Iacyr Anderson Freitas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Fevereiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde Fevereiro de 2010).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Iacyr Anderson Freitas (Patrocínio do Muriaé, 22 de setembro de 1963) é um escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Depois de cursar os primeiros quatro anos do ensino fundamental no Grupo Escolar José Bonifácio, em sua terra natal, muda-se com a sua família para Leopoldina (MG), onde completa os quatro anos restantes no Colégio Estadual Professor Botelho Reis. No início de 1978, muda-se para Juiz de Fora, cursando os dois primeiros anos do ensino médio no Instituto Granbery da Igreja Metodista e o terceiro ano no Colégio Magister.

Em 1981, ingressa no curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Juiz de Fora, formando-se em 1985. Nesta mesma universidade, aliás, o escritor obterá o título de mestre em Letras (Teoria da Literatura), defendendo dissertação sobre a obra do poeta baiano Ruy Espinheira Filho (vide "A poesia mineira no século XX", de Assis Brasil, Rio de Janeiro: Imago, p. 266-269).

Iacyr Anderson Freitas publicou, a partir de 1982, quando veio a lume sua obra de estreia, diversos livros de poesia, ensaio literário e prosa de ficção; obtendo divulgação de sua produção literária em livros e periódicos editados nos seguintes países: Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Malta e Portugal. No estudo "Uma história da poesia brasileira" (Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2007. p. 403-404), o crítico e poeta Alexei Bueno afirma: "Dos principais poetas de sua geração, Iacyr Anderson Freitas (1963), desde a sua estreia com Verso e palavra, de 1982, vem construindo com notável coerência uma obra poética que se traduz por uma tentativa de compreensão em profundidade do mundo, característica comum a quase toda grande poesia. Passando do verso livre às formas fixas como o soneto, a sua poesia transmite a percepção aguda do efêmero e do imponderável sobre o qual se constroem todas as ilusões humanas" (p. 403).

Seus livros arrebataram uma quantidade considerável de premiações literárias no Brasil e no Exterior. A título de exemplificação, podemos destacar as duas vezes em que o escritor obteve o primeiro lugar no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, em 1990 e em 1993, bem como a menção especial conquistada em Cuba, no Premio Literario Casa de las Américas, em 2005, com o livro de contos Trinca dos traídos, publicado pela Nankin Editorial, em parceria com a Funalfa Edições, no ano anterior (2004).

De sua extensa obra, além do livro de contos já citado, podemos colocar em relevo os livros de poesia mais recentes: Primeiras letras (2007) e Quaradouro (2007), bem como A soleira e o século (2002), todos publicados, igualmente, pela Nankin Editorial / Funalfa Edições. Os três títulos, aliás, reúnem a obra poética completa do escritor mineiro, em edição revista, agora acrescida do volume Viavária.

Duas antologias poéticas, por outro lado, oferecem ao leitor a possibilidade de conferir o percurso do escritor de forma seletiva: Oceano coligido (2000), publicado no Brasil pela Viramundo e Terra além mar (2005), publicado em Portugal, na Colecção Pasárgada, pela Ardósia Associação Cultural.

Por fim, a escritora suíça Prisca Agustoni, organizadora da antologia "Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais" (publicada em Portugal, em 2008, pela Ardósia Associação Cultural, sediada em Cascais) afirma que "A poesia de Iacyr Anderson Freitas explicita a procura, por vezes dolorosa, de coisas e sentimentos profundos e cotidianos que constituem a raiz ontológica do ser humano que, frequentemente, se encontra exilado num tempo e num espaço em estado de desmoronamento e que se agarra, desesperado, à palavra e à memória para salvar as sobras desse processo de desmantelamento interior" (p. 11-12).

Referências: AGUSTONI, Prisca (Org.). Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais. Cascais: Ardósia Associação Cultural, 2008. BRASIL, Assis (Org.). A poesia mineira no século XX. Rio de Janeiro: Imago, p. 266-269. BUENO, Alexei. Uma história da poesia brasileira. Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2007. p. 403-404. GONÇALVES, Magaly; AQUINO, Zélia; BELLODI, Zina (Org.). Antologia comentada da literatura brasileira: poesia e prosa. Petrópolis: Vozes, 2006.


