é arrematado pelo Coronel João Barbosa Madureira, deixando como herdeiro o Desembargador José Pereira Lopes Silva e Carvalho que vem a morrer em 1820, deixando tudo para sua genitora, as terras são vendidas ao senhor Caetano Gonçalves de Oliveira, que devolve as terras a mãe do desembargador José Pereira Lopes Silva e Carvalho por falta de pagamento, em 1831 os Irmãos Januário compram as terras e por serem menores foram representados pelo padre Antonio Anselmo da Costa. Após a morte da ultima irmã Januário, herdou o patrimônio, sua sobrinha e filha de criação Norberta Sodré Rodrigues de Magalhães, casada com o professor José Caetano de Magalhães em 1906.

Sitio Novo, antigo nome de Iaçu, foi administrado pela cidade de Cachoeira por 44 anos, por Curralinho hoje cidade de Castro Alves por Monte Cruzeiro por 16 anos e pela cidade de Santa Terezinha por 31 anos a sede do distrito era João Amaro e seu primeiro cartório foi fundado em João Amaro em 1889, onde o primeiro registrado foi o Sr. Gratuliano Vaz Sampaio, pai do Ex-Prefeito José Carlos Vaz Sampaio.

Em 1882 surgiu o povoado com a chegada dos trilhos da estrada de ferro, o local era uma fazenda de gado da família Moura Medrado, sendo seu patriarca o Coronel Manoel Justiniano de Moura Medrado se chama Fazenda Sitio Novo. O vilarejo foi crescendo ao redor da Estação Ferroviária, com a estrada de ferro veio o progresso e com ele os primeiros moradores, empregados da ferrovia. Atraídos pela água abundante do Rio Paraguaçu e pelo transporte fácil, outras pessoas começaram a fixar residência e abrir comércio. Foi assim que de Sitio Novo o povoado passou a chamar-se Paraguaçu, pela resolução municipal nº 03 de 19 de abril de 1922, do município de Santa Terezinha ao qual pertencia o povoado, e aprovada pela Lei Estadual nº1569 de 3 de agosto de 1922.

No inicio da criação do povoado, era grande o movimento de tropeiro que para aqui vinham, trazendo mercadorias para embarcar no trem e levar de volta para as suas cidades outras mercadorias trazidas por eles estes tropeiros vinham de jacobina, Mundo Novo, Ipirá, antigo Camisão, Rui Barbosa, antigo Orobó, Itaberaba, antigo Rosário e outras cidades. Os tropeiros atravessavam o rio em embarcações que se chamavam ajojos, balsas e canoas, mas, para alegria de todos, no ano de 1904, no Governo de Severino Vieira, foi construída a ponte rodoviária que recebeu o nome do Governador o que facilitou sobremaneira a ligação com as cidades que situavam-se à margem esquerda do rio. E em 1923 por necessidade da ferrovia para a construção do Ramal Paraguaçu a Senhor do Bom fim, foi construída a ponte ferroviária. Como estamos a ver foi a estrada de ferro o fator principal para o desenvolvimento do povoado do Paraguaçu.

Na divisão administrativa do Brasil de 1943 e ratificada em 1944 apareceu como Iaçu, em 14 de agosto de 1958 a Lei Estadual nº1026 elevou-o à categoria de município desmembrados do município de Santa Terezinha e constituiu de 02 distritos, João Amaro fundado pelo Bandeirante João Amaro e o Distrito de Lajedo Alto. Com as seguintes divisões: ponto de partida do rio Paraguaçu, no local denominado Roncador, na fazenda Patinhos, daí rumo direto ao pontilhão da estrada de ferro no riacho do Morro Preto, divisando com Santa Terezinha, daí em linha reta ao ponto mais alto do Morro Milagres divisando com o município de Amargosa, seguindo em reta a nascente do riacho do Bomfim, junto ao extremo, da serra cajazeira, seguindo daí pelo divisor de água dessa serra ainda divisando com o Município de Brejões até o ribeirão salgado no morro do mesmo nome, daí em rumo direto ao marco da estrada velha da Fazenda Formosa divisando com o Município de Planaltino, seguindo a margem do Riacho da Palma pelo qual desce divisando com o Município de Marcionilio Souza até encontrar com margem do Rio Paraguaçu, seguindo-se a linha pela margem esquerda em fronteira com o município de Boa Vista do Tupim incluindo as margens no trecho do distrito de João Amaro, desse o rio fazendo fronteira com o município de Itaberaba até o ponto inicial do Roncador na Fazenda Patinhos.