Obra[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Verso e palavra. Juiz de Fora: Ed. do Autor, 1982.
  • Pedra-Minas. Juiz de Fora: D’Lira, 1984.
  • Colagem de bordo & outros poemas. Juiz de Fora: D’Lira, 1986.
  • Outurvo. Juiz de Fora: D’Lira, 1987.
  • Pedra-Minas & Memorablia. Juiz de Fora: D’Lira, 1989.
  • O aprendizado da figura. Juiz de Fora: D’Lira, 1989.
  • Sísifo no espelho. Juiz de Fora: D’Lira, 1990.
  • Primeiro livro de chuvas. Juiz de Fora: D’Lira, 1991.
  • Messe. Juiz de Fora: D’Lira, 1995.
  • Lázaro. Juiz de Fora: D’Lira, 1995.
  • Mirante. Juiz de Fora: D’Lira, 1999.
  • Oceano coligido (antologia poética). São Paulo: Viramundo, 2000.
  • Messe (edição revista). Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Cultura, 2000.
  • Dançar o nome (em co-autoria com Edimilson Pereira e Fernando Fiorese, contendo CD com leitura dos poemas). Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2000.
  • A soleira e o século. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2002.
  • Duo. Magdalena (Argentina): Edición Artesanal, 2004. Volume bilíngüe e bipartido, contendo também poemas de Victoria Asís.
  • Terra além mar (antologia poética). Cascais (Portugal): Ardósia Assoc. Cult., 2005.
  • Quaradouro. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2007.
  • Primeiras letras. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2007.
  • O cavalo alado e outros poemas. Juiz de Fora: Mary e Eliardo França Editores/ Zit Editores, 2004 – em co-autoria com Leo Cunha e Elias José. (infantil)
  • Eu tinha um gato branco que fugiu. Juiz de Fora: Franco Editora, 2004. (infantil)
  • Respeitável Público. Juiz de Fora: Mary e Eliardo França Editores, 2006. (infantil)

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • Heidegger e a origem da obra de arte. Juiz de Fora: D’Lira, 1993.
  • Quatro estudos. Juiz de Fora: D’Lira, 1998.
  • As perdas luminosas: uma análise da poesia de Ruy Espinheira Filho. Salvador: EDUFBA e Fundação Casa de Jorge Amado, 2001.


Ficção[editar | editar código-fonte]

  • O artista e a cidade. Juiz de Fora: Funalfa, 2000 - álbum comemorativo dos 150 anos de emancipação política de Juiz de Fora, com tiragem de cem exemplares, contendo texto autobiográfico do poeta e uma serigrafia de Dnar Rocha.
  • Trinca dos traídos. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2003.

Antologias e participações[editar | editar código-fonte]

  • Antologia da nova poesia brasileira (Org. Olga Savary). Rio de Janeiro: Hipocampo, 1992.
  • Pérolas do Brasil / Pearls of Brazil / Brazilian Gyöngyei (Org. e trad. Lívia Paulini). Belo Horizonte: AFML, 1993.
  • International Poetry Review: Brazil Issue. Greensboro (USA): University of North Carolina, spring 1997. Antologia org. e trad. por Steven White.
  • A poesia mineira no século XX (Org. Assis Brasil). Rio de Janeiro: Imago, 1998.
  • Anto (número 3, especialmente dedicado ao Brasil). Amarante (Portugal): Edições do Tâmega, 1998.
  • Fui eu (Org. Eunice Arruda). São Paulo: Escrituras Editora, 1998.
  • Reflexos da poesia contemporânea do Brasil, França, Itália e Portugal (Org. e trad. para o francês por Jean-Paul Mestas). Lisboa: Universitária Editora, 2000.
  • Ricerca research recherche. Lecce (Itália): Dipartimento di Lingue e Letterature Straniere - Universitá degli Studi di Lecce, nº 4, 1998. Seis poemas do autor foram traduzidos, para esta revista, por Vera Lúcia de Oliveira.
  • Baú de letras (Org. José Alberto Pinho Neves). Juiz de Fora: Funalfa, 2000.
  • Quanta terra!!! - Poesia e prosa brasileira contemporânea (Org. Amadeu Baptista). Almada (Portugal): Casa da Cerca, 2001.
  • Antología de la poesía brasileña (Org. e trad. Xosé Lois García). Santiago de Compostela (Espanha): Laiovento, 2001.
  • Letras da cidade (Org. Leila Barbosa e Marisa Timponi). Juiz de Fora: Funalfa, 2002.
  • Poesia em movimento (Org. Jorge Sanglard). Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2002.
  • Antologia comentada da literatura brasileira: poesia e prosa (Org. Magaly T. Gonçalves, Zélia T. de Aquino e Zina Bellodi). Petrópolis: Vozes, 2006.
  • Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais (Org. Prisca Agustoni). Cascais (Portugal): Ardósia Associação Cultural, 2008.
  • Os dias do amor – um poema para cada dia do ano (Org. Inês Ramos). Parede (Portugal): Ministério dos livros, 2009.
  • Portuguesia (Org. Wilmar Silva). Belo Horizonte: Anome, 2009.


Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

  • 1989 - Menção Especial no Prêmio Nacional Jorge de Lima, promovido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seu livro Sísifo no espelho.
  • 1990 - 1º lugar no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte (Poesia), promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, por seu livro Messe.
  • 1993 - 1º lugar no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte (Poesia), promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, por seu livro Lázaro.
  • 1997 - Diploma do Mérito Cultural, conferido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seu conjunto de obra.
  • 2000 - Prêmio Nacional Eduardo Frieiro (Ensaio), promovido pela Academia Mineira de Letras, por seu livro Quatro estudos.
  • 2001 - 1º lugar no Prêmio Nacional Joaquim Norberto, promovido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seus livros Messe e Oceano coligido.
  • 2002 - 1º lugar no Premio Internazionale Il Convivio (Poesia), promovido pela Accademia Internazionale Il Convivio (sediada na Itália), por seu livro Oceano coligido.
  • 2002 - 1º lugar no Prêmio Nacional Centenário de Oscar Mendes (Ensaio), promovido pela Academia Mineira de Letras, por seu livro As perdas luminosas.
  • 2003 - 1º lugar no Premio Internazionale Il Convivio (Poesia), promovido pela Accademia Internazionale Il Convivio (sediada na Itália), por seu livro A soleira e o século.
  • 2003 - 1º lugar no Prêmio Nacional Centenário de Hely Menegale (Poesia), promovido pela Academia Mineira de Letras, por seu livro A soleira e o século.
  • 2004 – Menção Honrosa no Prêmio Vivaldi Moreira (Poesia), promovido pela Academia Mineira de Letras, conferido a um livro inédito do poeta.
  • 2004 – Hors-concours no Prêmio de Poesia Centenário de Carminha Gouthier, promovido, em conjunto, pela Academia Mineira de Letras, pela AFEMIL e pela AMULMIG, por seu livro A soleira e o século.
  • 2005 – Menção Especial na 46ª edição do Premio Literario Casa de las Américas, em Cuba, por seu livro de contos Trinca dos traídos.
  • 2006 – Menção Honrosa no Prêmio Nacional Cassiano Ricardo (Poesia), promovido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seu livro Terra além mar.
  • 2007 – Prêmio Brasil América Hispânica (Poesia), promovido pela AFEMIL, por seu livro Terra além mar.
  • 2008 – Menção Honrosa no II Concurso Nacional Literatura para Todos (Poesia), promovido pelo Ministério da Educação (MEC), por seu livro Viavária.
Ícone de esboço Este artigo sobre um escritor do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.