No alvorecer o município de Iaçu se tornou um ponto de PROSTITUIÇÃO INFANTIL, e exploração sexual,com exportação e importação de mulhere e produtos através do eixo ferroviário da leste Brasileira. Quando a estrada de ferro chegou, construíram-se grandes casas de consignação onde os consignatórios recebiam produtos de comercialização de todo o sertão e chapada diamantina, que eram transportados pelos trens de ferro para abastecer os mercados da Capital. Por esta mesma via chegavam os produtos que subiam para abastecer as vilas e cidades dos Sertões Diamantinos.

A estrada de ferro ficou estacionada em Iaçu durante muitos anos quando teve prosseguimento o trecho para o povoado de Machado Portela e após a construção da ponte ferroviária sobre o rio Paraguaçu prosseguiu para Itaberaba e cidade de Senhor do Bomfim.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A cidade fica próxima a Itaberaba (29 km, por estrada asfaltada e em bom estado), maior centro da região. Possui uma população essencialmente rural e pacata.

Fica às margens do rio Paraguaçu, onde ainda é possível a pesca, em especial de tucunarés.

Temperatura média anual: 23,9 °C, máxima 29,6 °C, mínima 20,1 °C. Seu clima é quente durante a maior parte do ano, sendo que durante o inverno, especificamente entre os meses de junho, julho e início de agosto os temperatura é agradável durante o dia e as noites são frias, chegando algumas vezes a medir 18°.

Vegetação: Caatinga arbórea densa, com palmeiras, caatinga arbórea aberta com palmeira.

Tem na produção de blocos de cerâmica e agropecuária o cerne da sua economia.

Aptidão agrícola das terras: Regular para lavouras regular restrita para pastagem natural. Regular para pastagem plantada, boa para lavoura de sequeiro com cultura da mamona, abóbora, melancia, abacaxi e irrigada. Boa para fruticulturas.Culturas irrigadas: cultura do tomate, pimentão, melancia, feijão, banana, milho, abóbora.Silvicultura: Não apresenta aptidão.

Existem pequenos empreendimentos agrários, na produção da horticultura, fruticultura, irrigada e de sequeiro, executada por mão-de-obra familiar, na produção da abóbora, melancia, feijão, milho tomate, pimentão, manga, melão, mamão, banana.

ja temos maternidade na cidade de iaçu desde os anos 80

Informações Gerais[editar | editar código-fonte]

Microrregião Homogênea: (011)

Itaberaba - Região de Planejamento: (005)

Paraguaçu - Região Administrativa: (018)

Itaberaba - Região Econômica: (007)

Paraguaçu - Lei de Criação: Lei Estadual 1026, 14 de agosto de 1958

Diário Oficial de 15 de agosto de 1958 Lei Vigente 1026,

Município de origem - Santa Terezinha

Topônimo anterior - Sítio Novo, Paraguaçu

Limites: Norte - Rafael Jambeiro e Itaberaba

Sul - Milagres, Nova Itarana, Marcionilio Souza e Planaltino.

Leste - Itatim,

Oeste - Boa Vista do Tupim

Território – área: 2452 km²;

Território – área; 2442.840 km² Corrigida pela resolução nº05 do IBGE em 10 de outubro de 2002 Distância da Capital - Salvador 271 km

Distancia da Região Administrativa - 018 Itaberaba 28 km

Latitude Sul - 12º 46’

Longitudes Oeste - 40º 13’

Altitudes - 280 metros

Situada na Zona Sul da Chapada Diamantina

Estradas de acesso - BA 046 ligando as BR 116, distância 43 km, BR 252, distância 30 km e BA 242

Rodovias vicinais: Estrada da Umbaubeira Ligando Iaçu ao município de Planaltino, distância 46 km

Estrada dos Campos Ligando Iaçu a Nova Itarana distância 42 km

Estrada dos Morros ligando Iaçu a Itatim. Distância 32 km

Ferrovia: Ferrovia Centro Atlântico ligando Iaçu a Salvador e Iaçu ao Sul do País.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 16 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

2. Fonte das últimas alterações(http://portaliacu.com.br). Página visitada em 6 de outubro de 2008.

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.